Elaborar Um Relatorio

43,558 views

Published on

Como elaborar um relatório de uma aula laboratorial.

Published in: Education, Technology
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
43,558
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
98
Actions
Shares
0
Downloads
250
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Elaborar Um Relatorio

  1. 1. ESCOLA SECUNDÁRIA/3 JOAQUIM DE ARAÚJO Disciplina de Biologia/Geologia Ano Lectivo 2009-2010 ASSUNTO: Elaboração de um Relatório em Biologia/Geologia. Sempre que realizar uma actividade de laboratório deverá elaborar um relatório. Este servir-lhe-á como auxílio ao seu estudo, já que permite recordar o trabalho que efectuou na aula prática, retirando conclusões sobre ele. 1. O que é um relatório Um relatório de uma aula prática é uma exposição por escrito de uma experiência laboratorial, narrada pelo(s) seu(s) autor(es). Um relatório de um trabalho laboratorial não é uma mera descrição do modo de proceder, isto é, não é uma descrição minuciosa das técnicas, reagentes e respectivas quantidades, material, cuidados especiais, etc. A tal conjunto de informações dá-se o nome de protocolo. Um relatório é sim o conjunto da descrição da realização experimental dos resultados obtidos, assim como das ideias associadas, de modo a constituir uma compilação completa e resumida. Nesse sentido deverá conter tudo o que diga respeito a essa tarefa e que possa vir a ser usado futuramente como instrumento de trabalho. Para integrar os resultados obtidos de uma experiência, nos conceitos gerais existentes sobre um assunto, o aluno terá necessidade de ler não só as notas de que dispõe, mas também livros e revistas. Isto não é todavia suficiente. Ele terá acima de tudo de pensar. Necessitará de pensar logicamente e até mesmo de uma forma criativa, porque frequentemente verificará que ainda não existe explicação adequada que integre os resultados obtidos. 2. Linguagem a utilizar nos relatórios A linguagem científica é clara, simples e objectiva. Evitar o estilo literário e as grandes frases cheias de subjectividade. O trabalho científico deve ter carácter impessoal, sendo redigido na 3ª pessoa e evitando referências pessoais (ex: “o meu trabalho”, “vou executar”). Deve também evitar-se a introdução de aspectos “decorativos” desnecessários à apresentação do trabalho. 3. Principais itens em que se divide um relatório 3.1. CAPA A 1ª página de um relatório deverá incluir: - Nome da Escola - Nome da Disciplina - Título completo do trabalho - Identificação do(s) autor(es), nome, turma e número - Localização da área de realização - Ano Lectivo Página 1 de 3
  2. 2. 3.2. ÍNDICE Na página a seguir à capa apresenta-se o índice, onde figuram os títulos das diferentes partes do relatório, segundo a ordem pela qual aparecem ao longo do mesmo. Todas as folhas que se seguem ao índice devem ser numeradas e, assumindo que a capa corresponde ao nº 1 e o índice ao nº 2 (apesar destes ficarem omissos), o ponto nº 1 – Introdução, será escrito na página nº 3 e assim sucessivamente. 3.3. INTRODUÇÃO De uma maneira sumária, deverá ser feita uma exposição da teoria subjacente à actividade experimental. É na introdução que se relata o modo como surgiu o problema em estudo. 3.3.1 O(s) objectivo(s) da investigação deve(m) ser colocado(s) em seguida, por tópicos e os verbos conjugados no infinitivo. 3.4. PROCEDIMENTO EXPERIMENTAL 3.4.a.MATERIAL: Deverá constar uma lista de material e equipamento utilizado. 3.4.b.PROCEDIMENTO/MÉTODOS: Descrição de todos os passos seguidos no decurso da experiência. (O verbo deve redigir-se na terceira pessoa do pretérito perfeito) 3.5. RESULTADOS Apresentação das observações e/ou dos resultados obtidos. Consoante o tipo de trabalho e o tipo de resultados a obter, assim também poderá variar a sua forma de apresentação num relatório, tais como desenhos, gráficos, tabelas, etc. 3.6. DISCUSSÃO DOS RESULTADOS Análise e interpretação das observações e/ou dos resultados obtidos, tendo em vista o(s) objectivo(s) do trabalho. Aqui o relatório pode perder o carácter impessoal, podendo reflectir a opinião do autor. 3.7. CONCLUSÃO Faz-se uma apreciação dos resultados, verificando se estão ou não de acordo com os objectivos iniciais. Refira-se que, por vezes, poderão sugerir-se novas investigações necessárias à resolução do problema. 3.8. BIBLIOGRAFIA A apresentação da bibliografia deve seguir determinadas regras internacionais. 3.8.a.Livros Autor ( apelido em MAIÚSCULAS, seguido do nome próprio) e outros ( no caso dos autores serem mais do que um ), título ( em itálico ou sublinhado quando manuscrito ), nº da edição, nº do volume, página ( sendo só uma ) ou a primeira seguida de um ífen e a última página, editor, local e ano de publicação. Ex: LEHNINGUER, A. L.; Bioquímica. Pp. 27-34, Editores Ómega, Barcelona, 1979. Página 2 de 3
  3. 3. 3.8 BIBLIOGRAFIA (Continuação) 3.8.b.Artigos de Jornais e Revistas periódicas Autor ( apelido em MAIÚSCULAS, seguido do nome próprio ), título do artigo ( em itálico ou “entre aspas” ), título da publicação em série ( jornal ) e rubrica eventual, nº da publicação, página(s), local, dia, mês e ano da publicação. Ex: Tabac, Economie et Santé das les Pays Africains, Chornique OMS, 39, p. 112, Geneve, 1985. Quando o autor não é conhecido a referência inicia-se com o título do artigo. NOTA: Quando forem indicadas várias obras, estas devem ser ordenadas alfabeticamente pelo apelido do nome do autor. Página 3 de 3

×