Energia Nuclear Socialmente Aceitável

498 views

Published on

Energia Nuclear a Tório

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
498
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Energia Nuclear Socialmente Aceitável

  1. 1. ENERGIA NUCLEAR SOCIALMENTE ACEITÁVEL COMO SOLUÇÃO POSSÍVEL PARA A DEMANDA ENERGÉTICA BRASILEIRA JIMES VASCO MILANEZ1, RICARDO DIAS ALMEIDA1, FAUSTO SILVA DO CARMO1 1 Curso de Graduação - Faculdade de Engenharia Elétrica e Computação/UNICAMPRESUMO: Neste trabalho busca-se verificar o potencial, com ênfase no Brasil, denovas tecnologias de energia nuclear em desenvolvimento quanto ao crescimentoestimado da demanda de energia, em comparação à energia nuclear tradicional e outrasalternativas de geração, sob critérios como viabilidade técnica e econômica, respeito aoambiente e sobretudo aceitabilidade pela sociedade. Demonstra-se que a energia nuclearde quarta geração se mostra uma opção a ser considerada no médio e longo prazo parageração de energia significativamente limpa, eficiente e segura, e que deveria, portanto,ser melhor pesquisada, principalmente com foco sobre os Accelerator Driven Systems.PALAVRAS-CHAVE: Energia, usinas nucleares, tório, Accelerator Driven Systems.INTRODUÇÃO certamente é o mais amplo e também o Embora de diversas aplicações mais controverso. Primeiramente deve-na sociedade atual (GONÇALVES & se obter um panorama de fatos e mitos,ALMEIDA, 2005), a tecnologia nuclear bem como de suas vantagens etem o estigma do perigo e dos resíduos desvantagens reais em relação a outrastóxicos. Termos como “catástrofe”, alternativas disponíveis. Além disso,“bomba” e seus exemplos marcantes, diferentemente da percepção comum,Chernobyl e Hiroshima, permeiam a mais adequado é classificar em diversosopinião pública, abrindo espaço para tipos a geração por fissão, bem comoavaliações passionais e dificultando considerar ainda a possibilidade douma análise mais abrangente. aprimorimento da tecnologia visando Dentre os fins pacíficos da eliminar as principais deficiências dostecnologia, a geração de energia elétrica sistemas atuais (GIF, 2002). 1
  2. 2. MATERIAL E MÉTODOS da realidade da usina. Compareceu-se Como base para a comparação também ao evento “Fórum Permanenteentre as tecnologias, procedeu-se a um de Energia e Ambiente: Energia elevantamento da percepção das pessoas Qualidade de Vida”, ocorrido emquanto à energia nuclear, da 08/11/2005 na Universidade Estadualdisponibilidade e custo aproximado por de Campinas, que tratou dos impactosfonte e das pesquisas em andamento na das fontes de energia no meio ambienteárea nuclear, foco do trabalho. e na vida das pessoas. Para aquisição de dados sobre aopinião da população, foi realizada uma RESULTADOS E DISCUSSÃOenquete entre dois grupos: público As duas últimas décadasuniversitário da área de exatas e público presenciaram um aumento substancialem geral, com perfil de classe média. da emissão de gases à atmosfera,As opiniões obtidas são comparadas às levando sociedade e governos adisponíveis na literatura, com fim de iniciativas como o protocolo de Kyoto.analisar condições para a aceitabilidade No entanto, fatores como o crescimentosocial e ambiental da energia nuclear, econômico e a demanda crescente porenquanto a comparação entre dados energia dificultam sua implementação.técnicos fornece uma avaliação sobre Quanto à geração de energia,viabilidade e perspectivas. Avaliam-se uma das alternativas para atender astambém alternativas para o suprimento metas é a nuclear (MARSHALL, 2005),de energia no Brasil, com base no capaz de gerar as imensas quantidadescrescimento da demanda vinculado a requeridas de energia praticamente semum crescimento econômico sustentado, emissões, embora sem grande prestígiobem como passos necessários para que frente à sociedade em virtude de efeitoso Brasil se capacite quanto às novas colaterais a serem resolvidos. No Brasil,tecnologias de reatores e combustível. ainda rico em potencial hídrico, a Como parte da pesquisa, foi energia nuclear pode ser vista comorealizada ainda uma visita em possibilidade para médio e longo prazo.17/10/2005 à usina Angra 2 e seu O potencial da energia nuclearLaboratório de Monitoração Ambiental, será tanto maior quanto for capaz deem Angra dos Reis, RJ, para avaliação resolver problemas como lixo, riscos, 2
  3. 3. custo e proliferação, para se convencer de nenhum em direção a médio ea opinião pública (CLERY, 2005). Os avançado no público universitário,gráficos seguintes indicam os resultados resultado coerente com as expressõespercentuais da pesquisa de percepção mais citadas, agrupadas ao longo de umrealizada, visando uma idéia da energia espectro de termos relacionados.nuclear no contexto brasileiro sob a Radioatividade, bomba e perigo sãoótica da população (enquete em anexo). termos freqüentes em ambos, embora se veja maior representatividade de lixo tóxico, usina nuclear, Angra dos Reis e conceitos técnicos no primeiro grupo. Figura 1. Avaliação do conhecimento Figura 3. Vantagens citadas Figura 4. Desvantagens citadas Em ambos os casos se percebe Figura 2. Expressões associadas que no público geral é significativo o Nota-se uma igualdade na número de pessoas que não souberampercepção em nível básico, enquanto responder, embora riscos e resíduosocorre um deslocamento da percepção prevaleçam como desvantagem para 3
  4. 4. ambos os públicos. Como vantagens que tem respaldo no potencial hídricoprevalecem aspectos práticos, embora o ainda não explorado no país, embora oquesito custo tenha percepção oposta. impacto das mesmas gere controvérsias. Nota-se também inversão dos papéis de nuclear e termelétrica entre os públicos, condizente com os demais resultados. Quanto aos custos, uma quase unanimidade: mais de 80% rejeitaria Figura 5. Quanto a morar próximo pagar mais pela geração preferencial, Em ambos os casos a maioria sem distinção da fonte escolhida.não aceita morar próximo a uma usina,considerando um temor comum deacidentes, embora haja maior recusa nopúblico em geral. Como depende foramcitados aspectos como tipo de usina,segurança, país e necessidade. Figura 8. Brasil e energia nuclear Um resultado muito relevante: embora apontem deficiências na energia nuclear, não há entre as pessoas exatamente preconceito, embora pela mídia se tenha às vezes impressão diferente; mais de 60% são favoráveis a Figura 6. Geração preferencial investimento nacional em pesquisa de geração nuclear mais limpa e segura. Atualidade Há 440 reatores nucleares de geração de energia em operação no mundo, respondendo por cerca de 17% do total. No Brasil, tem-se em Angra 3 Figura 7. Custo adicional aceitável a principal perspectiva ligada à nova Entre as gerações preferidas, a aplicação de geração nuclear no curtohidrelétrica permanece na preferência, o prazo, mas uma proposta elaborada pelo 4
  5. 5. Ministério da Ciência e Tecnologia que Tais fatos porém não eliminam apropõe o fortalecimento e compra de desconfiança, bem como outros pontosnovos reatores até 2022 se encontra em já apresentados quanto à tecnologia,análise na presidência da República como os resíduos e o custo no limite da(GONÇALVES & ALMEIDA, 2005), o competitividade (cerca de R$78,00 porque não representa necessariamente a MWh), citado como um dos principaismelhor alternativa. Quanto a Angra 3, problemas atualmente no Brasil, com aadquirida com Angra 2 e estocada há venda de energia por leilõesmais de duas décadas, o aproveitamento (HENNING, 2004; MATHIAS, 2004).de sua geração é prevista para 2009(MME, 2002; THOMÉ FILHO, 2004). Figura 10. Áreas de emergência Figura 9. Usinas de Angra I e II Novas tecnologias Um dos pontos recorrentes é Os resultados como um todo daquanto à tecnologia de Angra, julgada pesquisa efetuada reforçam os pontoscomo comprada já obsoleta; no entanto, indicados em outras fontes (GIF, 2002;os reatores PWR (Pressurized Water IAEA, 2003; CLERY, 2005) como deReactors) respondem por cerca de grande relevância no desenvolvimentometade dos reatores em uso, enquanto da energia nuclear de quarta geração,Angra 2 foi recentemente colocada para que seja uma alternativa viável,como 16a no ranking mundial das usinas embora haja céticos quanto a seusnucleares com maior volume de geração verdadeiros interesses (HIRSCH et al,de energia, segundo a Eletronuclear. 2005). A energia nuclear de quartaOutro ponto é a utilização de sistemas geração, voltada para as próximaspassivos de segurança, que tornam décadas, assume como premissas:muito reduzidos os riscos de um - Utilização eficiente de recursosmeltdown, embora também haja um - Segurança inerente ao processoplano de emergência para os arredores. e controle passivo 5
  6. 6. - Melhor gerenciamento do lixo e A Índia, que tem a segunda conversão de resíduos perigosos maior reserva de tório, é provavelmente para outros de menor duração o país mais avançado no combustível, - Resistência à proliferação embora utilizando outro tipo de reator, e - Competitividade econômica prevê instalar cerca de 275 GW até a - Aceitação pública metade do século (BAGLA, 2005). No Entre as alternativas estudadas Brasil, que também tem amplas reservasdestacam-se os Accelerator Driven de tório, estudos têm sido realizados noSystems (MAIORINO et al, 2003) com IPEN (Instituto de Pesquisa Energéticaciclos fechados de combustível tório Nuclear) desde 1995, embora um(IAEA, 2005), ciclo cuja pesquisa foi programa de desenvolvimento em tórioabortada por interesses militares em tenha sido abortado na década de 70.proliferação nuclear na guerra fria. Suas Um outro estudo (PUILL, 1997) expõevantagens principais, em atendimento às a possibilidade de uso de tório empremissas acima, são: reatores PWR, embora não seja a opção - Reator subcrítico: não há risco ótima. Quanto aos reatores ADS, uma de meltdown da usina. proposta de roadmap nacional é - O tório é mais abundante que apresentada por Maiorino et al (2003), urânio e produz mais energia do próprio IPEN. - Aproveitamento de quase 100% dos recursos e enriquecimento CONCLUSÃO desnecessário (enquanto apenas O crescimento da demanda, 0,7% do urânio disponível é do como resultado de universalização do isótopo 235U) acesso, do crescimento econômico, da - Menor geração de resuídos, cuja modernização e do consumo per capita, maior meia-vida é também da vem se mantendo e nada indica uma ordem de 100 vezes mais curta mudança nessa trajetória por enquanto. - Dificuldade de utilização da Crises de combustíveis, como os altos tecnologia em armamentos preços do petróleo, em termos de custos - Possibilidade de transmutação tendem a aumentar a participação do (“queima”) de diversos resíduos carvão no cenário mundial, dificultando e armamento já existentes o cumprimento das metas de emissões. 6
  7. 7. Embora o potencial hídrico do REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICASBrasil ainda seja amplo (MME, 2002),seus impactos em geral não são muito BAGLA, P. India’s Homegrownconsiderados, além de ser necessário Thorium Reactor. Science, Washington,diversificar a base de geração. Após o EUA, v. 309, p. 1174-1175, 19 ago.apagão, assiste-se a uma maior 2005.construção de termelétricas, cujaproliferação também encontra um BRASIL. Ministério de Minas ecaminho nos leilões de energia; usinas Energia. Secretaria de Energia. Comitêvantajosas sobre o ponto de vista Coordenador do Planejamento daeconômico e de rapidez, mas com Expansão dos Sistemas Elétricos.custos ambientais. Mesmo a opção do Sumário Executivo do Plano Decenalgás natural tem enfrentado problemas de Expansão 2003/2012. Brasília: dez.com as instabilidades políticas na 2002. 77 p.Bolívia, o que ressalta a importância daindependência energética para o CLERY, D. Nuclear Industry Dares tocrescimento de um país. Dream of a New Dawn. Science, Embora todas as fontes tenham Washington, EUA, v. 309, p. 1172-algum impacto e não necessariamente 1175, 19 ago. 2005.sejam aplicáveis em todos os contextos,deve-se buscar continuamente fontes GENERATION IV INTERNATIONALmais limpas. Sendo ainda a energia FORUM & U.S. DOE NUCLEARnuclear mais viável que as fontes ENERGY RESEARCH ADVISORYalternativas em termos econômicos COMMITTEE. A Technology(MME, 2002; THOMÉ FILHO, 2004), Roadmap for Generation IV Nuclearo que se soma à enorme capacidade de Energy Systems. [Idaho Falls], dez.geração, não deveria portanto ser 2002. 97 p.descartada a priori; sobretudo estudos epesquisas mais amplos deveriam ser GONÇALVES, O. D.; ALMEIDA, I. P.realizados, como a real viabilidade da S. A energia nuclear e seus usos naenergia gerada por ADS e a busca de sociedade. Ciência Hoje, São Paulo, v.maior domínio da própria tecnologia. 37, n. 220, p. 36-44, out. 2005. 7
  8. 8. HENNING, F. Keeping Nuclear as a proposal of a national R&D program.Viable Option for Electric Power Brazilian Journal of Physics, SãoGeneration in the Brazilian Matrix. Paulo, v. 8, n. 32, p. 267-272, jun. 2003.2004. Trabalho apresentado aoAmericas Nuclear Energy Symposium MARSHALL, E. Is the Friendly Atom2004, Miami, EUA, 3-6 out. 2004. Poised for a Comeback? Science, Washington, EUA, v. 309, p. 1168-HIRSCH, H. et al. Nuclear Reactor 1169, 19 ago. 2005.Hazards: Ongoing Dangers ofOperating Nuclear Technology in the MATHIAS S. G. Participation of the21st Century. Greenpeace International, Nuclear Plants in the Nuclear Powerabr. 2005. 128p. Plants in the New Brazilian Electric Energy Market. 2004. TrabalhoINTERNATIONAL ATOMIC apresentado ao Americas NuclearENERGY AGENCY. Nuclear Fuel Energy Symposium 2004, Miami, EUA,Cycle and Materials Sections. Thorium 3-6 out. 2004.fuel cycle: Potential benefits andchallenges. Viena, mai. 2005. IAEA PUILL, A. Thorium utilization inTECDOC Série n. 1450. PWRs: Neutronics studies. 1997. IAEA TECDOC série n. 1319.______. Nuclear Power TechnologyDevelopment Section. Potential of THOMÉ FILHO, Z. D. Proposal of athorium based fuel cycles to constrain Financing Scheme for a Third NPP inplutonium and reduce long lived Brazil. 2004. Trabalho apresentado aowaste toxicity. Viena, abr. 2003. IAEA Americas Nuclear Energy SymposiumTECDOC Série n. 1349. 2004, Miami, EUA, 3-6 out. 2004.MAIORINO, J. R.; SANTOS, A.;PEREIRA, S. A. The utilization ofaccelerators in subcritical systems forenergy generation and nuclear wastetransmutation - the world status and a 8
  9. 9. APÊNDICES 1. Enquete utilizada para avaliar a percepção do público. Pesquisa* sobre percepção da sociedade quanto à energia nuclearComo você julga seu conhecimento sobre energia nuclear? Nenhum Básico Médio AvançadoQuando você ouve falar de energia nuclear, qual a primeira palavra / expressão que vem àmente?Liste aspectos positivos e negativos da energia nuclear na sua opinião:VANTAGENS:DESVANTAGENS:Você moraria em um raio de 15Km de distância de uma usina nuclear? Sim Não Depende:Na sua opinião, qual deve ser a fonte de energia preferencial utilizada para suprir ademanda crescente de energia no Brasil? Hidrelétrca Termelétrica Nuclear Alternativas:Quanto a mais você estaria disposto a pagar pela energia proposta acima?(em relação ao valor da sua conta de energia atual, para um mesmo consumo) O mesmo 2x 3x 4x MaisO Brasil deveria investir no desenvolvimento de energia nuclear mais limpa e segura parafuturo uso em sua matriz energética? Como... Prioridade Possibilidade Última opção Não deve investir Obrigado pela colaboração! *Energia nuclear socialmente aceitável como solução possível para a demanda energética brasileira Jimes Vasco Milanez, Ricardo Dias Almeida e Fausto Silva do Carmo Unicamp, BE310B – Ciências do Ambiente. 2o semestre de 2005. 9
  10. 10. 2. Resultados absolutos obtidos nas enquetes.Avaliação do conhecimento Desvantagens citadas Resposta Número de Respostas Resposta Número de Respostas Público Universitário Público em Geral Público Universitário Público em GeralInválida 0 4 Água aquecida 6 6Nenhum 6 38 Poluição 9 23Básico 82 129 Resíduos 50 51Médio 42 47 Radiação 28 24Avançado 14 8 Riscos 64 67 Explosões 7 24Expressões associadas Bomba atômica 4 20 Não-renovável 2 0 Resposta Número de Respostas Dificuldades 7 1 Público Universitário Público em Geral Custo 18 20Energia alternativa 2 11 Ambientalistas 1 3Energia limpa 1 3 "Muitas" 1 3Eletricidade 0 5 Não sei 4 62Potência 5 1 Total de Respostas 201 304Usina nuclear 15 9Átomo 6 4 Quanto a morar próximoUrânio 6 4Fissão 3 2 Resposta Número de RespostasFusão 2 0 Público Universitário Público em GeralTecnologia 2 6 Sim 29 31Futuro 3 0 Não 90 158Poder 2 2 Depende 25 37Militares 2 2Hiroshima 1 5 Geração preferencialBomba 14 37 Resposta Número de RespostasDestruição 4 11 Público Universitário Público em GeralMorte 1 4 Hidrelétrica 79 131Perigo 14 30 Termelétrica 10 33Acidentes 5 5 Nuclear 28 22Chernobyl 5 11 Alternativas 51 67Contaminação 5 4Radioatividade 14 23Lixo tóxico 12 12 Custo adicional aceitávelPoluição 0 4 Resposta Número de RespostasProdutos químicos 0 2 Público Universitário Público em GeralMeio ambiente 2 2 O mesmo 118 182Angra dos Reis 11 6 2x 19 31Polêmica 2 3 3x 3 4Outros 2 6 4x 1 1Não souberam 11 32 Mais 3 8Total de Respostas 152 246 Brasil e energia nuclearVantagens citadas Resposta Número de Respostas Resposta Número de Respostas Público Universitário Público em Geral Público Universitário Público em Geral Prioridade 19 37Alternativa 27 16 Possibilidade 89 115Baixo impacto 43 34 Última opção 22 35Custo 10 18 Não investir 14 39Eficiência 27 25Capacidade 32 38Regularidade 5 5 • Público universitário: 144 opiniõesLocalização 6 7Desenvolvimento 2 3 coletadas na Universidade Estadual deTecnologia 3 14 Campinas, nos meses de outubro eMedicina 1 11 novembro de 2005. Perfil: estudantes dePoder 1 17Empregos 1 0 exatas."Pequenas" 1 0 • Público em geral: 226 opiniões coletadas"Nenhuma" 2 13 em locais públicos de grande circulação naNão sei 11 68 cidade de Campinas/SP e via internet.Total de Respostas 172 269 Perfil: classe média. 10

×