AS INTERVENÇÕES DA REDE SOCIAL MY ENGLISH CLUB NOS AMBIENTES PRESENCIAIS DE APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA

355 views

Published on

Resumo expandido de artigo apresentado no IX Encontro de Documentação em Software Livre e VI Congresso Internacional de Linguagem e Tecnologia Online, em 2012. UFMG.

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
355
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
2
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

AS INTERVENÇÕES DA REDE SOCIAL MY ENGLISH CLUB NOS AMBIENTES PRESENCIAIS DE APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA

  1. 1. IX Encontro Virtual de Documentação em Software Livre e VI Congresso Internacional de Linguagem e Tecnologia online (Evidosol/Ciltec-online) Ano: 2012 – Volume: 1 – Número: 1 AS INTERVENÇÕES DA REDE SOCIAL MY ENGLISH CLUB NOS AMBIENTES PRESENCIAIS DE APRENDIZAGEM DA LÍNGUA INGLESA Joyce Vieira Fettermann/Universidade Estadual Do Norte FluminenseRESUMO: A presente pesquisa tem como objetivo analisar as intervenções promovidas noambiente presencial de ensino da Língua Inglesa em cursos livres para estudantes que são membrosativos da rede social My English Club (MyEC), identificando as principais teorias que tratam dautilização de redes sociais digitais no processo de ensino e aprendizagem da Língua Inglesa;avaliando o uso do MyEC e suas aplicações no aprendizado da Língua Inglesa na percepção dosestudantes, enquanto membros desse ambiente digital; e apresentando possíveis alternativas deintegração da utilização dessa rede ao ensino presencial da Língua Inglesa. Recorreu-se à pesquisaqualitativa, pela própria natureza do estudo, igualmente, relevando os dados quantitativos, tomandocomo eixo básico a pesquisa exploratória. Para a coleta de dados, buscou-se suporte emprocedimentos/instrumentos como a observação participante, diário de campo e um questionário,aplicado aos membros participantes da rede social MyEC, estudantes de cursos livres do idiomainglês. Ao final do estudo, o uso deste ambiente virtual por estes sujeitos mostrou que é possívelintegrar o que se aprende nesse espaço tecnológico ao ensino presencial da Língua Inglesa de modosignificativo, ampliando a sala de aula para o mundo por meio do advento da Internet.PALAVRAS CHAVE: NTICs. Rede Social. My English Club. Ambiente presencial. Ensino-aprendizagem da Língua Inglesa.INTRODUÇÃO Sabe-se que no final do século passado, o educador obtinha o status de detentor doconhecimento na sala de aula. Era ele quem o “passava” para o aluno que o adquiria de formapassiva e aceitava o que o professor dissesse, sem contestar. Entretanto, nos novos tempos, já não sepode dizer que a educação funciona da mesma maneira. Nesta era em que a Internet é algo tãopresente nas vidas das pessoas, poucos aceitam uma informação como verdade única, sem averiguara veracidade da mesma. Levam-se laptops, celulares e outros aparelhos para a aula e com elespodem-se, em certos casos, até mesmo atestar se o que o professor fala procede ou não e, ainda,acrescentar informação ao que o mesmo está dizendo a respeito de determinado tema. De fato, na contemporaneidade, muitas questões pedagógicas se relacionam ao uso dosmeios midiáticos, associados ao desenvolvimento tecnológico e à sua repercussão na nova dinâmicado sistema educativo, transformando alguns sistemas de ensino obsoletos em sistemas deconhecimentos autênticos. Na contemporaneidade, o número dos cursos livres de línguas estrangeiras vemcrescendo cada vez mais, aumentando a possibilidade de se estudar uma nova língua, e muitas delasoferecem ensino com abordagens diversificadas, para que os estudantes se aproximem do idioma http://gkosmos.com/evidosol/ 1
  2. 2. IX Encontro Virtual de Documentação em Software Livre e VI Congresso Internacional de Linguagem e Tecnologia online (Evidosol/Ciltec-online) Ano: 2012 – Volume: 1 – Número: 1pretendido, uma vez que, geralmente, estão fora do país onde o mesmo é falado. Assim, educadorestêm aderido às novas tecnologias na sala de aula para que, através delas, ensinem de forma maisatraente e diversificada. Nota-se, então, com frequência, o uso dos ambientes de Internet,principalmente as redes sociais, que estão cada vez mais presentes nas vidas das pessoas, com afinalidade desta possível aproximação, a qual amplia a sala de aula para o mundo. Partindo desta observação inicial, esta pesquisa propôs responder a seguinte questão-problema: como a rede social My English Club pode intervir e/ou colaborar com o aprendizado dosestudantes que frequentam cursos livres de língua inglesa? Este estudo visa alcançar o seguinte objetivo proposto: analisar as intervençõespromovidas no ambiente presencial de ensino da Língua Inglesa em cursos livres para estudantesque são membros ativos da rede social My English Club.1 DESENVOLVIMENTO Durante o transcorrer deste trabalho, tentou-se avaliar o uso da rede social My EnglishClub e suas intervenções nos ambientes presenciais de ensino do inglês, mais especificamente emcursos livres de idiomas, buscando aporte teórico em autores tanto das Novas Tecnologias como daLinguística Aplicada ao ensino de línguas, e tentando entrelaçar estes dois assuntos que tanto têm acontribuir para um ensino eficaz, atraente, dinâmico e autônomo nos dias atuais. Assim sendo, este estudo se constituiu num relato de ações promovidas para a obtençãode respostas aos questionamentos e curiosidades vivenciados pela autora deste, que buscou iniciar(pois esta não termina aqui) uma pesquisa que pode contribuir para que as barreiras do ensino doinglês, formadas por métodos e abordagens tradicionais, possam ser rompidas e, dessa forma, esseidioma possa ser ensinado e aprendido com mais motivação nos ambientes presenciais, ampliando asala de aula para o mundo através do contato com pessoas estrangeiras nas redes sociais. Esteestudo, portanto, pode instigar estudantes e educadores também em outros contextos educacionais,como a escola regular e a universidade, pois sua essência transcende o ambiente de cursos livres. Com o advento da Internet, o computador – tanto na sociedade como também na sala deaula – tem sido transformado de uma ferramenta que antes era utilizada visando o processamento dainformação e entretenimento; para um recurso que promove a comunicação. Pela primeira vez, osaprendizes de uma língua podem se comunicar rapidamente e sem nenhum custo com outrosestudantes e/ou falantes da língua alvo situados em diversas partes do mundo. De fato, percebeu-se que as redes sociais são de grande relevância para a sociedadecontemporânea, a qual se mostra altamente tecnológica nesta era pós-moderna. Conquanto,evidenciou-se a relevância científica, social e pedagógica desta investigação, uma vez que, com aajuda das tecnologias deste século, o conhecimento em nível mundial (e não apenas local) tem setornado acessível a todos os que dela lançam mão. Nesse sentido, em primeira instância, alicerçadas na abordagem qualitativa efundamentando-se na pesquisa bibliográfica, foram analisadas algumas teorias que abordam oensino da Língua Inglesa, além dos conteúdos que tratam do uso das novas tecnologias nesteprocesso, buscando alicerce através da seleção e da análise de autores que asseguraram uma http://gkosmos.com/evidosol/ 2
  3. 3. IX Encontro Virtual de Documentação em Software Livre e VI Congresso Internacional de Linguagem e Tecnologia online (Evidosol/Ciltec-online) Ano: 2012 – Volume: 1 – Número: 1fundamentação teórica ao problema investigado; encaminhando a escolha dos instrumentos etécnicas metodológicas que garantissem a melhor compreensão e interpretação dos dados e que, aomesmo tempo, se compatibilizassem e permitissem a articulação com a base metodológica eleita.Os referidos estudiosos permitiram à pesquisa promover o diálogo entre as Novas Tecnologias e aLinguística Aplicada, dentre os quais se destacam: Vygotsky (1978), Larsen-Freeman (1986),Nunan (1995), Lévy (2000; 2008), Vera Lúcia Paiva (1995), Almeida Filho (2001), David Crystal(2002), Stuart Hall (2004), Vilson Leffa (2008), Marc Prensky (2009), entre outros. No segundomomento, realizou-se a pesquisa de campo, através da qual se buscou (re)colher os dados com basenos discursos dos alunos acerca das linguagens tecnológicas e sua influência no processo deconstrução e produção do conhecimento, tendo como universo da pesquisa o contexto da rede socialdigital MyEC. Igualmente, relevante se faz destacar que esta investigação teve como eixo básico aPesquisa Exploratória (SOUZA, 2009). No dizer do autor, o objetivo deste tipo de pesquisa éfamiliarizar-se com um tema ainda pouco conhecido, pouco explorado, em cuja trajetória seconhece mais sobre o assunto, possibilitando o surgimento da (re)construção de hipóteses. Napesquisa exploratória, um fator relevante é a intuição do explorador, neste caso, a intuição dopesquisador. Como qualquer pesquisa, ela também se substancia num referencial teóricobibliográfico. Ademais, haverá sempre alguma obra, ou entrevista com pessoas que tiveramexperiências práticas no campo estudado. Posto isso, na essência dessa linha investigativa, opresente estudo visou proporcionar maior familiaridade com o problema e, como apontado acima,envolvendo levantamento bibliográfico, contato com pessoas que tiveram experiências com ofenômeno pesquisado e análise de exemplos que estimulem a compreensão. Explica-se o cunho exploratório desta pesquisa pelo fato de investigar numa rede sociala possibilidade de utilizá-la como ferramenta pedagógica para o ensino de um idioma estrangeiro,no caso, o inglês; suscitando sua aplicabilidade como recurso paralelo no processo ensino-aprendizagem, sobretudo, no contexto presencial, mais especificamente, em cursos livres. Aponta-se, ainda, quanto ao seu teor exploratório, o ineditismo da proposta de promover um diálogo entreestudiosos das TICs com a Linguística Aplicada. Ainda, no que se refere à natureza do estudo, mister se faz evidenciar, também, ametodologia quantitativa, por apresentar dados estatísticos comparativos referentes ao desempenhodos sujeitos-atores da pesquisa. Os dados coletados quantificados – demonstrados através degráficos ilustrativos – visam prover à investigação, confiabilidade, fidedignidade e veracidadecientífica, corroborando, assim, os resultados alcançados através do referencial teórico-metodológico qualitativo. Dados quantitativos esses que serão abordados e discutidos na análise doconteúdo emanado dos procedimentos/instrumentos da pesquisa. Para a pesquisa de campo, optou-se por adotar uma amostra não probabilística, a fim dedeixar livre a participação nas respostas ao instrumento metodológico utilizado – o questionário, oqual foi aplicado utilizando-se a ferramenta Google Docs, e disponibilizado na rede MyEC para queseus membros pudessem visualizá-lo e respondê-lo. Participaram da pesquisa, no período de 26 dejaneiro a 15 de fevereiro de 2012,40 internautas, usuários frequentadores da rede social MyEC,aprendizes da Língua Inglesa em cursos livres de idiomas. Na perspectiva de selecionar os aspectos mais relevantes e recortar pontos cruciais paraatingir os propósitos do estudo e propiciar uma compreensão da situação investigada, tomou-se aObservação Participante (CHIZOTTI, 1998) como técnica que permeou as reflexões do observador,à medida que foi avançando na busca dos significados e explicações do fenômeno. Conforme define http://gkosmos.com/evidosol/ 3
  4. 4. IX Encontro Virtual de Documentação em Software Livre e VI Congresso Internacional de Linguagem e Tecnologia online (Evidosol/Ciltec-online) Ano: 2012 – Volume: 1 – Número: 1o autor (1998, p. 90), a observação participante “é obtida por meio do contato direto do pesquisadorcom o fenômeno observado para recolher ações dos atores em seu contexto natural, a partir deperspectiva e seus pontos de vista”. No contexto da observação participante, procurou-se constantemente relacionar aprática à literatura pertinente, epistemologicamente embasada nos referenciais teóricos eleitos comopilares da investigação. Técnica essa que permitiu à investigadora deste estudo exercer um duplopapel, ou seja, pesquisadora e usuária da rede social digital My English Club. Nesse sentido, foipossível olhar o desenvolvimento da prática da pesquisa por dentro, identificando seus pontospositivos e negativos, tendo uma atitude flexível, própria da pesquisa exploratória; bem comopermitiu a análise de aspectos fundamentais, pertinentes ao processo de aprendizagem do idiomainglês. De fato, a referida técnica viabilizou acompanhar cotidianamente os dados relevantes queemergiam no campo e configurar o relatório final da pesquisa.CONCLUSÃO É possível assegurar que, através do referencial teórico tecido e dos depoimentos dosrespondentes da pesquisa, é notável que o MyEC pode intervir significativamente no aprendizadoda Língua Inglesa e, por meio das seguintes categorias, emanadas dos discursos dos participantes napergunta aberta, esta rede proporciona a seus usuários, no ambiente presencial: 1) Desenvolvimentodas habilidades de aprendizagem de idiomas; 2) Troca de experiências e aprendizagem colaborativa;3) Aperfeiçoamento do conhecimento e da prática da língua; 4) Veículo para comunicação: contatocom novas culturas; 5) Motivação, incentivo, diversão e aprendizagem; 6) Aquisição de novosamigos; 7) Gama variada de recursos pedagógicos; e 8) Aumento do vocabulário. Ao finalizar este texto, ressalta-se o quanto a pesquisa realizada foi significativa,especialmente pela perspectiva de sua utilidade e significado para o ensino da Língua Inglesa.Importa reforçar a relevância de se esforçar para promover sempre a busca de melhorias para aqualidade da educação neste país, em qualquer nível escolar, pois isto é tarefa de todos para aconstrução de uma sociedade mais justa e mais igualitária.REFERÊNCIASALMEIDA, F. J. (Coord.). Projeto Nave. Educação a distância. Formação de professores emambientes virtuais e colaborativos de aprendizagem. São Paulo: s.n., 2001.CHIZOTTI, A. Pesquisa em ciências humanas e sociais. 3. ed. São Paulo: Cortez, 1998.CRYSTAL, David. Language and the Internet. Cambridge: Cambridge University Press, 2001.HALL, S. A Identidade Cultural na Pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva eGuaracira Lopes Louro. 9. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2004. http://gkosmos.com/evidosol/ 4
  5. 5. IX Encontro Virtual de Documentação em Software Livre e VI Congresso Internacional de Linguagem e Tecnologia online (Evidosol/Ciltec-online) Ano: 2012 – Volume: 1 – Número: 1LARSEN-FREEMAN, D. Techniques and Principles in Language Teaching. Oxford universityPress, 1986.LEFFA, Vilson J. Metodologia do ensino de línguas. In BOHN, H.I.; VANDERSEN, P. Tópicos emlinguística aplicada: o ensino de línguas estrangeiras. Florianópolis: Ed. da UFSC, 1988. P. 211-236.NUNAN, D. The teaching in a second language. 1999.PAIVA, V. L. M. de O. O uso da Tecnologia no Ensino de Línguas Estrangeiras: breve retrospectivahistórica. UFMG/CNPq/FAPEMIG, 1995. Disponível em:<http://www.veramenezes.com/techist.pdf>. Acesso em: 23 nov. 2010.PRENSKY, M. Nativos Digitais, Imigrantes Digitais. Tradução do artigo "Digital natives, digitalimmigrants", cedida por Roberta de Moraes Jesus de Souza: professora, tradutora e mestranda emeducação pela UCG. On the Horizon, NCB University Press, v. 9, n. 5, out. 2001.SOUZA, C. H. M. de; GOMES, M. L. M. Educação e Ciberespaço. Brasília. Editora Usina deLetras, 2009.VYGOTSKY, Lev. A Formação Social da Mente. Trad. Grupo de Desenvolvimento e ritmosBiológicos - Departamento de Ciências Biológicas - USP. São Paulo: Martins Fontes, 1984. http://gkosmos.com/evidosol/ 5

×