Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Feudalismo 2013

1,405 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Feudalismo 2013

  1. 1. BAIXA IDADE MÉDIA
  2. 2. CARACTERÍSTICAS GERAIS: • Decadência do feudalismo. • Estruturação do modo de produção capitalista. • Transformações básicas: – auto-suficiência para economia de mercado; – novo grupo social: burguesia; – formação das monarquias nacionais.
  3. 3. CRESCIMENTO POPULACIONAL: • Fim das invasões. • Maior consumo. • Excedentes populacionais expulsos dos feudos. – Retomada das cidades. – Aumento do comércio. – Aumento da criminalidade. • Aperfeiçoamento de técnicas agrícolas. – Moinho hidráulico, arado de ferro... • Busca de mais terras para cultivo.
  4. 4. O MOVIMENTO CRUZADISTA (séc. XI – XIII): • Movimento religioso e militar dos cristãos para retomar a Terra Santa (Jerusalém), em poder dos muçulmanos. • Acomodação de excedentes populacionais. • Busca de terras (nobreza). • Busca de aventura ou enriquecimento (pilhagens). • Absolvição dos pecados ou cura de enfermidades. • Interesse comercial (mercadores italianos). • 8 cruzadas oficiais e 2 extra oficiais. • Fracasso militar.
  5. 5. • Sucesso comercial (reabertura do Mar Mediterrâneo e das rotas de comércio entre o Oriente e o Ocidente).
  6. 6. O RENASCIMENTO COMERCIAL: • Cidades italianas. • Surgimento de rotas de comércio ligando o continente europeu. • Cruzamento de rotas: feiras. - Champanhe (FRA) e Flandres (BEL).
  7. 7. ROTAS DE COMÉRCIO MEDIEVAIS:
  8. 8. O RENASCIMENTO URBANO: • Retomada do comércio impulsiona o renascimento urbano. • Burgos (fortalezas). • Burgueses: habitantes dos burgos (artesãos e comerciantes). • Movimento comunal (séc. XI – XIII): libertação das cidades da autoridade dos senhores feudais.
  9. 9. • GUILDAS: associações de mercadores (monopólio do comércio local, controle da concorrência estrangeira, regulamentação de preços). • CORPORAÇÕES DE OFÍCIO: associações de artesãos (monopólio das atividades artesanais, controle da concorrência, regulamentação de preços, estabelecimento de normas de produção, controle de qualidade e assistência aos membros). • Formação de grupo de grandes comerciantes e artesãos que se sobrepunham aos demais, impondo seu poder econômico. • Trabalho assalariado.
  10. 10. • Peste Negra (1347 – 1350): – Peste bubônica. – Morte de 1/2 dos europeus (45 milhões). – Enfraquecimento dos nobres.
  11. 11. • JACQUERIES – • rebeliões camponesas.
  12. 12. DIVISÃO DA IGREJA A Igreja tinha o poder econômico, político e cultural - Teocentrismo ( explicação religiosa para quase tudo) Monopólio do saber e da interpretação da realidade social CLERO REGULAR –Vive em isolamento em relação –aos fiéis. CLERO SECULAR –Vive em contato mundano com –os fiéis. ALTO E BAIXO CLERO
  13. 13. A AÇÃO DA IGREJA  REPRESSIVA :  EXCOMUNHÃO  INTERDIÇÃO  INQUISIÇÃO  SOCIAL :  CRIAÇÃO DE HOSPITAIS, ORFANATOS E LEPROSÁRIOS  INSTITUIÇÃO DO ASILO  IMPOSIÇÃO DA “TRÉGUA DE DEUS”
  14. 14. –PAPA GREGÓRIO IX –Criou os Tribunais da Inquisição –Pode-se dizer que foi o papa Gregório IX (1227-1241) em sua bula Excommunicamus, publicada em 1231 que organizou a verdadeira Inquisição.
  15. 15. INSTRUMENTOS DE TORTURA UTILIZADOS CONTRA AS HERESIAS, CONSOLIDANDO O TRIBUNAL DA INQUISIÇÃO CADEIRA INQUISITÓRIA ESMAGA CRÂNEOS FORQUILHA DO HEREGE CINTO DE ESTRANGULAMEN TO ESMAGA SEIOS
  16. 16. HERESIAS • Principais hereges – Albigenses (catarismo) , Nestorianos*, Judeus, Bruxas. • Tribunal da Inquisição – Meio de combate às heresias. * O Nestorianismo é uma forma de diofisismo e pode ser entendido como a antítese do monofisismo, que emergiu justamente como reação a ele. Enquanto o primeiro sustenta que Cristo teria duas naturezas vagamente unidas (divina e humana).
  17. 17. O catarismo era baseado numa interpretação dualista do Novo Testamento(recusavam o Antigo por ser uma crônica da criação do mundo material pelo falso Deus, também denominado Demiurgo). Assim defendiam a existência de dois princípios supremos: o Bem e o Mal, sendo o primeiro o criador dos espíritos e o segundo o da matéria. –A doutrina cátara chocava radicalmente com a pregada pela Igreja Romana. Entre outras coisas: * Negava a existência de um único Deus ao afirmar a dualidade das coisas (existência de um Deus mau). *Negava o dogma da Trindade, recusando o conceito do espírito santo e afirmando queJesus não era o filho de Deus encarnado mas uma aparição que mostrava o caminho à perfeição. *Propugnava a salvação através do conhecimento em vez de através da fé em Deus.
  18. 18. uitetura - IDADE MÉDIA 476-1453
  19. 19. –ÁREA –- Europa Ocidental (romanizada - ocupada pelos germanos) –ORIGENS MEDIEVO –- Cultura Germânica + Greco-Latina + Cristianismo = Cultura Ocidental –“ERA DAS GRANDES CATEDRAIS”: arredores de Paris, século XII ~ XVI –ESCOLÀSTICA: Deus como Unidade Suprema e Matemática –- Pilares: Santos –- Paredes: Base espiritual da Igreja –- Arcos e Nervuras: Caminhos para Deus –- Vitrais: Sagradas Escrituras
  20. 20. ARQUITETURA ROMÂNICA –A primeira coisa que chama a atenção nas igrejas românicas é o seu tamanho. Elas são sempre grandes e sólidas. Daí serem chamadas: fortalezas de Deus. É um estilo essencialmente clerical.
  21. 21. Estilo Românico
  22. 22. ARQUITETURA GÓTICA –A arquitetura expressa a grandiosidade, a crença na existência de um Deus que vive num plano superior; tudo se volta para o alto, projetando-se na direção do céu, como se vê nas pontas agulhadas das torres de algumas igrejas góticas. –A rosácea é um elemento arquitetônico muito característico do estilo gótico e está presente em quase todas as igrejas construídas entre os séculos XII e XIV. –Outros elementos característicos da arquitetura gótica são os arcos góticos ou ogivais e os vitrais coloridíssimos que filtram a luminosidade para o interior da igreja.
  23. 23. –CARACTERÍSTICAS MARCANTES –- Escala gigantesca dos edifícios –- Utilização de grandes vitrais –(LUZ) Sagradas Escrituras –- Decoração faustosa –- Arquitetura magnífica, “fria” –- Plena continuidade entre início dos pilares e o cume de suas abóbadas. –OBJETIVOS –- Impressionar clero rival e público –- Atrair a confiança das –demais cidades –- Finalidade Espiritual –Catedral SAINT DENIS, séc. X-XIII, França
  24. 24. –CATEDRAL DE SAINT-PIERRE, BEAUVAIS, séc. XIII-XVII, França – –- marco dos limites da engenharia na Idade Média –- desafio aos cânones arquitetônicos clássicos –- arcada central: 48 m altura
  25. 25. FRANÇA: GÓTICO PRIMITIVO –CARACTERÍSTICAS MARCANTES: –- verticalidade –- redução dos volumes das paredes –- entrada de luz através de grandes vitrais –- escultura: formas tardias do Românico (séc. XII)
  26. 26. –Catedral de NOTRE DAME, –1177 - 1240 França –ARCOBOTANTE : –- transfere a carga da abóbada – para o solo e alivia o “peso” – nas paredes –- construção mais leve –- possibilidade de aumentar o número de janelas –(quanto mais altas as paredes, –maior os vãos dos arcobotantes)
  27. 27. –ABÓBADA DE CRUZARIA COM NERVURAS: –suporte de madeira para o travamento (CHAVE) / aceleração da construção –Catedral de AUXERRE, –1023 - 1235 França –Abadia de Pontigny, –1140 - 1208, França –ARCO QUEBRADO: –permite aumentar a altura sobre vão quadrado ou retangular
  28. 28. –ORNATO DE FRECHAIS (séc.XII): –janelas pouco ornamentadas –e rasgadas na alvenaria, –sem divisões secundárias –COGULHO: –decoração em pedra, em folhas –estilizadas ROSÁCEA
  29. 29. –COLUNAS DE BASE: –pesadas, mas com –tratamento uniforme –- verticalidade e continuidade –Catedral de NOTRE DAME, –1177 - 1240 França
  30. 30. –DUAS TORRES LATERAIS: –fachada Oeste, ROSÁCEA e TRÊS PORTAIS –combinação de elementos Góticos –Labirinto Nave Central –MÍSULA: –Estatueta ou Mascarão em Florão –Catedral de Chartres, 1021-1240, França
  31. 31. –FACHADA OCIDENTAL: séc. XIII –- maior unidade compositiva com –mesmos elementos anteriores –- ornatos mais “ricos” –ORNATO DE BARRAS –suporte e articulação de janelas –por estreitos PILARETES de pedra –em vez de alvenaria maciça –Catedral de NOTRE DAME, 1177 - 1240 França
  32. 32. –ORNATO DE CAPITEL: –cada capitel é tratado de –forma diferente –folhagens mais livres que –as do Clássico –(liberdade de expressão) –GÁRGULAS: –escoedouro –da água da chuva –animais, –seres humanos –criaturas fantásticas
  33. 33. –O capitel é a extremidade superior de uma coluna, de um pilar ou de uma pilastra, cuja função mecânica é transmitir os esforços para ofuste. –As gárgulas cumprir três funções básicas, a saber: –Escoar a água dos telhados. –Espantar as bruxas , demônios e Outros espíritos do mal .
  34. 34. FRANÇA: GÓTICO RADIANTE (MEADOS SÉCULO XIII) E GÓTICO FLAMEJANTE (FIM SÉCULO XIV - XVI) –Gótico Radiante (Rayonnant) meados século XIII) –CARACTERÍSTICAS MARCANTES: –- alterações decorativas e menos estruturais –- escala gigantesca (altura) –- limite da escala do vidro em relação à parede –- escultura Gótica atinge seu mais alto nível ORNATO RADIANTE: decoração no sentido radial, estilizando a representação das pétalas da Rosa –Catedral de SAINT-OUEN,1202-1880, Rouen, França
  35. 35. –TRACERIA (ou Arredondado): –elementos geométricos em pedra (madeira) que podem subdividir aberturas (rosáceas) em forma de renda perfurada, revestir áreas com formas em relevo –JANELA RADIANTE: –- contenção e geometria de formas –- estreitamento da abertura –- verticalidade na alvenaria
  36. 36. –Gótico Flamejante (Flamboyant- “Chama”) fim século XIV- XVI) –CARACTERÍSTICAS ADICIONAIS: –- decai a Escolástica (arte volta-se ao indivíduo - nominalismo) –- profusão decorativa: “exteriores” –- raras intervenções decorativas internas –- folhagens naturalistas –ORNATO CEGO (Portas): –o enchimento do vão é –em pedra, não em vidro –JANELA FLAMEJANTE: linhas harmoniosas, formas atenuadas (chamas) liberdade de efeitos (mas falta “coesão”)
  37. 37. –Catedral de MOULIN, séc. XV, França –ESTATUTÁRIA Flamejante: –- indivíduos piedosos (mas sem a placidez dos anjos Radiantes) –- morbidez nas esculturas: Igrejas, Cemitérios (Morte representada com “Dor”)
  38. 38. –FRANÇA: GÓTICO DOMÉSTICO E SECULAR –TORREÕES NOS ÂNGULOS –CIRCULARES: –(origem na arquitetura de defesa) –já sem utilidade prática –MINARETES com –coberturas em cone, –pináculos e janelas –inclusos no edifício –Chateau de NIEUIL, França –CARACTERÍSTICAS MARCANTES: –- desenvolvimento de “vilas”, cidades fortificadas –- forma subordinada à função –- construção de castelos, casas, edifícios administrativos –- decoração exterior concentrada ao redor de elementos (aberturas, contrafortes = Igrejas) –- destaque para as Escadas: projeção na fachada / entrada principal (≠ Igrejas) –- planta doméstica não era centrada à volta do salão (≠ Inglaterra) –- fachada urbana: horizontalidade – três pisos (janelas, arcadas abertas)
  39. 39. –CULTURA MEDIEVAL –Educação: –Objetivo: transmissão dos valores e regras sociais –Informal – convivência com adultos. –Formal – controle da Igreja.
  40. 40. –Nas Universidades se estudava todos os campos do conhecimento: artes, teologia e filosofia, direito e medicina. As sete artes liberais eram divididas em duas partes: Trivium (gramática, retórica e lógica) Quadrívium (aritmética, geometria, astronomia e música).
  41. 41. Filosofia: Durante a Alta Idade Média, o grande teólogo foi Santo Agostinho, responsável pela síntese entre a filosofia clássica – platônica – e a doutrina cristã. – Alta Idade Média: Santo Agostinho. Filosofia Clássica + Cristianismo. Natureza humana é corrompida. Fé em Deus = Salvação –Segundo a teoria agostiniana:  a natureza humana é, por essência, corrompida, estando na fé em Deus a remissão, salvação eterna. Principais obras: Confissões e Cidade de Deus.
  42. 42. – Baixa Idade Média: Escolástica (São Tomás de Aquino). –A visão pessimista de Santo Agostinho foi substituída pela filosofia escolástica, que procurou harmonizar razão e fé, partindo do pressuposto de que o progresso do ser humano dependia não apenas da vontade divina, mas do esforço do próprio homem. –Inspirado no pensamento de Aristóteles elaborou a Suma Teológica. –O tomismo reprovava a “ambição do ganho” , o pecado da usura. Harmonia entre razão e fé. Valorização do esforço humano. Livre arbítrio. Clero = orientador moral e espiritual. Liberdade de escolha = concepções da Igreja. “preço justo” – condenação da usura.
  43. 43. –Literatura:  Latim “língua culta” até o século X.  A fusão do latim com as “línguas bárbaras”, no século XI, foi sendo substituído aos poucos pelos idiomas nacionais.  Os poemas épicos foram as primeiras manifestações literárias em língua nacional – Canção de Rolando (francês), poema do Cid (espanhol) No século XII, inaugura uma nova fase – O trovadorismo. A poesia trovadoresca surgiu na Provença, região sul da França. Cultivada especialmente pela nobreza, era produzida pelos trovadores. Os trovadores louvavam o heroísmo da cavalaria, mas seu tema predileto era o amor ( amor oprimido dos amantes – devido as convenções sociais ) – * o ciclo da Távola redonda, relatam as aventuras do rei Arthur. – temas: valores como bravura, lealdade...
  44. 44. Música –Mas existiam também as cantigas profanas, associadas aos Trovadores (aqueles que compunham as poesias e as melodias) e aos Jograis (aquele que cantava a cantiga e que, normalmente, era o próprio Trovador). As Cantigas podiam ser de Amigo, de Amor, de Escárnio e de Maldizer.
  45. 45. –Nos últimos anos da Idade Média, a produção literária apresentou fortes traços humanistas. Influenciada pela filosofia escolástica e pelo estudo dos clássicos desenvolvidos nas universidades, a literatura medieval do século XIII e XIV já prenunciava o Renascimento. –Maior obra da literatura medieval é, sem dúvida, a Divina Comédia, escrita por Dante Alighiere (1265-1321).  A obra constitui-se de um extenso poema em que o próprio autor relata sua viagem pelo Inferno, Purgatório e Paraíso, Ao longo dessa viagem imaginária, Dante encontra diversos mortos ilustres, do passado e de sua época, e faz reflexões sobre a fé e a razão, a religião e a ciência, o amor e as paixões.
  46. 46. SÃO CARACTERÍSTICAS DA CRISE FEUDAL: –Expansão predatória da exploração de terras, que teria contribuído para o desgaste de sua fertilidade; –Intenso desmatamento, que teria gerado a alternância de períodos chuvosos e secos e alterações climáticas e ecológicas; Diminuição da produção agrícola associada ao encarecimento dos produtos e ao esgotamento das minas de ouro e prata da Europa; –Aumento do número de nobres e de suas necessidades de consumo, que teria aumentado consideravelmente o grau de exploração sobre a massa camponesa.

×