Câmara Municipal de VizelaPlano de Reequilíbrio FinanceiroDocumento tentativo e preliminar, somente para discussão (rev.)D...
Índice Capítulo                                             Página 1. Sumário Executivo                                   ...
1. Sumário Executivo
1. Sumário Executivo    No contexto de uma situação de desequilíbrio estrutural, caracterizado por níveis de endividamento...
2. Dossier Técnico de Propositura
2. Dossier Técnico de Propositura    Breve caracterização sócio-económica do Município de Vizela    O Município de Vizela ...
2. Dossier Técnico de Propositura    Análise histórica – Óptica Orçamental    No presente capítulo, apresenta-se uma análi...
2. Dossier Técnico de Propositura    Análise histórica – Óptica Orçamental: Receitas     Mapa do Controlo Orçam ental da R...
2. Dossier Técnico de Propositura    Análise histórica – Óptica Orçamental: Receitas    Mapa do Controlo Orçam ental da Re...
2. Dossier Técnico de Propositura    Análise histórica – Óptica Orçamental: Despesas    Mapa do Controlo Orçam ental da De...
2. Dossier Técnico de Propositura    Análise histórica – Óptica Orçamental: Despesas     Mapa do Controlo Orçam ental da D...
2. Dossier Técnico de Propositura    Análise histórica – Óptica Patrimonial: Demonstração de Resultados     Dem onstração ...
Relatorio cm vizela reeq financeiro
Relatorio cm vizela reeq financeiro
Relatorio cm vizela reeq financeiro
Relatorio cm vizela reeq financeiro
Relatorio cm vizela reeq financeiro
Relatorio cm vizela reeq financeiro
Relatorio cm vizela reeq financeiro
Relatorio cm vizela reeq financeiro
Relatorio cm vizela reeq financeiro
Relatorio cm vizela reeq financeiro
Relatorio cm vizela reeq financeiro
Relatorio cm vizela reeq financeiro
Relatorio cm vizela reeq financeiro
Relatorio cm vizela reeq financeiro
Relatorio cm vizela reeq financeiro
Relatorio cm vizela reeq financeiro
Relatorio cm vizela reeq financeiro
Relatorio cm vizela reeq financeiro
Relatorio cm vizela reeq financeiro
Relatorio cm vizela reeq financeiro
Relatorio cm vizela reeq financeiro
Relatorio cm vizela reeq financeiro
Relatorio cm vizela reeq financeiro
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Relatorio cm vizela reeq financeiro

503 views

Published on

www.planoclaro.com

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
503
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
81
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Relatorio cm vizela reeq financeiro

  1. 1. Câmara Municipal de VizelaPlano de Reequilíbrio FinanceiroDocumento tentativo e preliminar, somente para discussão (rev.)Dezembro de 2012
  2. 2. Índice Capítulo Página 1. Sumário Executivo 2 2. Dossier Técnico de Propositura 4 3. Desequilíbrio Financeiro do Município 17 4. Projecções Financeiras para o período 2012-2032 21 5. Anexos 26
  3. 3. 1. Sumário Executivo
  4. 4. 1. Sumário Executivo No contexto de uma situação de desequilíbrio estrutural, caracterizado por níveis de endividamento excessivos e dada a necessidade premente de reequilibrar as finanças municipais, o Município de Vizela decidiu aceder ao PAEL e ao Reequilíbrio Financeiro. As condições e os montantes considerados no presente estudo são: PAEL: A candidatura a este programa prevê um empréstimo com um prazo de vigência de 20 anos e um montante máximo de financiamento igual a 100% do montante considerado elegível, o qual, de acordo com os critérios definidos no documento actual ascenderá a €8.048K. PRF: : A candidatura a este programa prevê um empréstimo com um prazo de vigência de 20 anos , um prazo de carência de 1 ano, um montante de €6.185k e uma taxa de juro igual à Euribor a 6 meses, acrescida de uma margem de 6,75 p.p. Os objectivos do presente estudo são conforme segue: • Identificar os factores inerentes do desequilíbrio financeiro do Município; • Analisar a situação económica e financeira do Município (situação orçamental, investimento e níveis de endividamento municipal); • Proceder ao Plano de Ajustamento e Reequilíbrio Financeiro, contemplando as medidas previstas para o Município para o período de vigência dos empréstimos. O presente estudo encontra-se estruturado da seguinte forma: • Análise da situação económica e financeira histórica (2007-2011), permitindo identificar os factores determinantes do desequilíbrio financeiro; • Análise dos pressupostos legais para o recurso à operação de reequilíbrio financeiro; • Apresentação dos factores críticos, no contexto do Município, que justificam o recurso à operação de Reequilíbrio Financeiro. • Apresentação do Plano de Ajustamento e Reequilíbrio Financeiro, medidas previstas e impacto anual das mesmas.3 Câmara Municipal de Vizela | Dezembro 2012
  5. 5. 2. Dossier Técnico de Propositura
  6. 6. 2. Dossier Técnico de Propositura Breve caracterização sócio-económica do Município de Vizela O Município de Vizela localiza-se na zona noroeste do país e integra o distrito de Braga, tendo como limites o Concelho de Guimarães (a Norte), Felgueiras (a Nascente), Lousada (a Sul) e santo Tirso (a Poente). O Concelho possui uma área total de 24 km 2, que inclui 7 freguesias : S. João, S. Miguel, St.ª Eulália, St.º Adrião, Infias, Tagilde e S. Paio. Foi criado em 1998 por deliberação da Assembleia da República, decisão expressa na Lei nº63/98. O Concelho de Vizela tem uma população residente de 23.736 habitantes, dos quais 11.654 (49,1%) são residentes masculinos e 12.082 femininos (50,9%), de acordo com os dados disponibilizados pelo INE – Censos 2011. No ano de 2001, a população residente ascendia a 22.595, o que representa um aumento de 5% no período de 10 anos que compreende a realização dos Censos. A densidade populacional evoluiu de 954 hab./km² em 2001 para 961 hab./ km² em 2011. A dinâmica económica do concelho é determinada pela indústria têxtil, vestuário e calçado, cuja produção está orientada, quase exclusivamente, para o mercado externo. Por seu lado, a dinâmica cultural do concelho passa pela existência de recursos culturais que estimulam a actividade turística, sendo de assinalar em particular a prática do termalismo, que aproveita a qualidade do actual balneário termal, construído em 1870 e recentemente recuperado e reaberto ao público. O ambiente natural e o património histórico são outros factores que fomentam a actividade turística no concelho. Quanto às acessibilidades disponíveis, o concelho de Vizela é atravessado, no sentido Noroeste-Sudoeste, pela Estrada Nacional 106 (sentido Norte-Sul), que permite o acesso aos Concelhos limítrofes de Guimarães, Santo Tirso, Lousada e Vila Real e às diversas vias que servem o Concelho. A mesma via, complementada pela Estrada Nacional 207-1, no sentido Oeste-Sul, permite também o acesso ao IP4, A11, vias privilegiadas de legação à zona interior da Região Norte. O município é também servido pela via intermunicipal EM 513, no sentido Oeste-Este, que permite o acesso à A7 e, subsequentemente, à A3 e A11, vias de ligação ao litoral Norte e às principais cidades minhotas. O município dispõe ainda de uma estação da rede ferroviária nacional – linha 11 (Guimarães). Principais indicadores geográficos Localização do Município de Vizela e as suas freguesias 2001 2011 H: 11.197 H: : 11.654 População residente 22.595 23.736 M: 11.398 M: 12.082 Taxa de crescimento n.a. 5,0% População Activa 12.360 n.a. Densidade Populacional 954 hab./km² 961 hab./km² Famílias 6.783 7.869 Alojamentos 7.450 9.048 Fonte: INE – Instituto Nacional de Estatística5 Câmara Municipal de Vizela | Dezembro 2012
  7. 7. 2. Dossier Técnico de Propositura Análise histórica – Óptica Orçamental No presente capítulo, apresenta-se uma análise das Demonstrações Financeiras Históricas do Município, na óptica orçamental, para o período 2007-2011. Mapa do Controlo Orçam ental da Receita 2007 2008 2009 2010 2011 Unidade: Milhares de Euros Mapa do Controlo Orçam ental da Receita 2007 2008 2009 2010 2011 1 Receitas Correntes Receitas Correntes Unidade: Milhares de Euros Impostos Directos Receitas Correntes 2.608 2.572 2.286 2.492 2.410 As receitas correntes do Município compreendem os recebimentos de Impostos Impostos Indirectos 589 406 282 341 287 Directos e de Transferências Correntes que, em conjunto, representaram 85% do Impostos Directos 2.608 2.572 2.286 2.492 2.410 Taxas, multas e outras penalidades 384 322 164 192 216 Impostos Indirectos 589 406 282 341 287 total desta rubrica em 2011. Transferências Correntes 3.982 4.235 5.492 5.501 5.364 Taxas, multas e outras penalidades 384 322 164 192 216 Venda de Bens e Serviços Correntes 965 693 744 803 749 Transferências Correntes 3.982 4.235 5.492 5.501 5.364 Outras Receitas Correntes 30 34 14 11 103 Venda de Bens e Serviços Correntes 965 693 744 803 749 2 Receitas de Capital1 Total Receitas Correntes 8.559 8.262 8.983 9.341 9.130 Outras Receitas Correntes 30 34 14 11 103 Total Receitas Correntes Receitas de Capital 8.559 8.262 8.983 9.341 9.130 Em 2011, as receitas de capital do Município referem-se, quase na totalidade, às Venda de Bens de Investimento 0 0 27 21 45 Transferências de Capital recebidas. Verifica-se, ao longo do período, uma Receitas de Capital Transferências de Capital 4.198 1.759 2.547 2.126 4.192 redução das receitas com Passivos Financeiros, o que reflecte a diminuição na Venda de Bens de Investimento 0 0 27 21 45 Passivos Financeiros 1.294 1.268 1.057 170 161 Transferências de Capital 4.198 1.759 2.547 2.126 4.192 contratação de empréstimos bancários. Outras Receitas de Capital 2 7 1 5 72 Passivos Financeiros 1.294 1.268 1.057 170 161 Total Receitas de Capital 5.494 3.034 3.633 2.323 4.405 Outras Receitas de Capital 2 7 1 5 7 Total Receitas de Capital Total Receitas 5.494 14.053 3.034 11.296 3.633 12.616 2.323 11.664 4.405 13.534 3 Despesas Correntes Mapa do Controlo Orçam ental da Despesa 2007 2008 2009 2010 2011 As despesas correntes do Município dividem-se entre despesas com o pessoal, Unidade: Milhares de Euros despesas com aquisição de bens e serviços e despesas com Transferências Despesas Correntes Correntes. O aumento observado no total destas despesas entre 2008 e 2009 Despesas com o pessoal 3.171 3.354 4.449 4.734 4.865 Aquisição de bens e serviços 1.979 2.011 2.111 2.026 2.518 reflecte o aumento das despesas com Pessoal nesse período. Juros e outros encargos 89 158 276 204 91 Transferências correntes 1.756 1.622 1.660 1.314 1.038 Outras despesas correntes 253 512 270 245 206 4 Despesas de Capital3 Total Despesas Correntes 7.247 7.656 8.767 8.524 8.719 As Despesas de Capital do Município referem-se maioritariamente a despesas Despesas de Capital com aquisição de bens de capital. O aumento verificado nesta rubrica entre 2010 Aquisição de bens de capital 6.127 3.007 3.282 2.291 3.867 Transferências de capital 152 758 473 557 310 e 2011 reflecte os investimentos em escolas realizados durante o ano de 2011. Activos Financeiros 473 0 14 9 0 Passivos financeiros 86 232 189 313 4044 Total Despesas de Capital 6.838 3.996 3.959 3.170 4.580 Total Despesas 14.085 11.653 12.726 11.693 13.299 Saldo Orçam ental -32 -357 -110 -29 2356 Câmara Municipal de Vizela | Dezembro 2012
  8. 8. 2. Dossier Técnico de Propositura Análise histórica – Óptica Orçamental: Receitas Mapa do Controlo Orçam ental da Receita 2007 2008 2009 2010 2011 1 Impostos Directos Unidade: Milhares de Euros As Receitas referentes a Impostos Directos representam 30% das Receitas Receitas Correntes1 Impostos Directos 2.608 2.572 2.286 2.492 2.410 Correntes do Município, tendo registado valores relativamente estáveis ao longo do2 Impostos Indirectos 589 406 282 341 287 período. As receitas com impostos directos provêm sobretudo da cobrança do IMI,3 Taxas, multas e outras penalidades 384 322 164 192 216 que, em 2011, representou 62% do total das receitas com estes impostos. As4 Transferências Correntes 3.982 4.235 5.492 5.501 5.364 restantes receitas provêm essencialmente da cobrança do IMT e do Imposto Único5 Venda de Bens e Serviços Correntes 965 693 744 803 749 de Circulação (31% do total de receitas em 2011). Outras Receitas Correntes 30 34 14 11 103 Total Receitas Correntes 8.559 8.262 8.983 9.341 9.130 Receitas de Capital 2 Impostos Indirectos6 Venda de Bens de Investimento 0 0 27 21 45 Consistem em impostos específicos das autarquias, decorrentes essencialmente da7 Transferências de Capital 4.198 1.759 2.547 2.126 4.192 cobrança de impostos referentes à rubrica “Mercados e Feiras” (estas componentes8 Passivos Financeiros 1.294 1.268 1.057 170 161 representaram, em 2011, 48% do total de impostos indirectos). As restantes rubricas Outras Receitas de Capital 2 7 1 5 7 dizem respeito a “Loteamento e Obras”, “Ocupação da via Pública” e “Publicidade”. Total Receitas de Capital 5.494 3.034 3.633 2.323 4.405 Total Receitas 14.053 11.296 12.616 11.664 13.534 3 Taxas, Multas e Outras Penalidades Compreendem as receitas provenientes de taxas aplicadas às actividades de loteamento e obras, que representaram 65% do total desta rubrica em 2011.4 Transferências correntes As Transferências Correntes constituem a rubrica com mais representatividade no total das Receitas Correntes do Município, tendo o seu peso no total destas receitas aumentado de Evolução das receitas com Transferências Correntes 47% para 59% entre 2007 e 2011. As Transferências Correntes dizem fundamentalmente (2007-2011)) respeito às verbas provenientes da Administração Central, nomeadamente o “Fundo de 3.000 Equilíbrio Financeiro”, o “Fundo Social Municipal” (receita especialmente canalizada para a 2.500 Educação) e a “Participação variável no IRS”. Estas três componentes de receitas representaram, em 2011, 60% do total das transferências correntes recebidas pelo 2.000 Município. As restantes receitas com Transferências correntes referem-se, sobretudo, a 1.500 verbas recebidas por parte da DREN (para comparticipação de refeições e prolongamento 2.495 2.604 2.641 2.499 1.000 2.193 2.113 2.094 2.150 de horário, ensino de inglês, entre outros). 500 1.148 1.026 383 257 432 480 477 451 264 281 295 290 0 2007 2008 2009 2010 2011 Fundo de Equilíbrio Financeiro Fundo Social Municipal Participação variável no IRS Outros7 Câmara Municipal de Vizela | Dezembro 2012
  9. 9. 2. Dossier Técnico de Propositura Análise histórica – Óptica Orçamental: Receitas Mapa do Controlo Orçam ental da Receita 2007 2008 2009 2010 2011 5 Venda de Bens e Serviços Correntes Unidade: Milhares de Euros As vendas de Bens e Serviços Correntes compreendem as receitas provenientes da Receitas Correntes recolha de resíduos sólidos e as rendas recebidas pelo Município (estas duas1 Impostos Directos 2.608 2.572 2.286 2.492 2.4102 Impostos Indirectos 589 406 282 341 287 rubricas representaram, em 2011, 83% do valor total destas receitas). As rendas3 Taxas, multas e outras penalidades 384 322 164 192 216 incluídas nesta rubrica referem-se ao contrato de concessão da Vimágua (cujos4 Transferências Correntes 3.982 4.235 5.492 5.501 5.364 valores, que variam em função do consumo, ascendem, em média, a €20k por mês)5 Venda de Bens e Serviços Correntes 965 693 744 803 749 e rendas referentes a infra-estruturas de abastecimento de energia eléctrica. Outras Receitas Correntes 30 34 14 11 103 Total Receitas Correntes 8.559 8.262 8.983 9.341 9.130 Repartição das Vendas de Bens e Serviços Correntes Receitas de Capital (€k; 2011)6 Venda de Bens de Investimento 0 0 27 21 457 Transferências de Capital 4.198 1.759 2.547 2.126 4.1928 Passivos Financeiros 1.294 1.268 1.057 170 161 111 Outras Receitas de Capital 2 7 1 5 7 Total Receitas de Capital 5.494 3.034 3.633 2.323 4.405 Rendas 378 Resíduos Sólidos Total Receitas 14.053 11.296 12.616 11.664 13.534 260 Outros7 Transferências de Capital As transferências relativas ao “Fundo de Equilíbrio Financeiro” representam uma componente significativa do total das receitas com Transferências de Capital do Município Vendas de Bens de Investimento (peso de 40% em 2011). O aumento observado nesta rubrica entre 2009 e 2010 diz respeito ao aumento das transferências recebidas referentes ao fundo "ON2 - O NOVO 6 As receitas com vendas de Bens de Investimento constituem um instrumento de NORTE“, que aumentaram de €211k em 2010 para €2.134k em 2011. Este fundo visa a financiamento extraordinário, que tem apresnetado valores residuais ao longo do comparticipação de investimentos em centros escolares, rotundas, mini-golfe, período em análise. requalificação do parque das termas, entre outros.8 Passivos Financeiros Os Passivos Financeiros reflectem a contratação de empréstimos bancários de médio e longo prazo, que foram utilizados para financiar o plano de investimentos e a actividade corrente do Município. Verifica-se uma redução da contratação de empréstimos a partir do ano de 2009.8 Câmara Municipal de Vizela | Dezembro 2012
  10. 10. 2. Dossier Técnico de Propositura Análise histórica – Óptica Orçamental: Despesas Mapa do Controlo Orçam ental da Despesa 2007 2008 2009 2010 2011 1 Despesas com Pessoal Unidade: Milhares de Euros As Despesas com Pessoal constituem a rubrica com mais peso no total das Despesas Correntes1 despesas correntes do Município, tendo apresentado um peso de 60% no total Despesas com o pessoal 3.171 3.354 4.449 4.734 4.865 destas despesas em 2011. As despesas com Pessoal apresentam uma evolução2 Aquisição de bens e serviços 1.979 2.011 2.111 2.026 2.5183 Juros e outros encargos 89 158 276 204 91 crescente ao longo do período em análise, que reflecte o crescimento do número4 Transferências correntes 1.756 1.622 1.660 1.314 1.038 de colaboradores do Município neste período. No total, o quadro de pessoal da5 Outras despesas correntes 253 512 270 245 206 Câmara incluía 239 colaboradores em 2007, enquanto no final de 2011 o número Total Despesas Correntes 7.247 7.656 8.767 8.524 8.719 de trabalhadores ascendia a 339. Despesas de Capital6 Aquisição de bens de capital 6.127 3.007 3.282 2.291 3.867 Repartição do Total de colaboradores por tipo de contrato7 Transferências de capital 152 758 473 557 310 €k; 2011)8 Activos Financeiros 473 0 14 9 09 Passivos financeiros 86 232 189 313 404 Total Despesas de Capital 6.838 3.996 3.959 3.170 4.580 10 18 CTFP por tempo indeterminado Total Despesas 14.085 11.653 12.726 11.693 13.299 46 CTFP a termo resolutivo certo4 Pessoal em regime de tarefa ou Transferências Correntes avença 263 Outros As Transferências Correntes realizadas pelo Município registaram uma redução ao longo do período em análise, situando-se em €1.038k no ano de 2011. Estas transferências destinam-se a Instituições sem fins lucrativos (nomeadamente jardins de infância, escolas do 1º ciclo, Associações de Pais e Futebol Clube de Vizela), assim como a Associações de Municípios e Freguesias do Concelho. 2 Aquisição de Bens e Serviços Transferências Correntes 2007 2008 2009 2010 2011 As despesas com Aquisição de Bens e Serviços apresentaram um comportamento Unidade: Milhares de Euros relativamente estável ao longo do período em análise, com um crescimento médio Instituições sem fins lucrativos 1.043 958 1.172 1.171 824 anual de 6%. Entre as principais componentes desta rubrica, destacam-se as Associações de Municípios 678 600 407 87 179 Freguesias 35 63 81 56 35 despesas com Resíduos Sólidos (€329k em 2011), Iluminação Pública Total 1.756 1.622 1.660 1.314 1.038 (€309k)Transportes (€174k), Encargos de Instalações (€144k), Combustíveis e Lubrificantes (€142k) e Publicidade (€101k).5 Outras Despesas Correntes 3 Juros e Outros Encargos Nesta rubrica encontram-se registadas diversas despesas diversas relativas a impostos e Incluem os encargos com os empréstimos bancários de médio-longo prazo taxas, apuramento do IVA, serviços bancários, restituições, entre outras. contraídos para o financiamento da actividade corrente e de investimento do Município.9 Câmara Municipal de Vizela | Dezembro 2012
  11. 11. 2. Dossier Técnico de Propositura Análise histórica – Óptica Orçamental: Despesas Mapa do Controlo Orçam ental da Despesa 2007 2008 2009 2010 2011 6 Aquisição de Bens de Capital Unidade: Milhares de Euros As despesas de capital do Município são constituídas, quase na totalidade, por Despesas Correntes1 despesas com “aquisição de bens de capital”, as quais apresentam uma redução Despesas com o pessoal 3.171 3.354 4.449 4.734 4.8652 Aquisição de bens e serviços 1.979 2.011 2.111 2.026 2.518 ao longo do período em análise. Em 2011, as despesas com aquisição de bens de3 Juros e outros encargos 89 158 276 204 91 capital representaram 85% do total destas despesas. Neste ano, a componente a4 Transferências correntes 1.756 1.622 1.660 1.314 1.038 construção de escolas foi responsável por 40% dos investimentos em bens de5 Outras despesas correntes 253 512 270 245 206 capital. Total Despesas Correntes 7.247 7.656 8.767 8.524 8.719 Ao longo do período em análise, as outras despesas de investimento com mais Despesas de Capital6 representatividade dizem respeito a despesas com construção de vias rurais, Aquisição de bens de capital 6.127 3.007 3.282 2.291 3.8677 Transferências de capital 152 758 473 557 310 viadutos, arruamentos e obras complementares e despesas com instalações de8 Activos Financeiros 473 0 14 9 0 serviços.9 Passivos financeiros 86 232 189 313 404 Total Despesas de Capital 6.838 3.996 3.959 3.170 4.580 Decomposição da rubrica “Aquisições de Bens de Capital” (€k; 2007-2011) Total Despesas 14.085 11.653 12.726 11.693 13.299 8.000 €6.127k8 Activos Financeiros 6.000 As despesas com Activos Financeiros compreendem despesas relativas à concessão de 1.871 empréstimos financeiros de médio e longo prazo, assim como despesas relativas com €3.867k 4.000 404 €3.007k €3.282k participações do Município noutras empresas. 289 813 878 €2.291k 1.792 1.093 2.000 770 925 2939 Passivos Financeiros 2.750 1.052 414 1.494 1.586 141 Os valores registados como Passivos Financeiros dizem respeito às despesas com o 564 653 0 reembolso dos empréstimos de médio e longo prazo contraídos pelo Município. 2007 2008 2009 2010 2011 Viação rural Viadutos, arruamentos e obras complementares Escolas Instalações de Serviços Outros 7 Transferências de Capital As Transferências de Capital do Município reflectem maioritariamente as transferências para as Associações de Municípios e Instituições particulares de carácter social, desportivo e cultural.10 Câmara Municipal de Vizela | Dezembro 2012
  12. 12. 2. Dossier Técnico de Propositura Análise histórica – Óptica Patrimonial: Demonstração de Resultados Dem onstração de Resultados FY07 FY08 FY09 FY10 FY11 1 Proveitos Operacionais Unidade: Milhares de Euros As transferências do estado e os subsídios obtidos representam a principal fonte Impostos e taxas 3.568 3.258 2.686 3.593 3.010 de receitas do Município. Das Transferências Correntes e de Capital, destacam- Vendas e Prestações de serviços 895 574 662 756 743 se as verbas referentes ao “Fundo Equilíbrio Financeiro” e as comparticipações Outros rendimentos e ganhos 1.203 427 563 3.900 815 da DREN. O aumento das transferências obtidas, registado em 2009, diz respeito Transferências e subsídios obtidos 5.675 5.895 7.611 7.297 7.206 ao incremento das transferências provenientes da DREN, para comparticipação1 Proveitos Operacionais 11.341 10.154 11.522 15.546 11.774 das despesas decorrentes da transferência de 112 trabalhadores do Ministério Custo das Vendas (451) (534) (419) (414) (530) da Educação para o quadro do Município.2 Fornecimentos e Serviços Externos (1.940) (2.238) (2.338) (2.816) (2.810) A rubrica “Impostos e Taxas”, que representa a segunda rubrica mais3 Gastos com Pessoal (2.919) (3.153) (4.090) (4.552) (4.715)4 Outros gastos e perdas (2.179) (2.794) (3.146) (5.332) (2.163) representativa do total de proveitos, compreende os proveitos arrecadados com Gastos de depreciação e amortização (942) (1.261) (1.323) (1.450) (1.600) (i) Impostos directos (imposto sobre imóveis e o Imposto Municipal); e (ii) Gastos Operacionais (8.431) (9.979) (11.316) (14.564) (11.818) Impostos indirectos, nomeadamente os que advêm de “Mercados e Feiras” e Resultados Operacionais 2.910 175 206 981 (44) “Loteamentos e obras”. % Volume de Negócios 26% 2% 2% 6% 0% No que diz respeito ao montante de “Outros Rendimentos e Ganhos”, o aumento Proveitos Financeiros 40 25 11 5 10 registado em 2010 traduz um proveito extraordinário obtido, no valor de 3 M€, Gastos Financeiros (119) (191) (139) (91) (105) resultante de alienações de edifícios.5 Resultados Financeiros (78) (166) (128) (86) (95) Resultado líquido 2.832 9 77 896 (139) 2 Fornecimentos e Serviços Externos (FSE) Evolução dos Fornecimentos e Serviços Externos (FY07-FY11; Milhares de Euros) Os gastos com Fornecimentos e Serviços Externos representam 30% do total dos gastos do Município. Os FSE, que apresentam um crescimento médio anual €2.816k €2.810k de 10% ao longo do período em análise, são sobretudo influenciados pelos €2.338k €2.238k €1.940k gastos com Electricidade (Iluminação Pública), Honorários, Conservação e 1.455 1.562 reparação e Subcontratos. 914 917 823 311 378 297 394 330 383 396 374 158 363 394 425 477 509 FY07 FY08 FY09 FY10 FY11 Electricidade Honorários Conservação e reparação Subcontratos Outros11 Câmara Municipal de Vizela | Dezembro 2012

×