slide temometria

3,439 views

Published on

slide sobre escalas termométricas

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,439
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
102
Actions
Shares
0
Downloads
93
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

slide temometria

  1. 1. Centro de Ensino ProfªLêdaTajra<br />Prof. Joabe<br />2° ano Ensino Médio<br />1° bimestre.<br />
  2. 2. TERMOLOGIA<br />TERMOMETRIA<br />Temperatura: é o grau de transição de calor de uma molécula de um corpo para outra molécula de outro corpo. <br />Temperatura: é o estado de agitação das moléculas de um corpo.<br />Equilíbrio Térmico: Quando dois corpos são colocados um em contato com o outro, após um certo tempo eles apresentam uma temperatura em comum.<br />OBS: O equilíbrio térmico se da sempre do corpo com temperatura maior para o corpo de menor temperatura.<br />
  3. 3. 3<br />Termômetros<br />As substâncias em geral dilatam-se (aumentam de volume) quando sofrem aumento de temperatura.<br /> Assim, uma barra de ferro, por exemplo, aumenta de comprimento quando colocada no fogo. <br />Do mesmo modo, o volume de gás contido num balão elástico aumenta quando cresce a temperatura.<br /> A coluna de mercúrio contida num tubo sofre o mesmo efeito e aumenta de altura.<br />A propriedade que os corpos apresentam de mudar de volume, quando se modifica a temperatura, pode ser usada para medir temperaturas.<br />
  4. 4. 4<br />Os termômetros de mercúrio, muito comuns em laboratórios, clínicas médicas e mesmo em casa, funcionam baseados na dilatação do mercúrio. <br />Digamos, por exemplo, que precisamos medir a temperatura da água de um copo. Colocamos o termômetro dentro dele e aguardamos alguns minutos para que a água e o termômetro entrem em equilíbrio térmico. <br />A variação de temperatura, para mais ou para menos, sofrida pelo mercúrio vai fazer com que seu volume varie, para mais ou para menos. Com isso, ele sobe ou desce na escala de temperaturas, indicando o valor correto da temperatura.  <br />
  5. 5. 5<br />Escala Celsius<br />No século XVII, o físico e astrônomo sueco Anders Celsius sugeriu que a temperatura de fusão do gelo, ao nível do mar, recebesse o valor arbitrário de 0 grau (hoje 0 grau Celsius), e que a temperatura de ebulição da água, também ao nível do mar, fosse fixada em 100 graus (100 graus Celsius, valor igualmente arbitrário). <br />
  6. 6. 6<br />Escolhidos os pontos de fusão e ebulição da água, pode-se agora construir um termômetro calibrado na escala Celsius. <br />Para isso é necessário um tubo fino (tubo capilar) de vidro, com um reservatório para o mercúrio. <br />Coloca-se o conjunto num recipiente com gelo em fusão (que, portanto, está à temperatura de 0 grau Celsius), e, após alguns minutos, quando o mercúrio parar de descer, por entrar em equilíbrio térmico com a mistura água-gelo, faz-se uma marca para 0 grau Celsius.<br /> Em seguida, coloca-se o tubo em água fervente (que na escala Celsius está a 100 graus) e faz-se uma marca para 100 graus Celsius. <br />A seguir divide-se o espaço entre as duas marcas em 100 partes e fecha-se o tubo. <br />O termômetro está pronto para ser usado. <br />
  7. 7. 7<br />Escala Fahrenheit<br />Na escala Fahrenheit, ainda em uso nos países de língua inglesa, ao 0 e ao 100 da escala Celsius correspondem respectivamente os números 32 e 212. <br />Assim, entre a temperatura de fusão do gelo e da ebulição da água, estão compreendidos 180º F.<br />
  8. 8. 8<br />Escala Kelvin<br />Sabe-se que não há, teoricamente, um limite superior para a temperatura que um corpo pode alcançar. <br />Observa-se, entretanto, que existe um limite inferior. Os cientistas verificaram que é impossível reduzir a temperatura de qualquer substância a um valor inferior a -273º C (o zero absoluto).<br />O físico inglês lorde Kelvin propôs uma escala termométrica, que leva o seu nome. Tal escala tem origem no zero absoluto, usando como unidade de variação o grau Celsius. <br />Na escala Kelvin, a temperatura de fusão do gelo corresponde a 273 K e a de ebulição da água, a 373 K. <br />
  9. 9. ESCALAS DE TEMPERATURA<br />Escala Celsius<br />Escala Fahrenheit<br />Escala Kelvin<br />Ponto de Ebulição<br />Ponto de Ebulição<br />Ponto de Ebulição<br />100 °C<br />212 °F<br />373 °K<br />°C<br />°F<br />°K<br />273 °K<br />32 °F<br />0 °C<br />Ponto de Fusão<br />Ponto de Fusão<br />Ponto de Fusão<br />
  10. 10. 100 °C<br />212 °F<br />373 °K<br />C<br />F<br />K<br />273 °K<br />32 °F<br />0 °C<br />EQUAÇÕES DE CONVERSÃO<br />Macete: como as três escalas mostram a mesma temperatura ambiente, temos:<br />
  11. 11. 100 °C<br />212 °F<br />373 °K<br />C<br />F<br />K<br />273 °K<br />32 °F<br />0 °C<br />EQUAÇÕES DE CONVERSÃO – continuação:<br />
  12. 12. Portanto:<br />Simplificando:<br />Mamão com açúcar !!!!<br />
  13. 13. Exemplo 1<br />01 – (UFBA) A temperatura doa corpo humano é de aproximadamente 36,5 °C. Qual a leitura que a escala Fahrenheit e Kelvin fornecem para essa mesma temperatura?<br />Passando de Celsius para Kelvin:<br />Pensando !!!!<br />Pela equação de conversão temos:<br />Passando de Celsius para Fahrenheit:<br />Abacate com leite!!!<br />
  14. 14. Exemplo 2<br />A temperatura normal de funcionamento do motor de um automóvel é 90ºC. Determine essa temperatura em Graus Fahrenheit.a)   90ºF b)   180ºF c)   194ºF d)   216ºF e)   –32ºF<br /> F-32= 162<br /> F= 162 + 32<br />F = 194 °F<br />Banana com farinha !!!<br />

×