Forca Feminina

869 views

Published on

Trabalho de Web 2.0 Joana da Rosa e Marina Carvalho, Universidade Católica de Pelotas 2009/1

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
869
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
22
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Forca Feminina

  1. 1. Força Feminina
  2. 2. Sociedade Machista X Luta da Mulher <ul><ul><li>A partir da revolução sexual que, começou nos anos 60 e foi até o início dos anos 80, a mulher começou a questionar seu papel na sociedade. O machismo, o casamento, ter ou não ter filhos, a carreira foram assuntos colocados na mesa pela mulher contemporânea. Soutiens foram queimados, excessos cometidos, e a mulher precisou se equilibrar nesse universo confuso e cheio de possibilidades. </li></ul></ul>
  3. 3. Sociedade Machista X Luta da Mulher <ul><ul><li>Então a mulher foi à luta e conquistou seu espaço, ocupou funções antes reservadas apenas ao sexo masculino, mostrando ao mundo sua capacidade. Algumas mulheres se desdobram até hoje para cumprir as funções de esposa, mãe e profissional competente. Outras optaram pela carreira, e sobem degraus antes não imaginados pela nossa sociedade. A mulher contemporânea conheceu o stress da vida moderna, a solidão das grandes cidades, a competição no trabalho, e assustou os homens que desconheciam o potencial de suas companheiras, e se perguntavam o que teria acontecido com a Amélia que ainda subsiste no inconsciente masculino. </li></ul></ul>
  4. 4. Sociedade Machista X Luta da Mulher <ul><ul><li>O século 21 PEDE equilíbrio nas relações humanas e sociais. A mulher desenvolveu o seu potencial, mas continua sendo a companheira do homem e a mãe, dotada da sensibilidade e da força que Deus lhe concedeu. Muito essa geração de mulheres guerreiras tem a ensinar, e ainda mais a aprender com o movimento da vida, que sempre vence a morte e transforma mulheres frágeis em exemplos de superação e vitória frente a um mundo adverso. (Marisa Balsemão) </li></ul></ul>
  5. 5. Mulheres X Futebol <ul><ul><li>A sociedade ainda (mesmo que a idéia esteja começando a mudar) discrimina a mulher que mostra um interesse na prática do esporte. Pode-se afirmar esse fato através de análises feitas no campo sociológico. </li></ul></ul><ul><li>  </li></ul><ul><ul><li>A mulher no esporte em geral, é lembrada não por seu desempenho ou conquista, mas pela sua beleza e sexualidade frente ao que a mídia retrata, &quot;o jogo bonito de se ver&quot; não está relacionado as jogo em si, nem ao aspecto estético das belas jogadas, mas às pernas das jogadoras, às &quot;sainhas e bermudas&quot;, enfim, associado a imagem veiculada e vendida pela indústria cultural, determinando padrão de beleza feminina, que confunde a estética do jogo com a estética do corpo ( BRUHNS, 2000). </li></ul></ul>
  6. 6. Mulheres X Futebol <ul><ul><li>A profissionalização no Brasil é acentuadamente difícil, visto que não há uma entidade forte que organize o futebol feminino e também não há investimento público nem privado (SUGIMOTO, 2003). Nos EUA, o futebol é visto como esporte feminino, enquanto que em 1994 foi o vice-presidente quem entregou a Taça ao capitão da seleção brasileira, Dunga, e em 1996 foi o próprio Bill Clinton quem entregou a Taça pelo mesmo evento, porém feminino. Enquanto não há um reconhecimento por parte da sociedade, algumas mulheres vão se envolvendo com o futebol por caminhos diferentes, sem necessariamente precisar ser atleta.  </li></ul></ul><ul><ul><li>Mas a luta continua e parabéns a todas as mulheres que fazem o belo espetáculo dentro do campo e lutam para poder adotar este esporte como profissão!! </li></ul></ul>
  7. 7. Alguns Números
  8. 8. Mulheres no Mercado de Trabalho <ul><ul><li>A equipe técnica do IBGE cruzou dados estatísticos do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apurados nas Pesquisas Mensais de Emprego (PMEs), de 1991 a 99. O contingente feminino economicamente ativo (inclui quem está empregado e também quem procura emprego) manteve-se estável, em torno de 44% do total da população de mulheres com idade acima de 15 anos. Já o masculino, sob as mesmas condições, caiu paulatinamente ano a ano, passando de 80% em 91 para 72% em 99. </li></ul></ul><ul><ul><li>Uma queda de oito pontos porcentuais neste universo é representativa. O último levantamento, por exemplo, de fevereiro deste ano, apontou uma população em idade ativa (acima de 15 anos), de 34,4 milhões de pessoas, homens e mulheres. Destas, 18,1 milhões faziam parte da parcela economicamente ativa. </li></ul></ul><ul><li>  </li></ul>
  9. 9. Mulheres no Futebol <ul><ul><li>Em pesquisa feita recentemente no Brasil, chega-se aos seguintes resultados: </li></ul></ul><ul><ul><li>aproximadamente 75% das mulheres hoje são adeptas ao futebol </li></ul></ul><ul><ul><li>em torno de 55% tem o futebol como lazer </li></ul></ul><ul><ul><li>em quase todas as escolas públicas o futebol é praticado por meninas </li></ul></ul><ul><li>  </li></ul>
  10. 10. Mulheres no Futebol <ul><ul><li>Dados estatísticos coletados na Europa e América do Norte apontam que: </li></ul></ul><ul><ul><li>Esta é um dos esportes mais populares entre as mulheres </li></ul></ul><ul><ul><li>Meninas ganham bolsas de estudo nas melhores Universidades, apenas para jogar futebol </li></ul></ul><ul><ul><li>Mulheres são profissionalizadas desde cedo e ganham altos salários  </li></ul></ul><ul><li>  </li></ul>
  11. 11. Joana e Marina Pelotas 2009

×