Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Miseria (Fin)

686 views

Published on

Published in: Technology, Health & Medicine
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Miseria (Fin)

  1. 1. SEMANA DA LEITURA 2010 Leitor: João Gonçalves Agrupamento de. Escolas Júlio Brandão Acompanhante EB1 Conde de S. Cosme Turma 14 Ana Catarina Meira
  2. 2. A Miséria e a Morte XIV - E assim vive a Miséria Por Jorge Pimentel (Fevereiro de 2010) Com promessa bem firmada Enquanto o mundo for mundo I - Queixava-se a tia Miséria Da sua desgraça tamanha, Não será incomodada. De ser pobre, de ser velha E da saúde (que não há!) XV - E concedido o desejo, Não permitir a façanha, Alterada sua sorte De à pereira da horta Vemos pelo mundo inteiro Subir como um rapaz Bem amigas, de mãos dadas, E nela encher um cabaz Estas duas almas penadas De fruta que se coma, Seja madura, seja verde, Que são a Miséria e a Morte. Seja boa, seja má. II - E dos rapazes se queixa Que, malandros, a atormentam Pois nos altos ramos se sentam Texto de Jorge Pimentel, tendo por base diversas E da velha (que não os deixa) Riem e troçam com maldade recolhas da tradição oral e outras tantas leituras como: Enquanto os bolsos e o papo Teófilo Braga e Alexandre Parafita Vão enchendo à vontade. III – E a velha bem se zanga Mas nada pode fazer Pois, de um salto, a garotada Parte, de barriga inchada, Pelos campos, a correr.
  3. 3. IV – Um dia vem um pedinte, XII - A Morte trepou à pereira À velha, pedir abrigo. E esta, sem hesitar E ficou presa nos ramos Por uma fresta do postigo, Até que, da aldeia inteira Mandou o mendigo voltar E de todo o mundo também, Ao caminho que trazia, Vieram gentes em prantos Dizendo que não havia, Pedir à velha que a solte Em sua casa, onde ficar. Do feitiço que a retém. V – Insistia o mendigo Que só uma enxerga pedia XIII - A velha disse que não Para uma noite dormir, Sem hesitar um momento. Pois que logo, ao amanhecer, Não libertaria a Morte, Haveria de partir Até que esta, em juramento E ao caminho voltar. Alterasse a sua sorte. E à velha prometia Um desejo conceder Se o deixasse ficar. V – Ao ouvir esta promessa A velha teve uma ideia (Que, por sinal, bem malvada.) Abriu a porta depressa E pensou que poderia Usar o desejo do pobre Para prender a garotada Que à pereira subia.
  4. 4. VI – E assim aconteceu! IX - Passaram dias e meses Os petizes da aldeia E numa noite de luar Tiveram a triste ideia A velha ouviu chamar De, à pereira, trepar. Pelo seu nome, na rua. E na descida dos ramos Viu, à claridade da lua Sentiram-se enredar A figura negra da Morte Por lianas que prendiam Que lhe indica sua sorte Suas pernas e seus braços E antes da noite findar Sem os poderem soltar. A teria que levar. VII – Pediram ajuda à velha X – A velha rogou à Morte Para poderem descer Antes que a sua hora viesse, E esta os fez prometer Da sua pereira querida, Que nas peras da sua pereira Uma pêra lhe colhesse, Não haviam de tocar. Agora amadurecida. VIII – Assim, sob juramento, XI – É que ela, de tão velha Foram embora, os rapazes Não podia lá subir Depois de encherem p’rá velha E de desejos morria Ali, naquele momento, Se uma pêra não comia. O total de dois cabazes E ainda haviam de dizer Com os frutos da pereira. Que veio a Morte de longe Matar uma velha já morta Por não resistir a desejos, De uma pêra comer.

×