Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Ervas

9,440 views

Published on

Published in: Health & Medicine, Technology
  • Be the first to comment

Ervas

  1. 1. Alecrim Nome científico: Rosmarinus Officinalis Família: LABIATAE Originário da Europa, trata-se de um arbusto perene, com até 2m de altura, facilmente encontrado em solos pedregosos. Suas folhas são lineares, estreitas e opostas, de coloração verde na parte superior do limbo e esbranquiçadas na inferior com pêlos bem finos. As flores são azul-violeta e agrupadas em inflorescências axilares do tipo cacho. Cultivo Clima: Desenvolve-se muito bem em qualquer clima, com preferência para os temperados quentes, e não gosta de clima muito frio nem ventos fortes. Luminosidade: Bastante sol ou muita luminosidade. Solo: Secos e arenosos, mas bem drenados. Propagação: Por estacas ou sementes. As estacas, de 15cm, devem ser enterradas em local com bastante luminosidade, mas não com sol direto. Indicações Terapêuticas Bom para os rins e vesícula, bem como para o equilíbrio da pressão arterial, auxiliando a boa circulação; auxilia nos estados de depressão, dores reumáticas, digestão, facilita menstruação, combate gota, anti-séptico, sedativo, fortalece a memória. Bochechos de infusão são recomendados para aliviar aftas, estomatites e gengivites. Modo de usar Folhas, por decocção: Balsâmico, regula a secreção biliar, estimulante estomacal, tônico, dispepsia, debilidade cardíaca, febres tifóides, tosse, gases intestinais, asma, bronquite, coqueluche, pressão alta, pâncreas, estresse, dores de cabeça. Uso externo por fricção: Caspa e queda de cabelos. Alfavaca Nome científico: Ocimum sp Família: LABIATAE Planta perene com cerca de 60cm de altura, originária da Ásia e da África. Galhos muito ramificados, folhas opostas, ovais, de cor verde- clara. Suas flores são brancas e levemente rosadas, dispostas em inflorescência tipo espiga. Possue sementes pequenas pretas. Cultivo Clima: Prefere clima subtropical, ou seja, quente e úmido. Não tem resistência a geadas. Luminosidade: Sol pleno. Solo: Rico em matéria orgânica. Para isso, use 3,0 Kg/m2 de composto orgânico. Propagação: Estaquia na água. Basta retirar os galhos e deixá-los mergulhados na água até brotar as raízes. Indicações Terapêuticas As folhas são ricas em vitamina A e C. São indicadas para os casos de ardor ao urinar. . Boas para compressas nos bicos doloridos das lactantes. Além disso, auxiliam na boa circulação, pele e dores reumáticas, tosse e resfriados. Ajudam a fazer a digestão e afastam a fadiga. Servem como uma excelente pomada antibacteriana. Modo de usar Gargarejos: Amidalite e aftas. Folhas e sementes, por infusão: Estimulante, carminativo, diurético, doenças das vias respiratórias, bronquites, gripes e resfriados, antiespasmódico, combate vômitos. Angina, dispepsia, amidalite, rins, catarros, cãibras do estômago.
  2. 2. Alfazema Nome científico: Lavandula officinalis. Família: LABIATAE Erva européia, de 30 a 60cm de altura, com caule estirado com flores violetas dispostas em círculos. É preciso cautela para não confundi-la com o Alecrim. Cultivo Clima: Temperado quente. Luminosidade: Extremamente resistente ao sol pleno. Solo: Árido e calcário. Propagação: Por sementes ou estacas. Indicações Terapêuticas Dores de cabeça, enxaqueca, gota, flatulência, náuseas, pressão alta, congestão linfática, problemas digestivos e menstruais, tosse, problemas respiratórios, depressão, dores reumáticas e problemas circulatórios. Modo de usar Planta toda, por infusão: Laringite, faringite, coqueluche. Antiespasmódico, combate cólicas, gases e indigestão, distúrbios gástricos, anúria, amenorréia, apoplexia, asma, afecções do fígado e do baço, cãibras, dores de cabeça, enxaqueca, nevralgias, hipocondria, inapetência, icterícia, nervosismo, reumatismo. Anador Nome científico: Justicia pectoralis Jacq Família: ACANTHACEAE Originária da América do Sul, rastejante , pode atingir de 40 a 70cm de altura. Possui folhas aromáticas, opostas, de 3 a 11cm de comprimento. Suas flores são pequenas, róseas ou azuladas e agrupadas e seu fruto é do tipo cápsula, pequeno e marrom. Cultivo Clima: Tropical e subtropical. Luminosidade: Meia-sombra. Solo: Úmido, bem drenado e rico em matéria orgânica. Propagação: sementes. Indicações Terapêuticas Principalmente como bronco-dilatador, antiinflamatório e analgésico. Empregada como xarope para asma, tosse, bronquite e chiado no peito. Modo de usar As folhas, utilizadas por decocção ou infusão, podem ser empregadas contra dores de estômago, cólicas, febres e vômitos.
  3. 3. Arnica Nome científico: Arnica Montana L. Família: COMPOSTAS De 20 a 60cm de altura, perene, caule floral ereto com flores amarelo-alaranjadas em grandes capítulos isolados. Cheiro aromático, sabor amargo. Cultivo Clima: Tropical. Luminosidade: Sol pleno. Solo: Solos ácidos. Propagação: Sementes ou divisão de touceiras. Indicações Terapêuticas Por ser uma planta venenosa, deve ser preparada com cuidado. Sua tintura só é usada externamente em casos de contusões e traumatismos. É aconselhável apenas o uso externo. Modo de usar Folhas, por infusão, para uso externo: Torções, golpes, antiinflamatório, furúnculo, lumbago, edemas, hematomas. Arruda Nome científico: Ruta graveolen L Família: RUTACEAE Subarbusto que forma touceiras e atinge até 1,5m de altura. Possui folhas carnosas de coloração acinzentada, com flores miúdas de cor amarelo-esverdeada. Cultivo Clima: Se adapta bem a qualquer clima. Luminosidade: Sol pleno. Solo: Pobre, pedregoso, seco, bem drenado, rico em matéria orgânica. Responde à adubação nitrogenada em cobertura. Propagação: Sementes e estaquia de ramos novos. Indicações Terapêuticas Repelente de insetos e ratos, a planta não deve ser ingerida, pois é altamente tóxica. Mulheres grávidas também não devem usá-la, pois é abortiva e causa confusão mental, convulsões e dores violentas nos intestinos. Seu uso deve ser restrito ao externo sob forma de cataplasmas para pernas varicosas ou alívio de dores de ciática (passando antes óleo para não irritar a pele). Modo de usar Uso externo: Folhas, por infusão (20g para 1 litro de água): Micose, sarna, piolhos. Cataplasma: Varizes, flebites, abscessos. Embora tenha ação estimulante, antiespasmódica, emenagoga e estomáquica, a arruda é considerada uma planta potencialmente perigosa e sua ingestão, por infusão das folhas, deve ser moderada. Não deve ser ingerida após as refeições, por ser emética.
  4. 4. Babosa Nome científico: Aloe vera (L.) Família: LILIACEAE A babosa é uma planta originária da África, lenhosa com folhas grandes e carnudas. As flores são tubulosas nos tons que vão do vermelho ao amarelo. Cultivo Clima: Regiões quentes e semi-áridas. É sensível a geadas. Luminosidade: Sol pleno. Solo: Não tolera solos encharcados e exige solo fértil e rico em nutrientes. Propagação: Brotações e estaquia de folhas. Indicações Terapêuticas É excelente regeneradora da pele e dos cabelos. Também empregada contra vermes intestinais, prisão de ventre, problemas menstruais, problemas estomacais, feridas e queimaduras, psoríase, eczemas e reumatismos. Modo de usar Uso externo: Suas folhas e, principalmente, seu suco são emolientes quando aplicadas topicamente sobre inflamações, curando queimaduras sem deixar cicatrizes, erisipelas. A planta tem poder regenerativo da pele. Folhas, por decocção - aplicação ou fricção: Fortificante do couro cabeludo, cicatrizante, hemorróidas, repelente de mosquitos, amaciante dos cabelos. Restaura a pigmentação da pele, além de ser anestésico e anti-séptico. Bálsamo Nome científico: Cotyledon orbiculata L. Família: CRASSULACEAE Originária da África do Sul, trata-se de um arbusto perene, de pequeno porte e carnoso. Possui ramos lenhosos de onde saem folhas verde brilhantes ou cinzas, suculentas e arredondadas com diâmetro de 5 a 7cm. Possui flores laranjas ou avermelhadas. Cultivo Clima: Qualquer ambiente, mas prefere clima seco e quente. Luminosidade: Meia-sombra e sol pleno. Solo: Areno-argiloso, leve e bem drenado. Deve colocar composto orgânico a 5Kg/ m 2. Propagação: Por estaquia em local definitivo. Indicações Terapêuticas Analgésica, antiinflamatória, cicatrizante, digestiva, vermífuga. O chá das folhas é usado no tratamento da gota, dores de cabeça e de dente e para expulsar vermes intestinais. A planta é utilizada ainda como cataplasma no tratamento de dores de ouvido. Modo de usar Pode-se comer as folhas cruas para gastrite e úlceras no estômago. Outras formas como chá e cataplasma também são utilizadas.
  5. 5. Boldo Africano Nome científico: Plectranthus barbatus Família: LABIATAE Originário da África, subarbusto que pode atingir de 1 a 2m de altura, perene, caule sublenhoso e ramificado, folhas opostas, aveludadas. As flores, de cor verde-escura, agrupam-se em inflorescências. Cultivo Clima: Temperado, subtropical e tropical. Luminosidade: Sol pleno. Solo: Ácido e rico em matéria orgânica. Propagação: Estacas. Indicações Terapêuticas Muito usado para os problemas digestivos, especialmente a azia, afecções hepáticas e biliares, favorecendo a digestão, dispepsia e contra ressaca alcoólica. Modo de usar Folhas por infusão: problemas digestivos e estimulantes da vesícula biliar. Maceração com água deixando descansar por 30 minutos: para dores de estomago. Calêndula Nome científico: Calendula officinalis L Família: ASTERACEAE- (COMPOSITAE) A planta originária do Egito é anual de caule robusto e anguloso com folhas denteadas. Atinge de 20 a 50cm de altura. Cultivo Clima: Resiste bem a geadas e secas, mas prefere clima temperado e ameno. Luminosidade: Sol pleno. Solo: Rico em nutrientes e matéria orgânica, bem drenado e com pH 6,0-7,0. Propagação: Sementes. Indicações Terapêuticas Anti-seborréica, anti-séptica, antialérgica, antiinflamatória, calmante, Cicatrizante, emoliente, refrescante, tônica. Utilizada nas inflamações nas mucosas da boca e garganta, úlceras, gastrite, úlcera duodenal, problemas na produção da bile, feridas e psoríase. Modo de usar Folhas, por infusão: regulariza o ciclo menstrual; úlceras gastroduodenais, varizes e icterícia. Uso externo, socando-se as flores e folhas até se obter uma pasta: Feridas, queimaduras, frieiras, contusões, ulcerações da pele e mucosas, cicatrizante, inflamações purulentas, verrugas.
  6. 6. Camomila Nome científico: Matricaria chamomilla L Família: ASTERACEAE (COMPOSITAE) Originária do norte da África é uma planta anual, de searas, acostamentos e terrenos baldios. Ereta e muito ramificada chega até 50cm de altura. Folhas alternas verde-claras com flores centrais de corola tubulosa amarela com pétalas brancas. Cultivo Clima: Temperado com temperatura abaixo de 20 graus, não tolera calor e seca por muito tempo. Resistente a geadas. Luminosidade: Sol pleno. Solo: Fértil e permeável. Recomenda-se 5,0Kg/m2 de composto orgânico. Propagação: Sementes. Indicações Terapêuticas Re-hidratação oral, cólica uterina, cólica do recém-nascido e conjuntivite. Modo de usar Folhas, por infusão: Antiespasmódico, má digestão, cólicas, cistite, dores de estômago, diarréias infantis, verme, dentição, calmante, náuseas e baixa a febre, dores musculares, tensão menstrual, insônia. Misturada ao chá de hortelã, combate gripes e resfriados. Planta inteira, por infusão, em uso externo: queimaduras solares e eczemas. Cana do brejo Nome científico: Costus spicatus Swartz Família: ZINGIBERACEAE Planta nativa do Brasil, herbácea de hastes cilíndricas que chega a medir de 80cm a 1,5m. Suas folhas são verde-escuro e as flores são amarelas e agrupadas em inflorescências do tipo espiga. Cultivo Clima: Tropical. Luminosidade: Meia-sobra. Solo: Rico em matéria orgânica e de preferência bem úmidos. Propagação: Divisão de touceira. Indicações Terapêuticas O suco das hastes diluído em água é usado contra doenças venéreas. A haste e o rizoma secos, em pó, são empregados em cataplasmas adstringentes que servem para curar hérnias. Em infusão ou decocção, atua contra dores, cálculo renal, dificuldades para urinar, leucorréia e febres. Modo de usar Planta toda, por decocção: Bexiga, rins e uretra, cistite com dores e dificuldade de urinar, micção sanguinolenta, gonorréia, pedras na bexiga.
  7. 7. Cânfora Nome científico: Cinnamomum camphora (L.) J. Presl Família: LAURACEAE Originária da Ásia pode alcançar até 30m de altura, com ramos de coloração marrom- amarelado. As folhas são elípticas, alternas e têm entre 6 e 10cm de comprimento. As flores têm coloração amarelo-esbranqui- çado e os frutos são escuros, quase pretos. Cultivo Clima: Quente e úmido sem muitas variações de temperatura. Luminosidade: Sombra ou meia-sombra. Solo: Arenoso e bem drenado. Propagação: Sementes. Indicações Terapêuticas Analgésica, anódina, anti-helmíntica, anti-séptica, antidepressiva, antiespasmódica, diaforética, estimulante cardíaco, expectorante, sedativa, tranqüilizante. Modo de usar Uso externo - tintura das folhas com álcool: para contusões musculares. Inalação: para problemas respiratórios. Capim-limão Nome científico: Cymbopogun citratus (DC.) Stapf Família: GRAMINEAE Planta cespistosa formando touceiras grandes e densas de até 2m. As folhas são verde-claras, alongadas, de textura áspera, finamente estriadas, com bordas lisas e cortantes. Cultivo Clima: Prefere climas quentes com chuvas bem distribuídas. Não resiste a geadas, porém rebrota na primavera. Luminosidade: Sol pleno. Solo: Drenado e fértil. Propagação: Divisão de touceiras. Indicações Terapêuticas Combate à insônia, para melhorar as dores de músculos doloridos, contra gases abdominais, cólicas uterinas e intestinais, afecções nervosas, dores da gripe, resfriados, tosse, catarro e disfunções gástricas. Modo de usar Folhas, por infusão: Bronquite, resfriado, tosse. Antiespasmódico, gases, digestivo, analgésico e calmante. Uso externo: Fungicida e antibacteriano.
  8. 8. Capuchinha Nome científico: Tropaeolum majus L Família: TROPAEOLACEAE Originária do Peru é uma planta de porte herbáceo, prostrada e de ciclo perene. O caule é suculento e retorcido. Suas folhas são verde-claras de formato arredondado. Possui flores avermelhadas com manchas escuras no seu interior. Cultivo Clima: Quente. Luminosidade: Sol pleno. Solo: Aerado rico em matéria orgânica e bem drenado. Propagação: Divisão de raízes ou sementes. Indicações Terapêuticas Anticaspa, antiescorbútica, digestiva, diurética, expectorante, fungicida, sedativa, tônica. Usada para falta de apetite, impureza no sangue, escorbuto, tosse, insônia, retenção de líquidos e problemas digestivos. Modo de usar Uso externo - compressa das folhas: na pele para dermatoses e sarna. Carqueja Nome científico: Baccharis trimera (Less.) D.C. Família: ASTERACEAE (COMPOSITAE) Nativa do Brasil é um arbusto ereto que atinge entre 80cm e 1,2m de altura. As folhas são substituídas por listras aladas, como membranas verdes, que acompanham as hastes em toda a sua extensão vertical. As flores amarelas nascem agrupadas em capítulos, formando pequenas bolas. Cultivo Clima: Se adapta bem a qualquer clima. Luminosidade: Sol moderado a pleno. Solo: Adapta-se a uma grande variedade de solos. Propagação: Sementes ou estacas. Indicações Terapêuticas É digestiva, diurética, emoliente, hepatoprotetora, hipoglicêmica, tônica. Modo de usar Folhas, por infusão: Inflamação das vias urinárias, má digestão, má circulação do sangue, icterícia, diabete, febre, anemia, cálculos biliares, diarréia, gota, intestino e fígado, reumatismo, afta, faringite. Em gargarejos: Afecções da garganta.
  9. 9. Catinga de Mulata Nome científico: Tanacetum vulgare L Família: ASTERAGAE (COMPOSITAE) Originária da Europa é uma planta perene de 0,6 a 1,2m de altura, caule ereto, inflorescência em capítulos florais amarelos. Cultivo Clima: Clima temperado. É sensível a seca. Luminosidade: Sol pleno. Solo: Arenoso, mas bem drenado. Propagação: Sementes e divisão de raízes. Indicações Terapêuticas Parasitas, histeria, problemas nos rins, afecções nervosas, problemas menstruais, flatulência, gota, epilepsia e dores reumáticas. Modo de usar Infusão das folhas: para dores reumáticas. Cavalinha Nome científico: Equisetum arvense L. Família: EQUISETACEAE Originária da Europa, planta perene de 20 a 65cm de altura. Possui dois tipos de caules ocos: um fértil e outro estéril. O caule fértil desenvolve-se principalmente na primavera, é curto, de coloração branco-amarelada na base e vermelha na ponta, constitui-se de uma inflorescência na forma de espiga nas extremidades dos ramos. Cultivo Clima: Se adapta bem a qualquer clima. Luminosidade: Meia-sombra ou sol moderadamente. Solo: Qualquer solo. Propagação: Divisão de touceiras. Indicações Terapêuticas Incontinência noturna em crianças, eliminação de substâncias tóxicas no organismo, edemas, problemas de inflamação e infecção por bactérias no trato urinário, tratamento de feridas de difícil cicatrização, mau funcionamento dos rins e conjuntivite. Modo de usar Folhas e hastes, por infusão: Obesidade, diurético, afecções dos rins e bexiga, hemoptises, epistaxis (sangue pelo nariz). Eficiente nas doenças dos pulmões.
  10. 10. Cebolinha Nome científico: Allium schoenoprasum L. Família: LILIACEAE Planta de porte herbáceo que produz um bulbo tunicado e arredondado. As folhas que partem do bulbo são cilíndricas, formando uma haste oca. As flores são estéreis de coloração esbranquiçada e agrupadas em globos que partem de uma haste floral. Cultivo Clima: Ameno. Luminosidade: Sol pleno. Solo: Bem drenado e rico em nutrientes. Propagação: Sementes ou divisão de touceiras. Indicações Terapêuticas Problemas digestivos, mau funcionamento dos rins e hipertensão arterial. Modo de usar Infusão das folhas: para gripes e resfriados. Citronela Nome científico: Cymbopogon nardus (L.) Rendle Família: POACEAE (GRAMINEAE) Originária da Ásia é eficiente contra os insetos. Planta herbácea, perene, que atinge cerca de 1,5m de altura. As folhas são verdes, longas e simples. Cultivo Clima: Quente. Luminosidade: Sol pleno. Solo: Arenoso ou de textura argilosa. Propagação: Divisão de touceiras. Indicações Terapêuticas Anti-séptica, aromática, desodorante, fungicida, repelente.
  11. 11. Coentro Nome científico: Coriandrum sativum L. Família: APIACEAE (UMBELLIFERAE) Originária da região sul da Europa, é uma planta de porte herbáceo, ciclo anual e que pode atingir até 1m de altura. As folhas são alternas, pinadas e de coloração verde-brilhante. As flores, de coloração branca ou rósea. O fruto é de coloração vermelha a marrom. Cultivo Clima: Temperado quente. Luminosidade: Sol pleno. Solo: Leve e rico em matéria orgânica. Propagação: Sementes. Indicações Terapêuticas Acidez e dilatação estomacal, congestão no fígado, fome nervosa, má digestão, espasmos e impurezas no sangue. Modo de usar Frutos secos, por infusão: Males do fígado, antiespasmódico, gases, sudorífico, febre, sedativo, estomáquico, histeria. Confrei Nome científico: Symphytum officinale L. Família: BORAGINACEAE Erva vivaz, com caule de 40 a 80cm ereto e ramoso. As folhas são grandes, de formato agudo, de superfície ligeiramente ondulada. As flores são de coloração amarela ou violeta, grandes e tubulosas. Cultivo Clima: Temperado a frio, resistente a geadas. Luminosidade: Sombra. Solo: Úmido, mas não encharcado. Propagação: Divisão de touceiras e estaquia de raízes. Indicações Terapêuticas Adstringente, antiinflamatória, calmante, cicatrizante, emoliente, hidratante, higienizante, regeneradora celular. Modo de usar Uso externo, cataplasma das folhas por decocção: Inflamações, reumatismo, tromboflebites, afecções da pele, micoses, dermatites, espinhas, hemostático.
  12. 12. Endro Nome científico: Anethum graveolens L. Família: APIACEAE (UMBELLIFERAE) Originário da Ásia Menor e já era conhecido pelos gladiadores romanos que antes da luta passavam este óleo essencial. Trata- se de uma erva e mede de 20cm a 1m de altura. O caule é fino e as folhas são filiformes e pecioladas. As flores são agrupadas e têm coloração amarela. Semente de coloração marrom quando madura. As sementes são muito aromáticas, de cheiro forte, fresco e picante. Cultivo Clima: Temperado. Luminosidade: Sol pleno. Solo: Prefere os solos áridos e arenosos. Propagação: Sementes e não plante funcho (erva-doce) próximo, pois, como são parentes próximos, pode haver cruzamento das espécies. Indicações Terapêuticas Antiespasmódica, antiinflamatória, carminativa, depurativa, digestiva, diurética, estimulante, estomáquica, supurativo. Estimula o aparelho digestivo e elimina gases intestinais. É um dos principais remédios naturais contra a flatulência (gases). Modo de usar As sementes em infusão ajudam a combater cólicas, inclusive cólicas em bebês, acidez estomacal e insônia. Estragão Nome científico: Artemisia dracunculus Hook. f. Família: ASTERACEAE (COMPOSITAE) Erva do sudeste da Europa é usada para aromatizar a mostarda, além de compor os temperos conhecidos como ervas de Provence, ervas finas e bouquet garni. Planta perene que pode chegar a 1m de altura, de caule herbáceo, ereto, ramificado e cilíndrico e que cresce formando touceiras. As folhas, pequenas e estreitas, são carnosas e de coloração verde-oliva. As flores são pequenas, brancas ou verde-esbranquiçadas, compostas de pequenas espigas axilares, com florões amarelados. Cultivo Clima: Ameno. Luminosidade: Sol pleno. Solo: Fértil, areno-argiloso e bem drenado. Propagação: Divisão de touceiras. Indicações Terapêuticas Aperiente, carminativa, digestiva, estomáquica, vermífuga. Modo de usar A infusão das folhas é indicada contra cólicas menstruais.
  13. 13. Funcho Nome científico: Foeniculum vulgare Mill Família: APIACEAE (UMBELLIFERAE) Originário da Europa meridional é uma herbácea aromática, de ciclo perene com caule ramoso. Mede de 80cm a 2m de altura e suas folhas são verde- azuladas brilhantes. Com flores pequenas amarelas. O fruto é de coloração cinzenta. É popularmente conhecida como erva-doce. Cultivo Clima: Temperado frio a tropical. Luminosidade: Sol pleno. Solo: Bem drenado de textura areno-argilosa, rico em nutrientes, úmido, leve. Propagação: Sementes. Indicações Terapêuticas Desordens gastrintestinais, flatulência, má digestão, catarro nas vias respiratórias, anemia, abscessos, asma, baixa produção de leite pelas lactantes, diarréia, efeitos colaterais da quimio e radioterapia. Modo de usar Planta toda, por infusão: Carminativa, balsâmica, cólica das crianças, diurética, digestiva. Guaco Nome científico: Mikania glomerata Família: ASTERACEAE (COMPOSITAE) Nativa da América do Sul é uma trepadeira perene, com caule volúvel de ramos lenhosos. Atinge até 1,2m de altura. As folhas são opostas e ovais. Cultivo Clima: Não se desenvolve em lugares com muita sombra, prefere clima subtropical e temperado. Luminosidade: Sol pleno. Solo: Rico em matéria orgânica. Propagação: Sementes ou estacas. Indicações Terapêuticas Anti-reumática, anti-séptica, antiinflamatória, antimicrobiana, aromática, broncodilatadora, cicatrizante, conservante, depurativa, estimulante, estomáquica, expectorante, febrífuga, sedativa, sudorífera, tônica. Modo de usar Folhas, por infusão: Afecções do trato respiratório, tosse, bronquite, expectorante, bronco-dilatador, artrite, úlceras, malária, rouquidão, asma, nevralgia, artritismo, reumatismo.
  14. 14. Guiné Nome científico: Petiveria alliacea L. Família: PHYTOLACCACEAE Nativa do Brasil, herbácea perene, que atinge de 1 a 4m de altura. Possui folhas pontiagudas dispostas em ramos de modo alternado, flores pequenas de cor branca reunidas em formas de espigas. Possui forte cheiro de alho. Sua ingestão não é recomendável. Cultivo Clima: Tropical. Luminosidade: Meia-sombra. Solo: Bem drenado e rico em nutrientes. Propagação: Sementes. Indicações Terapêuticas Por suas propriedades analgésicas, é indicada para afecções da cabeça e da vista, mas apenas em uso externo, na forma de compressas. Há indicações de uso contra falta de memória, reumatismo, paralisia, dor de dente, dor de garganta e estados nervosos, mas seu uso interno deve ser evitado por ser extremamente tóxica. Modo de usar Cataplasma: Reumatismo. Hortelã Nome científico: Mentha piperita L. Família: LABIATAE Nativa da Europa e Norte da África tem ciclo perene e atinge até 80cm de altura. Suas folhas são opostas e de formato oval. Possui bordas serrilhados, ponta aguda e base arredondada. As flores têm coloração violeta e são agrupadas em inflorescências do tipo espiga. Cultivo Clima: Temperado, não gosta de clima muito quente. Luminosidade: Sol pleno. Solo: Textura argilo-arenosa, rico em nutrientes, bem drenado e com pH não ácido. Propagação: Estaquia de ramos jovens. Indicações Terapêuticas Fadiga geral, má digestão, flatulência, vômitos e enjôos na gestação, intoxicações, asma, bronquite, sinusite, dores de dente, nevralgia facial, vermes intestinais (giárdia e tênia). Modo de usar Folhas, por infusão: Vermífugo, calmante, tônico estomacal, estimula as funções gastrintestinais, dispepsias e afecções crônicas do fígado, cólicas intestinais e hepáticas, aumenta a produção e circulação da bílis, afecções das vias urinárias, prisão de ventre, asma, bronquite, tosse, gripe, resfriados e febres. Gargarejos: Dor de garganta. Cataplasma: Picada de insetos, dores de cabeça e nas juntas.
  15. 15. Jurubeba Nome científico: Solanum paniculatum L. Família: SOLANACEAE Originária do Brasil, é um arbusto de até 4m de altura, com espinhos no caule. São plantas de sexos separados: as plantas femininas são mais altas, com folhas maiores e produzem os frutos. As folhas são verde-escuras na face superior e verde-claras na inferior. O fruto, em cachos, é uma baga esférica, de coloração amarelada. Cultivo Clima: Do tropical ao temperado. Luminosidade: Sol pleno. Solo: De textura arenosa e leve. Propagação: Sementes. Indicações Terapêuticas Tem função digestiva e é indicada como desopilante do fígado. É boa para falta de apetite. Modo de usar Raízes e frutos, por decocção: Febres intermitentes, hepatite, icterícia, doenças do fígado em geral, inflamação no baço, tumores do útero e do abdome, cólica, diurético, estimulante, tônico. Suco dos frutos: Estômago e baço. Cataplasma: Úlceras. Losna Nome científico: Artemisia absinthium L. Família: ASTERACEAE (COMPOSITAE) Nativa da Europa é uma planta arbustiva que atinge até 1m de altura, com folhas bem recortadas, de cor verde-acinzentadas na face superior e esbranquiçadas na face inferior. As flores agrupam-se em inflorescências do tipo cacho com coloração amarelada. Cultivo Clima: Temperado. Luminosidade: Sol pleno. Solo: Textura areno-argilosa. Propagação: Touceiras ou estaquia de galhos. Indicações Terapêuticas Combate vermes intestinais, como a lombriga e o oxiúro, estimula o apetite e combate anemias, ajuda a regularizar o funcionamento do estômago, rins, bexiga e fígado. Modo de usar Folhas, por infusão: Azia, febre, envenenamentos, vermífugo, diabete, perturbações do estômago e do fígado, prisão de ventre, obesidade, cólicas, sinusite, coriza, anemia, nervosismo.
  16. 16. Macela Nome científico: Achyrocline Satureoides (Lam) DC Família: ASTERACEAE Originária da América do sul, chega até 1,5m de altura, ramificada com caule coberto de pilosidade branca. Folhas lineares e finas. Flores amarelo-douradas dispostas em capítulos. Fruto de coloração parda. Cultivo Clima: Adapta-se a climas amenos. Luminosidade: Sol pleno. Solo: Não é exigente quanto ao solo. Propagação: Sementes. Indicações Terapêuticas Eficaz ação antibacteriana, analgésica, antiinflamatória, sedativa, imuno-estimulante, relaxante muscular e antiespamódica. Seu chá é utilizado para distúrbios digestivos. Modo de usar Flores secas, por infusão: Antiespasmódico, digestivo, antiinflamatório, nervosismo, irritabilidade, dor de cabeça. Malva Nome científico: Malva sylvestris L. Família: MALVACEAE Nativa da Europa, chega até 1m de altura. Suas folhas são membranosas e inteiras. Suas flores são axilares, isoladas ou agrupadas, de coloração róseo-púrpura quando novas e azuis quando secas. Cultivo Clima: Temperado. Luminosidade: Sol pleno. Solo: Leve e bem drenado. Propagação: Semente ou estaquia. Indicações Terapêuticas Usada para tosses e dor de garganta. Tem efeito laxativo e por ser excelente cicatrizante é utilizada em gengivites e aftas. Modo de usar Planta toda, por decoção: Tosse, obesidade, bexiga, rins, prisão de ventre, catarro, rouquidão, gripe, resfriados, inflamações. Gargarejo: Rouquidão, afecções da boca.
  17. 17. Manjericão Nome científico: Ocimum basilicum L. Família: LAMIACEAE (LABIATAE) Originária da Ásia é uma planta herbácea perene e alcança até 50cm de altura. O caule é quadrangular e ereto. As folhas são inteiras e de formato ovalado. As flores são hermafroditas, de coloração lilás e agrupadas em inflorescên-cias do tipo espiga. Sementes de coloração preto- azulada. Cultivo Clima: Tropical ameno, não gosta de clima muito frio. Luminosidade: Sol pleno. Solo: Bem drenado e rico em matéria orgânica. Propagação: Sementes e estacas. Indicações Terapêuticas É um calmante leve, mas muito usado também para os problemas digestivos, cólicas, infecções intestinais, dos rins e do estômago. Modo de usar Folhas, por infusão: Sedativo, anti-reumático, combate dores de cabeça e gastrite, elimina os gases do estômago e dos intestinos, aumenta a lactação. Gargarejo: Aftas. Manjerona Nome científico: Origanum majorana L. Família: LABIATAE Originária da Europa meridional é uma planta herbácea, perene e atinge até 60cm de altura. O caule é mais lenhoso na base e tem formato quadrangular. As folhas são pequenas e de coloração verde-acinzentada. As flores são muito pequenas, de coloração branca e agrupadas em inflorescências do tipo espiga. Sementes de coloração castanho-escura. Cultivo Clima: Temperado com verões quentes, não tolera temperatura abaixo de 10C. Luminosidade: Sol pleno. Solo: Arenoso ou areno-argiloso. Propagação: Sementes, divisão de touceira. Indicações Terapêuticas É um estimulante intestinal, usado para espasmos e flatulência. Bom para cólicas. Modo de usar Folhas, por infusão: Cólicas menstruais, estimulante intestinal, carminativo, afrodisíaco, tônico. Cataplasma: Manchas da pele, sardas, herpes.
  18. 18. Melissa Nome científico: Melissa officinalis L. Família: LABIATAE Planta de porte herbáceo, ciclo perene e que atinge até 80cm de altura. A haste é muito ramificada. Suas folhas são grandes de formato ovalado e com bordas serrilhadas. As flores são de coloração branca a amarelada. O fruto tem sementes de coloração parda-escura. Cultivo Clima: De temperados para quentes. Luminosidade: Meia-sombra. Solo: Rico em matéria orgânica, úmido, mas bem drenado. Propagação: Estaquia. Indicações Terapêuticas Nevralgias faciais, crises nervosas, taquicardia, melancolia, depressão, histerismo, espasmos, problemas digestivos, flatulência, enjôos, problemas hepáticos e biliares, alívio da dor de picada de insetos e irregularidades menstruais. Modo de usar Folhas, por infusão: Insônia, febre, estimulante biliar, regula a menstruação, enxaquecas persistentes, tônico do sistema nervoso, histerismo, desmaios, vertigens, insônia, dores de cabeça, epilepsia, afecções gástricas e nervosas, gases, cãibras intestinais, má circulação do sangue, pressão alta, palpitações, resfriados, tosse. Elixir contra picadas de insetos e mordidas de animais. O suco das folhas frescas amassadas, misturado com sal, serve para caxumba. Orégano Nome científico: Origanum vulgare L. Família: LABIATAE Nativa da Europa é uma planta herbácea, de ciclo perene e que pode atingir até 80cm de altura. O caule é ereto e de formato quadrangular e ramificado na parte superior. As folhas são de formato oval, pontiagudas, de coloração verde-escura. As flores possuem coloração variada, indo do rosa até o branco e estão agrupadas. Cultivo Clima: Ameno. Luminosidade: Sol pleno. Solo: Leve e bem drenado. Propagação: Sementes, estaquia e divisão de touceiras. Indicações Terapêuticas Recomendado para os distúrbios estomacais, má digestão, flatulência, problemas menstruais, disfunções dispépticas, reuma- tismo e cólicas. Modo de usar Folhas e flores secas, por infusão: Tônico do aparelho digestivo, dos nervos e da circulação, estimulante, levemente laxativo.
  19. 19. Poejo Nome científico: Mentha pulegium Família: LAMIACEAE (LABIATAE) Planta perene, rasteira e herbácea, de 30 a 50cm de altura e que desenvolve intensamente seu ritmo foliar. Possui, sobre os rizomas alongados, pequenos caules muito ramificados, de coloração verde-clara, que atingem até 40cm de comprimento. As folhas são estreitas e ovais, de coloração acinzentada. As flores de coloração rósea ou violeta são reunidas em inflorescências que surgem a partir da metade superior dos ramos. Cultivo Clima: Temperado. Luminosidade: Sol pleno. Solo: Tem predileção por solos muito úmidos. Propagação: Rizomas. Indicações Terapêuticas O chá das folhas, flores e talos é empregado contra tosse, rouquidão, asma, coqueluche, doenças pulmonares, acidez estomacal, diarréia, insônia, problemas menstruais, vermes, insônia e cãibras. Sua ação no fígado é muito mais forte do que a da hortelã. Usado também contra o mau hálito. Contra-indicado na gravidez. Modo de usar O chá das folhas, flores e talos. Salsa Nome científico: Petroselinum sativum Família: APIACEAE (UMBELLIFERAE) Nativa da Europa e oeste da Ásia, de ciclo anual e que atinge até 45cm de altura. As flores têm coloração amarelo-esbranquiçada e estão agrupadas. As sementes são bem pequenas e pretas. Cultivo Clima: Temperado ameno; não resistente a geadas. Luminosidade: Sol pleno. Solo: Rico e bem drenado. Propagação: Sementes. Indicações Terapêuticas Seu chá tem propriedades diuréticas. Modo de usar Planta toda, por infusão: Cistite, nefrite, inflamação da uretra, icterícia, menstruações difíceis, cólicas, hemorragia uterina. Contra-indicado para gestantes e lactantes.
  20. 20. Sálvia Nome científico: Salvia officinalis L. Família: LAMIACEAE (LABIATAE) Originária da Europa meridional é um subarbusto, de ciclo perene e que atinge até 70cm de altura. O caule é quadrangular, ramificado e forma touceiras. As folhas são opostas, reticuladas, cobertas por pêlos finos, de coloração verde-esbranquiçada. As flores são de coloração azul-violeta em grupos de 3 a 6 por vértice. Cultivo Clima: Temperado e sensível a ventos frios. Luminosidade: Meia-sombra a pleno. Solo: Fértil, bem drenado e rico em matéria orgânica. Propagação: Sementes ou estaquia de ramos jovens. Indicações Terapêuticas Afecções da boca, da garganta e das amídalas, mau hálito, aftas, dor de picadas de insetos, feridas, úlceras, resfriados, tosse, bronquite e contusões. Modo de usar Folhas e flores, por infusão: Desinfetante da boca, garganta e feridas, esgotamento nervoso, problemas da menopausa, depressão, vômitos, diabete, afecções do estômago. Tomilho Nome científico: Thymus vulgaris L.v Família: LABIATAE Nativa da Europa é uma planta semi-arbustiva, de ciclo perene e que atinge até 50cm de altura. Desenvolve-se formando touceiras com caules lenhosos, rasteiros e tortuosos. As folhas são pequenas, de formato linear e com bordas enroladas para baixo. As flores são pequenas, de coloração rosada ou branca e agrupadas em inflorescências do tipo espiga. Cultivo Clima: Temperado e subtropical com bastante sol. Luminosidade: Sol pleno. Solo: Não é exigente quanto ao solo. Propagação: Sementes e estaquia de ramos jovens. Indicações Terapêuticas Efeito expectorante, combate a tosse, bronquite crônica, catarro nas vias respiratórias, infecções gerais, inflamações da boca e garganta. Ajuda a eliminar gases intestinais. É cicatrizante ajudando nas picadas de insetos, feridas e queimaduras. Modo de usar Sementes, folhas e flores, por infusão: Reumatismo, excitante das funções circulatórias e cerebrais, antiespasmódico, diurético, sudorífero, desinfetante, antitérmico.

×