Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
Christopher Hill. O Eleito de Deus: Oliver Cromwell e a Revolução Inglesa.                                      Capítulos ...
Christopher Hill. O Eleito de Deus: Oliver Cromwell e a Revolução Inglesa.                                   Capítulos VII...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Relatório sobre oliver cromwell em christopher hill

2,327 views

Published on

Published in: News & Politics, Technology
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Relatório sobre oliver cromwell em christopher hill

  1. 1. Christopher Hill. O Eleito de Deus: Oliver Cromwell e a Revolução Inglesa. Capítulos VIII e IX. Esses dois capítulos do livro de Hill destacam a história de Oliver Cromwell esua influência na Revolução Inglesa. O capítulo VIII nos apresenta a oposição entrea monarquia absolutista e o parlamento, que em sua maioria era composto porpuritanos. Dada essa oposição e outros fatores, a Inglaterra entrou numa guerracivil: parlamento e o rei Carlos I. Neste período surge Oliver Cromwell que lidera a Inglaterra. Ele não era umpolítico por natureza, o próprio autor destaca a sua inocência para tal. O queCromwell queria como mostra Hill era a unidade parlamentar. Ele definiu os quatropontos fundantes de seu governo: 1. Governo por uma única pessoa e um sóParlamento; 2. Nenhum Parlamento se perpetuaria; 3. Liberdade de consciência; 4.Controle da milícia pelo protetor e pelo Parlamento. O autor enfatiza que Oliver não era democrático. Por isso gasta muitosparágrafos falando de seus opositores, diversos movimentos contrários às idéiasdeste estadista. O medo desse líder era deixar o poder nas mãos de gente que sóvivia para respirar, ao que os chama de massa, ou pobres. Lutou contra o direito devoto para todos por esse mesmo motivo. O que o livro destaca enfaticamente é otipo de governo religioso de Cromwell, onde assevera que Deus estaria ao seu lado. O segundo capítulo, um pouco mais longo que o anterior trataespecificamente da contribuição calvinista e teológica a ideologia de Cromwell e dosrevolucionários ingleses (puritanos). Ao falar sobre a doutrina da predestinação o autor reitera muitas vezes queessa doutrina, ao contrário do que se pensa, ou se pensou, foi o grande motor dosrevolucionários ingleses a ação. Devemos perceber que a sua teologia os ajudou aviver e a mudar o mundo conforme eles o encontraram. Os protestantes enfatizavam o dever de trabalhar arduamente em favor dacomunidade, da república. Percebemos que a fé, no sentido calvinista deixou de serencarada como fonte de uma força psicológica interior, para um engajamento dohomem honesto em desempenhar uma tarefa mundana. O autor diz: “... oprotestantismo se destinava unicamente àqueles que agiam”. Pg. 201. Os eleitoseram ativos e corajosos por definição, mas não para se tornarem eleitos.
  2. 2. Christopher Hill. O Eleito de Deus: Oliver Cromwell e a Revolução Inglesa. Capítulos VIII e IX.Passividade era intolerável. A integração puritana da liberdade e da necessidade étambém uma integração do indivíduo ao processo histórico. Uma amostra clara deste pensamento foi destacada pelo puritano RichardSibbes: “Não devemos, descuidados, tudo atribuir à providência, mas primeiro levar em consideração qual é a parte que nos cabe e, na medida em que Deus caminha diante de nós, e nos proporciona ajuda e meios, não podemos deixar de cumprir o nosso dever.” p. 203. A ação política não era, portanto, algo indiferente e poderia ser um deverreligioso. O autor nos diz o contrário do que nos é apresentado em muitas correntesacadêmicas acerca do puritanismo: “o puritanismo não precipitava os homens nofatalismo.” p. 210. A predestinação e o livre-arbítrio, ainda eram dialeticamenteamalgamados e Deus é seu ponto de união. Em Deus “vemos reconciliadas as maisaltas contradições”, acreditava John Bunyan, pg. 214. Mais adiante no fim do capítulo, quando Cromwell foi deposto de seu cargo,vemos a Inglaterra voltando ao sistema anterior de governo com Carlos II e aquelateoria puritana que foi revolucionária se transformou em conservadorismo banal.

×