Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Historia da tv brasileira

2,780 views

Published on

Seis décadas da televisão brasileira - comentários.

Published in: Education
  • Be the first to comment

Historia da tv brasileira

  1. 1. História da TV e Comunicação Digital Professor: Júlio Rocha Disciplina: Rádio e TV 2 4º Período de Publicidade e Propaganda Outubro de 2013
  2. 2. Fases de desenvolvimento da TV no Brasil Elitista – anos 50: televisor como luxo / teleteatro. Populista – anos 60: programas de auditório e MPB. Modernização – anos 70: padrão de qualidade. Transição democrática – anos 80: popularização e narrativas juvenis. TV em divergência – anos 90: pré-digitalização. TV em convergência – anos 00: reality shows e transmídias.
  3. 3. Antecedentes: imaginação televisual  Anúncios publicitários: rádio + cinema – para consumo coletivo
  4. 4. Utopia, futurismo e irrealidade
  5. 5. Fase 1: Estreia da TV Tupi  Empreendedorismo e improvisos, desde 1946 – Chateaubriand.  (18/setembro/1950) Hino da TV, discursos, publicidade, TV na Taba (Lima Duarte, Mazzaropi, Hebe Camargo e Ivon Curi e outros). Sem programação para o dia seguinte.
  6. 6. Anunciantes  Importância na viabilização da TV
  7. 7. Assistir em grupo: eventos públicos
  8. 8. Anos 50: teleteatro  Nomes do rádio: Walter Foster e Cassiano Gabus Mendes.  E do teatro: Madalena Nicol, Procópio Ferreira, Maria Della Costa, Ziembinsky, Cacilda Becker, Sérgio Britto, Paulo Autran, Fernanda Montenegro  Primeiro programa: A vida por um fio (1950). Direção: CGM e Demerval Costa Lima. Com Lima Duarte, Walter Foster e Lia de Aguiar, entre outros.
  9. 9. Anos 50: teleteatro  Formato ao vivo e unitário (sem divisões em capítulos).  Adaptações de clássicos: Shakespeare, Goethe, Dostoiévski, Lorca, Nelson Rodrigues, Pirandello (TV de Vanguarda, programa da Tupi).
  10. 10. Anos 50: telenovelas  Primeira: Sua vida me pertence (1951), de Walter Foster, com Vida Alves e o próprio. Primeiro beijo na TV.  Até 1963:  Exibições 2 a 3 dias/semana, com uma média de 20 capítulos.  Poucos personagens: 6 a 10  Sem horários reservados.  O final de cada capítulo já incluía gancho com suspense.  Inspiração nas radionovelas – tradição folhetinesca.
  11. 11. Anos 50: seriados  Alô Doçura – 1954: visto como versão brasileira de I Love Lucy. Com o casal John Hebert e Eva Wilma.  Vigilante Rodoviário: TV Tupi (1961-62), em película.
  12. 12. Anos 60: programação para a família  Faixas de programação de acordo com a rotina da casa.  Horários diários reservados a categorias de programas.  Domingo com programação especial.  Fórmula da TV Globo: novelas intercaladas por telejornal.
  13. 13. Anos 60: do público à audiência popular  Tradição no rádio (modelo de produção e estética).  Cinema como inspiração audiovisual.  IBOPE e patrocinadores.
  14. 14. Anos 60: MPB e Jovem Guarda  TV Record: Fino da Bossa (maio de 1965) e Jovem Guarda (setembro de 1965).
  15. 15. Anos 60: era dos festivais  Canais: Record, Excelsior, TV Rio, Globo.  Consolidação da indústria cultural (fonográfica) no Brasil.
  16. 16. Anos 60: programas de auditório      Flavio Cavalcanti (TV Rio, Tupi, Excelsior). Chacrihna (TV Rio, Excelsior, Bandeirantes, Globo...). Programa Silvio Santos (TV Globo, 1968-76). O Homem do Sapato Branco (TV Globo, 1968-69). Dercy Popular (66-67) e Dercy de Verdade (67-70) – TV Globo.
  17. 17. Anos 70: modernização  Censura do regime militar.  Novos programas: tecnologia + linguagem: Jornal Nacional (1969, o primeiro em rede nacional).  Novelas, Casos Especiais, Globo-Shell Especial, Vila Sésamo, Amaral Neto – O Repórter.  Substituição dos apresentadores populares.  Fantástico, 1973: jornalismo e entretenimento.  Globo Repórter, 1973 (Eduardo Coutinho, João Batista de Andrade, Walter Lima Júnior e outros cinemanovistas).  1973: padrão (Globo) de qualidade (primazia do videoteipe).
  18. 18. Anos 70: modernização na teledramaturgia  Novos autores: Dias Gomes, Oduvaldo Vianna Filho, Janet Clair, Bráulio Pedroso.  Substituição parcial do folhetinesco pelas produções originais focadas no universo urbano.  Realismo: “qualquer semelhança com pessoas vivas ou mortas ou fatos acontecidos terá sido mera coincidência”.  Beto Rockfeller (Tupi, 68-69) e Véu de Noiva (Globo, 69).
  19. 19. Anos 70: modernização na teledramaturgia  Janet Clair – Irmãos Coragem (1970): a primeira a contar com cidade cenográfica. Selva de Pedra (1972) – pico de audiência.
  20. 20. Anos 70: modernização na teledramaturgia      Estilos diferentes para cada horário: 18h – adaptação de obras literárias – Escrava Isaura (1976). 19h - temas leves, cômicos e contemporâneos – Estúpido Cúpido. 20h – grandes temas e romantismo – Pecado Capital (1975). 22h – produções experimentais – Bem Amado (1973) e Saramandaia (1976) – burlesco, satírico e grotesco.
  21. 21. Anos 70: Glauber Rocha no Abertura  1979: câmera ágil, temas antes proibidos, favelados e retirantes ao lado de políticos.  Inspiração para produtores de vídeo dos anos 80.  Interatividade, diálogo com meios impressos, desconstrução.  Nacionalismo, antropofagia, Tropicalismo.
  22. 22. Anos 80: transição democrática     SBT, 1981: o moderno e o popular. Origem no Programa Silvio Santos dos anos 60. Necessidade de rede para o Baú da Felicidade. Jogos e competições: Domingo no Parque e Qual é a Música?.
  23. 23. Anos 80: transição democrática     Modernização do popular: o brega. Crises inicias: exibição de enlatados. Silvio Santos, Viva a Noite, Bozo. 1986: nova programação – Hebe e A Praça é Nossa.
  24. 24. Anos 80: a volta do mundo cão     O Povo na TV. Aqui e Agora. Novelas mexicanas: Carrossel (1991-92).
  25. 25. Anos 80: programação juvenil      Armação Ilimitada (1985), Globo. Fábrica do Som (1983), TV Cultura. TV Mix (1988), TV Gazeta. TV Pirata (1988), Globo. Que Rei Sou Eu? (89) e Guerra dos Sexos (83).
  26. 26. Anos 90: TV em divergência  Segmentação, canais pagos, videocassete e primeiras experiências de interatividade.  Popularização e produções mexicanas no SBT.  Qualidade na Manchete: Pantanal.  Globo ameaçada: Linha Direta e Você Decide.
  27. 27. Anos 2000: TV em convergência  Início da digitalização.  Programação segue em sites, blogs, redes sociais e celulares – transmídia.  Reality Shows.
  28. 28. Anos 2000: TV em convergência Cinema e TV em associação. DOC TV – TV Pública. Guel Arraes – TV Globo. Novelas na TV e na web.
  29. 29. Referências M  ATTOS, Sérgio. História da televisão brasileira: uma visão econômica, social e política. 2a ed. Petrópolis: Editora Vozes, 2002. R IBEIRO, Ana Paula Goulart; SACRAMENTO, Igor; ROXO, Marco (org.). História da televisão no Brasil: do início aos dias de hoje. São Paulo: Editora Contexto, 2010.

×