SlideShare a Scribd company logo
1 of 10
Quem somos?
O que queremos?
Por que queremos?
Como faremos?
O que faremos?
Qual é o programa?
Quando vai rolar?
Quanto vai custar?
Qual é a do GP?
Cronograma
Uma startup Yanomami de ecoturismo sustentável
Aldeia yanomami do Marari e ao fundo a Serra Aramamisi: Foto Edson Sato
Projeto
Yaripo
Brief GP
#planning4good
1
Quem somos?
Um projeto colaborativo em prol da diversidade
socioambiental e da sustentabilidade dos Yanomami
Associação Yanomami do Rio
Cauaburis e Afluentes - AYRCA

Instituto Socioambiental - ISA

Instituto Chico Mendes - ICMbio

Fundação Nacional do Índio - FUNAI

2ª Brigada de Infantaria de Selva -
Exército

Instituto Federal da Amazônia - IPAM

Secretaria de Turismo de São Gabriel
da Cachoeira - STSGC
O que queremos?
Viabilizar o desenvolvimento de uma
startup de ecoturismo sustentável dos
Yanomami, na bacia do Rio Cauaburis,
na região do Pico da Neblina.
Atrair pessoas para conhecer os
Yanomami e o lugar precioso
onde vivem, aprender um pouco
da sua cultura e desfrutar da
sua hospitalidade.
Yanomami na Aldeia Demini,: Foto: Kristian Bengtson
Que os preconceitos sejam
superados e a aliança em defesa dos
direitos indígenas seja ampliada.
Grupo de Planejamento - GP
3
Vista aérea da aldeia Demini do povo Yanomami, Amazonas. Foto ISA
Por que queremos?
Turismo de base comunitária e gestão do
empreendimento pelos próprios Yanomami
Como faremos?
Capacitaremos e
beneficiaremos diretamente 80
Yanomami que passarão a ter renda
prestando serviços como
guias, carregadores, cozinheiros,
serviços gerais, barqueiros, artesãos e
coordenadores.
Para melhorar a qualidade de vida
dos Yanomami dessa região, através
de um fluxo de renda contínuo e uma
maior fiscalização do seu território
contra o garimpo clandestino e
outros intrusos.
Os Yanomami são o maior povo
indígena do mundo que ainda vive na
floresta, somando cerca de 50 mil
pessoas em centenas de aldeias
transfronteiriças (Brasil e Venezuela).
E beneficiaremos indiretamente cerca de
1.635 pessoas, pois o lucro da startup
será revertido para a comunidade,
seguindo as decisões da assembléia
geral da AYRCA, da qual participam
todos os Yanomami da região.
4
Pico da Neblina. Foto Wikipedia
O que faremos?
Condições essenciais para que os Yanomami
possam levar turistas ao Yaripo ou Pico da Neblina
O Yaripo, como é chamado em idioma
Yanomami o Pico da Neblina, ponto
mais alto do Brasil (2,994 m), está
fechado para atividades turísticas
desde 2003, por determinação do
IBAMA.
Os Yanomami, e ninguém mais, estão
prestes a obter a licença oficial
para levar visitantes ao Yaripo, numa
experiência pioneira para criar uma
economia sustentável em terra
indígena.
Este projeto vai:
(1) viabilizar a realização do Plano de
Visitação aprovado pelos orgãos
competentes, participantes desse
projeto,
2) promover a capacitação dos
Yanomami e
(3) criar a infraestrutura básica
necessária para que
sejam desenvolvidas as atividades de
ecoturismo ao Pico da Neblina, tendo
a Associação dos Yanomami como
gestora do empreendimento.
5
Yanomami caçando, Toototobi, Terra Indígena Yanomami, Foto ISA.
Qual é o programa?
Expedição com os Yanomami ao Yaripo ou Pico da Neblina
Um grupo de 10 turistas é recebido
em São Gabriel da Cachoeira,
Amazonas, onde chega de avião, via
Manaus, para se instruir da expedição
e pernoitar.
A aventura começa no dia seguinte,
com uma viagem de 98 km em
estrada de terra e 4x4 até o Rio
Cauaburis, onde esperam os barcos
a motor ou “voadeiras” dos
Yanomami.
Uma nova viagem, desta vez fluvial,
de 6 a 8 horas, até a aldeia
Yanomami de Maturacá, onde a
expedição janta e pernoita. E se
prepara para a fase primordial da
experiência.
No dia seguinte, começa a jornada,
uma longa caminhada de 6 dias de
ida e volta.
Guiados por 6 Yanomami, a missão é
ir e voltar do Pico da Neblina, de
onde se pode avistar a Amazônia
espraiada.
6
Somente no começo de 2018 a
startup Yaripo começará a operar.
Antes é preciso demarcar as trilhas,
mapear as condições climáticas ao
longo do ano, construir as malocas de
hospedagem durante a expedição,
capacitar os Yanomami a fazer a
gestão do empreendimento, a prestar
primeiros socorros, a cozinhar para os
turistas, a pilotar os barcos que
levarão ao sopé da montanha etc.
Estimamos um máximo de 25
expedições ou 250 visitantes por ano,
a partir do início de 2018.
Só para os fortes de pernas, com
coração generoso e espírito
socioambiental.
Seis dias de ida e volta, subindo e
descendo pelas trilhas dos índios na
floresta, no campo, no brejo e no
terreno rochoso
Dormindo em redes nas malocas a
serem especialmente construídas ao
longo do caminho para oferecer maior
conforto.
Quando vai rolar?
Uma experiência insólita, intensa, para poucas pessoas,
a partir de 2018
Aldeia de Watoriki (Demini), Amazonas. Foto ISA
7
A startup Yaripo precisa de R$ 850 mil
em desembolsos programados ao
longo de um ano e meio para ajudar
os Yanomami a se prepararem, sem
contar a comissão eventual da
agência.
Depois, quando a startup começar a
operar em 2018, estimamos o preço
por visitante em torno de R$ 7 mil
pelos 8 dias com os Yanomami
(excluído o custo do traslado aéreo até
Manaus e de lá até São Gabriel da
Cachoeira, de onde sai a expedição).
Ou seja, cada grupo de 10 turistas
pagará à startup R$ 70 mil. São
números preliminares para dar uma
ideia do custo básico de uma
expedição
Anualmente, portanto, o potencial de
negócio para os Yanomami, entre
remunerações pessoais e receita
comunitária, atinge R$ 1.750.000,00,
que farão toda a diferença na sua
qualidade de vida.
Quanto vai custar?
Yanomami, Demini, Terra Indígena Yanomami. © Ana Maria Antunes Machado
Capacitação e criação da infra-estrutura de ecoturismo
8
YARIPO entrará para a história como
a primeira startup indígena de
ecoturismo sustentável.
Será também uma oportunidade
única de associação de marca(s)
inovadoras e pioneiras com quatro
símbolos mundialmente
emblemáticos em tempos de
mudanças climáticas: a Amazônia, o
povo indígena Yanomami, o Pico da
Neblina virgem e a Economia
Sustentável.
Imagine Coca-Cola ou Guaraná em
promoção de verão para
ecoturistas: 100 jovens sendo os
primeiros a subir ao Yaripo em 2018.
Mastercard ou Personnalité
proporcionando uma experiência
única para adultos aventureiros.
Nike ou Curtlo criando produto para
a expedição, calçado ou mochila.
Natura ou Boticário se associando
ao relato filmado no YouTube sobre
os meses de preparo dos Yanomami
para criar a 1ª startup indígena de
ecoturismo sustentável. 
Qual é a do GP?
Timóteo Xirixana na floresta, Expedição Õkãpomaɨ - A
defesa da Terra Indígena Yanomami, Roraima.
Voluntários do programa planning4good do GP saberão
seduzir as marcas para viabilizar a startup Yaripo
Encontro de Xamãs, maloca do Demini, T. I. Yanomami. © Beto Ricardo/ISA
Qual é a do GP?
Vamos subir o Yaripo?
Do YouTube ao Vímeo, do
Instagram ao Flickr, do Twitter ao
Facebook, as oportunidades de
entrega de conteúdo e engajamento
nas mídias sociais são imensas.
Há poucos dias, em Porto Velho, o
Google Earth Solidário realizou a II
Oficina de Novas Tecnologias e
Povos Tradicionais, em parceria
com o ECAM (Equipe de
Conservação da Amazônia).
Dois Yanomami aprenderam a usar
as ferramentas Open Data Kit (ODK)
e Google Earth Engine, por meio de
smartphones doados. Vão mapear
as trilhas do Pico da Neblina.
O programa Planning4Good do
Grupo de Planejamento poderá
contribuir de maneira decisiva,
persuadindo grandes marcas a
aproveitar essa oportunidade
histórica e se associar de maneira
relevante ao nascimento e ao
fortalecimento da 1ª startup
indígena de ecoturismo sustentável.
Cronograma
CRONOGRAMA*–*
*
Atividades#
2016# 2017# 2018#
07# 08# 09# 10# 11# 12# 01# 02# 03# 04# 05# 06# 07# 08# 09# 10# 11# 12# 01# 02# 03# 04# 05# 06#
1.1.#6
a
#etapa#de#elaboração#do#Plano#de#Visitação# X# # # # # #
Período#das#festas#tradicionais#
# # # # # # # # # # #
Período#das#festas#tradicionais#
# # # # #
1.2.#Assembleia#Geral#da#AYRCA# X# # # # # # # # # # # X# # # # # # # # # # #
1.3.#7
a
#etapa#de#elaboração#do#Plano#de#Visitação# # # # # X# # # # # # # # # # # # # # # # # #
1.4.#Envio#do#Plano#de#Visitação#para#Funai#e#ICMBio# # # # # # X# # # # # # # # # # # # # # # # #
2.1.#Construção#da#casa#de#apoio#“Xapono#do#Visitante”# # # # # # # X# X# # # # # # # # # # # # # # #
2.2.#Construção#de#4#casas#de#apoio#ao#longo#da#trilha# # # # # # # # # # X# X# # # # # # # # # # # #
2.3.#Construção#do#banheiro#ecológico#nas#5#casas#de#apoio## # # # # # # # # # # X# # # # # # # # # # # #
2.4.#Reforma#da#sede#da#AYRCA# # # # # # # # # # # # # X# # # # # # # # # #
2.5.#Aquisição#dos#equipamentos# # # # # # # # # # # # # X# # # # # # # # # #
3.1.#I#Curso#de#culinária# # # # # X# # # # # # # # # # # # # # # # # #
3.2.#II#Curso#de#culinária# # # # # # # # # X# # # # # # # # # # # # # #
3.3.#Curso#de#primeiros#socorros# # X# # # # # # # # # # # # # # # # # # # # #
3.4.#Curso#de#manutenção#de#motores#de#popa# # # X# # # # # # # # # # # # # # # # # # # #
3.5.#Curso#de#boas#práticas#para#navegação# # # # X# # # # # # # # # # # # # # # # # # #
3.6.#Curso#para#Guias# # # # # # # # # # # # X# # # # # # # # # # #
3.7.#Visita#ao#Monte#Roraima# # # # # # # # # # # # # # # X# # # # # # # #
3.8.#Visita#a#outra#experiência#de#ecoturismo#(local#a#definir)# # # # # # # # # # # # # # # # # X# # # # # #
3.9.#Seis#oficinas#de#capacitação#em#gestão#para#a#AYRCA# # # # # # # # # X# # # X# # X# # X# # # X# # # X#
3.10.#Visitação#teste#de#cinco#grupos#de#turistas/assessores# # # # # # # # # # # # # # # # # # X# X# X# X# X#
3.11.#Formação#contínua#durante#o#processo# X# X# X# X# X# X# X# X# X# X# X# X# X# X# X# X# X# X# X# X# X# X#
*
*
* *

More Related Content

Similar to Projeto Yaripo (7)

1 projeto cooepaomio
1  projeto cooepaomio1  projeto cooepaomio
1 projeto cooepaomio
 
Agrinho valkiria e simône
Agrinho valkiria e simôneAgrinho valkiria e simône
Agrinho valkiria e simône
 
Receptivo no complexo do alemão
Receptivo no complexo do alemãoReceptivo no complexo do alemão
Receptivo no complexo do alemão
 
Agrinho valkiria e simône
Agrinho valkiria e simôneAgrinho valkiria e simône
Agrinho valkiria e simône
 
Agrinho valkiria e simône
Agrinho valkiria e simôneAgrinho valkiria e simône
Agrinho valkiria e simône
 
Folha verde Junho 2016
Folha verde Junho 2016Folha verde Junho 2016
Folha verde Junho 2016
 
LUAC - Quem somos versão web wide
LUAC - Quem somos versão web wideLUAC - Quem somos versão web wide
LUAC - Quem somos versão web wide
 

More from juracrav

More from juracrav (6)

Marketing Glossary - London Business School
Marketing Glossary - London Business SchoolMarketing Glossary - London Business School
Marketing Glossary - London Business School
 
Grupo de Planejamento 2012: 10 anos - Fundamentos & Fundadores
Grupo de Planejamento 2012: 10 anos - Fundamentos & FundadoresGrupo de Planejamento 2012: 10 anos - Fundamentos & Fundadores
Grupo de Planejamento 2012: 10 anos - Fundamentos & Fundadores
 
Estrategia em Propaganda
Estrategia em PropagandaEstrategia em Propaganda
Estrategia em Propaganda
 
Menu Festival do Celler de Can Roca, Harmonizado.
Menu Festival do Celler de Can Roca, Harmonizado.Menu Festival do Celler de Can Roca, Harmonizado.
Menu Festival do Celler de Can Roca, Harmonizado.
 
Introdução de Jurandir Craveiro a "O Futuro da Comunicação e da Mídia Social"...
Introdução de Jurandir Craveiro a "O Futuro da Comunicação e da Mídia Social"...Introdução de Jurandir Craveiro a "O Futuro da Comunicação e da Mídia Social"...
Introdução de Jurandir Craveiro a "O Futuro da Comunicação e da Mídia Social"...
 
Caso Oi 2002-2006
Caso Oi 2002-2006Caso Oi 2002-2006
Caso Oi 2002-2006
 

Projeto Yaripo

  • 1. Quem somos? O que queremos? Por que queremos? Como faremos? O que faremos? Qual é o programa? Quando vai rolar? Quanto vai custar? Qual é a do GP? Cronograma Uma startup Yanomami de ecoturismo sustentável Aldeia yanomami do Marari e ao fundo a Serra Aramamisi: Foto Edson Sato Projeto Yaripo Brief GP #planning4good 1
  • 2. Quem somos? Um projeto colaborativo em prol da diversidade socioambiental e da sustentabilidade dos Yanomami Associação Yanomami do Rio Cauaburis e Afluentes - AYRCA Instituto Socioambiental - ISA Instituto Chico Mendes - ICMbio Fundação Nacional do Índio - FUNAI 2ª Brigada de Infantaria de Selva - Exército Instituto Federal da Amazônia - IPAM Secretaria de Turismo de São Gabriel da Cachoeira - STSGC O que queremos? Viabilizar o desenvolvimento de uma startup de ecoturismo sustentável dos Yanomami, na bacia do Rio Cauaburis, na região do Pico da Neblina. Atrair pessoas para conhecer os Yanomami e o lugar precioso onde vivem, aprender um pouco da sua cultura e desfrutar da sua hospitalidade. Yanomami na Aldeia Demini,: Foto: Kristian Bengtson Que os preconceitos sejam superados e a aliança em defesa dos direitos indígenas seja ampliada. Grupo de Planejamento - GP
  • 3. 3 Vista aérea da aldeia Demini do povo Yanomami, Amazonas. Foto ISA Por que queremos? Turismo de base comunitária e gestão do empreendimento pelos próprios Yanomami Como faremos? Capacitaremos e beneficiaremos diretamente 80 Yanomami que passarão a ter renda prestando serviços como guias, carregadores, cozinheiros, serviços gerais, barqueiros, artesãos e coordenadores. Para melhorar a qualidade de vida dos Yanomami dessa região, através de um fluxo de renda contínuo e uma maior fiscalização do seu território contra o garimpo clandestino e outros intrusos. Os Yanomami são o maior povo indígena do mundo que ainda vive na floresta, somando cerca de 50 mil pessoas em centenas de aldeias transfronteiriças (Brasil e Venezuela). E beneficiaremos indiretamente cerca de 1.635 pessoas, pois o lucro da startup será revertido para a comunidade, seguindo as decisões da assembléia geral da AYRCA, da qual participam todos os Yanomami da região.
  • 4. 4 Pico da Neblina. Foto Wikipedia O que faremos? Condições essenciais para que os Yanomami possam levar turistas ao Yaripo ou Pico da Neblina O Yaripo, como é chamado em idioma Yanomami o Pico da Neblina, ponto mais alto do Brasil (2,994 m), está fechado para atividades turísticas desde 2003, por determinação do IBAMA. Os Yanomami, e ninguém mais, estão prestes a obter a licença oficial para levar visitantes ao Yaripo, numa experiência pioneira para criar uma economia sustentável em terra indígena. Este projeto vai: (1) viabilizar a realização do Plano de Visitação aprovado pelos orgãos competentes, participantes desse projeto, 2) promover a capacitação dos Yanomami e (3) criar a infraestrutura básica necessária para que sejam desenvolvidas as atividades de ecoturismo ao Pico da Neblina, tendo a Associação dos Yanomami como gestora do empreendimento.
  • 5. 5 Yanomami caçando, Toototobi, Terra Indígena Yanomami, Foto ISA. Qual é o programa? Expedição com os Yanomami ao Yaripo ou Pico da Neblina Um grupo de 10 turistas é recebido em São Gabriel da Cachoeira, Amazonas, onde chega de avião, via Manaus, para se instruir da expedição e pernoitar. A aventura começa no dia seguinte, com uma viagem de 98 km em estrada de terra e 4x4 até o Rio Cauaburis, onde esperam os barcos a motor ou “voadeiras” dos Yanomami. Uma nova viagem, desta vez fluvial, de 6 a 8 horas, até a aldeia Yanomami de Maturacá, onde a expedição janta e pernoita. E se prepara para a fase primordial da experiência. No dia seguinte, começa a jornada, uma longa caminhada de 6 dias de ida e volta. Guiados por 6 Yanomami, a missão é ir e voltar do Pico da Neblina, de onde se pode avistar a Amazônia espraiada.
  • 6. 6 Somente no começo de 2018 a startup Yaripo começará a operar. Antes é preciso demarcar as trilhas, mapear as condições climáticas ao longo do ano, construir as malocas de hospedagem durante a expedição, capacitar os Yanomami a fazer a gestão do empreendimento, a prestar primeiros socorros, a cozinhar para os turistas, a pilotar os barcos que levarão ao sopé da montanha etc. Estimamos um máximo de 25 expedições ou 250 visitantes por ano, a partir do início de 2018. Só para os fortes de pernas, com coração generoso e espírito socioambiental. Seis dias de ida e volta, subindo e descendo pelas trilhas dos índios na floresta, no campo, no brejo e no terreno rochoso Dormindo em redes nas malocas a serem especialmente construídas ao longo do caminho para oferecer maior conforto. Quando vai rolar? Uma experiência insólita, intensa, para poucas pessoas, a partir de 2018 Aldeia de Watoriki (Demini), Amazonas. Foto ISA
  • 7. 7 A startup Yaripo precisa de R$ 850 mil em desembolsos programados ao longo de um ano e meio para ajudar os Yanomami a se prepararem, sem contar a comissão eventual da agência. Depois, quando a startup começar a operar em 2018, estimamos o preço por visitante em torno de R$ 7 mil pelos 8 dias com os Yanomami (excluído o custo do traslado aéreo até Manaus e de lá até São Gabriel da Cachoeira, de onde sai a expedição). Ou seja, cada grupo de 10 turistas pagará à startup R$ 70 mil. São números preliminares para dar uma ideia do custo básico de uma expedição Anualmente, portanto, o potencial de negócio para os Yanomami, entre remunerações pessoais e receita comunitária, atinge R$ 1.750.000,00, que farão toda a diferença na sua qualidade de vida. Quanto vai custar? Yanomami, Demini, Terra Indígena Yanomami. © Ana Maria Antunes Machado Capacitação e criação da infra-estrutura de ecoturismo
  • 8. 8 YARIPO entrará para a história como a primeira startup indígena de ecoturismo sustentável. Será também uma oportunidade única de associação de marca(s) inovadoras e pioneiras com quatro símbolos mundialmente emblemáticos em tempos de mudanças climáticas: a Amazônia, o povo indígena Yanomami, o Pico da Neblina virgem e a Economia Sustentável. Imagine Coca-Cola ou Guaraná em promoção de verão para ecoturistas: 100 jovens sendo os primeiros a subir ao Yaripo em 2018. Mastercard ou Personnalité proporcionando uma experiência única para adultos aventureiros. Nike ou Curtlo criando produto para a expedição, calçado ou mochila. Natura ou Boticário se associando ao relato filmado no YouTube sobre os meses de preparo dos Yanomami para criar a 1ª startup indígena de ecoturismo sustentável.  Qual é a do GP? Timóteo Xirixana na floresta, Expedição Õkãpomaɨ - A defesa da Terra Indígena Yanomami, Roraima. Voluntários do programa planning4good do GP saberão seduzir as marcas para viabilizar a startup Yaripo
  • 9. Encontro de Xamãs, maloca do Demini, T. I. Yanomami. © Beto Ricardo/ISA Qual é a do GP? Vamos subir o Yaripo? Do YouTube ao Vímeo, do Instagram ao Flickr, do Twitter ao Facebook, as oportunidades de entrega de conteúdo e engajamento nas mídias sociais são imensas. Há poucos dias, em Porto Velho, o Google Earth Solidário realizou a II Oficina de Novas Tecnologias e Povos Tradicionais, em parceria com o ECAM (Equipe de Conservação da Amazônia). Dois Yanomami aprenderam a usar as ferramentas Open Data Kit (ODK) e Google Earth Engine, por meio de smartphones doados. Vão mapear as trilhas do Pico da Neblina. O programa Planning4Good do Grupo de Planejamento poderá contribuir de maneira decisiva, persuadindo grandes marcas a aproveitar essa oportunidade histórica e se associar de maneira relevante ao nascimento e ao fortalecimento da 1ª startup indígena de ecoturismo sustentável.
  • 10. Cronograma CRONOGRAMA*–* * Atividades# 2016# 2017# 2018# 07# 08# 09# 10# 11# 12# 01# 02# 03# 04# 05# 06# 07# 08# 09# 10# 11# 12# 01# 02# 03# 04# 05# 06# 1.1.#6 a #etapa#de#elaboração#do#Plano#de#Visitação# X# # # # # # Período#das#festas#tradicionais# # # # # # # # # # # # Período#das#festas#tradicionais# # # # # # 1.2.#Assembleia#Geral#da#AYRCA# X# # # # # # # # # # # X# # # # # # # # # # # 1.3.#7 a #etapa#de#elaboração#do#Plano#de#Visitação# # # # # X# # # # # # # # # # # # # # # # # # 1.4.#Envio#do#Plano#de#Visitação#para#Funai#e#ICMBio# # # # # # X# # # # # # # # # # # # # # # # # 2.1.#Construção#da#casa#de#apoio#“Xapono#do#Visitante”# # # # # # # X# X# # # # # # # # # # # # # # # 2.2.#Construção#de#4#casas#de#apoio#ao#longo#da#trilha# # # # # # # # # # X# X# # # # # # # # # # # # 2.3.#Construção#do#banheiro#ecológico#nas#5#casas#de#apoio## # # # # # # # # # # X# # # # # # # # # # # # 2.4.#Reforma#da#sede#da#AYRCA# # # # # # # # # # # # # X# # # # # # # # # # 2.5.#Aquisição#dos#equipamentos# # # # # # # # # # # # # X# # # # # # # # # # 3.1.#I#Curso#de#culinária# # # # # X# # # # # # # # # # # # # # # # # # 3.2.#II#Curso#de#culinária# # # # # # # # # X# # # # # # # # # # # # # # 3.3.#Curso#de#primeiros#socorros# # X# # # # # # # # # # # # # # # # # # # # # 3.4.#Curso#de#manutenção#de#motores#de#popa# # # X# # # # # # # # # # # # # # # # # # # # 3.5.#Curso#de#boas#práticas#para#navegação# # # # X# # # # # # # # # # # # # # # # # # # 3.6.#Curso#para#Guias# # # # # # # # # # # # X# # # # # # # # # # # 3.7.#Visita#ao#Monte#Roraima# # # # # # # # # # # # # # # X# # # # # # # # 3.8.#Visita#a#outra#experiência#de#ecoturismo#(local#a#definir)# # # # # # # # # # # # # # # # # X# # # # # # 3.9.#Seis#oficinas#de#capacitação#em#gestão#para#a#AYRCA# # # # # # # # # X# # # X# # X# # X# # # X# # # X# 3.10.#Visitação#teste#de#cinco#grupos#de#turistas/assessores# # # # # # # # # # # # # # # # # # X# X# X# X# X# 3.11.#Formação#contínua#durante#o#processo# X# X# X# X# X# X# X# X# X# X# X# X# X# X# X# X# X# X# X# X# X# X# * * * *