Futebol futsal1

2,226 views

Published on

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,226
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
84
Actions
Shares
0
Downloads
75
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Futebol futsal1

  1. 1. Karina Rucci Brandão Ra. 299979-0
  2. 2. HISTORICO DO FUTEBOL ORIGEM E EVOLUÇÃO A organização do futebol coube aos ingleses, mas sua origem se perde no tempo. Voltemos o ano: 4.500 a.C.no Japão Chamava Kemari, significa chutar bola. Praticado por escravos “gandulas”. A bola era feita de fibras de bambu e entre as regras, o contato físico era proibido e usava pés e mãos para jogar. Para representar a área do gol usava arvores de cerejeiras.
  3. 3. •2.600 a.C. (China) O Imperador Huang Tse inventa Tsu Chu, significa bola no muro. O jogo servia para treinamento militar, os jogadores, sem deixar a bola cair, e com os pés, tentem passar além das duas estacas fincadas no campo. Estas estacas eram ligadas por um fio de cera. A bola era de couro e seu recheio cabelo e crina para que ficasse cheia.
  4. 4. •800 a.C. (Grécia) Os gregos criaram um jogo que se chamava Episkiros, usavam como treinamento militar, com 15 jogadores para cada lado com uma bola feita de bexiga de boi e coberta com uma capa de couro.
  5. 5. 100 a.C. (Roma) Chamado de Harpastum, os romanos adotam a bola e detalhes do jogo dos gregos, mas aprimoraram a regulamentação (linha de defesa, de ataque, esquema táticos, marcação de pontos). As regras se tornam mais rígidas.
  6. 6. 50 a.C. (França) O Soule ou Choule era praticado por militares que se dividiam em duas equipes: atacantes e defensores. Era permitido usar socos, pontapés, rasteiras e outros golpes violentos. Cada equipe era formada por 27 jogadores, onde grupos tinham funções diferentes no time: corredores, dianteiros, sacadores e guarda-redes.
  7. 7. 1.175 a 1.314 (Inglaterra) Várias cidades inglesas comemoram a expulsão dos soldados dinamarqueses. O barulho, a desorganização e a violência eram tão grandes que o rei Eduardo II teve que decretar uma lei proibindo a prática do jogo, condenando a prisão os praticantes.
  8. 8. 1.530 (Florença) Na Itália Medieval apareceu um jogo denominado Calcio Florentino. Era praticado em praças e os 27 jogadores por equipe (disposição tática – 15 atac. /5 def. avanç. / 4 / 3 def. de meta) deveriam levar a bola até os dois postes que ficavam nos dois cantos extremos da praça. A violência era muito comum, pois os participantes levavam para campo seus problemas causados, principalmente por questões sociais típicas da época medieval.
  9. 9. 1.681 (Inglaterra) Volta da prática do futebol (Rei Carlos II). Na Inglaterra, o jogo ganhou regras diferentes e foi organizado e sistematizado. O campo deveria medir 120 por 180 metros e nas duas pontas seriam instalados dois arcos retangulares chamados de gol. A bola era de couro e enchida com ar. Com regras claras e objetivas, o futebol começou a ser praticado por estudantes e filhos da nobreza inglesa. Aos poucos foi se popularizando.
  10. 10. 1.863 (Inglaterra) Reunião e fundação da Federação Inglesa de Futebol (separação entre defensores do Rugby e do Futebol); Jogo foi oficialmente codificado, a partir de novas regras estabelecidas por Cambridge; Difusão dos ensinamentos ( livros e cartilhas, por clubes, escolas)
  11. 11. 1.872 (Escócia) Primeiro Jogo internacional da história: Escócia 0 x 0 Inglaterra
  12. 12. 1.860 (Argentina) Trazidos por imigrantes e marinheiros ingleses, jogo conhecido com Jogo dos Loucos. Equipes formadas por cidadãos ingleses, diplomatas e funcionários das companhias de gás e estradas de ferro. Bairro de Palermo (1867): disputada a 1ª partida (nascimento do futebol argentino e também sulamericano). Alexander Watson Hutton (professor escosês, diretor do Colégio Inglês de Buenos Aires – “patrono do futebol argentino”): grande incentivador e criador do Alumni.
  13. 13. 1860 (Uruguai) Willian Leslie Poole (Colégio Britânico) 1889: primeiro jogo internacional. Entre ingleses de Buenos Aires e ingleses de Montevidéu (celebração dos 70 anos da rainha Vitória). 1906: o Alumi é a primeira equipe sul-americana a vencer uma equipe de outro continente (combinado da África do Sul, formado por ingleses). O Uruguai era, naquela época, o único pais do mundo que contava com negros em sua seleção nacional.
  14. 14. 1.894 (Brasil) Charles Miller viajou para Inglaterra e ao retornar ao Brasil em 1894, trouxe na bagagem a primeira bola de futebol e um conjunto de regras. Podemos considerar Charles Miller como sendo o precursor do futebol no Brasil. -O primeiro jogo de futebol no Brasil São Pulo Railway (Lodon Bank) x The Team of Gaz (Companhia de Gás);
  15. 15. -1889: Colégio Mackenzie (1º Time de Brasileiros); -Hans Nobling: organizou um time de brasileiros e desafiou o Mackenzie; -Protagonizou a 1ª “cisão” do futeol brasileiro (Internacional x S.C.Germania); -1902: realização do 1167 campeonato Paulista (e também Brasileiro) com 5 clubes: SPAC, Paulistano, Internacional, Germania e Mackenzie.
  16. 16. Fundação da FIFA (Paris – 21/ 05/ 1904) • Fundada a “Fédération Internationale de Football Asoociation” é a instituição internacional que dirige as associações de futebol, o esporte coletivo mais popular do mundo. Ao todo possui 210 países e/ou territórios na associação. Com esse número, é a instituição internacional que possui a maior quantidade de associados, inclusive mais associados do que a ONU. • Paises fundadores: França, Holanda, Espanha, Suiça, Bélgica, Dinamarca e Suécia.
  17. 17. Copa do Mundo (Campeonato Mundial de Futebol) • Jogos Olímpicos de Amsterdã (1928); escolhidos o ano (1930) e o local (Uruguai); disputa de 4 em 4 anos. Grande incentivador: Lulis Rimet.
  18. 18. Origem e Evolução do Futsal • O FUTEBOL DE SALÃO tem duas versões sobre o seu surgimento, como em outros esportes há divergências quanto a sua invenção.
  19. 19. Origem e Evolução do Futsal • Há uma versão que o Futebol de salão começou a ser jogado por volta de 1940 por freqüentadores da Associação Cristã de Moços, em São Paulo. Temos também a versão que considero como a mais provável, o Futebol de salão foi inventado em 1934 na Associação Cristã de Moços de Montevidéu, Uruguai, pelo professor Juan Carlos Ceriani.
  20. 20. Origem e Evolução do Futsal • As bolas eram de crina vegetal, serragem ou cortiça granulada e sofreram sucessivas modificações, diminuindo o seu tamanho e aumentando seu peso. • Daí o fato de o futebol de salão ser chamado também de "esporte da bola pesada". • De início as equipes variavam de número, tendo cinco, seis e até sete jogadores, mas pouco a pouco foi fixado o limite de cinco.
  21. 21. Origem e Evolução do Futsal • Acreditaram, porém, que o futebol jogado nos salões da ACM era violento demais, principalmente para os goleiros. Por isso, sua prática ficou restrita aos adultos, e assim mesmo esporadicamente.
  22. 22. Origem e Evolução do Futsal • 1933: redigidas as primeiras regras e distribuídas a todos os representantes da América do Sul (Uruguai – Instituto Técnico da Federação Sul-Americana das ACM’S) • 1942: praticado como esporte por crianças e adultos. • 1942 a 1948: Cria-se na ACM de São Paulo a comissão de Futebol de Salão; Torneios realizados entre clubes; Reuniões periódicas sobre os problemas desta modalidade (violência).
  23. 23. Origem e Evolução do Futsal • 1958: Confederação Brasileira de Desportos (CBD), oficializa a prática do Futebol de Salão, uniformizando suas regras, tendo como filiadas as Federações Estaduais. É criado o Conselho Técnico de Futebol de Salão (órgão subordinado à C.B. D) • Década de 80: Primeiros campeonatos PanAmericanos e Mundiais (Brasil é o grande destaque). • Década de 90: Surgiu o Futsal (fusão do Futebol de Cinco praticado pela FIFA com o Futebol de Salão praticado pela FIFUSA)
  24. 24. Técnica • Define –se técnica como todo o gesto ou movimento realizado pelo atleta que lhe permite dar continuidade e desenvolvimento ao jogo. É descrita também como uma série infindável de movimentos realizados durante uma partida, tendo como base os fundamentos.
  25. 25. Condução de Bola • É a ação de andar ou correr com a bola, próxima do pé, por todos os espaços possíveis de jogo, protegendo-a quando acossado pelo adversário. A condução da bola é o ato de deslocar-se com a bola, sem deixar que ela escape do seu domínio. Essa condução deverá ser realizada utilizando tanto o pé direito como o esquerdo, utilizando as várias formas possíveis de execução. A condução de bola é um dos fundamentos que propicia, durante o aprendizado, um maior tempo de contato com a bola, facilita o controle da bola e auxilia muito para realização de um drible.
  26. 26. Passe de bola • Passe é o ato de entregar a bola diretamente ao companheiro ou lançá-la em um espaço vazio da quadra. O passe possibilita o jogo em conjunto e a progressão das jogadas. A execução da técnica do passe facilitara também o aprendizado do chute de bola, pois ambos partem de um gesto motor muito parecido, mas com objetivos diferentes. Para que o passe seja bem executado devem–se observar alguns aspectos como a cabeça erguida, braços ligeiramente afastados, equilíbrio para a execução do movimento, o pé de apoio deve estar próximo da bola, facilitando o equilíbrio para a ação do pé de toque, intenção e objetivo ao tocar na bola, força adequada para que a bola percorra a distância estabelecida.
  27. 27. Passe de bola
  28. 28. Chute ao Gol ou Chute Simples • Chute é a impulsão dada a bola com um dos pés, tendo como o objetivo o gol adversário. Para alguns estudiosos o chute pode também ser defensivo, quando o objetivo é impedir as ações de ataque. É também um fundamento muito importante no Futebol e é utilizado com bola parada ou em movimento.
  29. 29. Classificação do chute E relação aos tipos e execução correspondente: • Simples – anterior (bico), dorso do pé (peito do pé) e interna, externa (triveta). • Voleio ou sem pulo – deve-se chutar a bola antes que a mesma toque no gramado.
  30. 30. Bicicleta – é um dos chutes mais bonitos do futebol. O jogador espera a bola de costas para o campo do adversário, percebe o momento que a bola esta à altura de sua cabeça, saltando no momento exato, eleva em primeiro lugar a perna que vai chutar, tocando na bola com o dorso do pé.
  31. 31. Domínio e recepção de bola • Domínio é a ação de receber a bola e deixá-la sob controle. Quando se intercepta a trajetória de uma bola passada ou arremessada, estamos receptando a bola. É a ação que se realiza para receber a bola, vinda de um passe ou rebatida pelos outros jogadores, que tem como objetivo maior colocar a bola em condições adequadas para ser jogada em seguida.
  32. 32. Domínio e recepção de bola Em relação à execução Nas recepções rasteiras – face interna, face externa, dorso e solado dos pés. Nas recepções à meia altura – dorso dos pés, face interna e externa dos pés e coxas e anterior da coxa. Nas recepções parabólicas – irá depender da entrada do jogador na bola. Em princípio poderá ser realizada utilizando qualquer tipo de bola. Nas execuções altas – peito, ombro e cabeça.
  33. 33. Drible e finta • O drible é uma ação individual com a bola que consiste numa combinação de recursos tais como o equilíbrio, a velocidade de arranque, agilidade, descontração muscular, ritmo, muita malicia sentido de improvisação. O drible nada mais é que ultrapassar o adversário com a posse de bola.
  34. 34. Cabeceio na bola • Cabeceio é o ato de golpear a bola com a cabeça coma intenção de fazer um passe, afastar a bola da linha de defesa e principalmente com o intuito de fazer o gol. O movimento do cabeceio é complexo, onde o pescoço se movimenta, os braços se afastam para manter o equilíbrio, o tronco e as pernas se ajustam ao restante do corpo para que o atleta consiga realmente ser bem-sucedido em seu cabeceio.
  35. 35. Controle de bola • Conhecido popularmente como “embaixada”, constitui-se em um fundamento técnico que demonstra um elevado nível de habilidade do jogador.
  36. 36. Processos Pedagógicos • Através do processo pedagógico, o educando tem a possibilidade de conhecer seu corpo a partir de vivências diversificadas de movimentos, a modalidade esportiva em toda sua amplitude. (Fundamentos, Técnicas e Táticas).
  37. 37. Método Analítico • Este método consiste na aprendizagem simples de cada fundamento técnico básico do futebol de forma separada, utilizando para isso as seqüências pedagógicas, onde a técnica é ensinada passo a passo através de exercícios que partem do mais fácil e gradativamente vai se aumentando o grau de dificuldade até chegar à execução completa de determinada técnica
  38. 38. Método Global • Pra entendermos esse método, basta que haja a prática do desporto ou da modalidade como um todo. Isto é, parte-se do princípio do que se aprende um desporto através do próprio jogo.
  39. 39. Método Lúdico • Sem dúvida, esse é o método, se não o mais em voga na atualidade, o mais popular adotado na iniciação dos esportes. A adoção desse método se faz presente em todas as realidades e níveis dos esportes. É possível que os elementos técnicos ou táticos, abordados de uma maneira lúdica, ou seja, recreativa, propiciem ao docente um melhor aprendizado do esporte.
  40. 40. Nomenclatura do Futsal
  41. 41. Nomenclatura do Futebol
  42. 42. Legenda • • • • • • • • • • • • G-goleiro; LB-líbero; ZE-zagueiro ESQUERDO; ZD-zagueiro DIREITO; LD-lateral-direiro; LE-lateral-esquerdo; VOL-volante; ME-meia-esquerda; MD-meia-direita; MO-meia-ofensivo; A1/A2-atacantes. CT - centoavante
  43. 43. Fim!!! Karina Rucci Brandão Ra. 299979-0
  44. 44. Referencias Bibliográficas DARIDO, Suraya Cristina, SOUZA, Osmar Moreira jr. Para ensinar educação física. 2º edição. Campinas, São Paulo Editora: Papirus, 2007. DUARTE, Orlando. História dos esportes. 3º edição. Publicado por senac, 1899. MARCELLINO, Nelson Carvalho. Lazer e Esporte. São Paulo: Editora Autores Associados, 2001. pág 32 TEMPOLLER, Carlos Alberto, MERINO, Eduardo. Métodos e planos para o ensino dos esportes. São Paulo: Editora Ulbra, 2006. TEMPOLLER, Carlos Alberto. Futsal: Ensino e Prática. Editora da Ulbra, 1899. VOSER, Rogério da Cunha, GUIMARÃES, Marcos Giovani Vieira, RIBEIRO, Everton Rodrigues. Futebol: História, Técnica e treino de goleiro. São Paulo: Editora Edipucrs, 2006. VOSER, Rogério da Cunha. Iniciação ao futsal. 2º edição. São Paulo : Editora Ulbra, 1899.

×