Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Interatividade Digital

7,857 views

Published on

Trabalho da cadeira de Mediação e Conteúdo em Mídias Digitais do professor Café da Pós Graduação em Mídias Digitais da Universidade Estácio de Sá.

Mais informações sobre o projeto no blog http://sinergiadigital.wordpress.com

  • Be the first to comment

Interatividade Digital

  1. 1. INTERATIVIDADE DIGITAL E VIRTUAL
  2. 2. Universidade Estácio de Sá Pós Graduação em Mídias Digitais Mediação e Conteúdo em Mídias Digitais Interatividade Digital e Virtual João Carlos Caribe Karen Jurassek Veronica Vidal Novembro de 2009
  3. 3. O que é Interatividade? Interatividade é, a partir dos anos 80, uma condição revolucionária, inovadora da informática, da televisão, do cinema, do teatro, dos brinquedos eletrônicos, do sistema bancário on-line, da publicidade, etc. Há uma crescente "indústria da interatividade", usando o adjetivo "interativo", para qualificar qualquer coisa cujo funcionamento permite ao seu usuário algum nível de participação ou troca de ações. Na Wikipédia Interatividade é um conceito que quase sempre está associado às novas mídias de comunicação Interatividade pode ser definida como: “uma medida do potencial de habilidade de uma mídia permitir que o usuário exerça influência sobre o conteúdo ou a forma da comunicação mediada. É o processo de relação entre o homem e a máquina.
  4. 4. Interação x Interatividade Alguns não fazem distinção entre interação e interatividade, outros classificam interação como se referindo a relações humanas e interatividade como relação homem-máquina. “Entre TV e telespectador o que há é interação, ele escolhe entre opções que lhe são dadas, não tem o poder de intervir na programação da TV. O receptor está separado da emissão. Já entre uma home-page e um “navegador” pode-se dizer, que há interatividade. “A home-page não se define como emissão, pelo menos na acepção clássica desse termo. Ela é ambiente de interpenetração, de atuação, intervenção nos acontecimentos, fusão, conexionismo na base do hipertextual. A mensagem no contexto da interatividade não se reduz à emissão. Ela é espaço tridimensional de atuação daquele que não pode mais ser visto como receptor”.
  5. 5. Interatividade ou “Reatividade”? Tem se entendido que, havendo ícones clicáveis e textos quebrados em partes e ligados por palavras-âncora ou hiperlinks, constitui-se exemplo definitivo de Interatividade. Entretanto, cabe avaliar se por exemplo, programas de TV podem votar em certas respostas (1 ou 2, sim ou não), cinemas que balançam as cadeiras e videogames que respondem à ação de um joystick são os exemplares cabais e definitivos do que seja interatividade. Para alguns autores são exemplos de reatividade, pois ao espectador não resta nada a não ser reagir aos estímulos a partir das respostas que a ele são permitidas.
  6. 6. Interatividade por André Lemos André Lemos é um importante pesquisador nacional da área de Cibercultura e não poderíamos deixar de citá-lo. Para ele, interatividade é nada mais que uma nova forma de interação técnica, de característica eletrônico-digital, e que se diferencia da interação analógica que caracteriza a mídia tradicional. Sem se propor a discutir a interação social, o autor delimita o estudo da interatividade como uma ação dialógica entre homem e técnica. Para ele, a interação homem-técnica é uma atividade tecno-social que esteve sempre presente na civilização humana. Lemos discorre sobre a Interatividade usando um exemplo interessante da evolução tecnológica da Televisão, dividida em níveis: Nível 0: Tv com imagens em preto e branco, com um ou dois canais; A ação do espectador resume-se a ligar e desligar o aparelho, regular volume, brilho
  7. 7. Nível 1: a televisão ganha cores, maior número de emissoras e controle remoto — o zapping vem anteceder a navegação contemporânea na Web. Ele facilita o controle que o telespectador tem sobre o aparelho, mas, ao mesmo tempo, o prende ainda mais à televisão. Nível 2: alguns equipamentos periféricos vem acoplar-se à televisão, como o videocassete, as câmeras portáteis e jogos eletrônicos. O telespectador ganha novas tecnologias para apropriar-se do objeto televisão, podendo agora também ver vídeos e jogar, e das emissões, podendo gravar programas e vê- los ou revê-los quando quiser. Nível 3: aparecem sinais de interatividade de características digitais. O telespectador pode então interferir no conteúdo a partir de telefones (como no programa Você Decide) por fax ou correio eletrônico. Nível 4: é o estágio da chamada televisão interativa em que se pode participar do conteúdo a partir da rede telemática em tempo real, escolhendo ângulos de câmera, diferentes encaminhamentos das informações, etc.
  8. 8. Lemos observa que se a mídia tradicional (jornal, revista, rádio, televisão) impunha uma passividade no público e uma pré-escolha de que informações serão transmitidas, as tecnologias digitais trazem novas formas de circulação de informações. Acompanha-se então uma passagem do modelo transmissionista "Um-Todos", para outro modelo, "Todos-Todos", que constitui uma forma descentralizada e universal de circulação de informações. Finalmente, conclui que a interatividade se situa em 3 níveis não excludentes: •Técnico "analógico-mecânico", •Técnico "eletrônico-digital" •Social (ou, como sugere, simplesmente interação). Sendo assim, a interatividade digital seria um tipo de relação tecno- social. Seria um diálogo, uma conversação entre homens e máquinas, em tempo real, localizadas em uma zona de contato, zonas de negociação, as interfaces gráficas. A relação deixaria de ser passiva ou representativa, passando a ser ativa e permitindo
  9. 9. 9
  10. 10. Estudo de caso O apagão e o Por Raquel Camargo Na última terça feira dia 10 de novembro, em torno de 22:15 um blecaute afetou toda região sudeste e parte de outras regiões. Menos de um minuto depois iniciou-se uma interação pelo Twitter. Gráfico obtido no dia 10/11/09 às 23:55 no http://blablabra.net
  11. 11. Bibliografia: http://www.google.com.br/search?hl=pt-BR&q=conceito+de+interatividade +digital+e+virtual&btnG=Pesquisar&meta=&aq=f&oq= http://www.serprofessoruniversitario.pro.br/ler.php?modulo=18&texto=1107 http://www.raquelrecuero.com/arquivos.html http://webinsider.uol.com.br/index.php/2009/11/12/no-dia-em-que-o-brasil- parou-o-twitter-decolou/ http://www.youtube.com/watch?v=RYBMlGNrNh0

×