Teologia do livro de Samuel

6,136 views

Published on

Published in: Education, Spiritual, Technology
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
6,136
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
55
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Teologia do livro de Samuel

  1. 1. A Teologia do livro de Samuel na perspectiva de Paul HouseIntrodução O nosso estudo sobre Samuel1 se limitará às questões sobre seus temas,objetivos, um resumo das divisões segundo o autor Paul R. House e umaproblematização das questões que levaram o livro bíblico a ser escrito. Se o livro foiuma resposta a algum interlocutor, dúvidas contemporâneas do escritor e váriosquestionamentos que poderiam ter brotado daquela época.Tema do livro bíblico Para Paul R. House o tema de Samuel é: O Deus que protege, abençoa e avalia. “Samuel está situado em uma posição muito estratégica em relação às questões históricas, teológicas e canônicas. Em relação a sua posição histórica fica claro o momento de instabilidade na liderança dos juízes até o surgimento da monarquia e seu desenvolvimento. Teologicamente o livro mostra a continuidade e singularidade de Yahweh em relação ao seu povo, que embora frágil e inconstante, é surpreendido pela proteção, benção e promessas divinas. Canonicamente, pois o livro descreve a promessa divina a Davi em construir um reino eterno, o que predomina em todo o cenário teológico do Canon” (HOUSE, 2005, p.287).Objetivo do livro bíblico Para House em Samuel, “Existem muitos detalhes teológicos intrigantes que não devem ser postos de lado. O relacionamento entre Deus e o homem e as suas crises em todo o resto do cânon. A habilidade do autor em apresentar as fragilidades humanas de Davi e outras pessoas concede credibilidade histórica ao livro. A apresentação cuidadosa que o autor faz dos muitos e variados aspectos da personalidade divina caracteriza o livro como um esforço teológico honesto e perspicaz. Parece que o autor espera que os leitores se arrisquem a desenvolver uma teologia que ao mesmo tempo questiona-lhes o pensamento e os desafia a uma nova maneira de viver” (HOUSE, 2005, p.289).Resumo das divisões do livro1 Em nosso estudo Samuel equivale a 1 e 2 Samuel. 1
  2. 2. A Teologia do livro de Samuel na perspectiva de Paul HouseO Deus que protege a sua glória: 1Samuel 1-7 No primeiro capítulo de Samuel notamos uma ligação canônica com Juízes,baseada no seu desfecho com mulheres sendo tomadas pelos benjaminitas na festaem Siló. Vale também lembrar a frase final do livro: “Naquele tempo não havia rei emIsrael; cada um fazia o que lhe parecia certo” (Jz 21.25). Já em Samuel, vemos umamulher na mesma região de Siló adorando a Deus com fervor. Nota-se o pecadopassado e a necessidade urgente de adoração. O nascimento de Samuel provém da oração profunda de Ana, que é umapreparação para os temas do restante do livro ou uma introdução aos grandestemas teológicos do livro, tais como: a) Singularidade de Yahweh; (2.2), b) do póDeus ergue o pobre (2.7,8), prefigurando Saul e Davi; c) guardará os pés dospiedosos (2.9); d) rejeição de Saul, a citação de rei (2.10) preparando o palco para osurgimento e queda da monarquia. Ambos os louvores revelam o contraste canônicodo fracasso dos Juízes e o sucesso desse novo paradigma da adoração. Ao escolher Samuel, Deus protege a revelação divina e as expressõescorretas de adoração. Isso contrasta com a vida do Israel que trata a arca da Aliançacomo um amuleto mágico para ser usado na guerra. Troca-se a entrega pessoal napresença divina por apenas rituais humanos da época. Como Moisés em Êxodo,Samuel é o mediador de um relacionamento totalmente renovado entre Deus eIsrael. Quando a arca retorna para Israel (cap. 6) contemplamos a incomparabilidadede Deus em relação aos ídolos. Deus é mais do que um símbolo, é a própriaessência da vida para Israel.O Deus que institui a monarquia: 1 Samuel 8-12 Nos Profetas Anteriores, vemos três tipos de movimentos históricos: vida eliderança de Josué (Deserto e Terra Prometida), o período dos juízes e o últimogrande movimento em que foi Israel liderado por reis. Dando enfoque no últimomovimento vemos em Deuteronômio 17.14-20 como deveria se escolher o rei. Emresumo: 1. Escolhidos por Deus, 2. Israelitas, 3. Guardar a aliança, 4. Um estilo devida simples, diferente dos reis da antiguidade. 2
  3. 3. A Teologia do livro de Samuel na perspectiva de Paul House Ainda assim, o pedido de um rei feito por Israel é uma rejeição frontal à obrade Deus por meio de Samuel e outros juízes. Israel quer um rei para ser como asoutras nações (cap.8), uma aversão ao chamado em Êx 19.5,6, para ser uma naçãode sacerdotes separados para Yahweh. O que se nota é que tanto os líderes, juízesou reis, todos podem prosperar. Esses movimentos terão êxito ou cairão mediante aaceitação de Deuteronômio 17.14-20.O Deus que avalia e rejeita Saul: 1Samuel 13-15 O rei para Israel também é avaliado por padrões diferentes das outrasnações. Não bastava o primeiro rei Saul se sair melhor do que os demais nasguerras. Os padrões para o rei eram espirituais, ou Yahweh era o Deus do rei, ouIsrael não tinha diferença alguma em relação aos outros povos. Resumidamente os três atos que tiraram Saul do trono de Israel. O primeirofoi oferecer sacrifícios sem a presença de Samuel, o único que tinha autoridade paratal (13.1-19). Segundo, Saul faz um voto apressado que traria desgraça para o povo(14.1-30). Saul jura que Israel não se alimentará até ele ser vingado. Isso deixa claroque a guerra visa mais vingança pessoal do que reabilitar o nome de Yahweh oualcançar segurança para o povo. O terceiro ato foi o não cumprimento da ordemdada por Samuel: “Destrua os amalequitas na guerra” (15.1-3). Embora Deusconceda a vitória, Saul deixa nítido que ele não servia para ser rei de Israel. Yahwehdecide rejeitar Saul. Quem escolheu Saul também pode substituí-lo.O Deus que elege, protege e exalta Davi: 1Samuel 16 – 2Samuel 5 Saul não serve mais para reinar, logo, Deus intervém em três ações: 1.escolhendo, 2. protegendo e exaltando. Yahweh escolhe o anônimo Davi para serrei. Como conseqüência disso, Yahweh precisa proteger seu escolhido durante operíodo de decadência de Saul. Esse processo de proteção é marcado pelorelacionamento singular com Deus durando os capítulos 19 – 30 de 1Samuel atédesembocar em 2Samuel 1 – 5 em sua exaltação. O que se percebe é um contraste 3
  4. 4. A Teologia do livro de Samuel na perspectiva de Paul Housevibrante entre dois homens, ou dois tipos de ser humano. Por um lado, a vida deDavi reflete sua ascensão desde a escolha, proteção e exaltação. Saul, porém,reflete ciúme, loucura, ocultismo até sua morte. Deus vê o coração (1Samuel 16.7). Humanamente Davi seria rejeitado peloshomens. As propriedades de um rei de Yahweh não são seus dons militares, nemdons de um estadista, nem questões de autoridade internas, mas como um rei cheiodo poder divino e, portando, capaz de coisas maiores do que outros homens. Amorte de Saul ensina a Israel que ter um rei não os salvará. Antes, o essencial eraos israelitas terem os reis certos. House nos conta sobre a experiência de Davi como um salmista citandoalgumas passagens do livro de Samuel que são quase palavra por palavra algunsdos salmos, como o salmo 18, 3, 52 etc.. Esses salmos são produto de umrelacionamento vivo de proteção divina durante principalmente as durasperseguições feitas por Saul.O Deus que faz uma aliança eterna com Davi: 2Samuel 6 e 7 Esta seção é marcada por dois episódios. O primeiro é que Davi leva a arca aJerusalém. Assim, fazendo da cidade o centro da adoração israelita. Segundo, o reideseja erigir um templo para abrigar a arca e lhe é negado o direito de fazê-lo, masem compensação, lhe é oferecido um reino eterno. House trata desse assunto fazendo uma síntese canônica. Desde o momentoda edificação do templo por Salomão, percorrendo os profetas, salmos até o NovoTestamento. A grande ênfase do autor é que o Antigo Testamento tem algumasexigências para esse rei vindouro. Resolver o problema do pecado da nação (Isaías,Jeremias, Ezequiel e os Doze), vir de Belém (Miquéias), instaurar a paz em todo omundo, ser da família de Davi, e ser propriamente um Rei. O NT aplica esses textosa Jesus Cristo. Neles os escritores encontram quem cumpre todas as exigênciasacima destacadas. 4
  5. 5. A Teologia do livro de Samuel na perspectiva de Paul HouseO Deus que julga e ao mesmo tempo protege Davi: 2Samuel 8 – 20 O livro de Samuel, como um todo, mostra a vida de Davi tanto como um rei(vida pública), quanto um homem (vida pessoal). O relacionamento de Davi comDeus não poderia ser melhor, ou mais ideal, pois Davi preenchia todos os quesitosestabelecidos pela lei Mosaica descrita no Deuteronômio. Davi governou comjustiça, tomou decisões sábias, recebia o favor de Deus, era fiel ao seu Deus,conquistou os inimigos e demonstrou bondade. Essa seção mostra que todos osatos de Davi são graça da parte de Deus sobre a vida do rei. Inesperadamente tudo muda, o rei Davi não é mais aquele personagempúblico fantástico, e além de não ir para a guerra, fica em casa e comete adultériocom a mulher de um dos seus soldados, que logo após seria morto por ordem deDavi. Que contraste se vê nessa narrativa! Davi quebra todas as leis que cumpriajunto ao seu Deus. E assim como Samuel trouxe palavra divina de castigo para Saul,o profeta Natã usa do mesmo artifício para com Davi em 2Samuel 12.1.O Deus que merece a devoção de Davi: 2Samuel 21 – 24 O pecado é um vírus que entrou no mundo através dos nossos primeiros pais.Mesmo os melhores homens e mulheres de Deus pecam. Em qualquer tempo ouépoca a narrativa de Samuel, bem como a História Deuteronômica, mostra-nos queo arrependimento é uma virtude diante da misericórdia grandiosa de Yahweh. Davi não apenas é um adorador em todos os momentos, mas um homem quereconhece diante do profeta de Deus suas desventuras. Davi realmente foi umhomem especial para Deus já que recorria a Ele em todos os momentos defraqueza. Em Samuel vemos os contrastes da vida de Davi, altos e baixos.Problematização do livro de Samuel 1. Por que o livro bíblico veio a ser escrito e com quais objetivos? Testemunhos internos e externos. 5
  6. 6. A Teologia do livro de Samuel na perspectiva de Paul House Samuel é ordinariamente descrito como parte da História Deuteronômica, oconjunto de livros de Josué até o final de Reis que aplicam a visão de mundo para anação de Israel. Se pensarmos no livro de Samuel como uma série de livros comoJosué – Reis, eles têm que fazer parte do mesmo propósito: 1. A mensagem é uma chamada para arrependimento, pois o povo de Deussofreu, na época do exílio, por causa de seus pecados passados. 2. Vemos o livro de Samuel preocupando-se com o coração, muito mais doque com as possíveis habilidades de guerra, altura ou força. Baseado em Dt. 6.5,amar a Deus de todo coração é uma clara ênfase para uma vida de arrependimentoe constante simplicidade diante de Yahweh. 3. O livro também é um chamado à fé e à coragem, por trazer à lembrança aeleição divina de Israel, o cuidado com seu povo em cada época, sua fidelidade,promessa e por fim a esperança do Rei vindouro e eterno. 4. Como em toda a História Deuteronomista, “Samuel traça uma narrativaprofética em relação ao passado, para servir como escritura para a nova geração deIsrael presente, bem como esperança para os dias futuros do Israel” (LASOR;HUBBARD; BUSH, 2002, p.147). Um dos questionamentos da época que levariam o livro a ser escrito emnossa opinião é o fato de que a soberania de Deus no estabelecimento damonarquia em Israel revela que a sobrevivência e segurança da nação nãodependem da monarquia em si, mas de um monarca cujo coração seja humilde econfiante perante o Deus da aliança. Os olhos de Yahweh se preocupam mais como caráter de seus servos do que por suas grandes habilidades, sejam elas quaisforem. 1. Quem foi o autor? O nome Samuel aparece no título do livro e refere-se ao primeiro personagemdessa narrativa, mas não foi seu autor, já que sua morte é relatada bem cedo nopróprio livro. Quem quer que tenha escrito o livro de Samuel, independentemente da 6
  7. 7. A Teologia do livro de Samuel na perspectiva de Paul Houseépoca em que isso aconteceu, estava mais interessado em nos contar a respeito deDeus do que em nos dar pistas acerca de sua própria identidade. Sugere-se que pelo conhecimento da monarquia dividida, o autor teria escritoa série de Josué até Reis, nesse caso no exílio babilônico, séc VI. Isso não exclui apossibilidade como diz 1 Crônicas 29.29, de Samuel ter escrito crônicas, bem comoNatã e também Gade. 7
  8. 8. A Teologia do livro de Samuel na perspectiva de Paul HouseREFERÊNCIASBÍBLIA DE GENEBRA. São Paulo: Cultura Cristã, 2000.BÍBLIA DE JERUSALÉM. São Paulo: Paulus, 2002.BÍBLIA HEBRAICA STUTTGARTENSIA. Stuttgart: Deutsche Bibelgesellschaft, 1990.BÍBLIA SAGRADA – NOVA VERSÃO INTERNACIONAL. São Paulo: Editora Vida,2000.BÍBLIA Sagrada. Revista e atualizada no Brasil. 2ªed. Tradução de João Ferreira deAlmeida. Barueri, SP: Sociedade Bíblica do Brasil, 1993.HOUSE, Paul R. Teologia do Antigo Testamento. Trad. De Márcio Redondo; SueliSaraiva. São Paulo: Vida Acadêmica, 2005.LASOR, William Sanford; HUBBARD, David A; BUSH, Frederic W; Introdução aoAntigo Testamento. Tradução de Lucy Yamakami. São Paulo: Editora Vida Nova,2002.PETERSON, E. H. The Message: The Bible in contemporary language. ColoradoSprings, Colo.: NavPress, 2002 8

×