Eu, tu e três pontos...

1,075 views

Published on

O autor reúne pensamentos e desabafos na sua página pessoal:
Página Pessoal de José d’Carvalho, endereço eletrónico:
www.jcmcarvalho.tk

Published in: Education
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,075
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Eu, tu e três pontos...

  1. 1. EU, Tu e três pontos… O Autor, José Carlos Monteiro de Carvalho
  2. 2. ÍndiceEU ................................................................. 1Tu................................................................. 23Escrevo ........................................................... 37A Vida ........................................................... 44Sei ................................................................ 54Felicidade ........................................................ 65O Tempo ........................................................ 76Sentimentos ...................................................... 88Pensamentos ..................................................... 95
  3. 3. EU, Tu e três pontos…EUEU não gosto muito de me definir, prefiro antes e depoissurpreender…Gosto de fazer piadas que façam as pessoasrir bonitas, não aquelas piadas que as faz rir por rir…Nãogosto que me perguntem permanentemente o que é que EUquero…Os meus olhos são o meu espelho, todos os dias merefletem e/ou projetam…Confesso que gosto queadivinhem os meus desejos, não gosto de palavras rudes,nem mesmo ditas com ternura… Não gosto de pensar quehá paixões inventadas (porque para mim o prazer saisubstancialmente do corpo…). Gosto de pensar que cadapessoa tem a sua metade…Quando se fecha uma porta pela 1…
  4. 4. José de Carvalhomadrugada, gosto de pensar que serei EU o primeiro aabrir pela manhã…Gosto de proferir as palavras que se revolvem na minhacabeça, no meu coração, na minha língua...Gosto de falarpara quem sabe ouvir, mas também falo para quem não meouve, gosto de escrever para quem me escreve, mas tambémescrevo para quem apenas sabe ler, gosto de ensinar efundamentalmente aprender com o que ensino…Sei quepor vezes acredito quando me mentem, e duvido quando medizem a verdade…Não ambiciono ser perfeito, nem mesmodentro das minhas imperfeições...EU gostava que tu me olhasses nos olhos, na menina dosmeus olhos (ao ponto de poderes ver as minhas lentes).EU quero viver o que não entendo...Quero dizer o quesofro e não sofrer do mesmo…Quero ter sonhos nopresente, e nada de substituir as lembranças passadas.Quero (queria!) criar um outro EU dentro de mim, umoutro que fosse capaz de me contradizer…Não tenhomorada certa, mas quero residir dentro de mim. Jamaispensaria em enterrar o passado, mas no entanto e ao mesmo 2…
  5. 5. EU, Tu e três pontos…tempo, como gostaria EU, de desenterrar ofuturo...Adorava descobrir, nem tarde nem cedo demais, oque a vida quer de mim…Quero fechar capítulos de várioslivros (não me refiro a este, pois este é mais que um livro –é o meu coração), do mesmo modo que fecho a pasta dedentes... Detestaria que falassem por mim, por isso tentofalar EU!EU abandonei a “velha máxima” de que jamais escreveriauma página que me revelasse, que revelasse alguma coisa,no entanto EU aprazo dizer que não há certezas absolutas,que “sei só que nada sei” ou “nem sei se nada sei” emesmo até que sei onde quero estar, mas não sei ondeestou...Conhecer-me é errar, é propor a mim próprio umatarefa maior que as de Hércules e um enigma mais negroque o da Esfinge...Desconhecer-me conscientemente, eis ocaminho...E desconhecer-me conscienciosamente é oemprego ativo da ironia...Analiso pacientemente eexpressivamente os modos de me desconhecer, registroconsciente da inconsciência da minha consciência,metafísica de sombras autónomas e poesia do crepúsculo da 3…
  6. 6. José de Carvalhodesilusão...De uma coisa tenho a certeza: muito mais longeestá o homem superior do homem vulgar que o homemvulgar do macaco...Vislumbres da ilusão e parecenças darazão!De tudo e contudo, há razões que não são simples e sãodemasiado íntimas. Não tenho de dá-las…Talvez sejanecessário ser EU, estar no meu lugar e ter o meu nomepara entendê-las por completo…Para mim, a pele é aquiloque me protege, a fronteira entre a minha presença e omundo físico, o aparelho sensível que capta a perceçãodaquilo com que interajo…Para os outros, essa mesmapele é a nossa superfície, a aparência. E, já se sabe, aaparência é tão enganadora e a superfície tãosuperficial…Pois: ”(…)debaixo da roupa, estamos todosnus…”Hoje, tal como em outras alturas (simultaneamente,conjuntamente e esporadicamente) EU revejo-me emalguém. Sem o conhecer, EU quase poderia dizer que ocompreendo. Mas ao mesmo tempo que o analiso, perceboque aquilo que somos/sou…As minhas atitudes, as minhas 4…
  7. 7. EU, Tu e três pontos…ações e não ações, as minhas defesas e refúgios, os meusmedos e inseguranças (com as quais aprendi a viver durantemuito tempo). É tudo tão óbvio para mim e tão(compreensivelmente) incompreensível para osoutros...Com o tempo, não ganhamos apenas experiência esabedoria, mas defesas, rugas, mágoas... Desaprendemos oque são as coisas simples da vida tal como uma criança as vê- SIMPLES. Nós com o tempo, só complicamos...Nãointencionalmente. Mas cada vez temos mais medo de falharonde outrora falhámos por simplicidade. Por vezes pareceque temos de aprender tudo de novo (que não é nada fácil),temos de aprender a escrever, a falar, a sentir, tudo comose fosse a primeira vez. Temos de conseguir mudar de pele,limpar a alma, cuspir fantasmas, dor, sofrimento, angústiaque tão bem guardámos na tentativa de não mais voltar asentir/passar pelo mesmo. Tudo isto parece fácil quandolidamos sozinhos com aquilo em que nos tornámos...Porvezes temos de partilhar, mas a verdade é que ninguémgosta de partilhar o pior de si, de falar do pior de si, delembrar o que foi, o que perdeu, quem magoou, porque 5…
  8. 8. José de Carvalhochorou, porque sofreu…Mas se EU algum dia achei que ofacto de não falar sobre isso seria uma forma de meproteger, hoje já considero que devo dar a conhecer quemfui, quem sou e o que pretendo ser, não podendo mudar oque fui, podendo sempre construir o que serei.Contrariando as sábias palavras do poeta (FernandoPessoa) não tenho a alma reduzida a uma meada atada, e oque sou e fui – EU - lembra bem a minha identidade!Não preciso de te perguntar, mas és tu capaz de me dizer oque sou?! A resposta é que EU a partir de ti, da tuaconstrução faço de mim HOMEM, cresço e evoluo paraalgo mais do que agora sou. Dizem que é ganharmaturidade mas EU já tenho a idade do juízo próprio.Deixei-te a ti e ao teu olhar, ao olhar que um dia meolhou…Para lá do meu olhar existe um mundo poracabar...Sou feito de uma mistura de sentimentos que numtodo me caraterizam…É a minha distinção perante o restoda humanidade, o meu íntimo, a minhapersonalidade…Tudo faz parte da minha construção, daminha obra, de mim como PESSOA... 6…
  9. 9. EU, Tu e três pontos…EU não sou especial, ate confesso que passo despercebidoentre os demais, que nem dão pelo interior que me consomee que me extrapola...Não sou espelho do que se pode ser,mas sou verdadeiro (confesso), e sou transparente ao pontode divulgar todos os meus pensamentos, todos os pensares,seja de dentro para fora, de fora para dentro...Por vezesdeixo-me levar, deixo que me conduzam para alem de umcaminho, confio em quem merece a minha pura confiança,faço desse confiar a mais forte aliança…EU não sei tudo, jamais saberei tudo, por vezes penso quesei apenas pouco mais que nada...Escrevo sobre o que sei esobre o que não sei...Por vezes não deveria escrever, nãodeveria saber, não deveria sentir, não, não e não...Massim, sim, sim e sim, sou assim, gosto de ser, de fazer, deescrever, de sentir e de viver...EU sou assim, gosto de assim ser, e porque o "gosto" não ésuficiente e o "adoro" não considero exagero nesta escritasincera, torna-se por mim aprazível dizer: adoro acumplicidade, adoro falar sem dizer a palavra com quemsou cúmplice, olhar nos olhos e saber tudo, assim sem ser 7…
  10. 10. José de Carvalhopreciso mais nada...gosto de viagens, ver novos povos,entear-me em culturas e viver só para as contar...adoro umembirrar saudável, daquele que dá estímulo, que dá luta enos faz ser melhores. Gosto da luta e adoro aspazes...Gosto de sorrisos e motivos para sorrir, tardes debrilhos nos olhos e muitos sorrisos á mistura...Adoro dosroubados, dos longos, dos curtos, de todos…Sorrisosdaqueles e dos outros também... Daqueles olhares que mefazem encolher e procurar refúgio num abraçoapertado…Gosto do nascer do sol (belos raios alaranjadosnum infinito céu azul). Gosto imenso das palavras (dá paranotar) das músicas que não sei cantar...Filmes onde o atorpoderia ser EU. Encontros com o destino… Gosto defolhas brancas, pautadas ou quadriculadas...Cadernos quefalam…Pouco importa!Possuo cartas escritas nunca enviadas, sentimentos,apontamentos…Guardo rascunhos de edifícios, esboços daminha futura casa. Desenhos de gente desconhecida…Alguns auxiliares de memória… E no meio de muitasfolhas um cartão qualquer, uma dedicatória, um trevo 8…
  11. 11. EU, Tu e três pontos…apanhado algures num jardim e esmagado pelo tempo...Coleciono-os todos, intemporalmente...Sou incapaz dedeitar fora uma única folha... Branca, pautada ouquadriculada… Cada folha me importa!EU sou um apaixonado pelas palavras. Porquetransportam e carregam sensações. Porque são sentimentos.Gosto delas, por mais imperfeitas, por mais simples e pormais pequenas que sejam... As imagino, as sinto e asrecebo…Adoro, gosto, adoro...Não importam as palavras, só eapenas aquelas que me descrevam e/ou soluções que meresolvam... Gosto de céu azul, preciso de ver o mar noverão, no inverno, em qualquer estação do ano, adorocerejas e morangos, aprecio plantas em casa, árvoresmilenares, bonsais, o cheiro a terra molhada, sentir achuva no rosto e o sol no corpo, procuro o silêncio,fascinam-me olhares profundos e que falam, tiram-me dosério os sorrisos e as gargalhadas de lágrimas escondidas,não resisto aos sinceros, derreto-me com mãos nas mãos,não esqueço o sabor dos gelados nas noites quentes e o 9…
  12. 12. José de Carvalhocheiro do leite-creme com canela que preparo quando meapetece, refugio-me no lago e no castelo ao final da tarde,vou ao cinema sozinho, interesso-me por coisas antigas comhistórias para contar e adivinhar, reparo em sardas, seduz-me o vinho verde, os rosés, perco a noção do tempo comconversas interessantes, aproveito todos os pedaços (de diae de noite) sem ser preciso correr contra o relógio,aventuro-me em passeios por locais sem caminhos, revejocom prazer fotografias de pequeno, não resisto a castanhasassadas ou cozidas, azeitonas, queijo fresco, broa quentecom manteiga, canja e bacalhau (de qualquer maneira)…EU quando gosto não sou apenas verdadeiro, mas atraio asverdades...EU quando gosto não solto a voz emmelancolia, mas faço cantar docemente...EU quando gostonão fico parado, mas provoco quietude...EU quando gostonão fico calado, mas faço dar à língua...EU quando gostonão quero pouco, mas quero de tudo um pouco...EUquando gosto não peço nada, mas quero o oferecido...EUquando gosto não escavo buracos, mas preencho todos osporos...EU quando gosto não visto só um sorriso, mas 10…
  13. 13. EU, Tu e três pontos…faço sorrir pelo tempo que me é preciso...EU quandogosto, estar acordado de dia não é importante, mas podersonhar durante a noite é constante...EU quando gostoconsegues sentir, e EU sou incapaz de fingir...EU quandogosto não quero a Lua, mas quero um luar que noscubra...Quando gosto, EU é mais que a matricula do meucarro!Se não gostas daquilo que sou, lamento sem desculpar, poissou assim: sensível, teimoso, quero sempre mais e melhor, equando já não me é possível acreditar no belo da vida e daspessoas, encesto no caixote do lixo o que escrevi, enviopara a reciclagem, esborrato o que pintei, apago algumasfrases, rasgo determinadas coisas, na esperança de voltar aacreditar…Sou assim, simplesmente - José de Carvalho(com "Carlos Monteiro" pelo meio)!Porém, gostaria de ser Nicholas Sparks durante umasemana ou a figura fascinante de Hamlet por umanoite...Ter o génio de Shakespeare e utilizar as batalhasinteriores do seu si para criar um elenco inteiro depersonagens teatrais, ou o de Fernando Pessoa, para criar 11…
  14. 14. José de Carvalhovários poetas diferentes, como os seus heterónimos. Mas,ao fim e ao cabo este sou EU, deveria ser EU, porque souEU que estou aqui!EU sou assim…De dias e de noites, de sorrisos e delágrimas, de paixão e de amor, de saudade e de indiferença,"desenrolador" de versos e "rimador" de frases, de gente ede solidão, de suar de frio e tremer de calor, de emoções ede racional, de silêncio contido e palavras abstratas, deágua e de vinho, de compreensão e de revolta, de preto e decolorido, de esperança e de desmotivação, de garra e semforças, eterno no amor e efémero na mágoa, sem vícios e deremédios, de tudo ou nada, lucidamente insano emalucamente calmo... Tudo isto em doses extremas... Souassim... De "8s" ou "80s".Por vezes antes do simples adormecer, EU paro no tempo(prólogo da noite) e no espaço (a minha cama) e olho paratrás, mas no entanto não fico mais elucidado... Umapessoa é um mistério - então com capacidades escondidaspelo meio - uma prodigiosa conjugação. Posso assumir apessoa que sou, sim...Assumindo também que uma boa 12…
  15. 15. EU, Tu e três pontos…parte do que me rodeia assumiu o que de mim pensou e nãome perguntou… Uma parte do que me rodeia assumiuolhar para o seu umbigo como uma regra visual na vida eassim definiu os valores da vida, sendo capaz até de assumirquais os valores ideais em função de algo que metranscende!? Não sei se é verdade ou não, mas não percebopor vezes o que parece ser normal, o que pode ser dito e atéo que pode ser estereotipado, mesmo com rostos devergonha, com a caras escondidas, disfarçando olharesperdidos...EU prefiro refugiar-me num sorriso contido enuma lágrima apontada... EU sou assim. Sou tão passivo,mas tão verdadeiro e expressivo que mais valia desprezaressa capacidade de dizer que sei…Quem me conhece sabe que não sou de grandes sorrisos…Mas gosto de fazer outros rir e o ato de rir para mim éconfortável… Quem me conhece e já me viu sabe disso…Quem EU gosto, ou quase todas as pessoas que EU gosto,também com pouco me fazem rir… Por vezes quem me vêpensa-me por vezes gélido e apático mas aqueles que me 13…
  16. 16. José de Carvalhoolham nos olhos sabem-me fazer sorrir. É essa a diferença!Faz-se aí toda a diferença!Cumpre-me dizer que é mais fácil fazer-me rir que chorar(EU choro também), garanto! E o mistério é tão simples,sempre tão simples e tão a mesma coisa que até achoestranho alguns não o descobrirem…Tenho uma certeza,uma convicção de que jamais serei de risos forçados,amarelos, só para agradar. "JAMAIS"! Confesso que atéjá me fizeram rir depois das lágrimas! Por favor não peçamapenas sorrisos e facilidades! Com quase trinta anos, tantosque me fazem garantir que em outros tantos não me façamsuplicar por dias sem dor, risos sem sofrimentos ou sol semchuva! Ai, mas EU cá vou pedir ou ambicionar força parao dia, conforto para as lágrimas e luz para o caminho...Aocontrário de muitos: Se um dia EU vier a ter rugas, decerteza que não foram apenas de rir!Não há um dia, mas há um ano atrás, para não voltarmuito atrás no tempo, mas voltando ao mesmo lugar, EUera diferente deste EU (e não falo da matricula do meucarro)...Esse não era o EU de hoje…Se pior ou melhor 14…
  17. 17. EU, Tu e três pontos…não saberei! Tenho uma certa dificuldade em avaliar ascoisas dessa forma tão linear. Pelo menos, o caminhopercorrido ao longo deste ano foi-se tornando maisaprazível. Ao início pouco diferente, a continuação sempreuma surpresa e o fim sempre tão imprevisível, mas com opassar dos anos, os meus olhos foram vendo coisas que nãoviam, o meu coração começou a reaprender para sentircoisas boas, os meus braços e o meu corpo ficaram menospesados...Volta não volta, deparo-me que há pessoas que sabemnadar, são capazes até de voar e de correr, no entanto nãosabem conviver...EU tento conviver. Claro que adorariavoar! Penso que voo em sonhos, pois gosto de sonhar,tenho uma costela que pertence ao grupo daqueles quegostam de sonhar e viver...Até porque para mim sonhar eviver é muito mais que comprar e comer. Para mim aliberdade que conquistei com o tempo é algo tão nobre...Aliberdade tornou-se sempre numa decisão, numa procura ounuma viagem com aventuras para encontrarpropósito...Isso fez com que pudesse voar mais alto na 15…
  18. 18. José de Carvalhoambição de alcançar as minhas metas, novos horizontescom novos pensamentos que incisivamente me levam paranovas perguntas, fazem com que cresça espiritualmente,cresça numa tentativa de moldar a chave do meuêxito…Ai, mas EU caí e levantei tantas vezes, aprendi efiquei mais forte (apesar dos meus 60 Kg físicos),aproveitei as oportunidades que não pude desperdiçar...Muitas pessoas estão diariamente comigo (EU sei que sim),elas demonstram-no à sua maneira, mas agora quem estarácontra mim?! Isso EU não sei, penso que um dos meusmaiores orgulhos (todos os temos) é não ter pessoas contramim, não possuir inimigos...Gosto de pensar que apenasEU poderei estar contra mim mesmo, por não quererassumir que tenho a vida que os caminhos escolhidos mefizeram ter…Antes lutar para ser um pobre rico emfelicidade do que conquistar riquezas pobres em espirito.Independente da pouca riqueza e de toda a pobreza, EUbatalho a meu favor e a favor dos outros, pois se batalhassecontra mim, perderia as forças e energias que me carregampositivamente, contaminando assim o meu mundo em 16…
  19. 19. EU, Tu e três pontos…lamentações, sofrimentos e ilusões…A salvação está porentre aqueles que me rodeiam...EU dependo de mim eprincipalmente de mim...Se duvidasse de mim, por estahora seria um vencido!EU cá gosto das perguntas diretas e sem pudor…Quemnão gosta de respostas decididas e honestas? Respostas,sem que paire a sombra do medo de se estar a magoar, serou não ser entendido…Quem disser que estas atitudes nãosão determinantes de uma felicidade honesta, nunca sentiuo prazer de se afirmar sem julgamentos, nunca sentiu aalegria de ser, enquanto pessoa...Com pensamentos,defeitos, qualidades e matéria muito própria! EU a istochamo unicidade...E a ela me vou entregando, dia apósdia, e agora que estou nos "...inta" cada vez mais!Sinceramente, nem sequer eu sei o porquê, mas EU nãome revejo em nada que me defina. Sou boa companhia,mas também poderei ser solidão...Serenidade edesassossego, pedra e algodão. Sou abraços, sorrisos,paciente, frio, direto e correto…Música alta e silêncio…Não sou bom a estar sozinho, pois quando estou sozinho 17…
  20. 20. José de Carvalhotenho demasiados pensamentos e sentimentos e não sei oque fazer com eles. Seria o que tu quisesses, mas só quandoEU quisesse. Não me contento, não me limito, não soucruel comigo…Serei sempre afeiçoado ao que é valido edesapegado pelo que torna inválido (apesar de ser difícildeixar partir alguém que me cativa)...Suponho que meentender não é uma questão de inteligência e sim de tersentimento, de confiar e deixar-me entrar...Ou se sente, ounão se sente. A grande arte da vida é olhar para frente!EU não minto, desde tenra idade aprendi que mentir éfeio, que mais vale uma verdade dolorosa que uma mentirapiedosa! Gosto de falar a verdade sem mentiras, pois “falarverdade a mentir é uma delirante comédia de enganos.” Aexperiência tem-me ensinado que as verdades doem menos,quando ditas com boa disposição. Por vezes e nãoquerendo ser mais ou menos que os outros, costumo adotaressa premissa para dizer as verdades e deixar os outros nadúvida se estarei ou não a falar a sério: limito-me a falarcom sinceridade e com muito humor à mistura. 18…
  21. 21. EU, Tu e três pontos…Pelo princípio dos princípios: EU existo...Bem ou mal,existo e Sou...Faz parte deste meu conhecimento, umconhecer sobre o meu EU que diz: “EU sei”; ou: “EUconheço”...É em relação a isso, que todas as outras coisasem mim se determinam...Pelo mais, pelo menos e pelodefeito “EU penso” e fundamento num depositar de toda acerteza e verdade, um pensamento que se transforma numfio condutor da determinação que me incorpora, um ato depensar fundamental da razão, que é juíza e o tribunal detoda a determinação deste meu “ser”…E haverá como sairEU disto!?Com todos estes anos EU não consigo deixar de pensar sesou totalmente fiel a mim próprio…Há um passo a mais noque tenho sido, no que me tornei, no que mais podereiser...Tornei-me em quem sou e em quem sempre disse quenão seria. Nada é ganho, nada está garantido, há unstempos, dizia EU ao acaso que me tinha tornado numapessoa que é fruto da estrutura arborescente davida...Tenho a certeza, e posso afirmar que vou mudarainda mais até ao fim da vida...Obviamente que só posso 19…
  22. 22. José de Carvalhoestar a falar a sério...EU sou sincero, posso não serestereótipo de jogador de futebol ou de galã de novelas, massou de todo um homem sincero e verdadeiro...Souresponsável pela pessoa que sou, pelo brilho que irradio epelos sonhos que partilho!EU sou um sonhador, acredito que nada acontece poracaso, tudo acontece quando tem de acontecer, que a vida éuma sucessão de experiências e acontecimentos que nosmoldam, na direção daquele caminho...Um caminho quetem de ser percorrido, com um inicio igual a todos osprincípios, e não podemos chegar ao fim desse caminho senão o percorremos por completo...É um percurso que porvezes nas retas me faz sentir desacompanhado e nas curvasme sentir sozinho...EU hoje sou feliz pela pessoa que sou e acredito piamentenaquilo que me vou tornando...Mas não sou o que sousozinho. Não somos o que somos por obra do espíritosanto (que me perdoe usar o seu nome em vão, pois soureligioso)...E a culpa é das pessoas que cruzam o nossocaminho, absorvendo um pouco de nós e em nós deixando 20…
  23. 23. EU, Tu e três pontos…parte delas...Tu foste muito mais que um cruzar, muitomais que essas pessoas…São tantas as pessoas! Pergunto-me se alguma vez alguém conseguiu conhecer aquela pessoapor completo? Só conhecemos uma pessoa por completo,uma pessoa "a sério" se cobiçarmos na sua essência oesquecimento de ser... Existem pessoas que chegam equerem voltar, existem pessoas que partem mas queriamficar, existem pessoas que chegaram só para olhar, haverásempre pessoas a sorrir e haverá sempre pessoas achorar...É a vida! Um agradecimento em especial para tique em poucos minutos leste este meu desabafo, criandouma imagem de mim e do que sou, etc.EU (enquanto José Carlos Monteiro de Carvalho) sintoque tenho em mim um pequeno desígnio, umaoportunidade de ajudar na melhora dos locais por ondepasso, de puder marcar as pessoas com quem me cruzo (oque fica é o que marca) e fazer da vida que vivo não apenasuma passagem, mas uma partilha fruída numa estadia ondenão existo só EU, não estou só EU...Estou EU, masacompanhado de todos...Somos uma secreta volúpia carnal 21…
  24. 24. José de Carvalhoao encontro do que somos, um escape ao que não somos,um constante querer do que imaginamos ser... Pode o meu céu ficar tão longe, do teu mundo onde já fui chão. Pode a felicidade agora ser andante, porque caminhas noutra direção. Pode o meu coração se apagar, da folha que foi escrita por teus dedos. Pode a “tinta vermelha” os borratar, porque de areias fiz enormes rochedos. Pode tudo, impotência minha condenada, sentimentos verdadeiros que agora tu apartas. Pode tudo, pois agora eu já não sou nada, fui apenas príncipe no teu castelo de cartas. 22…
  25. 25. EU, Tu e três pontos…TuFalar sobre ti é falar num único formato. Um formato queentra em sintonia com o meu ser, onde a tangencia de cadacontorno teu se adequa a cada ponto único da minhaalma…EU preciso de ti pra transformar as minhas memórias emsonhos…Memórias que são impossíveis deesquecer…Lembro as nossas conversas, lembro uma a umano ar que EU respiro, lembro daquela tarde de sol, asformas e os contornos que tornaram exata a tua sombra, etenho a certeza que se nessa métrica errasse alguma a 23…
  26. 26. José de Carvalhomedida, seria capaz de a ajustar com a bitola do meuolhar...Era capaz de sorrir para ti mesmo se aquela tardefosse de chuva, mesmo que a chuva fosse doce em teuslábios e nos meus salgada, mesmo que o sol fosse nosso sópor um dia, por meio dia, por meia tarde, por merosinstantes...Já não te oiço, ainda te escuto! Já não te vejo,mas confirmo que na tua sombra não haverá medida quemeça a grandiosidade que reparo em ti, a personalidadeforte que te marca e o peso de um sorriso que é mais leveque a Lua, um sorriso que contemplo em foto capaz dedespertar um quente e frio que deixas emmim...Mergulharia as minhas mãos e toda a sensibilidadedestes meus dedos na tua vida para sentir a minha vidavoltar!Ai como EU sempre gostei de ouvir a tua risada, umarisada efervescente nos meus ouvidos, eu sempre adorei oteu sorrir, um sorrir por minha causa e sem pausa. Eusempre quis que aqueles momentos contigo fossem eternos,eu sempre pedi para que o tempo passasse mais devagarquando tu estivesses perto, e parasse quando estivéssemos 24…
  27. 27. EU, Tu e três pontos…juntos. Eram momentos de uma alegria inexplicável, comose, não tendo nada, tendo tu um sorriso, EU tinha omundo. Eu sempre imaginei que um dia iria sentirsaudade, iria sentir falta de um sorriso, o teu sorriso…Sabes, Tu continuas em múltiplos pensamentos nasingularidade, de um: lembrar, um: sorriso, um: passado,um: querer, um: olhar, um: gesto, um: livro, um: texto,um: sonho, um: encontro, um: momento, um: respirar,um: começo, um: mistério, um: final, um: infinito; uma:foto, uma: música, uma: conversa, uma: história, uma:risada, uma: confissão, uma: noite, uma: carta, uma:esperança, uma: estrela, uma: certeza, uma: mensagem,uma: surpresa, uma: confirmação, uma: emoção, uma:alma, uma: vida...Há coisas que acontecem na inevitabilidade de as evitar, hácoisas que se sabem, coisas que se sentem e coisas que sepressentem…Passo a explicar, houve tempos de alegrias nomeu deitar, tempos em que sonhava mesmo depois doacordar, contava todos os teus passos do dia, criava raízes enada me fugia, do teto que me cobria caíam palavras que 25…

×