Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Resumo sobre SUS e de incentivo a atividade
   física como instrumento de prevenção e
             promoção à saúde

O Sis...
2. Promoção da Cidadania como estratégia de mobilização social tendo a
questão da saúde como um direito;
3. Garantia de fi...
Promoção da Saúde



       A Promoção da saúde requer que se ponha em prática o cuidado
integral do ser humano com base e...
atividade física nas suas diferentes manifestações, constituindo-se em um meio
efetivo para a construção coletiva da quali...
Stein, C.K. A educação Física e o programa de saúde da família: mundos
que se comunicam. Anais do XI Congresso Nacional de...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Resumo sobre sus e políticas de incentivo a atividade física como instrumento de prevenção e promoção à saúde

10,300 views

Published on

Published in: Health & Medicine, Technology
  • Be the first to comment

Resumo sobre sus e políticas de incentivo a atividade física como instrumento de prevenção e promoção à saúde

  1. 1. Resumo sobre SUS e de incentivo a atividade física como instrumento de prevenção e promoção à saúde O Sistema Único de Saúde (SUS) A Constituição estabelece que compete ao poder público organizar sua atuação nas áreas de saúde, previdência e assistência social no âmbito da Seguridade Social, com base nos seguintes objetivos: universalidade da cobertura e do atendimento; uniformidade e equivalência dos benefícios e serviços às populações urbanas e rurais; seletividade e distributividade na prestação dos benefícios e serviços; eqüidade na forma de participação no custeio; diversidade da base de financiamento; caráter democrático e descentralizado da administração. Sistema Único de Saúde (SUS), regido pelos seguintes princípios e diretrizes principais: universalidade do acesso aos serviços de saúde em todos os níveis de assistência; integralidade da assistência; igualdade na assistência; descentralização político-administrativa, com direção única em cada esfera de governo; e participação da comunidade. A Constituição da República Federativa do Brasil de 1988 e a legislação infraconstitucional (Lei 8.080/1990) estabeleceram uma concepção ampliada de direito à saúde, afirmando-o como direito humano fundamental. O artigo 2º da Lei 8.080, lista como fatores determinantes e condicionantes da saúde a alimentação, a moradia, o saneamento básico, o meio ambiente, o trabalho, a renda, a educação, o transporte, o lazer e o acesso aos bens e serviços essenciais, concluindo que os níveis de saúde expressam a organização social e econômica do país. Portanto, a garantia desse direito exige do Estado a reformulação e execução de políticas econômicas e sociais voltadas à redução de riscos de doenças e de outros agravos. A Lei 8142/1990 instituiu duas “instâncias colegiadas” para a “participação da comunidade” na gestão do SUS em cada esfera de governo: a Conferência de Saúde e o Conselho de Saúde. Dessas instâncias, participam os seguintes segmentos da sociedade: usuários dos serviços de saúde, prestadores de serviços, profissionais de saúde e governo. Esta lei assegura aos usuários representação paritária em relação ao conjunto dos demais segmentos tanto nas Conferências como nos Conselhos. Pacto pela Vida O Pacto em Defesa do SUS deve firmar-se através de iniciativas que busquem a: 1. Repolitização da saúde, como um movimento que retoma a Reforma Sanitária Brasileira aproximando-a dos desafios atuais do SUS; Prof. Esp. Jorge Luiz dos Santos de Souza CREF-02/RS 7731
  2. 2. 2. Promoção da Cidadania como estratégia de mobilização social tendo a questão da saúde como um direito; 3. Garantia de financiamento de acordo com as necessidades do Sistema. O “pactos pela vida” estabelece um conjunto de compromissos sanitários considerados prioritários, pactuado de forma tripartite, a ser implantado por cada ente federado.  Saúde do Idoso: Implantar a “política nacional de atenção à pessoa idosa” buscando alcançar neste campo a atenção integral.  Câncer do colo do útero e da mama: Contribuir para redução destes agravos à saúde da Mulher.  Mortalidade infantil e materna: Redução da mortalidade materna, infantil e neonatal por doença diarreica e pneumonia.  Doenças emergentes e endemias: Fortalecer a resposta do sistema com ênfase na dengue, hanseníase, tuberculose, malária, influenza, hepatite, AIDS e outras possíveis novas doenças.  Promoção da Saúde: Elaborar e implantar a política nacional de promoção à saúde baseadas no controle nutricional e incentivo ao aumento da atividade física na população.  Atenção básica à saúde: Consolidar a ESF como modelo de atenção básica e como ordenadora das redes de atenção à saúde.  Saúde do trabalhador;  Saúde mental;  Fortalecimento da resposta do sistema às pessoas com deficiência;  Atenção integral as pessoas em situação ou risco de violência;  Saúde do homem; Prof. Esp. Jorge Luiz dos Santos de Souza CREF-02/RS 7731
  3. 3. Promoção da Saúde A Promoção da saúde requer que se ponha em prática o cuidado integral do ser humano com base em uma ação multidisciplinar e tendo o cuidado nutricional e o incentivo às práticas corporais como instrumentos de destaque na Agenda Nacional de Promoção à saúde (2005-2007). Neste sentido visa-se incentivar a alimentação saudável e a atividade física no intuito de reduzir a mortalidade por doenças relacionadas aos padrões de consumo de alimentos e ao sedentarismo (Brasil, 2004). Barros Neto (1997) já alertava ainda no final do século passado que as facilidades das tecnologias modificaram os padrões de atividades físicas da população, reduzindo o gasto energético já nas atividades de vida diária (AVD). Esse aumento da automatização é citado por este autor como uma das principais causas do sedentarismo e dos aumentos dos índices de morbimortalidade pelas doenças crônicas não transmissíveis (DCNT). Miranda et al (2007) baseado na literatura especializada e em pesquisas próprias mostra que os altos índices de sedentarismo, consequentemente de obesidade e de DCNT, são fatos que justificam e possibilitam a atuação do profissional de educação física nos serviços de saúde pública. Ainda conforme a autora acima citada a prática de atividade física é essencial e indispensável para a aquisição de um estilo de vida saudável e o Profissional de Educação Física, juntamente com os órgãos públicos de saúde, poderia atuar diretamente nas comunidades, vivenciando as necessidades e realidades das mesmas, trabalhando nos locais disponíveis para a prática de atividade física, em prol de uma melhor qualidade de vida da população (Miranda et al, 2007). Stein (2009) lembra que atualmente a importância da Educação Física na área da saúde tem recebido destaque, pois esta visa tanto a recreação, como reabilitação e, principalmente, a prevenção e promoção da saúde, além da educação do corpo para que ocorra a preservação desta. As elucidações sobre a atividade física e o papel do educador físico junto com as comunidades nos remetem diretamente ao programa de saúde da família (PSF/ESF), pois o PSF tem como princípio a reorganização da prática assistencial em novas bases e critérios, que significa em outras palavras uma mudança no paradigma vigente sobre o cuidado em saúde centrado na cura de doenças. Tendo como proposta principal o cuidado centrado na família a partir de sua realidade, o PSF, com foco na promoção e prevenção, ampliando assim a compreensão do processo saúde/doença (Brasil, 2007). Segundo Alcântara (2004), a atuação do Profissional de Educação Física no PSF deve fomentar e promover um estilo de vida saudável através da Prof. Esp. Jorge Luiz dos Santos de Souza CREF-02/RS 7731
  4. 4. atividade física nas suas diferentes manifestações, constituindo-se em um meio efetivo para a construção coletiva da qualidade de vida, cujos objetivos consistem em programar e fomentar a atividade física dos grupos operativos nas unidades de saúde, visando o exercício como terapia e como estímulo à adesão ao tratamento através da autoestima, consciência corporal, autonomia na vida e em seu processo terapêutico, bem como articular as redes sociais, incluindo o PSF no território, a fim de elaborar e programar projetos e atividades para a promoção de estilo de vida saudável. O papel da educação física é de grande valia e de suma importância para o Programa de Saúde da Família, segundo Stein (2009), pois a atividade física, por si só, já desempenha um acréscimo à saúde e qualidade de vida. Objetivos estes que podem ser alcançados através de palestras, jogos, brincadeiras e ginásticas alcançando-se o bem-estar, a alegria e uma série de benefícios ao organismo. Consideramos de grande valia o papel do educador físico como membro da equipe do PSF. Devemos ter muito cuidado na forma de atuar e na integração com os demais membros da equipe e com a comunidade, para tal é preciso muito estudo e grande criatividade, mas com certeza a ajuda da atividade física na saúde vai dar um grande estímulo para a melhoria da qualidade de vida da população. Referêncial Teórico BARROS NETO, T. L. Exercício, Saúde e Desempenho Físico. 1 ed. São Paulo: Atheneu, 1997. BRASIL. Secretaria Executiva, Secretaria de Estado de Saúde e Secretaria de Saúde. Metas de Desenvolvimento do Milênio. Ministério da Saúde, 2004. Disponível em internet. http://www.saude.gov.br. BRASIL.Secretaria Executiva, Ministério da Saúde. Atenção Básica e a Saúde da Família. Brasília: Secretaria de Assistência à Saúde, Ministério da Saúde, 2007. Disponível em internet. http://www.saude.gov.br. ALCÂNTARA, F. C. Estudo Bibliográfico Sobre o Processo Histórico de Atuação do Educador Físico e da sua Inserção na Estratégia Saúde da Família do Município de Sobral-CE. 2004. 65f. Monografia (Especialização com Caráter de Residência em Saúde da Família) Universidade Estadual Vale do Acaraú. Disponível em: http://www.sobral.ce.gov.br/saudedafamilia/downloads/monografias/alrieta.pdf. Miranda, F. M.; Melo, R.V. & Raydan, F.P.S. A Inserção do Profissional de Educação Física no Programa Saúde da Família Segundo Opinião dos Profissionais Integrantes do Programa em uma Unidade Básica de Saúde da Cidade de Coronel Fabriciano – MG. MOVIMENTUM - Revista Digital de Educação Física - Ipatinga: Unileste-MG - V.2 - N.2 - Ago.dez. 2007. Prof. Esp. Jorge Luiz dos Santos de Souza CREF-02/RS 7731
  5. 5. Stein, C.K. A educação Física e o programa de saúde da família: mundos que se comunicam. Anais do XI Congresso Nacional de Educação & III Encontro Sul Brasileiro de Psicopedagogia. PUCPR. Curitiba, 2009. CONFEF, O Profissional de Educação Física e a Saúde da Família. Revista da Educação Física. Ano VIII nº 27, março de 2008. Prof. Esp. Jorge Luiz dos Santos de Souza CREF-02/RS 7731

×