Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Grp e cpp

27,720 views

Published on

Grp e cpp

  1. 1. GRP - CPP Técnicas de Mídia
  2. 2. A Técnica do GRP  Segundo o Dicionário brasileiro de mídia, Gross Rating Points, ou simplesmente GRP, é a soma dos pontos brutos de audiência, ou audiência bruta acumulada. O domínio dessa técnica é muito importante para a atividade de mídia.
  3. 3. A Técnica do GRP Um GRP representa um ponto percentual da audiência. A soma de GRPs pode ultrapassar 100% como quando, por exemplo, se somam 10 inserções em uma programação que tem 30 pontos de audiência: o total de GRPs será de 300. Também é conhecido como total de impactos ou somente impactos.
  4. 4. A Técnica do GRP A grande novidade da técnica do GRP é permitir a quantificação dos resultados de alcance e freqüência média de uma programação de televisão.
  5. 5. A Técnica do GRP A técnica do GRP, ao possibilitar a aferição dos resultados de alcance e de freqüência média de uma programação, promoveu a valorização da área de mídia das agências, que passou a ser vista como técnica e considerada com maior seriedade.
  6. 6. A Técnica do GRP A técnica do GRP tem por conceito a soma dos índices de audiência dos programas, de acordo com o número de inserções do comercial, ou seja, multiplica-se a audiência do programa pelo número de inserções do comercial.
  7. 7. A Técnica do GRP Abaixo temos um exemplo de cálculo de GRP:
  8. 8. A Técnica do GRP Obteremos resultados diferentes ao veicularmos o mesmo comercial em duas programações diferentes, mas de mesmo total de GRP e verba. A seguir, veremos alguns exemplos hipotéticos de programação de televisão.
  9. 9. A Técnica do GRP Exemplo hipotético 1 Boa parte dos domicílios sintonizados na novela das 20 h será atingida nove vezes pelo comercial porque estes telespectadores acompanham diariamente o desenrolar da novela.
  10. 10. A Técnica do GRP Exemplo hipotético 2 Comparando as alternativas, aqui há um aumento da probabilidade de atingir maior número de domicílios que na alternativa 1, porém com intensidade menor.
  11. 11. A Técnica do GRP É difícil afirmar qual é a melhor alternativa sem saber o que se pretende obter com a veiculação. Mas o importante é entender que, com uma mesma verba e um mesmo total de GRP, é possível montar alternativas diferentes de programação.
  12. 12. Exemplos hipotéticos Os quadros a seguir ajudam a demonstrar como são calculados o alcance e a freqüência média de uma programação. Foi utilizado um banco de dados hipotético de 10 domicílios com televisão, de uma praça qualquer, e uma veiculação que contempla 5 programas com uma inserção do comercial em cada um deles.
  13. 13. Exemplos hipotéticos
  14. 14. Exemplos hipotéticos  Lembrando que a fórmula da audiência é
  15. 15. Exemplos hipotéticos Para calcular o GRP, somamos as audiências dos programas, de acordo com o número de inserções.
  16. 16. Exemplos hipotéticos  De 10 domicílios, 6 foram atingidos = 60% de alcance.  Lembrando que o cálculo do alcance é
  17. 17. Exemplos hipotéticos Lembrete:
  18. 18. Exemplos hipotéticos
  19. 19. Seu uso no Planejamento de Mídia Em uma situação real esses cálculos seriam inviáveis. Utiliza-se, portanto, softwares para simulações de programação como o A&F do Ibope. No entanto, em que se basearia o profissional de mídia para considerar os resultados de alcance e freqüência média satisfatórios, de acordo com a programação simulada?
  20. 20. Seu uso no Planejamento de Mídia1. Momento de definição da estratégia de veiculação Nesse momento, quando se definem o número de pessoas que a campanha objetiva atingir (alcance) e o número médio de vezes que as pessoas devem assistir ao comercial (freqüência média) para chegar aos resultados desejados de marketing e de comunicação, o profissional de mídia sabe que não pode obter esses dados aleatoriamente e, por isso, utiliza a seguinte sentença matemática: GRP = Alcance em % x Freqüência média
  21. 21. Seu uso no Planejamento de Mídia Exemplo hipotéticoProduto: xampu  Público-alvo: pessoas do sexo feminino, classes ABC, entre 25 e 35 anos  Praça: São Paulo  Objetivo: atingir 90% deste público que deve assistir, em média, 10 vezes ao comercialAlcance X Freqüência média = GRP: 90 X 10 = 900 GRP
  22. 22. Seu uso no Planejamento de Mídia2. Montagem de programação Na montagem de programação, que é a etapa em que se prepara o detalhamento de onde e quantas vezes o comercial será veiculado nas emissoras, o conceito da técnica também é aplicado.
  23. 23. Seu uso no Planejamento de Mídia  Montar uma programação até chegar a um total de GRP determinado faz parte da atividade de mídia: não se pode ultrapassar ou ficar abaixo da verba disponível e deve-se distribuir adequadamente as inserções nos flights.
  24. 24. Seu uso no Planejamento de Mídia  Esses são os procedimentos seguros que o profissional de mídia experiente deve utilizar para convencer o cliente de que a programação apresentada é a mais adequada.
  25. 25. Como definir alcance e freqüência médiano Planejamento de Mídia A fórmula Alcance em % X Freqüência média = GRP causou uma revolução no mercado e parece conter certa infalibilidade, mas, como se sabe, ela não é por si só garantia de sucesso.
  26. 26. Como definir alcance e freqüênciamédia no Planejamento de Mídia Definição do alcance1. Alto alcance: Quando a programação atinge entre 70% e 100% do público-alvo.2. Médio alcance: Quando a programação atinge entre 51% e 69% do público-alvo.3. Baixo alcance: Quando a programação atinge até 50% do público-alvo.
  27. 27. CPP – Custo por Ponto Serve para medir a rentabilidade de um esforço em TV Indica quanto custa cada ponto de GRP ou de Audiência A fórmula: Audiência ou Total GRP Preço do programa ou custo total da veiculação
  28. 28. CPP – Custo por Ponto Serve também de parâmetro para negociação da compra de mídia Compara-se os valores de CPP para se obter descontos
  29. 29. Referências Bibliográficas Veronezzi, José Carlos. Mídia de A a Z. São Paulo: Flight Editora, 2005. Tamanaha, Paulo. Planejamento de Mídia. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2006. Mídia Dados 2007. www.cenp.com.br www.conar.org.br www.gm.org.br www.abep.org

×