Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Interação e aprendizagem em ambientes virtuais

Aula inaugural no TIDD - programa de pós graduação em Tecnologias da Inteligência e Design Digital - PUC-SP em 23/08/2011

Related Books

Free with a 30 day trial from Scribd

See all
  • Be the first to comment

Interação e aprendizagem em ambientes virtuais

  1. 1. Aula inaugural no TIDD<br />Programa de Pós-Graduação em <br />Tecnologias da Inteligência e Design Digital PUC-SP<br />23/08/2011<br />Interação e Aprendizagem em Ambientes VirtuaisJoão Mattar<br />
  2. 2. De que formas<br />a interação e a interatividade<br />afetam a aprendizagem<br />em ambientes virtuais?<br />1. Questão Principal<br />
  3. 3. Quais as influências <br />da ausência do corpo <br />na interação e na aprendizagem <br />em ambientes virtuais?<br />BORGMANN, Albert. Holding on to reality: the nature of information at the turn of the millennium. Chicago: Univeristy of Chicago Press, 2000.<br /> DREYFUS, Hubert L. On the Internet. London: Routledge, 2003.<br />1.1. Ausência do Corpo<br />
  4. 4. Como os processos inconscientes influenciam a interação e a aprendizagem em ambientes virtuais? <br /> É possível identificar diferenças nos processos inconscientes entre a aprendizagem em ambientes virtuais e a aprendizagem em ambientes presenciais?<br />LEIBNIZ, GottfriedWilhelm. Novos ensaios sobre o entendimento humano. Trad. Luiz João Baraúna. São Paulo: Abril Cultural, 1980. (Col. Os Pensadores)<br />1.2. Inconsciente<br />
  5. 5. “existe uma série de indícios que nos autorizam a crer que existe a todo momento uma infinidade de percepções em nós, porém sem apercepção [consciência de nossas próprias percepções ou impressões dos sentidos] e sem reflexão: mudanças na própria alma, das quais não nos apercebemos, pelo fato de as impressões serem ou muito insignificantes e em número muito elevado, ou muito unidas, de sorte que não apresentam isoladamente nada de suficientemente distintivo; porém, associadas a outras, não deixam de produzir o seu efeito e de fazer-se sentir ao menos confusamente.” <br /> (LEIBNIZ, 1980, p. 11-12)<br />Percepções sem apercepção<br />
  6. 6. “Essas pequenas percepções, devido às suas conseqüências, são por conseguinte mais eficazes do que se pensa. São elas que formam esse não sei quê, esses gostos, essas imagens das qualidades dos sentidos, claras no conjunto, porém confusas nas suas partes individuais, essas impressões que os corpos circunstantes produzem em nós, que envolvem o infinito, esta ligação que cada ser possui com todo o resto do universo.” <br /> (LEIBNIZ, 1980, p. 84)<br />Percepções nos determinam<br />
  7. 7. “ocorrem-nos pensamentos involuntários, em parte de fora, pelos objetos que atingem os nossos sentidos, em parte dentro de nós devido às impressões (muitas vezes insensíveis) que restam das percepções precedentes que continuam a sua ação e que se mesclam ao que vem de novo. Somos passivos quanto a isso, e mesmo quando estamos em vigília; imagens (sob as quais compreendo não somente as representações das figuras, mas também as dos sons e de outras qualidades sensíveis) nos ocorrem, como nos sonhos, sem serem chamadas.<br />O inconsciente nos guia<br />
  8. 8. A língua alemã as denomina fliegendeGedankencomo quem dissesse pensamentos volantes, que não estão sob o nosso poder, e nos quais existem por vezes muitos absurdos que produzem escrúpulos às pessoas de bem e quebra-cabeças aos casuístas e diretores de consciência. É como uma lanterna mágica que faz aparecer figuras na muralha à medida que se gira alguma coisa dentro. [...] Além disso, o espírito entra, como bem lhe parecer, em certas progressões de pensamentos que o conduz a outras.” (LEIBNIZ, 1980, p. 127-128)<br />O inconsciente nos guia<br />
  9. 9. “Essas percepções insensíveis assinalam também e constituem o próprio indivíduo, que é caracterizado pelos vestígios ou expressões que elas conservam dos estados anteriores deste indivíduo, fazendo a conexão com o seu estado atual.” <br /> (LEIBNIZ, 1980, p. 13)<br />Percepções nos constituem<br />
  10. 10. “toda interação, todo acoplamento, interfere no funcionamento do sistema nervoso, por causa das mudanças estruturais que nele desencadeia. Toda experiência é modificadora, em especial em relação a nós, embora às vezes as mudanças não sejam completamente visíveis.” <br />MATURANA, Humberto R; VARELA, Francisco J. A árvore do conhecimento: as bases biológicas da compreensão humana. Trad. Humberto Mariotti e Lia Diskin. São Paulo: Palas Athena, 2001. p. 189.<br />Interação & Inconsciente<br />
  11. 11. “O que acontece com a distinção bem marcada entre o sujeito e o objeto do conhecimento quando nosso pensamento encontra-se profundamente moldado por dispositivos materiais e coletivos sociotécnicos? Instituições e máquinas informacionais se entrelaçam no íntimo do sujeito. A progressão multiforme das tecnologias da mente e dos meios de comunicação pode ser interpretada como um processo metafísico molecular, redistribuindo sem descanso as relações entre sujeitos individuais, objetos e coletivos. Quem pensa? É o sujeito nu e monádico, face ao objeto? São os grupos intersubjetivos? Ou ainda as estruturas, as línguas, as epistemes ou os inconscientes sociais que pensam em nós?.”<br /> LÉVY, P. As tecnologias da inteligência: o futuro do pensamento na era da informática. Tradução de Carlos Irineu da Costa. Rio de Janeiro: Ed. 34, 1993, p. 10-11.<br />Quem pensa?<br />
  12. 12. Que diferentes tipos de interação <br />podem ocorrer <br />em situações de aprendizagem <br />em ambientes virtuais?<br />1.3. Interação em AVs<br />
  13. 13. Interaction: 1832 (Oxford English Dictionary) & 1867 (French) - human + human (even when mediated by technology), Social<br />Interactivity: 1960s & 70s w/ arts, mass media critics, new ICTs & computing - human + machine (OR machine + machine), Technological<br />Interaction / Interactivity<br />
  14. 14.
  15. 15. LEMOS, A. L. M. Anjos interativos e retribalização do mundo. Sobre interatividade e interfaces digitais. <br />MATTAR, J. (2009). Interatividade e aprendizagem. In LITTO, F., FORMIGA, M. (org.). Educação a distância: o estado da arte. São Paulo: Pearson Education do Brasil. pp.112-120.<br />PRIMO, A. (2007). Interação mediada por computador: comunicação – cibercultura - cognição. Porto Alegre: Sulina.<br />WAGNER, E. D. (1994). In support of a functionaldefinitionof interaction. TheAmericanjournalofdistanceeducation, 8(2), 6-29.<br />WAGNER, E. D. (Fall 1997). Interactivity: fromagents to outcomes. Newdirections for teachingandlearning, n. 71, p. 19-26. <br />Referências<br />
  16. 16. Níveis de Interatividade<br />objetos<br />linear<br />suporte<br />atualização<br />construção<br />refletida<br />simulação<br />hiperlinks<br />contextual não-imersiva<br />virtual imersiva<br />SIMS, Roderick. Interactivity: a forgotten art? 27 jan. 1997.<br />
  17. 17. 3 interações<br />
  18. 18. 6 interações<br />
  19. 19. 7 interações<br />
  20. 20. Tipos de Interação<br />Aluno/Professor<br />Aluno/Aluno<br />Aluno/Conteúdo<br />Aluno/Interface<br />Auto-Interação<br />Vicária<br />Professor/Professor<br />Professor/Conteúdo<br />Conteúdo/Conteúdo<br />Moore (1989)<br />Moore (1989)<br />Moore (1989)<br />Hillmanetal (1994)<br />Soo; Bonk (1998)<br />Sutton (2001)<br />Anderson (2003)<br />Anderson (2003)<br />Anderson (2003)<br />
  21. 21. MOORE, Michael. Three types of interaction. American Journal of Distance Education, v. 3, n. 2, p. 1-6, 1989.<br />HILLMAN, Daniel C. A.; WILLIS, Deborah J.; GUNAWARDENA, Charlotte N. Learner- interface interaction in distance education: an extension of contemporary models and strategies for practitioners. The American Journal of Distance Education, v. 8, n. 2, p. 30-42, 1994.<br />SOO, K.; BONK, C. J. Interaction: what does it mean in online distance education? Paper presented at the ED/MEDIA/ED-TELECOM 98 World Conference on Educational Multimedia and Hypermedia & World Conference on Educational Telecommunications, Freiburg, Germany, 1998. <br />SUTTON, L. A. The principle of vicarious interaction in computer-mediated communications. International Journal of Educational Telecommunications, Norfolk: VA, v. 7, n. 3, p. 223-242, 2001.<br />ANDERSON, Terry. Getting the mix right again: an updated and theoretical rationale for interaction. The International Review of Research in Open and Distance Learning, v. 4, n. 2, 2003. <br />Referências<br />
  22. 22. Apesar deste interessante histórico de discussão sobre interação em ambientes virtuais, faz-se necessário sintetizar e relacionar a literatura sobre interação, oferecendo orientações práticas para o design de interações.<br /> HIRUMI, Atsusi. Analysing and designing e-learning interactions. In: JUWAH, Charles (Ed.). Interactions in online education: implications for theory and practice. New York, N.Y.: Routledge, 2006. p. 46-71.<br />Teoria e Prática<br />
  23. 23. Modelo de Hirumi (2006)<br />Level III<br />Level II<br />Level I<br />
  24. 24. <ul><li>participação-intervenção
  25. 25. bidirecionalidade-hibridação
  26. 26. potencialidade-permutabilidade. </li></ul>SILVA, Marco. Sala de aula interativa. 5. ed. São Paulo: Loyola, 2010.<br />Sala de Aula Interativa<br />
  27. 27. Pedagogia do Parangolé<br />
  28. 28. Na narrativa eletrônica, o autor é como um coreógrafo que fornece o ritmo, o contexto e o conjunto de passos que serão dados. O interator, seja um navegador, protagonista, explorador ou construtor, faz uso desse repertório de passos e ritmos possíveis para improvisar uma dança particular entre muitas danças possíveis que o autor permitiu. <br />MURRAY, Janet H. Hamlet on the holodeck: the future of narrative in cyberspace. MIT Press, 1998, p. 152-153.<br />Interactor<br />
  29. 29. GORDON & ZEMKE, 2000; ZEMKE & ALLISON, 2002 (Design de Games x Design Instrucional)<br />PORTNOW & FLOYD, 2008 (Aprendizado Tangencial)<br />ALDRICH, 2009 (Games e Simulações)<br />BOGOST, 2007 (Games Persuasivos)<br />CSIKSZENTMIHALYI, 2008 (Teoria do Fluxo)<br />GEE, 2004 (Games e Aprendizagem)<br />PRENSKY, 2007 (Digital-Game BasedLearning)<br />SHAFFER, 2008 (Games Epistêmicos)<br />Design de Games<br />
  30. 30. Cognição Situada<br />Teoria da Atividade<br />Aprendizagem Experiencial<br />Aprendizagem Ancorada<br />Aprendizagem Autêntica<br />NeoConstrutivismo<br />
  31. 31. Behaviorismo/Cognitivismo (Design Instrucional)<br />Construtivismo e Socioconstrutivismo (Piaget, Vygotsky, Dewey)<br />Conectivismo (MOOCs)<br /> ANDERSON, Terry; DRON, Jon. Three generations of distance education pedagogy. IRRODL International Review of Research in Open and Distance Learning, Vol 12, No 3, 2011: Special Issue - Connectivism: Design and Delivery of Social Networked Learning, p. 80-97.<br />3 Gerações Pedagogia EaD<br />
  32. 32. EaD: o futuro da arte<br />
  33. 33. 15/10 <br />http://congressoead.blogspot.com/<br />

×