Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Coagulopatia na doença hepática crônica

7,179 views

Published on

  • Be the first to comment

Coagulopatia na doença hepática crônica

  1. 1. RESIDÊNCIA MÉDICA CLÍNICA MÉDICA Coagulopatia na doença hepática crônica MR1 JULIANA SILVA SANTOS Salvador, novembro/2013
  2. 2. 67 citações
  3. 3. • Reavaliação da hemostasia nos hepatopatas crônicos desafia o dogma de que a coagulopatia presente neles leva a sangramentos (TGI) • Restaurar balanço dos efeitos anticoagulantes e procoagulantes • Em alguns casos, risco de trombose é maior que o de sangramento • Algumas drogas, antes contraindicadas, podem trazer benefícios
  4. 4. • Doença hepática crônica (estágio final) – – – – – – Sangramento Diminuição dos fatores de coagulação EXCEÇÃO -> fator VIII e fator de von Willebrand Diminuição dos níveis de antitrombina e proteína C TP TTPa
  5. 5. • É validado para avaliação de pacientes em uso de antagonista de vitamina K • Não é preditor do risco de sangramento nos hepatopatas
  6. 6. • Redução de ambos fatores anticoagulantes e procoagulantes • Produção de trombina • TP -> plasma e reagentes não contém trombomodulina suficiente – Trombina -> função procoagulantes
  7. 7. Model for end-estage liver disease and alocation of donor livers. Gastroenterology. Vol 124. Issue1. 91-96
  8. 8. • Condições que favorecem sangramento – – – – Insuficiência renal Hipertensão portal Disfunção endotelial Infecção bacteriana
  9. 9. • Trombocitopenia • Níveis elevados de fator de von Willebrand • Redução dos níveis da ADAMTS 13 (metaloprotease) • Hiperfibrinólise na doença hepática crônica – Aumento dos níveis de t-PA e redução de inibidor da plasmina e TAFI – Redução dos níveis de plasminogênio e elevação dos níveis de PAI
  10. 10. Desequilíbrio procoagulante na doença hepática crônica • Risco de trombose • Elevação dos níveis de fator VIII e diminuição dos níveis de proteína C • Trombina gerada na presença e ausência de trombomodulina – Extrato de veneno de cobra • Correlação negativa com níveis de proteína C e positiva com níveis de fator VIII
  11. 11. • Pré-biopsia: TP, RNI – Não têm valor preditor para ocorrência de sangramento – Hiperfibrinólise não é detectada por tais testes • 10-15% cirróticos hospitalizados • Tromboelastograma – Função plaquetária e fibrinólise
  12. 12. Trombose venosa periférica • Estudo populacional de caso controle – 99.444 pacientes com trombose venosa – 496.872 controles – Pacientes hepatopatas tinham maior risco de tromboembolismo venoso – TVP > TEP • Outros estudos mostram baixa prevalência de TVP nos hepatopatas crônicos
  13. 13. Trombose arterial • Trombose de artéria hepática pós-transplante hepático piora prognóstico • Diagnóstico precoce • AAS e outros agentes antiplaquetários ???
  14. 14. Trombose de veia porta • 1% nos cirróticos compensados • 8-25% candidatos ao transplante hepático – piora o prognóstico pós-transplante • Tríade de Virchow – Hipofluxo, lesão endotelial, alteração dos fatores procoagulantes • HBPM ou antagonistas de vitamina K – Tratar varizes
  15. 15. Trombose de veia porta • Inibidores diretos da trombina e inibidores do fator X ativado (dabigatran, rivaroxaban, apixaban) – Alternativa para antagonistas da vitamina K – Via oral, não requerem controle laboratorial par ajuste de dose – Mais estudos são necessários
  16. 16. Novos anticoagulantes em cuidado intensivo. Rev Bras Terapia Intensiva. Vol 23 (1). São Paulo. Março, 2011
  17. 17. FIBROSE HEPÁTICA • Microembolismos -> isquemia tecidual, morte celular e fibrose • O grau de expressão do receptor de trombina é associado à gravidade da doença hepática • Formação de trombina é associada diretamente à fibrose hepática

×