Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Medias, educação e bibliotecas

562 views

Published on

VIII Encontro concelhio de bibliotecas escolares de Leiria. Fitas na escola - Cinema & bibliotecas.

Published in: Education
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Medias, educação e bibliotecas

  1. 1. VIII ENCONTRO CONCELHIO DE BIBLIOTECAS ESCOLARES DE LEIRIA FITAS NA ESCOLA CINEMA & BIBLIOTECAS (Leiria, 12 de novembro de 2015) Sessão de abertura (Imagem projetada durante da locução) Caros colegas, uma breve ressalva antes de vos dizer uma curtas palavras sobre cinema, bibliotecas e educação. Vou usar o conceito de cinema, em sentido amplo, por pura conveniência, falo pois de documentários, videos, filmes, séries… e a visão que vou apresentar é a de alguém que nos últimos 15 anos tem acompanhado e vivido de muito perto a implementação da tecnologia na nossa escola como mais um recurso… tendo em vista a mudança de práticas. Falo essencialmente de cinema na escola e em casa. Dito isto, gostava de vos recordar que a época de ouro do cinema, entre nós, no que à frequência das salas de cinema respeita, segundo dados da PORDATA, aconteceu nas décadas 60, 70 e 80 do século XX (3 espetadores por mil habitantes), em 2014 foi de 1.1 espetadores por mil habitantes! Desde aí e mercê da implantação crescente da Televisão na sociedade portuguesa, assistiu-se à diminuição dos espectadores nas salas de cinema. É um facto. Todavia, quero crer que nunca se viram tanto filmes… O sucesso da Televisão é crescente e esmagador. Na última década do século XX e na primeira do século XXI os jovens, os estudantes, passam mais horas à frente do televisor do que na sala de aula. Falava-se então da escola paralela, dos problemas que levantava ao ensino formal, e os estudiosos chamavam a atenção para a necessidade de mediação que a escola devia levar à prática para contrariar essa influência, isto é usar os conteúdos multimédia, usar a televisão, os conteúdos televisivos, desmontar esta forma de linguagem no processo de ensino e aprendizagem… em todas as áreas disciplinares, na sala de aula. Muito poucos o fizeram. As bibliotecas tinham filmes em VHS, reprodutores de vídeo, televisores, e os alunos podiam ver filmes e documentários, mas tudo isto de forma esporádica e sem seguimento. A Televisão era como hoje um meio relativamente barato e existia nas escolas. Existiam também os videogravadores… lembram-se? Apesar disto a escola, conservadora como qualquer outra instituição ofereceu resistência, e não ensinou com a televisão nem para a televisão… e o resultado está bem patente na sociedade contemporânea: temos falta de consciência crítica, falta de rigor, somos pouco dados à reflexão e ao exercício da cidadania. Jorge Borges Página de1 3
  2. 2. A Internet, os ecrãs, as redes sociais, o som e a imagem tomaram conta do nosso quotidiano, a forma de comunicar, de ver TV, de ouvir música (Spotify, iTunes, Youtube) alterou-se radicalmente, sobretudo na população jovem. O som, a imagem e o virtual (já indissociável do mundo físico) dominam a comunicação diária: Whtasapp, Instagram e Vine, redes sociais, são exemplos desta nova linguagem… que a escola tarda em aceitar, em incorporar e em descodificar criticamente. São novas formas de dizer de mostrar e de ser. Cabe lembrar o que diz Marshal MacLuhan a este propósito: "O meio é a linguagem". Hoje, os nossos jovens já não veem televisão de forma linear. Veem o que querem, séries, filmes, vídeos no Youtube, à hora que querem, no computador, no tablet ou na televisão. Sempre ligados à Internet. A indústria sabe disso e responde aos seus anseios… é por isso que serviços como a Netflix, a APPLE TV crescem no mundo, e as operadoras respondem e posicionam-se para entrar no jogo. O cinema mudou-se. Para a Televisão primeiro, para a Internet, agora! O saber informal continua a sobrepor-se, mais do que nunca, ao saber sistematizado e formal da escola, que tarda em fazer a mediação que se exige, perdendo a oportunidade de virar o jogo a seu favor. Os decisores políticos mostraram estar cientes desta problemática. Foram feitos vultuosos investimentos nas escolas, em instalações, bibliotecas, auditórios… em tecnologia: na rede de ligação à Internet e em plataformas web. Em formação de professores… Com que resultados? Com que consequências? É neste quadro que a Biblioteca Escolar se deve assumir como centro difusor de saber e fazer a diferença. Organizada em rede, com os parceiros certos (como o Plano Nacional de Leitura, Plano Nacional de Cinema, Centros de Competência e outros…) é, na minha opinião, a estrutura do MEC melhor capacitada e posicionada para levar a cabo esta tarefa. Para já e no sentido de responder à necessidade formativa, que favorece a mudança de práticas na Escola, a Rede de Bibliotecas Escolares (RBE) tem em curso a aplicação, num conjunto de escolas piloto, do referencial Aprender com a biblioteca escolar (AcBE), mediante o qual as literacias da leitura, dos media e da informação, são trabalhadas com alunos e docentes e o uso das tecnologias digitais é estimulado… gradualmente será otimizado e alargado às demais. Para concluir, lanço aqui algumas ideias, fáceis de concretizar e que aplicadas na escola/ agrupamento contribuiriam, por si só, para ajudar os alunos a usar bem a tecnologia, a descodificar linguagens díspares, a compreendê-las, a selecioná-las e a usá-las em seu benefício: Dar uso ao auditório da escola, dar o palco ao aluno, Apresentação de trabalhos? Porque não ir para o auditório? Porque não deixar a organização dos trabalhos aos alunos? Porque não registar em video as apresentações e vê-las posteriormente e de forma crítica? Desta forma habituamos os alunos a falar em público, para uma plateia. Clubes de leitura, comunidades de leitura, porque não juntar-lhes a leitura do filme, do documentário ou do vídeo? Jorge Borges Página de2 3
  3. 3. Porque não passar, o estudante, de espectador, de leitor, a produtor de conteúdos? de livros, artigos, ensaios, pequenos filmes? Porque não filmar um debate, em sala de aula, e visioná-lo criticamente mais tarde, na biblioteca? Porque não articular estas atividades com eventuais clubes de radio, televisão, banda desenhada, ou outras que existam na escola/ agrupamento? Porque não organizar ciclos de cinema? Porque não contribuir para a criação de um clima, de um ambiente na escola que valorize e celebre o saber, usando para tal os ecrãs espalhados pela escola, para, em vez de mostrar a programação de um ou outro canal televisivo, mostrar antes apresentações de alunos a falar de temáticas das diversas áreas disciplinares? O António, o José, e o colega destes, a falar de um filme, de um livro, de um problema matemático, de uma experiência no laboratório? Hoje é tão fácil fazê-lo. A propósito... já viram, conhecem os booktubers? Obrigado! Jorge Borges Página de3 3

×