Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Doenças Infecciosas e
Parasitárias relacionadas
ao Trabalho
Manual de Procedimentos para os Serviços de Saúde

Enf., Esp.;...
Doença infecciosa é qualquer doença causada por um agente
biológico (por exemplo: vírus, bactéria ou parasita)
Parasitas s...
sumário
1- Tuberculose (A15- e A19.-) .......................................................................................
TUBERCULOSE
QUIMIOTERAPIA
•doxiciclina ou minociclina (100 mg, VO, 12/12
horas, por 45 dias) associada com rifampicina (600
– 900 mg/d...
Como proceder nos exames
Exame bacteriológico

CULTURA BACTERIOLÓGICA

2º amostra é coletada na manhã do dia
seguinte, as...
EXAME RADIOLÓGICO
O RX é auxiliar no


diagnóstico
suspeitos.

nos
É

casos

indispensável

realizar

o

exame

bacteriol...
CARBÚNCULO (Antraz)CID-10 A22

CONDIÇÕES E PROFISSIONAIS MAIS
AFETADOS
Zoonose, Bacillus anthracis, gram +.
3 FORMAS CLÍNI...
Tipo cutâneo 90% dos casos
CUIDADOS DE ENFERMAGEM
Exercícios
 Os carbúnculos geralmente
devem ser drenados antes de
sarar; os grandes são pelo
médic...
BRUCELOSE A-23
 )

Infecciosa e sistêmica (qualquer órgão

 Agente: Brucellas abortus (gado), Suis (suínos), Melitensis ...
FEBRE MEDITERRÂNEA E ONDULANTE OU DE MALTA



SINAIS E SINTOMAS AGUDOS
Febre intermitente, sudorese
noturna (com cheiro d...
Leishmaniose Cutânea (B55.1) e Leishmaniose Cutâneo-Mucosa (B55.2

VISCERAL

02:49 M
Leptospirose
Infecciosa, febril, aguda e grave,
Bactéria, a Leptospira interrogans nos rins dos animais.
(90%) dos caso...
GRUPO DE RISCO, TRATAMENTO E PREVENÇÃO

TRATAMENTO: antibióticos, hidratação e suporte clínico. Qualquer pessoa pode
ter a...
Tétano
Tétano:

contaminação de ferimentos com

toxina do Clost. encontrados ambientes e
objetos (metálicos e enferrujados...
CUIDADOS DE ENFERMAGEM
Manter jejum absoluto e não instalar SNG nas primeiras 48 horas de
internação;
 Fazer SVD se o p...
Psitacose,ornitose ou febre dos papagaios
Reservatórios: papagaios, araras, periquitos, pombos,
Reservatórios: papagaios, ...
DENGUE
•

Doença aguda e febril causado
por um dos Flavivírus do
dengue.
• Os
seres
humanos
são
reservatórios e a transmis...



GRAU

GRAU I: febre e hemorragia,
teste
do
torniquete
positivo;



GRAU III: pulso fraco e
rápido, hipotensão, pele
...
 FEBRE AMARELA
1.

1- provocada por (flavivírus), encontrado em primatas.
Este é transmitido aos humanos de duas formas:
...
DERMATOFITOSE – B35

infecções micóticas que afetam a superfície epidérmica, devido a fungos
Atacam tecidos queratinizados...
CANDIDÍASE- B 37
Transmissão:
Secreções
da
boca,
pele, vagina e dejetos de
portadores ou doentes.
•Transmissão
vertical:
d...
PARACOCCIDIOIDOMICOSE (BLASTOMICOSE SUL-AMERICANA E BRASILIANA)

fungo Paracoccidioides (maioria das formas são , assintom...
MALÁRIA B50 B54

03:14 M
ESTUDO DIRIGIDO avaliativo
Hepatites virais(B15- e B19.-)



TIPOS



PERÍODO DE INCUBAÇÃO



FORMA DE TRANSMISSÃO



...
Doença pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) (B20- e B24.-)
ESTUDO DIRIGIDO E AVALIATIVO DE CASA:

SÍNTESE

01:30 m
...
BLASTOMICOSE / Paracoccidoidomicose

05:31 M
FIM
APROVEITEM PARA TIRAR SUAS DÚVIDAS!
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Doenças infecciosas e parasitarias relacionadas ao trabalho

11,917 views

Published on

Published in: Health & Medicine

Doenças infecciosas e parasitarias relacionadas ao trabalho

  1. 1. Doenças Infecciosas e Parasitárias relacionadas ao Trabalho Manual de Procedimentos para os Serviços de Saúde Enf., Esp.; Joselene beatriz Soares Silva / e-mail: joselene_beatriz@hotmail.com
  2. 2. Doença infecciosa é qualquer doença causada por um agente biológico (por exemplo: vírus, bactéria ou parasita) Parasitas são organismos que vivem em associação com outros aos quais retiram os meios para a sua sobrevivência, normalmente prejudicando o organismo hospedeiro, um processo conhecido por parasitismo.
  3. 3. sumário 1- Tuberculose (A15- e A19.-) ......................................................................................................slides 4, 5, 6 e 7 2- * Carbúnculo (Antraz) (A22.-) ....................................................................................................slides 08 á 10 3- * Brucelose (A23.-) .......................................................................................................................slides 11 e 12 4- *Leishimaniose (vídeo).........................................................................................................................slides 13 5- Lepitospirose ...............................................................................................................................slides 14 e 15 6- Tétano .............................................................................................................................................slide 16 e 17 7- *Psitacose .............................................................................................................................................slides 18 8- Dengue ............................................................................................................................................slide 19 e 20
  4. 4. TUBERCULOSE
  5. 5. QUIMIOTERAPIA •doxiciclina ou minociclina (100 mg, VO, 12/12 horas, por 45 dias) associada com rifampicina (600 – 900 mg/dia, VO, uma vez ao dia por 45 dias). Profissões mais afetadas Profissionais da saúde As alternativas disponíveis são: •doxiciclina ou minociclina, VO, 12/12 horas por 45 dias) + estreptomicina, IM, por 3 semanas) ou gentamicina, IM ou EV, divididas em porções iguais, de 8/8 horas); Ou •sulfametoxazol/trimetoprim, 12/12 horas, VO, por seis semanas + gentamicina IM ou EV, de 8/8 horas). •As recidivas devem ser tratadas com o mesmo esquema antibiótico OBS: A doxiciclina não deve ser usada em crianças com idade inferior a sete anos ou em grávidas após o sexto mês de gestação . A incidência de tuberculose, hepatite B e a infecção por HIV em trabalhadores da saúde tem aumentado a necessidade da prevenção.
  6. 6. Como proceder nos exames Exame bacteriológico CULTURA BACTERIOLÓGICA 2º amostra é coletada na manhã do dia seguinte, assim que o paciente despertar Entregar paciente, o recipiente identificado ao Orientar: ao despertar pela manhã, lavar a boca, sem escovar os dentes, inspirar profundamente, prender a respiração por um instante e escarrar após forçar a tosse. Repetir essa operação até obter duas eliminações de escarro; informar que o pote deve ser tampado e colocado em um saco plástico com a tampa para cima e a lavar as mãos após esse procedimento •Deverá ser considerado como tuberculose pulmonar positiva o caso que apresentar: •1- duas baciloscopias diretas positivas; uma baciloscopia direta positiva e cultura positiva; uma baciloscopia direta positiva e RX sugestivo de TB. •2 - Se uma das amostras for positiva e a outra negativa e não houver disponibilidade de RX de tórax pelo SUS deve-se realizar o exame de uma 3.ª amostra, com todo o cuidado para a obtenção de material adequado (escarro e não saliva). •3- Se essa 3.ª amostra for positiva, devese proceder como no item 1.
  7. 7. EXAME RADIOLÓGICO O RX é auxiliar no  diagnóstico suspeitos. nos É casos indispensável realizar o exame bacteriológico  O RX permite a identificação de outras pulmonares necessite doenças associada de concomitante. que tratamento PROFILAXIA
  8. 8. CARBÚNCULO (Antraz)CID-10 A22 CONDIÇÕES E PROFISSIONAIS MAIS AFETADOS Zoonose, Bacillus anthracis, gram +. 3 FORMAS CLÍNICAS: cutânea (+ frequente 90%, pústula necrótica), pulmonar (lã) e gastrintestinal). Pecuaristas Matadouros COMPLICAÇÕES: meningite (hemorrágica com morte de 1 à 6 dias) e a septicemia. Distribuição isolada no decorrer do ano. Epidemia rara. SINTOMAS INICIAIS: Mal estar, astenia, mialgia. (náuseas, vômito, anorexia, febre e dores abdominais (gastrointestinais) Tosa de ovinos Veterinários DIAGNÓSTICO: sorológico (ELISA) Líq, pústula/líquor ou PREVENÇÃO: vac. Animais, Hig. Dos dos obj: hipoc. e formal. Not. Compulssória, EPI’s, Quimioprofilaxia, incineração anim. Mortos, controle sanitário (leite) Moagem de ossos TRATAMENTO: Pen, Tetra e Eritro: VO ou IM, isolamento
  9. 9. Tipo cutâneo 90% dos casos
  10. 10. CUIDADOS DE ENFERMAGEM Exercícios  Os carbúnculos geralmente devem ser drenados antes de sarar; os grandes são pelo médico.  Coletar material e promover limpeza dos materiais e ambiente: higiene das mãos e objetos  Não compartilhar roupas de cama.  Colocar um pano úmido e morno para drená-lo e acelerar a cicatrização diversas vezes ao dia.  Não esprema nem corte-o um furúnculo para não espalhar infecção.  Ministre a medicação prescrita: Sabonetes, antibacterianos tópicos e orais com cuidados específicos. • Procedimentos de coleta • Recomendações em caso de contato com o material. • Coleta e acondicionamento do material suspeito: • Etapas dos método de descontaminação de Superfícies • EPI’s • Descontaminação de ambientes (Fumigação) e EPI’s • Desinfecção final • Grupos de Produtos desinfetantes (A, B, C e D) FONTE Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde Departamento de Vigilância Epidemiológica Centro de Informações Estratégicas e Resposta em Vigilância em Saúde Gerência Técnica de Alerta, Monitoramento e Operações de Resposta de Saúde ANTRAZ/CARBÚNCULO https://www.google.com.br/#q=Minist%C3%A9rio+da+Sa%C3%BAde+Secretaria+de+Vigil %C3%A2ncia+em+Sa%C3%BAde+Departamento+de+Vigil%C3%A2ncia+Epidemiol %C3%B3gica+Centro+de+Informa%C3%A7%C3%B5es+Estrat %C3%A9gicas+e+Resposta+em+Vigil%C3%A2ncia+em+Sa%C3%BAde+Ger%C3%AAncia+T %C3%A9cnica+de+Alerta%2C+Monitoramento+e+Opera %C3%A7%C3%B5es+de+Resposta+de+Sa%C3%BAde+ANTRAZ%2FCARB%C3%9ANCULO
  11. 11. BRUCELOSE A-23  ) Infecciosa e sistêmica (qualquer órgão  Agente: Brucellas abortus (gado), Suis (suínos), Melitensis (caprinos), mais comum e mais grave em humanos, Canis (menos comum  TRANSMISSÃO GRUPO DE RISCO Fazendeiro Mãe para filho açougueiro Profissionais da saúde
  12. 12. FEBRE MEDITERRÂNEA E ONDULANTE OU DE MALTA  SINAIS E SINTOMAS AGUDOS Febre intermitente, sudorese noturna (com cheiro de palha azeda), calafrios, fraqueza, cansaço, inapetência, dor de cabeça, no abdômen e nas costas.  CRÔNICOS Mais intensos[...], perda de peso, tremores, manifestações alérgicas (asma, urticária, etc.), pressão baixa, labilidade emocional, alterações da memória.  Tratamento e prevenção Não existe vacina para humanos A prevenção é o controle e erradicação da bactéria nos animais. (Brucelina B 19) Animais com brucelose podem Os antibióticos (tetra, genta, doxi) por parecer saudáveis e perpassam a 6 semanas. infecção de um rebanho para o Fase aguda:inclusive, e hidratação. nas repouso os cães outro,  Recomendações fazendas. O abate sanitário do materiais rebanho Medidas de prevenção são mesmas em todos os lugares;  Uso de EPI’s  Diagnóstico Anamnese e avaliação clínica.  hemograma, cultura e Não notifica casos isolados Não transmite de pessoa x pessoa Cuidados de enfermagem !!! e as
  13. 13. Leishmaniose Cutânea (B55.1) e Leishmaniose Cutâneo-Mucosa (B55.2 VISCERAL 02:49 M
  14. 14. Leptospirose Infecciosa, febril, aguda e grave, Bactéria, a Leptospira interrogans nos rins dos animais. (90%) dos casos a evolução é benigna.  Acomete roedores, mamíferos(bois, cavalos, porcos, cabras, ovelhas, animais silvestres e domésticos. Animais vacinados assintomáticos eliminam a L.I na urina. O rato de esgoto é principal responsável pela infecção humana, Maioria das infecções é através das águas de enchentes contaminadas por urina de ratos. Profilaxia: feita pela enfermagem [...] Sintomas:. CUIDADOS: cuidado defensivo[...] Formas graves:
  15. 15. GRUPO DE RISCO, TRATAMENTO E PREVENÇÃO TRATAMENTO: antibióticos, hidratação e suporte clínico. Qualquer pessoa pode ter a doença. A maioria de casos são do sexo masculino, na faixa de 20 a 35 anos, em virtude da maior exposição a situações de risco, em casa, ou no trabalho. PREVENÇÃO: Controle de roedores, lixo e esgoto OBS: pesquisa do INMETRO confirmou que a tampa da latinha do refrigerante é mais poluída que um banheiro público.
  16. 16. Tétano Tétano: contaminação de ferimentos com toxina do Clost. encontrados ambientes e objetos (metálicos e enferrujados ou não). Provoca contratura musculares pela toxina nos Prevenção e Tratamento 1vacina reforço. tríplice com neurônios motores. Infecciosa, não contagiosa   2- Quando uma pessoa é ferida, deve limpar o local com água e sabão e, se existirem corpos estranhos, fazer limpeza cirúrgica FISIOPATOLOGIA •Contrações dolorosas que impedem a respiração. •A luz e barulho promovem espasmos tetânicos. •As vezes há inconsciência. •7 dias para incubação. 3Em seguida, é preciso tomar soro antitetânico e antibiótico e permanecer em observação. Para combater as dores e a rigidez dos músculos, são usados sedativos e medicamentos músculo-relaxadores. 4- Ela sobrevive temperatura. a alta
  17. 17. CUIDADOS DE ENFERMAGEM Manter jejum absoluto e não instalar SNG nas primeiras 48 horas de internação;  Fazer SVD se o paciente não conseguir urinar espontaneamente; Neuroproteção [...] Manter punção venosa para casos de emergências; Caso seja tétano neonatal, proteger o olho com gazes umedecidas em soro fisiológico para evitar lesão na córnea;  Realização da higiene nasotraqueobrônquica por aspiração; Realização da higiene corporal;  Mudança de decúbito;  Controle de diurese.
  18. 18. Psitacose,ornitose ou febre dos papagaios Reservatórios: papagaios, araras, periquitos, pombos, Reservatórios: papagaios, araras, periquitos, pombos, canários perus e gansos canários perus e gansos   infecciosa, Chlamydia psittaci), distribuição universal e qualquer época do ano.  Transmição: aspiração de poeira contaminada (dejetos) de animais  doentes, dura meses. exercício Trato resp. P x P (raro) (chlamy. Pneum) Indivíduos mais velhos e gestantes (pode causar aborto) têm maior propensão GRUPO DE RISCO: ? DIAGNÓSTCO: solológico de adquirir a doença, assim como a doença se desenvolve de maneira mais grave nesse grupo. Em crianças é mais rara de se desenvolver.  Os sintomas: Febre e prostração epistaxe tosse cefaleia calafrios Complicações: pneumonia atípica e aguda, lesões cutâneas e esplenomegalia. As its...  PREVENÇÃO, CUIDADOS e CONDUTAS: sanitário, vig. Epid, PP conforme transmissibilidade, antibicoterapia, não notifica, há recaídas, sem imunização, desinf. Concorrente e limpeza terminal http://books.google.com.br/CUIDADOS+DE+ENFERMAGEM+NA+PSITACOSE+ORNITOSE
  19. 19. DENGUE • Doença aguda e febril causado por um dos Flavivírus do dengue. • Os seres humanos são reservatórios e a transmissão ocorre pela picada dos mosquitos Aedes aegypti, • Após repasto de sangue infectado, o mosquito estará apto a transmitir o vírus após 8 a 12 dias de incubação extrínseca. • Há transmissão mecânica também é possível,
  20. 20.   GRAU GRAU I: febre e hemorragia, teste do torniquete positivo;  GRAU III: pulso fraco e rápido, hipotensão, pele pegajosa e fria, agitação;  GRAU IV: Choque (sem pulso e pressão arterial.) TRATAMENTO CONDUTAS  uso de sintomáticos (não usar ácido acetilsalicílico).  Quadros graves de hemorragia e choque é tratamento intensivo com reposição volêmica e coagulação GRAU II: hemorrágicos espontânea;   Exames • A assistência de enfermagem diante dos sintomas apresentados pelo paciente deve ser como se preconiza o MS • Portanto a assistência de enfermagem ainda deixa a desejar no SEGUIMENTO protocolo, pois não classificam seus pacientes conforme o manual (MOREIRA, F. B, 2011) http://periodicos.uems.br/novo/index.php/enic /article/viewFile/599/401 • hemograma: leucopenia com linfocitopenia; • plaquetas: normais ou discretamente reduzidas; • métodos virológicos (até o 6.º dia): culturas, testes imunoenzimáticos, radioimunoensaios ou PCR; • métodos sorológicos: o MAC-ELISA (captura de IgM) necessita de uma única amostra e é o melhor exame para a vigilância epidemiológica.
  21. 21.  FEBRE AMARELA 1. 1- provocada por (flavivírus), encontrado em primatas. Este é transmitido aos humanos de duas formas:  - Pela picada da fêmea do mosquito conhecido por “Aedes Aegypti”, desde que o inseto esteja contaminado Importante:   - Ocorre através da picada do mosquito Haemagogus.  os médicos recomendam tomar esta vacina antes de viajar para as regiões norte e centrooeste do país ou para áreas em que existem incidências desta doença.  sintomas: febre alta (podendo chegar a 40 ou 41 graus centígrados), fortes dores de cabeça, vômitos, problemas no fígado e hemorragias e icterícia (pelo derramamento de bilirrubina nos tecidos). Esta doença infecciosa pode permanecer no corpo da pessoa doente por aproximadamente duas semanas. Em alguns casos, a pessoa pode morrer  Não existem medicamentos específicos para combater a doença. Basicamente, o tratamento consiste em hidratação e uso de antitérmicos que não contenham ácido acetilsalicílico. Casos mais graves podem requerer diálise e transfusão de sangue.
  22. 22. DERMATOFITOSE – B35 infecções micóticas que afetam a superfície epidérmica, devido a fungos Atacam tecidos queratinizados (unhas, pelos e epiderme). TIPOS B35.0 - Tinha da barba e do couro cabeludo B35.1 - Tinha das unhas B35.2 - Tinha da mão B35.3 - Tinha dos pés B35.4 - Tinha do corpo B35.5 - Tinha imbricada B35.6 - Tinea cruris B35.8 - Outras dermatofitoses B35.9 Dermatofitose não especificada PREVENÇÃO LOCAIS DE RISCO: condições de temperatura elevada e umidade (cozinhas, ginásios, piscinas, etc.) Os exames laboratoriais : • visualização do dermatófito ao exame M. O, em raspagem da lesão • isolamento e identificação do fungo por meio de cultivo em meios apropriados. TRATAMENTO : fluconazole, cetoconazol. Via sist: anfotericina B. •controle periódico de saúde dos trabalhadores envolvidos com manipulação de alimentos, por norma específica da vigilância sanitária. •Não existem barreiras para prevenir o livre acesso dos patógenos à pele Não há imunidade após a infecção, o que explica as recorrências na exposição aos fungos. •Há vacina disponível Artigo disponível em:http://www.sbac.org.br/pt/pdfs/rbac/rbac_43_01/rbac_43_01_07.pdf
  23. 23. CANDIDÍASE- B 37 Transmissão: Secreções da boca, pele, vagina e dejetos de portadores ou doentes. •Transmissão vertical: durante o parto • transmissibilidade dura enquanto houver lesões. •FATORES DE RISCO: antibióticos por via oral aumento da população de Cândida no intestinos, sem sintomas. diabéticos, imunodeprimidos e os submetidos a CVD ou venoso. •Grupo de risco: trabalhadores de limpeza, Lavadeiras e cozinheiras, Provocada por fungos do gênero Cândida TRATAMENTO CANDIDÍASE ORAL nistatina suspensão, ou tópico, bochechar engolir. segunda escolha ou em pacientes imunocomprometidos : Cetoconazol, fluconazol, exceto, nas crianças  QUADRO CLÍNICO DIAGNÓSTICO  Nas mãos:, entre o terceiro e quarto dedos e nos pés, na prega interdigital, entre o quinto e quarto dedos.  Apresentam-se inicialmente como área ovalada de pele macerada branca.  Ao progredir, destaca-se a pele macerada, deixando a área eritêmato-exsudativa desnuda, circundada de restos de epiderme.  Há prurido e dor.  unhas dolorida e gotículas de pus.  Os exames laboratoriais CONDUTAS •Identificar outros casos; • notificar o SUS e ao sindicato da categoria; • providenciar a emissão da CAT • eliminação ou controle dos fatores de risco • exame de raspados de pele ou unha ao microscópio; • cultivo de material e obtenção de colônias. E
  24. 24. PARACOCCIDIOIDOMICOSE (BLASTOMICOSE SUL-AMERICANA E BRASILIANA) fungo Paracoccidioides (maioria das formas são , assintomática) TRATAMENTO B-41 CID- 10 PREVENÇÃO A INFECÇÃO: inalação de conídios em • Sulfametazol, até um ano quentes estão registrados mais de após sorologia negativa; poeiras, em ambientes •No Brasil e úmidos, Paracoccidioidomicose:. 50 associados à AIDS, o que coloca • cetoconazol até completar FOCO PRIMÁRIO pulmonar (assintomático) e posterior essa infecção como um dos 12 meses; indicadores daquela síndrome. • fluconazol (este é o melhor disseminação. •Não é doença de notificação tratamento compulsória, porém os surtos da Em pacientes com resistência imunológica, são localizadas, devem ser investigados. neuroparacoccidioidomicose, com reação granulomatosa e há medida específica de •Não poucos parasitos. pela sua alta concentração no controle. Observar SNC). A dose de ataque pode pontilhado hemorrágico até 800 mg/dia, por 30 GRUPO DE RISCO: trabalhadores agrícolasprecoce e •Os doentes tratados ou florestais, em ser de zonas endêmicas. corretamente, para impedir a dias; evolução da doença e • itraconazol – 100 mg/dia, VO, PERÍ ODO meses; DE QUADRO CLÍNICO : complicações. por 6 •indicada desinfecção • anfotericina B – 1 mg/kg/dia, cutânea especialmente na face, nasalconcorrente INCUBAÇÃO •forma e oral, dos exsudatos, artigos • 1 mêsIV, diluído em 50 ml de •soro até muitos anos. Pulmonares predominam em adultos contaminados e limpeza terminal. glicosado a 5%, mais acetato •Não há caso de transmissão •.Digestivas: pessoas jovens, diarreias ou de de pessoa delta x pessoa constipação, dor contínua ou conduta com o e abdômen agudo OBS: A em cólicas trabalhador •hidrocortizona. Nas formas obstrutivo. será a mesma do slide graves usar anfotericina B •COMPLICAÇÕES anterior associada com as sulfas. •Linfática: aumento indolor ados linfonodos cervicais, •Comprometimento do SNC (cutâneas) e IRC (pulmonares) •Diagnóstico: •Achado do parasita e clínico supraclaviculares ou axilares. •viscerais atingem o fígado e as vias biliares, o baço e os linfonodos abdominais, • Supra-renais ou o esqueleto (lesões osteolíticas). •Formas mistas.
  25. 25. MALÁRIA B50 B54 03:14 M
  26. 26. ESTUDO DIRIGIDO avaliativo Hepatites virais(B15- e B19.-)  TIPOS  PERÍODO DE INCUBAÇÃO  FORMA DE TRANSMISSÃO  DIFERENÇA DAS FORMAS AGUDA E CRÔNICA  MEIOS DE PREVENÇÃO  COMO É FEITO O DIAGNÓSTICO  COMO É O TRATAMENTO  ATUALIDADES AOS PROFISSIONAIS http://www.cristofoli.com/biosseguranca/?p=4469 FONTE: ‘Programa Nacional para a Prevenção o Controle das Hepatites Virais’ do MS http://bvsms.saude.gov.br/bvs/politicas/hepatites_aconselhamento.pdf
  27. 27. Doença pelo Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV) (B20- e B24.-) ESTUDO DIRIGIDO E AVALIATIVO DE CASA: SÍNTESE 01:30 m MS-2012  Dados do Ministério da Saúde apontam que 530 mil brasileiros vivem com o HIV http://www.youtube.com/watch?v=su5UuA80IRY
  28. 28. BLASTOMICOSE / Paracoccidoidomicose 05:31 M
  29. 29. FIM APROVEITEM PARA TIRAR SUAS DÚVIDAS!

×