Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
TENDÊNCIAS
JUAN ISAZA - THE INSIGHT POINT | www.juanisaza.com | @juanisaza
CLASSE DE
2017
Que ano acabamos de concluir! Não houve falta de confrontos, debates acalorados,
frustrações e incertezas. ...
1. PODER PURO
2. NADA É CERTO
3. CONSTRUÇÃO DO MURO
4. MULTI-BOTS
5. ASSINATURA
6. REALIDADE MULTICAMADAS
7. FACILMENTE DI...
PODER PURO
Após um ano de alta tensão em que sabíamos que o mundo passaria por uma "extrema polaridade", é chegada uma
fas...
A palavra para o ano de 2016, de acordo com o dicionário Oxford, foi "pós-verdade", enquanto para a Merriam-
Webster foi "...
A proposta emblemática e contestada de Trump durante a sua campanha torna-se uma inspiração simbólica que nos
fala sobre o...
Robôs de todos os tipos, formas e tamanhos estão se tornando uma parte de nossas vidas com cada dispositivo e
a cada inter...
Este ano, veremos novas ideias que nos mostrarão a evolução das empresas com produtos que descobrem o potencial
que envolv...
A realidade aumentada, assim como a realidade virtual, parece ter atingido a maturidade em 2016 ao ter mobilizado
uma gran...
Ao longo deste ano, continuaremos a ver muitos exemplos de produtos, aplicativos e serviços que facilitam nossas
vidas. Ma...
Como vimos nos últimos anos, os fatores demográficos são cada vez menos determinantes no modo como a vida é
vivida, nas mar...
FONTES DE
INFORMAÇÃO
www.buzzfeed.com
www.coolhuntermx.com
www.digitaltrends.com
www.economist.com
www.emarketer.com
www.f...
Vice-Presidente de Planejamento Estratégico
da DDB Latina, divisão DDB Worldwide, que
inclui América Latina, Espanha e o m...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Tendências 2017

4,808 views

Published on

Tendências de consumidor 2017

Published in: Marketing

Tendências 2017

  1. 1. TENDÊNCIAS JUAN ISAZA - THE INSIGHT POINT | www.juanisaza.com | @juanisaza
  2. 2. CLASSE DE 2017 Que ano acabamos de concluir! Não houve falta de confrontos, debates acalorados, frustrações e incertezas. A polaridade extrema que tínhamos previsto estava aumentando em tensão, culminando em um ano em que quase todas as sociedades haviam se dividido em duas grandes faixas. Previmos a influência que as minorias (gênero e raça, bem como a identidade sexual) teriam. E esses elementos estavam claramente no centro de todos os debates, ajudando a neutralizar a parte da sociedade determinada em manter as maiorias tradicionais. Assim como previmos, a sociedade abriu sua mente, e foi aprovada a legislação sobre novos meios de contratação e outras formas de família. Novos debates relacionados à sobrevivência do planeta e da sociedade nos uniram, mas também nos dividiram em relação a alguns segmentos da sociedade. Mais uma vez, como todos os anos, temos de enfatizar que janeiro não significa que iniciamos novos assuntos ou que surgirão novas tendências. Muitas das observações do relatório anterior continuam em vigor. Na verdade, algumas estão fervendo. É por isso que as oito tendências deste ano, em alguns casos, são a evolução lógica das anteriores, enquanto em outras, o testemunho de novos assuntos começam a nos interessar e certamente ocuparão nossa atenção nos próximos anos. Bem-vindo a 2017, um ano em que, como será visto em muitos assuntos, o otimismo será posto à prova como jamais antes. Esperemos que os confrontos nos mantenham longe de guerras e nos ensinem a viver melhor como uma sociedade unida. Torceremos para isso. Torceremos para isso. Torceremos para isso.
  3. 3. 1. PODER PURO 2. NADA É CERTO 3. CONSTRUÇÃO DO MURO 4. MULTI-BOTS 5. ASSINATURA 6. REALIDADE MULTICAMADAS 7. FACILMENTE DIFÍCIL 8. ADOLESCÊNCIA ETERNA OS 8 DE 2017
  4. 4. PODER PURO Após um ano de alta tensão em que sabíamos que o mundo passaria por uma "extrema polaridade", é chegada uma fase em que veremos pouca conciliação e muita imposição. 2017 será um ano de agressividade e confrontos. O mundo está dividido entre os que protestarão e os que tomarão represálias contra esses protestos. Já faz algum tempo que o ditado "poder é poder agir" não era visto com tanta força. Em 2017, o autoritarismo se tornará a pessoa do ano. Os líderes "todo-poderosos" aparecem em diferentes áreas geográficas que, embora democraticamente eleitos, buscarão governar pressionando as instituições a fazerem a vontade deles. Agora que o centenário da revolução russa será comemorado, parece que a ideia de um líder que irá se levantar contra as instituições ou tradições políticas e impor suas ideias é a inspiração de muitas pessoas do governo contemporâneo. Mas o autoritarismo não será um tema exclusivamente político. Quem tem o poder o exercerá. No setor privado, os gestores deixarão de ser politicamente corretos e decidirão contra ou a favor dos que consideram um perigo para os seus interesses. Um exemplo que ilustra muito bem esse tipo de líder empresarial que atua como um líder político é Elon Musk e sua decisão de anunciar publicamente o cancelamento de uma ordem para um modelo X da Tesla, para um investidor que o tinha criticado por uma de suas aparições públicas. Outro tema que será muito comum será o populismo, tanto de esquerda quanto de direita, especialmente na Europa. A revista Time chama esses líderes de "Europops", entre os quais, algumas mulheres que inspirarão muitos líderes políticos e sociais a assumir uma posição de autoridade e revelar figuras femininas fortes, combatíveis e desafiadoras. Alguns preveem que a eleição presidencial na França será uma réplica do que os Estados Unidos passaram em 2016. Finalmente, nessa luta pelo poder, precisamos mencionar o papel que os hackers e suas decisões de governar a seu modo terão. A revista Time apontou hackers como uma das pessoas do ano em dezembro devido à sua capacidade de penetrar no Departamento de Justiça e na Agência de Segurança Nacional dos Estados Unidos, roubando informações médicas, fotos e senhas de cidadãos privados e celebridades. Veremos mais casos de "governo democrático", como no caso do Anonymous na África em junho do ano passado, quando bloquearam o site da South African Broadcasting Corporation após os usuários pedirem para tomar represálias contra a empresa devido ao racismo e à censura. COM RELAÇÃO ÀS MARCAS... Mais uma vez, as marcas se virão obrigadas a participar em muitos casos. Em um mundo em que muitas causas políticas ou sociais serão abertamente debatidas, as marcas terão de declarar sua posição, não apenas com discursos, mas com ações. Cotas sobre a diversidade de funcionários e vendedores em empresas continuarão a ser questionadas, e as marcas terão de declarar o que pensam. As conexões entre empresas e líderes políticos ou seus oponentes serão examinadas. As marcas terão que estar prontas para dizer o que pensam e perder um grupo importante de usuários quando as mesmas não pronunciarem a verdade ou optarem por permanecer em silêncio. REFERÊNCIAS: http://tinyurl.com/revolution100 http://tinyurl.com/elonmusktesla http://tinyurl.com/franceelections http://tinyurl.com/timemaghack http://tinyurl.com/africaanonimous
  5. 5. A palavra para o ano de 2016, de acordo com o dicionário Oxford, foi "pós-verdade", enquanto para a Merriam- Webster foi "surreal". Até a objetividade será subjetiva em um mundo no qual nada será completamente verdadeiro ou completamente real. Enquanto muitos líderes mostrarão que a verdade é maleável, as pessoas utilizarão a ambiguidade como idioma principal. NADA É CERTO A controvérsia que surgiu sobre as notícias falsas no Facebook e o seu impacto nas eleições presidenciais já produziu uma reação da maior rede social do mundo, que anunciou que controlará os conteúdos falsos e impedirá a sua distribuição. Mas, mesmo assim, será muito difícil evitar que as notícias um pouco falsas ou apresentadas a partir de uma perspectiva subjetiva conquistem espaço nas mídias sociais. É por essa razão que veremos pessoas valorizando mais as notícias obtidas de fontes com uma tradição de credibilidade e seriedade. Nessa controvérsia sobre a verdade e a mentira, alguns citam Bauman e o seu termo "cegueira moral" para descrever um mundo que incentiva a insensibilidade em questões morais. Um mundo onde tudo é relativo, como o aquecimento global, que alguns continuaram a afirmar que não existe. Não há líderes (ou personalidades, líderes empresariais ou parceiros) comprovados. Todos possuem acusações contra eles, e cada um deles tem uma sombra de dúvida sobre suas cabeças. A reação natural será buscar espaço para a verdade e para que todos possam dar a sua própria versão. Ouvir a todos igualmente e permitir que todos expressem a sua opinião parece ser o procedimento em muitas áreas. Vale ressaltar o caso do Blind, um aplicativo que permite que funcionários de empresas expressem anonimamente suas preocupações, discutam problemas internos e até mesmo votem por qualquer tipo de iniciativa. Todos os sistemas semelhantes que surgem em diferentes esferas, dedicados a fazer sinais ou reclamações, serão um alívio, mas também um grande risco de versões não necessariamente verdadeiras ou meias-verdades. O que é verdadeiro e o que é falso, muitas vezes, serão dois conceitos impossíveis de diferenciar. A era da pós-verdade fará com que sejamos menos literais. Para os políticos e líderes governamentais, pronunciando-se de forma mais ambígua, e as pessoas utilizando emojis para expressar emoções e sentimentos, talvez com maior precisão para a pessoa que os envia, mas com várias possibilidades de interpretação. Os cidadãos estão se distanciando das palavras como forma de expressão. A Mintel fala da tendência do "sem palavras" e afirma que 66% dos americanos utilizam emojis regularmente em suas comunicações. Talvez esta seja uma reação natural a um mundo em que a imprecisão possui diversas vantagens. COM RELAÇÃO ÀS MARCAS… As marcas têm a oportunidade de serem validadores. A grande oportunidade é utilizar a sua tradição e o seu capital de credibilidade em um mundo onde tudo será questionado. As corporações, mesmo as maiores ou as que estiveram nos olhos do consumidor por muito tempo, terão a oportunidade de ajudar as pessoas a discernir entre o que é verdadeiro e o que é falso. Apoiar os meios de comunicação, tanto os tradicionais quanto os novos geradores de conteúdo, para encontrar as verdades e testar o que dizem e reivindicar com ações será uma grande oportunidade para o patrocínio e conteúdo patrocinado. REFERÊNCIAS: http://tinyurl.com/posttruthsurreal http://tinyurl.com/falsenewsfb http://tinyurl.com/mblindnessbauman http://tinyurl.com/blindapplication http://tinyurl.com/professionalcopycats http://tinyurl.com/withoutwordsmintel
  6. 6. A proposta emblemática e contestada de Trump durante a sua campanha torna-se uma inspiração simbólica que nos fala sobre o que cada cidadão tentará fazer em sua própria vida. Fechar-se, cercar-se e assegurar o próprio bem-estar fará com que as pessoas formem guetos que busquem proteger o próprio espaço emocional, pessoal e financeiro. CONSTRUÇÃO DO MURO A capacidade de relaxar ou de simplesmente se desligar do mundo passa a ser uma forma de riqueza e poder, muitas vezes a negação de uma realidade externa que não queremos viver. Grupos fechados de pessoas com interesses ou características semelhantes aparecerão em todas as partes do planeta. GENDR, um aplicativo pago em que pessoas com diferentes identidades sexuais podem ter um espaço privado com ajuda, apoio e comunidade. Ou a Noirbnb, a plataforma temporária de aluguel de apartamentos e casas, semelhante à Airbnb, mas apenas para negros, como forma de garantir o acesso a imóveis totalmente livres de discriminação. Veremos casos muito comuns, como cortes de alimentação com menu exclusivamente vegetariano em São Paulo, Brasil, ou The Hope Factory, um programa para empreendedores para o qual somente pessoas com deficiências podem participar. Sociedades e clubes para pessoas com condições semelhantes estarão ajudando umas às outras a criar o seu próprio muro para assegurar a segurança e tranquilidade das mesmas. Nos últimos tempos, a maior parte do tempo que passamos on-line é em plataformas com mensagens diretas, mais do que em plataformas públicas. O melhor exemplo é o WhatsApp, onde as pessoas estão cada vez mais dispostas a interagir com as marcas, espaços que tendem a ser apenas para plataformas públicas, como o Twitter. Este ano, veremos novos aplicativos e programas para seguir rotinas de exercícios personalizados que nos permitirão ter a nossa própria rotina, fechados dentro da nossa própria parede, mesmo quando estamos em um ginásio com centenas de pessoas ao nosso redor. Os Estados Divididos da América, um termo inventado pela revista Time, fala de isolamento, separação e ruptura, valores que estarão inevitavelmente presentes na vida das pessoas em 2017. A obsessão em se isolar e se proteger pode ser levada ao extremo quando alguém decide até mesmo se armar como uma ferramenta para se sentir mais protegido. Nos Estados Unidos, onde o uso de armas de fogo por civis tem sido debatido por muitos anos, veremos expressões tão extremas quanto as reuniões de proteção pessoal no estilo de "Tupperware" para a recomendação e compra de armas de fogo entre amigos e familiares. COM RELAÇÃO ÀS MARCAS… As marcas terão a possibilidade de unir, conectar e derrubar as paredes entre as pessoas. Com mensagens inclusivas de marcas falando de proximidade e reconciliação, a preferência de muitos que se sentirão deslocados em um mundo de muros pode ser conquistada. Mas também com soluções específicas para alguns grupos, que podem ser a origem de oportunidades para produtos, aplicativos móveis e espaços comerciais para aqueles que definitivamente precisam ou querem ser isolados, construindo o seu próprio muro. REFERÊNCIAS: http://tinyurl.com/gendrapplication http://tinyurl.com/noirbnbwebsite http://tinyurl.com/veganparksp http://tinyurl.com/hopefactory http://tinyurl.com/socialmessagingapps http://tinyurl.com/personalprotectionparties
  7. 7. Robôs de todos os tipos, formas e tamanhos estão se tornando uma parte de nossas vidas com cada dispositivo e a cada interação. A crescente "cognição" das coisas tornará a inteligência artificial, alimentada pela informação, mais presente em nossas vidas. Nós nos sentiremos invadidos, mas entenderemos que isso é um mal necessário. Controverso, mas essencial. MULTI-BOTS Uma das notícias que causará muita conversa será a abertura da primeira loja AmazonGo em Seattle. Será um supermercado em que não haverá caixas registradoras e os clientes simplesmente levarão os produtos e, ao sair da loja, suas compras serão automaticamente cobradas da sua conta. Começaremos a viver num mundo "Grab and Go" (pegar e sair), onde podemos nos mover livremente enquanto a tecnologia nos acompanha e antecipa o nosso próximo passo. Um bom exemplo disso é o Digit, considerado um dos melhores aplicativos do ano e muito útil para aqueles que têm dificuldade quando o assunto é poupar dinheiro. Este aplicativo aprende as despesas de uma pessoa e hábitos de consumo automaticamente, para debitar o dinheiro destinado à poupança no momento mais conveniente. Talvez já tenhamos estado em um chat de atendimento ao cliente de algum site em que a pessoa do outro lado era um robô e não um ser humano. E possivelmente nem percebemos isso. Este é um exemplo perfeito de como os robôs estarão assumindo cada vez mais as funções do pessoal de atendimento. De uma forma completamente natural, eles conquistarão um espaço em nossas interações com as marcas. Como se pode esperar, isso ocorrerá no meio de um debate constante sobre as implicações sociais e trabalhistas. Da mesma forma, a confiabilidade e a segurança desses sistemas serão debatidas na medida em que os testes com carros de autocondução começarem a substituir, parcial ou totalmente, os motoristas. Continuará a ascensão de informações e dados nas mãos dos melhores e mais complexos dispositivos que enviarão informações e nos ajudarão a controlar e medir cada área de nossas vidas. Mais dispositivos conectados demonstrarão "cognição", um termo utilizado por Kevin Kelly para nos dizer que veremos mais e mais objetos que "pensarão", graças ao uso de inteligência artificial, que estarão mais e mais baratos e totalmente disponíveis em nuvem. Veremos um mundo fascinado em testar os limites da inteligência artificial para descobrir até que ponto ela pode ir. Cabe destacar casos, como Ross, o primeiro "juiz" do mundo criado com inteligência artificial, utilizado para resolver casos de falência. Falaremos sobre o próximo grande artista, que será um robô, o primeiro trailer de filme criado por uma máquina, ou Daddy's Car, a primeira música do mundo criada pela inteligência artificial. COM RELAÇÃO ÀS MARCAS... A facilidade de acesso às formas de inteligência artificial que ajudam a oferecer um melhor serviço aos clientes, particularmente por meio de respostas de áudio, estão dando origem ao conceito de experiência de usuário "audiofônica", conforme ocorre com a experiência do usuário que, até agora, estava extremamente interligada ao conceito de telas. As marcas que começam a se preocupar em assegurar uma boa interação auditiva desenvolverão uma vantagem que será muito apreciada pelos usuários que querem se relacionar com a marca através da forma mais antiga de interação humana: a conversa. REFERÊNCIAS: http://tinyurl.com/amazongomarket http://tinyurl.com/digitapplication http://tinyurl.com/rossrobotlawyer http://tinyurl.com/nextandywarhol http://tinyurl.com/daddyscarai http://tinyurl.com/uxforsound
  8. 8. Este ano, veremos novas ideias que nos mostrarão a evolução das empresas com produtos que descobrem o potencial que envolve aprender a vender serviços. De mãos dadas com uma economia compartilhada e um consumidor não interessado em ser proprietário, descobriremos que é possível fazermos assinatura de tudo o que precisamos em nossas vidas diariamente. ASSINATURA Até pouco tempo atrás, uma assinatura de televisão nos dava acesso a um certo número de canais, de acordo com o preço do pacote, bem como a possibilidade de comprar conteúdo exclusivamente sob demanda. Porém, um dia, a Netflix surgiu e mudou o conceito de assinatura de conteúdo audiovisual para sempre. Da Amazon, aprendemos que poderíamos assinar produtos cosméticos e de higiene pessoal que utilizamos regularmente. Presenciamos o surgimento de negócios semelhantes com vinhos, alimentos para animais de estimação, "audiobooks" e ingredientes de cozinha. Kevin Kelly, em seu livro "O Inevitável", fala sobre todas as empresas que surgiram nos últimos anos, que estão envolvidas com a venda de serviços ou o acesso aos serviços, sem possuir esses ativos. Ele assegura que haverá novas empresas que buscarão oferecer, por exemplo, a alimentação como um serviço (food as a service, FaS), com estruturas em que há uma assinatura em vez de uma compra, em que o usuário recebe regularmente o número necessário de calorias ou proteínas, e para o qual o mesmo assina. A Soylent, a empresa que propôs substituir uma refeição por dia e se oferece para enviar aos seus clientes um suprimento das garrafas necessárias a cada mês, poderia voltar com mais força em 2017 após a reformulação que fez em alguns de seus produtos. Um bom exemplo disso é o Drip, um aplicativo de Londres que permite que uma pessoa pague antecipadamente todos os cafés de um mês, o que pode ser resgatado em um grande número de lojas locais afiliadas, pagando uma taxa fixa. Não é de surpreender que estejamos começando a ver serviços que oferecem uma taxa fixa para todas as nossas necessidades. Como a Uber, que fez um teste em algumas cidades dos Estados Unidos com o seu programa Uber Plus: um pagamento fixo a cada mês com a promessa de receber um pacote de 20 ou 40 viagens por um preço especial. Por quanto tempo podemos usar estas coisas através de subscrição ao  invés de ter que comprá-las? Certamente não por muito tempo, nesta sociedade onde todos gostariam de possuir menos e acessar coisas somente quando necessário COM RELAÇÃO ÀS MARCAS... Nos últimos anos, muitas marcas se tornaram obcecadas com o trabalho em uma experiência de usuário sem atrito, quase sempre observando exclusivamente a interação do usuário com plataformas tecnológicas. É hora de observar também os modelos de negócios para as marcas que poderiam ajudar a consolidar esse mundo sem atrito. Há um novo ambiente "omnichannel", no qual os clientes se movem de forma linear e continuam com a marca, como o que acontece com uma assinatura, e não por meio de transações isoladas e não contínuas. REFERÊNCIAS: http://tinyurl.com/kellyinevitable http://tinyurl.com/soylentsubscribe http://tinyurl.com/dripcoffeeapp http://tinyurl.com/ubersuscribeservice
  9. 9. A realidade aumentada, assim como a realidade virtual, parece ter atingido a maturidade em 2016 ao ter mobilizado uma grande parte do planeta. Adicionar camadas à realidade que vivemos parece ser a melhor analogia do que acontecerá na vida das pessoas. Em vez de uma única identidade e uma única pessoa, buscaremos acrescentar novas dimensões à nossa vida pessoal e profissional. REALIDADE MULTICAMADAS Para muitos analistas, a coisa mais valiosa sobre a ascensão do Pokémon Go foi ter provado que a realidade aumentada poderia ser convertida em um fenômeno de massas e poderia estar em nossos telefones celulares e em nossas vidas diárias. Colocar um óculos em nosso mundo para fornecer informações, orientações, companheirismo ou simplesmente diversão estará cada vez mais presente com novos aplicativos e serviços. O conteúdo que, até agora, recebemos de forma passiva, começará a ter "camadas" de interação que nos permitam ter novas experiências. Como o The Void, um parque temático de realidade virtual que recentemente abriu em Nova York e permite aos participantes vivenciar um filme, como "Ghostbusters", com os participantes sendo os que salvam a cidade dos vilões. A realidade virtual nos ajudará a sermos seres humanos melhores, como o experimento "Be Fearless", lançado pela Samsung, no qual as pessoas superam suas fobias. E também para sermos funcionários melhores e mais eficientes com a ajuda de hologramas que orientarão os trabalhadores em suas tarefas ou poderão treiná-los para que aprendam enquanto realizam alguma atividade. Mas as camadas não estarão apenas na realidade virtual. Nos espaços físicos, as experiências terão novos significados. A Airbnb lançou viagens em 12 cidades em todo o mundo, um novo produto em que os moradores locais podem oferecer passeios que têm a ver com diferentes assuntos ou experiências. O que é mais interessante é que eles são apresentados no site da Airbnb com a aparência de um trailer de filme. Aventuras que os turistas podem "estrelar". Mais camadas, e desta vez mais controversas, surgirão quando a onda de "Mukbangers" coreanos no mundo se expandir: vídeos do YouTube em que as pessoas são vistas comendo quantidades infinitas de comida na frente da câmera ou comprando centenas de produtos freneticamente. É essa maneira de viver outras realidades que adiciona camadas de entretenimento ou liberdade para a nossa vida diária. COM RELAÇÃO ÀS MARCAS... A grande oportunidade consiste em revisar as experiências que os consumidores vivem e compreender como os espaços reais e virtuais agregam valor em relação à marca. Após vários casos de marcas que criaram espaços de varejo com funções diferentes da venda de produtos, a Minute Maid criou um local temporário onde as pessoas poderiam escrever cartas para seus entes queridos para o Natal. Ou o caso da Ikea, que, no Reino Unido, começou a incluir um novo uso para suas lojas como espaços onde os clientes podem cozinhar suas próprias refeições. Com o apoio de chefs famosos conectados virtualmente, os clientes podem criar um jantar incrível que seus amigos podem desfrutar, dando assim às lojas uma utilidade totalmente nova e não conectada (pelo menos diretamente) com o setor de vendas. REFERÊNCIAS: http://tinyurl.com/thevoidpark http://tinyurl.com/fearlessvirual http://tinyurl.com/hologramworkplace http://tinyurl.com/tripsbyairbnb http://tinyurl.com/mukbangvideos http://tinyurl.com/ikeadiningclub
  10. 10. Ao longo deste ano, continuaremos a ver muitos exemplos de produtos, aplicativos e serviços que facilitam nossas vidas. Mas também, algumas coisas fáceis e próximas vão se tornar inalcançáveis. Parece contraditório, mas as pessoas saberão muito bem como receber essas iniciativas que acrescentam um pouco de mistério e dificuldade para o que é acessível e parte da vida diária. FACILMENTE DIFÍCIL Em uma sociedade em que tudo é possível e nada parece impossível de se conhecer ou alcançar, o gosto pelo que é exclusivo ou único retorna. Sparks & Honey fala de "atrito premium" e explica que, devido à velocidade de tudo o que acontece hoje em dia, ter que esperar por algo gera interesse nas pessoas. Às vezes, a escassez é criada artificialmente para agregar valor e interesse nas pessoas. É possível que este ano veremos novos exemplos de lugares cujo marketing é baseado na ideia de coisas secretas ou escondidas. Muitos se lembram dos anos dos bares "speakeasy" durante a proibição nos Estados Unidos. Esse termo inspira uma produção de teatro interativo muito popular em São Francisco. Os lugares onde o uso de telefones celulares é proibido, ou opções de conexão são limitadas continuarão a ser mais atraentes entre muitas pessoas que querem vivenciar dificuldades em um mundo em que se desconectar tornou- se um luxo. Mas, ao mesmo tempo, continuaremos vendo coisas que, por muitos anos foram tabus, se tornarem uma atividade diária e aceita. Temas como a pornografia, terão novas perspectivas. O livro popular de David J. Ley mostra que há uma ética na pornografia e, em seu livro, ele convida as pessoas a utilizá-la de forma útil e responsável. O Pornhub, o portal pornográfico gratuito, chegou à New York Fashion Week, patrocinando o desfile Hood by Air do designer Shayne Oliver. O que parecia ser escondido e secreto se abre completamente. O que é difícil e tudo o que leva tempo e esforço, como a educação, está sendo posto ao alcance diário do cidadão. A LSN Global diz que a educação é a próxima fronteira para as marcas. Em alianças com universidades e por meio de novas formas de educação, as pessoas desmistificarão o que significa ter um diploma universitário. Com formas de estudo adaptadas ao seu tempo e espaço, elas continuarão a alcançar o reconhecimento acadêmico que anteriormente era apenas para alguns. No mesmo sentido, o aplicativo Curious tem destaque, o convidando uma pessoa a descobrir informações valiosas de uma forma simples, passando apenas alguns minutos por dia na frente de uma tela de telefone celular. COM RELAÇÃO ÀS MARCAS... A grande oportunidade estará em descobrir as situações em que exigir algum esforço dos consumidores trará uma recompensa e agregará valor em relação à marca. Vale mencionar o caso do Pacto Porrón, uma campanha criada pela cervejaria Quilmes na Argentina para convidar os consumidores a devolver as garrafas. Em troca, a marca prometeu não aumentar os preços. Se, de fato, há motivadores evidentes para cuidar do planeta e de tudo o mais, o que é atraente é a "aliança" entre o cliente e a empresa para uma tarefa que exija esforço e comprometimento. REFERÊNCIAS: http://tinyurl.com/premiumfriction http://tinyurl.com/speakeasysf http://tinyurl.com/ethicalley http://tinyurl.com/brandeducators http://tinyurl.com/curiouswebsite http://tinyurl.com/pactoporron
  11. 11. Como vimos nos últimos anos, os fatores demográficos são cada vez menos determinantes no modo como a vida é vivida, nas marcas que são compradas ou nas decisões que são tomadas. A vida é montada de acordo com o interesse de cada momento. Essa é a razão pela qual a adolescência, o período mais maleável da vida, representa como queremos viver hoje. Nada está entalhado em pedra. Somos todos uma vida em construção. ADOLESCÊNCIA ETERNA J. Walker Smith diz que vivemos em uma sociedade obcecada pelo medo de "não mudar". Ou seja, pela primeira vez na história, o que assusta o cidadão não é mudança, mas o fato de que as coisas permaneçam como estão. Somos iguais a adolescentes impacientes que querem que o mundo seja diferente a cada dia, que a notícia nos surpreenda com algo totalmente inesperado, ou que as marcas deixem de ser tão previsíveis. Vemos essa atitude adolescente no sexo. Sparks & Honey fala de "poliamor" e prevê que os casais monogâmicos serão cada vez mais confrontados por diferentes aspectos de sexualidade e gênero. Muitos deles têm a ver com aplicativos, como o Tinder, que adiciona um milhão de novos usuários por semana e já está operando em 196 países. Essas identidades em construção também serão auxiliadas pelo Bro, um aplicativo recentemente relançado, que permite aos homens se conectarem uns aos outros para amizade ou o que quer que aconteça. Em diferentes partes do planeta, termos foram criados para os indivíduos que não querem deixar o conforto das casas dos pais. Na Austrália, eles são chamados "kidults", um grupo que possui uma influência social porque afeta as relações entre gerações e transforma muitos dos paradigmas sobre o que significa ser um adulto produtivo. Não é de modo algum surpreendente que ser um "YouTuber" ou "Instagramer" se tornou a profissão mais desejável para muitas pessoas. E em toda essa discussão sobre o que significa ser independente e obter renda, ouviremos o termo "mincome" ou renda básica universal, que muitos, como a Singularity University, têm falado há muito tempo. O que aconteceria se todos recebessem uma renda mínima que lhes permitisse viver? Com a discussão sobre os funcionários que se encontrariam substituídos por máquinas, essa questão estará permanentemente na pauta do público. E muito próximo disso, a discussão sobre o significado da felicidade. Muitas sociedades deixarão de se questionar apenas sobre o crescimento econômico e perguntarão sobre a felicidade do seu povo. É interessante observar que os Emirados Árabes Unidos criaram, recentemente, um Ministério da Felicidade, e converteu a classificação da felicidade que a ONU publica como medida relevante para o governo. O pensamento adolescente de viver extremamente feliz com o mínimo de esforço poderia, muito em breve, ser a base das políticas públicas. COM RELAÇÃO ÀS MARCAS... De acordo com J. Walker Smith, nesta sociedade onde o medo de "não mudar" é recompensado, a única opção que as marcas têm é "go off script". Ou seja, deixar as estruturas pré-fabricadas e movimentar-se de uma maneira imprevisível. Pessoas obcecadas pela mudança esperam marcas capazes de surpreendê-las a cada passo. Isso exigirá que entendamos a construção da marca e o valor da consistência de uma maneira totalmente diferente. REFERÊNCIAS: http://tinyurl.com/fearnochange http://tinyurl.com/broapplication http://tinyurl.com/kidultsaustralia http://tinyurl.com/mincomesingularity http://tinyurl.com/uaehappiness
  12. 12. FONTES DE INFORMAÇÃO www.buzzfeed.com www.coolhuntermx.com www.digitaltrends.com www.economist.com www.emarketer.com www.forbes.com www.forrester.com www.fortune.com www.huffingtonpost.com www.iconoculture.com www.leonardo1452.com www.luckie.com www.npr.org www.psfk.com www.sparksandhoney.com www.springwise.com www.techspot.com www.thecoolhunter.net www.thefuturescompany.com www.time.com www.trendcentral.com www.trendhunter.com www.trendland.com www.trendoriginal.com www.trendwatching.com www.wired.com
  13. 13. Vice-Presidente de Planejamento Estratégico da DDB Latina, divisão DDB Worldwide, que inclui América Latina, Espanha e o mercado hispânico nos EUA; escreve regularmente para seu blog https://juanisaza.wordpress.com/ Relatórios anteriores, de até dois anos, estão disponíveis no site: www.slideshare.net/ juanisaza Este documento pode ser reproduzido totalmente ou parcialmente, desde que a fonte e link para o site sejam citados. Facebook: https://www.facebook.com/ juanisazaplanner/ Twitter: @juanisaza JUAN ISAZA

×