Successfully reported this slideshow.

Entrevista paulo santiago_OCDE_ público, 2 maio 2012

415 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Entrevista paulo santiago_OCDE_ público, 2 maio 2012

  1. 1. 8 | PORTUGAL | PÚBLICO, QUA 2 MAI 2012Aprendizagens e comportamentodevem ter avaliações separadasPaulo Santiago é analista principal da OCDE. Coordenou um relatório sobre a avaliação no sistemade ensino português, que foi divulgado em Abril. Ficou preocupado com o que constatou MIGUEL MANSO desinteresse das famílias. SãoEntrevista argumentos válidos?Clara Viana É verdade que os professores sofrem no quotidiano comAo contrário do que sucede esses problemas. É verdadeactualmente, a aprendizagem que existem problemas dedos alunos portugueses deve indisciplina e problemas sociaisser avaliada de forma separada graves. Mas o tipo de argumentose não traduzir-se numa nota traduz o que consideramosem que também entram ser um problema de fundo emem linha de conta os seus termos de mentalidade da escolacomportamentos e atitudes, portuguesa. Por exemplo, nasdefende Paulo Santiago, 43 anos, visitas que fizemos a escolas paraeconomista e analista principal da a elaboração do relatório sobreOrganização para a Cooperação a avaliação no sistema de ensinoe Desenvolvimento Económico português, alguns professores(OCDE). A recomendação consta disseram-nos que os alunos nãotambém de um relatório da OCDE vinham motivados para as aulas.sobre a avaliação no sistema de Mas disseram isso como se seensino português, que Santiago tratasse de um atributo dos alunoscoordenou e cujos resultados e não como se fosse tambémapresenta hoje em Lisboa. consequência das suas própriasPara a sua preparação foram práticas em sala de aula. É o que seouvidas mais de 200 pessoas passa também com as retenções.e visitadas seis escolas. É um Quando vê que o aluno está a tersistema obcecado por resultados maus resultados, o professor teme exames, o que não se traduz sempre em mente a alternativanecessariamente em melhores de o chumbar. Só que o chumboaprendizagens e práticas, alerta. melhoria das práticas? entra no ensino secundário. Até avaliação. não pode ser visto como a soluçãoQuanto aos professores, Portugal O que traduz é que prevalece aí as avaliações que vão para casa Com a introdução de mais mais fácil porque não se conseguiuchega mesmo a ser um caso o conceito de praticar para o são qualitativas e por áreas, com exames, como acontecerá fazer nada com aquele aluno. Paraextremo na OCDE. exame, sendo a melhoria avaliada uma descrição sobre o estado já a partir deste ano lectivo, nós, esta prática mostra que, deQuando a OCDE defende que, em função dos resultados da aprendizagem do aluno e Portugal não se afastará ainda facto, não é o aluno que está noem Portugal, a avaliação se obtidos nestas provas, e isso orientações claras de estratégias a mais das recomendações feitas centro da avaliação em Portugal.deve centrar mais nos alunos, repercute-se muito na maneira seguir para a melhorar. Um pouco pela OCDE? No vosso relatório propõem,o que é que está a propor como se ensina dentro da sala como se faz em Portugal no 1.º Por si só, introduzirem-se aliás, a eliminação gradual dasexactamente? de aula. Sendo que, muitas ciclo, só que perdura até mais mais exames não constitui um retenções em Portugal...Em Portugal resume-se muito a vezes, praticar para o exame não tarde, enquanto aqui há a obsessão problema. Os exames têm um Ou, pelo menos, a sua reduçãoavaliação dos alunos aos testes significa necessariamente uma de concentrar tudo numa nota, papel certificador e regulador, [Portugal tem a quarta maiore exames e é esse conceito aprendizagem melhor. quando muitas vezes esta não tem que é importante, mas a partir taxa de retenção da OCDE].que pomos em causa no Já a avaliação formativa, que pode uma interpretação fácil. do momento em que se opta por Continua a associar-se, de maneiranosso relatório. O conceito de ser informal, permite ter um Porque não é só a mais exames existe o perigo de errada, a reprovação com maisavaliação é muito mais vasto retorno imediato. Na sala de aula, aprendizagem que é avaliada se estar a enviar um sinal para o exigência. A investigação já feitado que isso. O objectivo central através do diálogo com o aluno, nessa nota? sistema de que só estes é que são em todos os países mostra queé o de assegurar que a própria permite ao professor identificar É uma das questões para que importantes. E este é um aspecto existe uma série de factoresavaliação e os seus resultados quais as práticas que se podem chamamos a atenção no nosso fundamental num sistema como o que influem no rendimentosejam utilizados para a melhoria adaptar melhor à aprendizagem relatório. Nas escolas portuguesas, português, que já está demasiado dos alunos que vão muito alémdas práticas. Dando indicações de determinados estudantes. combina-se na mesma nota o obcecado com os resultados. da escola e dos professores eaos alunos para poderem Existe uma interacção na própria resultado da aprendizagem e a Este sinal terá consequências nas que uma grande parte dos seusmelhorar os seus resultados e avaliação através de práticas que avaliação dos comportamentos práticas dos professores em sala resultados se explica pelo contextopermitindo ao professor melhorar passam pela auto-avaliação dos e atitudes dos alunos. Isto tudo de aula, quando o que era preciso socioeconómico de onde vêm.a sua prática para melhorar os alunos, por estes se avaliarem combinado faz com que as notas fazer era tentar criar algum Isto quer dizer que os alunosresultados dos seus alunos. Existe uns aos outros, por um ensino acabem por perder o sentido em distanciamento em relação à que têm maior probabilidade deuma componente formativa mais individualizado em algumas termos de como as interpretar e importância das notas. chumbar são aqueles que advêmna avaliação que está pouco circunstâncias. É todo um campo da informação que transmitem Quando são apontados de meios mais desfavorecidosdesenvolvida em Portugal. de acção que ainda não é bem para a aprendizagem futura. É exemplos dos países nórdicos, e, em Portugal, é preciso ter-seAo longo do ano lectivo, os entendido em Portugal. importante existir uma avaliação como os que referiu, muitos consciência de que quando sealunos portugueses passaram E que é praticado onde? dos comportamentos, das professores portugueses reprova um aluno está-se, atéa realizar uma série de testes, Por exemplo, nos países nórdicos. atitudes e dos valores, mas as argumentam que são práticas certo ponto, a criar um problemaidênticos às provas dos exames, A forma como se classifica também aprendizagens propriamente impossíveis de importar para de desigualdade social. Por isso,para se prepararem para estes é diferente. Em muitos países só se ditas têm de ser avaliadas as nossas escolas devido ao as abordagens pedagógicas dae poderem assim ter melhores começa a dar notas quantitativas separadamente. É a única forma tipo de alunos que temos, aos retenção acabam por ser tambémresultados. Isto não traduz uma a partir dos 15 anos, quando se de garantir o valor informativo da problemas de indisciplina e ao um meio de exclusão social.
  2. 2. PÚBLICO, QUA 2 MAI 2012 | 9A não observação de aulas vaicontra o princípio da avaliaçãoEm Portugal há um tabu que não prática em sala de aula, está-setem sido fácil quebrar, critica a desvirtuar a própria avaliaçãoPaulo Santiago: a relutância de do professor. Existe ainda outroprofessores e directores em avaliar aspecto grave no novo modelo,o desempenho dos colegas. que será implementado a partirA OCDE concluiu que a do próximo ano e que tambémavaliação dos professores em deveria ser corrigido. Em 2010Portugal está mais focada na tinham sido definidos padrõesprogressão na carreira do que de desempenho dos professoresna melhoria da prática docente. para serem usados como umQual a razão? referencial nacional de avaliações.Em Portugal, o conceito de Ora, o modelo de 2011 deixa cairavaliação ainda não está enraizado este referencial nacional e estipulaentre os agentes escolares que é cada uma das escolas que irácomo sendo algo que serve para definir os seus padrões. Portanto,melhorar. O enfoque principal existirá um modelo de avaliaçãotem sido o de ligar a avaliação à local, a nível de escola, masprogressão na carreira e não ao que terá consequências a níveldesenvolvimento profissionaldos docentes. Ora, o objectivo dequalquer sistema de avaliação é “Portugal é umque este entre na rotina de cada caso extremo naprofessor, que este reflicta sobreas suas práticas e que dialogue OCDE. Não existecom os colegas sobre estas e as ainda nas escolasaprendizagens dos alunos de formanatural. uma cultura deNas escolas portuguesas isso porta aberta,não acontece?Comparando com outros países permitindo queda OCDE, deparámos com uma professorescaracterística que faz de Portugalquase um caso único e que tem a observem aulas dever com a relutância de professores outros colegas”e dos próprios directores em fazerum juízo profissional sobre outroscolegas. Ao mesmo tempo, e neste nacional, nas carreiras e salárioscampo Portugal é mesmo um caso dos professores, o que vai criarextremo na OCDE, não existe ainda situações de injustiça. Basta umanas escolas uma cultura de porta escola ter padrões mais fáceis doaberta, permitindo que professores que outra.observem aulas de outros colegas, A OCDE propõe outro modelo?fazendo isso para que possam falar Sugerimos que, estando ainformalmente e para que haja progressão nas carreiraspartilha das próprias práticas, sem congelada, esta seria uma boaoutras consequências. É grave que oportunidade para se focaro modelo de avaliação aprovado a avaliação na nova funçãoem 2011 não tenha quebrado este que propomos, que é a dotabu. Pelo contrário, permite desenvolvimento profissional,que o professor possa progredir mas levando-o a sério. Comna carreira sem nenhuma diálogo, observação de aulas e aobservação das suas aulas, que validação destes processos poré onde realmente acontece a uma entidade externa. Existeaprendizagem. sempre uma tensão grande entreFoi uma das reivindicações dos a função de progressão e a desindicatos de professores... melhoria. Quando o modelo temMas vai contra os princípios de consequências na progressão daqualquer avaliação. O objectivo carreira, os professores tendem afundamental desta é melhorar não estar abertos a discutir as suasa prática e, se não se observa a insuficiências.

×