Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
PATOLOGIA GERAL VETERINÁRIA<br />Profa. Josiane Bonel-Raposo<br />2009/2<br />jbonel-raposo@hotmail.com<br />www.josie-gep...
PATOLOGIA GERAL VETERINÁRIA<br />Introdução<br />Terminologia Básica<br />Revisão Biologia Celular<br />Mecanismos de agre...
TERMINOLOGIA BÁSICA EM PATOLOGIA<br />PATOLOGIA GERAL - 2009<br />
Terminologia Básica<br />Patologia é estudo de doenças.<br />Que é doença? (Patologia)<br />Alteração na forma ou função i...
Terminologia Básica<br />Diagnóstico - é a determinação da doença, pode ter uma classificação geral como:<br />Diagnóstico...
Terminologia Básica<br />Prognóstico - É o provável desfecho da doença (saber o que provavelmente ocorrerá com o animal ou...
Patologia <br />PATOLOGIA GERAL - 2009<br />Microscópionão é uma &quot;Bola de Cristal&quot;<br />                        ...
Como trabalha o Patologista? <br />PATOLOGIA GERAL - 2009<br /><ul><li> Técnica de necropsia + olhos treinados e atentos.
 Microscópio óptico + lâminas de tecidos lesados + olhos treinados e atentos. </li></ul>O importante não é olhar simplesme...
Como trabalha o Patologista? <br />PATOLOGIA GERAL - 2009<br /> Recebimento do material a ser avaliado<br />Coleta dos dad...
Coleta e Encaminhamento de Material<br />Cadáver: <br />O mais rápido possível, <br />resfriado quando possível, <br />evi...
Coleta e Encaminhamento de Material<br /><ul><li> Líquido fixador
 Incisões sem esmagar o tecido
 Fragmento de no mínimo 0,3cm de espessura
 Superfície de corte deve conter parte da lesão e outra de tecido normal
 Recipientes adequados
 Identificação de cada material</li></li></ul><li>Coleta em Recipientes Adequados<br />Formalina 10%<br />
Coleta em Recipientes Adequados<br />Formol a 10% tamponado <br />
Coleta dos Dados do Material Encaminhado<br />
Fixação do Material Recebido ou Coletado na Necropsia<br />Formalina 10%<br />
Avaliação Macroscópica do Material e/ou Necropsia<br /><ul><li> Observar as características morfológicas do material encam...
Peças de frigoríficos
Órgãos ou fragmentos destes
Biopsias
Cadáveres – Necropsia (Técnica)
Swabs e/ou secreções
Alguns materiais recebem diferentes encaminhamentos</li></li></ul><li>PATOLOGIA GERAL - 2009<br />PLANOS DE CORTE<br />Jun...
PATOLOGIA GERAL - 2009<br />PLANOS DE CORTE<br />
Clivagem e Encaminhamento ao Processamento das Amostras<br /><ul><li> Avaliação macroscópica da amostra</li></li></ul><li>...
Processamento das Amostras no Laboratório de Histotecnia<br /><ul><li> DESIDRATAÇÃO – substitui a água ou fixador por solv...
 COLORAÇÃO
 MONTAGEM DA LÂMINA E LAMINULA
 LÂMINAS ENCAMINHADAS AO PATOLOGISTA PARA AVALIAÇÃO MICROSCÓPICA</li></li></ul><li>Avaliação Histopatológica do Material<b...
Limitações na Avaliação Histopatológica<br />PATOLOGIA GERAL - 2009<br /><ul><li> Problemas na colheita e processamento do...
Presença de lesões ainda pouco expressivas ou sub-celulares.
Técnicas mais sofisticadas para atender a necessidade de diagnósticos.</li></li></ul><li>
Microscópio óptico<br />PATOLOGIA GERAL - 2009<br />
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Patologia Geral: Aula 02 - Terminologia Básica

10,257 views

Published on

  • Be the first to comment

Patologia Geral: Aula 02 - Terminologia Básica

  1. 1. PATOLOGIA GERAL VETERINÁRIA<br />Profa. Josiane Bonel-Raposo<br />2009/2<br />jbonel-raposo@hotmail.com<br />www.josie-gepac.blogspot.com<br />
  2. 2. PATOLOGIA GERAL VETERINÁRIA<br />Introdução<br />Terminologia Básica<br />Revisão Biologia Celular<br />Mecanismos de agressão celular<br />Adaptação<br />Acúmulos intra e extra-celulares<br />Necrose<br />Calcificações<br />Distúrbios Circulatórios<br />Inflamação<br />Distúrbios do Crescimento Celular<br />Neoplasias<br />PATOLOGIA GERAL - 2009<br />
  3. 3. TERMINOLOGIA BÁSICA EM PATOLOGIA<br />PATOLOGIA GERAL - 2009<br />
  4. 4. Terminologia Básica<br />Patologia é estudo de doenças.<br />Que é doença? (Patologia)<br />Alteração na forma ou função independente de sinais clínicos aparentes ou não.<br />Que é etiologia?<br />E patogenia?<br />Que são sinais clínicos?<br />Que é lesão?<br />Alteração morfológica e funcional do tecido ou órgão que ocorre na doença.<br />PATOLOGIA GERAL - 2009<br />
  5. 5. Terminologia Básica<br />Diagnóstico - é a determinação da doença, pode ter uma classificação geral como:<br />Diagnóstico morfológico:quando descrevemos a lesão. Ex: enterite catarral e enterite granulomatosa.<br />Diagnóstico etiológico:quando é citado a causa da doença (agente). Ex: Escherichia coli, Mycobacteriumparatuberculosis.<br />Diagnóstico definitivo:quando se determina a lesão e o agente causador. Ex: colibacilose e doença de johne (paratuberculose).<br />PATOLOGIA GERAL - 2009<br />
  6. 6. Terminologia Básica<br />Prognóstico - É o provável desfecho da doença (saber o que provavelmente ocorrerá com o animal ou restante do lote). <br />Biópsia - É a retirada de um fragmento de tecido de um animal vivo para exame microscópico. Ex: biópsia de fígado.<br />Qual importância do Clínico conhecer alguns termos básicos ?<br />PATOLOGIA GERAL - 2009<br />
  7. 7. Patologia <br />PATOLOGIA GERAL - 2009<br />Microscópionão é uma &quot;Bola de Cristal&quot;<br /> e <br />Patologistanão é nenhum &quot;mago&quot;.<br />
  8. 8. Como trabalha o Patologista? <br />PATOLOGIA GERAL - 2009<br /><ul><li> Técnica de necropsia + olhos treinados e atentos.
  9. 9. Microscópio óptico + lâminas de tecidos lesados + olhos treinados e atentos. </li></ul>O importante não é olhar simplesmente, mas sim enxergar!<br />
  10. 10. Como trabalha o Patologista? <br />PATOLOGIA GERAL - 2009<br /> Recebimento do material a ser avaliado<br />Coleta dos dados referentes ao material<br />Necropsia e/ou avaliação macroscópica do material e sua descrição<br />Se necropsia fazer uso da Técnica de necropsia<br />Fixação do material <br />Clivagem<br />Processamento no Laboratório de Histotecnia<br />Material processado (Lâminas) encaminhadas ao Patologista<br />Avaliação microscópica e diagnóstico do patologista<br />Encaminhamento do Laudo ao Clinico ou proprietário<br />
  11. 11. Coleta e Encaminhamento de Material<br />Cadáver: <br />O mais rápido possível, <br />resfriado quando possível, <br />evitando o congelamento da carcaça se possível<br />Fixador:<br />Em formol a 10%, para biopsia de animais vivos ou coleta “post-mortem”, <br />Em caso de sinais clínicos nervosos, deve ser enviado o cérebro inteiro e refrigerado (ou a cabeça do animal)<br />Em caso de necropsia de grandes animais, chame uma equipe do Laboratório para se deslocar até a propriedade.<br />
  12. 12. Coleta e Encaminhamento de Material<br /><ul><li> Líquido fixador
  13. 13. Incisões sem esmagar o tecido
  14. 14. Fragmento de no mínimo 0,3cm de espessura
  15. 15. Superfície de corte deve conter parte da lesão e outra de tecido normal
  16. 16. Recipientes adequados
  17. 17. Identificação de cada material</li></li></ul><li>Coleta em Recipientes Adequados<br />Formalina 10%<br />
  18. 18. Coleta em Recipientes Adequados<br />Formol a 10% tamponado <br />
  19. 19. Coleta dos Dados do Material Encaminhado<br />
  20. 20. Fixação do Material Recebido ou Coletado na Necropsia<br />Formalina 10%<br />
  21. 21. Avaliação Macroscópica do Material e/ou Necropsia<br /><ul><li> Observar as características morfológicas do material encaminhado:
  22. 22. Peças de frigoríficos
  23. 23. Órgãos ou fragmentos destes
  24. 24. Biopsias
  25. 25. Cadáveres – Necropsia (Técnica)
  26. 26. Swabs e/ou secreções
  27. 27. Alguns materiais recebem diferentes encaminhamentos</li></li></ul><li>PATOLOGIA GERAL - 2009<br />PLANOS DE CORTE<br />Junqueira e Carneiro, 2004<br />
  28. 28. PATOLOGIA GERAL - 2009<br />PLANOS DE CORTE<br />
  29. 29. Clivagem e Encaminhamento ao Processamento das Amostras<br /><ul><li> Avaliação macroscópica da amostra</li></li></ul><li>Clivagem e Encaminhamento ao Processamento das Amostras<br /><ul><li> Avaliação das margens cirúrgicas</li></li></ul><li>Clivagem e Encaminhamento ao Processamento das Amostras<br />
  30. 30.
  31. 31. Processamento das Amostras no Laboratório de Histotecnia<br /><ul><li> DESIDRATAÇÃO – substitui a água ou fixador por solvente não polar para incluir em parafina ou resina</li></li></ul><li>Processamento das Amostras no Laboratório de Histotecnia<br /><ul><li> INCLUSÃO – processo pelo qual a parafina embebe os tecidos, ocupando todos os espaços que in vivo havia água e solidifica o material em um bloco semi-rígido de parafina, no qual podem ser tiradas fatias delgadas de 3 a 5 µm.</li></li></ul><li>Processamento das Amostras no Laboratório de Histotecnia<br /><ul><li> MICROTOMIA – fita com cortes agrupados que se põe a distender flutuando em água quente e da qual os cortes são individualizados por meio de pinça e recolhidos sobre lâminas de vidro.</li></li></ul><li>Processamento das Amostras no Laboratório de Histotecnia<br /><ul><li> MICRÓTOMO e BANHO-MARIA</li></li></ul><li>Processamento das Amostras no Laboratório de Histotecnia<br /><ul><li> LÂMINAS COM CORTES VÃO PARA ESTUFA
  32. 32. COLORAÇÃO
  33. 33. MONTAGEM DA LÂMINA E LAMINULA
  34. 34. LÂMINAS ENCAMINHADAS AO PATOLOGISTA PARA AVALIAÇÃO MICROSCÓPICA</li></li></ul><li>Avaliação Histopatológica do Material<br /> O Patologista faz suas observações através do Microscópio de Luz.<br />Arquitetura tecidual<br />Organização e integridade celulares<br />Morfologia normal<br />Variações morfológicas<br />
  35. 35. Limitações na Avaliação Histopatológica<br />PATOLOGIA GERAL - 2009<br /><ul><li> Problemas na colheita e processamento do material
  36. 36. Presença de lesões ainda pouco expressivas ou sub-celulares.
  37. 37. Técnicas mais sofisticadas para atender a necessidade de diagnósticos.</li></li></ul><li>
  38. 38. Microscópio óptico<br />PATOLOGIA GERAL - 2009<br />
  39. 39. PATOLOGIA GERAL - 2009<br />MEDIDAS<br />1m= 103 mm<br /> = 106µm<br /> = 109 nm<br />Alberts et al. 1999<br />
  40. 40. Microscópio Eletrônico de Transmissão (MET)<br />PATOLOGIA GERAL - 2009<br />
  41. 41. PATOLOGIA GERAL - 2009<br />MICROSCÓPIO ELETRÔNICO DE TRANSMISSÃO<br />Junqueira e Carneiro, 2004<br />
  42. 42. PATOLOGIA GERAL - 2009<br />MICROSCÓPIO ELETRÔNICO<br />Junqueira e Carneiro, 2004<br />
  43. 43. Microscópio Eletrônico de Varredura (MEV)<br />PATOLOGIA GERAL - 2009<br />
  44. 44. PATOLOGIA GERAL - 2009<br />MICROSCOPIA ELETRÔNICA DE VARREDURA<br />
  45. 45. Obrigado por hoje é só!!!!<br />PATOLOGIA GERAL - 2009<br />

×