Principais Revoltas Pernambucanas

2,285 views

Published on

História de Pernambuco

Published in: Education
  • Be the first to comment

Principais Revoltas Pernambucanas

  1. 1. Foi um conflito que ocorreu em PE entre 1710 e 1711. Nesse período havia uma grande disputa política e econômica entre os senhores de engenho de Olinda e os comerciantes portugueses chamados de mascates que viviam no Recife, pelo controle da capitania de Pernambuco. Os olindenses temiam que Recife, além de ser o centro econômico, passasse também a ser o centro politico de Pernambuco, a disputa se acirrou quando o Recife foi elevado a categoria de vila.
  2. 2. Irritados com essa elevação, os olindenses invadiram a cidade do Recife e demoliram o pelourinho e soltaram os presos que havia na cidade. Para conter o movimento o governo português interveio na região reprimindo os revoltosos e ordenando a prisão dos principais líderes do movimento. Todos foram anistiados, mas recife manteve sua autonomia e foi transformada em sede administrativa da capitania.
  3. 3. A bandeira da Revolução Pernambucana de 1817, cujas estrelas representam os estados de Pernambuco, Paraíba e Ceará, inspirou a atual bandeira pernambucana.
  4. 4. A Revolução Pernambucana foi um movimento de caráter emancipacionista ocorrido em Pernambuco no ano de 1817. É considerado um dos mais importantes movimentos de caráter revolucionário do período colonial brasileiro. O que ocasionou essa revolução foi a insatisfação popular com a chegada e funcionamento da corte portuguesa no Brasil, desde o ano de 1808, que mantinha um grande número de portugueses nos cargos públicos;
  5. 5. A alta cobrança de impostos e tributos criados no Brasil por D. João VI para poder conseguir sustentar a corte ociosa nas terras brasileiras; A Influência dos ideais iluministas, e da Revolução Francesa; Uma crise provocada pela queda das exportações de açúcar, que atingia as camadas mais pobres da população e a seca de 1816 que intensificou a fome e miséria da região.
  6. 6. Os revoltosos queriam conquistar a independência do Brasil em relação a Portugal e queriam implantar um regime republicano e elaborar uma constituição, mas ao saber da organização da revolta, o governador de Pernambuco ordenou a prisão dos envolvidos, porém, os revoltosos resistiram e prenderam o governador, após dominar a cidade de Recife, os revoltosos implantaram um governo provisório. Para conquistar o apoio popular, o governo provisório abaixou impostos,
  7. 7. libertou presos políticos e aumentou o salário dos militares. Preocupado com a possibilidade de ampliação da revolta para outras províncias, D. João VI organizou uma forte repressão militar contra os rebeldes de Pernambuco. As tropas oficiais cercaram Recife, os embates duraram 75 dias, resultando na derrota dos revoltosos. Os líderes foram presos e condenados à morte
  8. 8. Foi um movimento de caráter emancipacionista e republicano. Ganhou este nome porque o centro do movimento ficava próximo a Linha do Equador. A revolta teve seu início na província de Pernambuco, porém, espalhou-se rapidamente por outras províncias da região (Ceará, Rio Grande do Norte e Paraíba). Em Pernambuco, centro da revolta, o movimento teve participação das camadas urbanas, elites regionais e intelectuais. A grande participação popular foi um dos principais diferenciais deste movimento.
  9. 9. Suas causas foram provocadas pelo descontentamento com a centralização política imposta por D. Pedro I, presente na Constituição de 1824; A influência portuguesa na vida política do Brasil, mesmo após a independência; A mudança do governador de PE por D. Pedro I, que indicou um governador de sua confiança para a província o Francisco Paes Barreto, tirando o que foi escolhido pelos pernambucanos Manuel Carvalho Pais de Andrade.
  10. 10.  Os revoltosos queriam: Convocar uma nova assembleia constituinte para elaboração de uma nova constituição de caráter liberal; Diminuir a influência do governo federal nos assuntos políticos regionais; Organizar forças de resistências populares contra a repressão do governo central imperial; Formar um governo independente na região.
  11. 11. Mas o império logo reagiu e sob o comando do almirante britânico Thomas Cochrane, as forças militares atuaram com rapidez e força para colocar fim ao movimento emancipacionista. Um dos principais líderes, Frei Caneca, foi condenado ao fuzilamento. Padre Mororó, outra importante liderança, foi executado a tiros. Outros foram condenados à prisão como foi o caso do jornalista Cipriano Barata, muitos revoltosos fugiram para o sertão e tentaram manter o movimento vivo, porém o movimento perdeu força no mesmo ano que começou.
  12. 12. A Revolução Praieira foi uma revolta de caráter liberal e federalista ocorrida na província de Pernambuco entre os anos de 1848 e 1850. Ganhou esse nome devido a localização da sede do jornal comandado pelos liberais revoltosos (chamados de praieiros) ser localizada na rua da Praia.
  13. 13. A economia e a política da cidade de Pernambuco era dominada por poucas famílias, uma delas era a Cavalcanti, que possuía mais de um terço dos engenhos da província, Já o comércio, era dominado pelos portugueses. Desta forma, todo o poder da cidade estava nas mãos das oligarquias rurais e dos comerciantes lusitanos. Isso deu início a um processo de insatisfação da população urbana, composta por militares, padres, artesãos, mercadores e profissionais liberais. Em 1848 o Senado brasileiro era dominado por senadores do Partido Conservador, os senadores conservadores vetaram a indicação, para uma cadeira do Senado, do liberal pernambucano Antônio Chinchorro da Gama, Que aspirava os ideais liberais, este veto provocou uma revolta em determinado grupo de políticos liberais de Pernambuco.
  14. 14. Os políticos liberais revoltosos ganharam o apoio de várias camadas da população, principalmente dos mais pobres, que viviam oprimidos e sofriam com as péssimas condições sociais, os praieiros chegaram a tomar a cidade de Olinda. Entre suas propostas estavam: O fim do voto censitário, liberdade total para a imprensa, trabalho garantido para todo e qualquer cidadão brasileiro, fim do poder moderador,
  15. 15. proibição da prática do comércio aos portugueses. A rebelião foi derrotada pelas forças oficiais no começo de 1850. Muitos revoltosos foram mortos durante os combates com as forças oficiais. Os líderes e demais participantes foram presos e julgados, embora tenham sido anistiados no ano seguinte.
  16. 16. Cotrim, Gilberto. Saber e Fazer História. São Paulo: Saraiva, 1999. Fausto, Boris. História do Brasil. São Paulo: Edusp,1994. Piletti, Claudino, Piletti, Nelson. História e Vida Integrada. São Paulo: Ática, 2009.

×