Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Foi febre de_origem_indeterminada

3,232 views

Published on

Fedre de Origem Indeterminada

Published in: Healthcare
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Foi febre de_origem_indeterminada

  1. 1. FEBRE DE ORIGEM INDETERMINADA Júlio Leony Juliana Magalhães
  2. 2. FEBRE “Elevação da temperatura corpórea que ultrapassa a variação diária normal, que ocorre associada a uma mudança no set point hipotalâmico de um estado normotérmico para um estado febril.” TEMPERATURA AXILAR ≥ 37,8ºC HIPERTERMIA Porto, 2014. Silval, D. A. F., Valentell, O., 2012. RESPOSTA FISIOLÓGICA TERMORREGULAÇÃO INTACTA SET POINT
  3. 3. FEBRE Porto, 2014. AUMENTO NA PRODUÇÃO DE CALOR BLOQUEIO NA PERDA DE CALOR LESÃO TECIDUAL
  4. 4. FEBRE Disponível em: https://goo.gl/HpZYkL Acesso em 13/02/2017 às 23h01min
  5. 5. FEBRE Porto, 2014. Maioria das doenças infecciosas; SINAL DE ALERTA SÍNDROME FEBRIL
  6. 6. FEBRE Porto, 2014. • Início; • Intensidade; • Duração; • Modo de Evolução; • Término. SÚBITO x GRADUAL LEVE x MODERADA x ALTA FEBRE PROLONGADA? CONTÍNUA x IRREGULAR x REMITENTE x INTERMITENTE x RECORRENTE CRISE x LISE Até 37,5ºC 37,6 – 38,5ºC 38,6ºC em diante
  7. 7. FEBRE DE ORIGEM INDETERMINADA “Febre de origem indeterminada (FOI) é uma doença febril (temperatura ≥ 38.3ºC) por três semanas ou mais sem etiologia conhecida apesar de avaliação em uma semana de internação.” Hersch, E. C., OH, R. B., 2014.
  8. 8. • 3 semanas: resolução da febre autolimitada x investigação inicial; • Avaliação mínima: 3 visitas ambulatoriais ou 3 dias de internamento; • Mais frequentemente uma apresentação atípica de uma doença comum do que uma doença incomum. Hersch, E. C., OH, R. B., 2014. FEBRE DE ORIGEM INDETERMINADA INFECÇÃO MALIGNIDADE DOENÇA INFLAMATÓRIA NÃO INFECCIOSA DIVERSOS NÃO DIAGNOSTICADA 20-40% 20-30% 10-30% 10-20% 50%
  9. 9. FEBRE DE ORIGEM INDETERMINADA • Durack e Street (classificação em grupos): 1. FOI clássica; 2. FOI hospitalar (nosocomial); 3. FOI neutropênica (imunodeficiência); 4. FOI associada a infecção por HIV.
  10. 10. FEBRE DE ORIGEM INDETERMINADA
  11. 11. ANAMNESE FOI • Viagens recentes, exposição a animais domésticos ou outros animais, o ambiente de trabalho e contato recente com pessoas exibindo sintomas similares; • AF – Procurar por causas hereditárias de febre (febre do Mediterraneo familiar); • AP – linfoma, febre reumática, ou disordens abdominais prévias + febre induzida por drogas (medicamentos).
  12. 12. EXAME FISICO FOI • Repetição pode ser necessária; • Atenção para pele, mucosas e sistema linfático, nas palpações abdominais para massas ou visceromegalias.
  13. 13. EXAMES LABORATORIAIS No encontro inicial, o teste de infecções comuns deve incluir: • Hemograma completo; • Painel de eletrólitos; • Enzimas hepáticas; • Exame de urina com cultura; • Hemocultura; • Radiografia de tórax.
  14. 14. EXAMES LABORATORIAIS Sem fonte de infecção: • Taxa de sedimentação de eritrócitos (VHS); Uma ESR extremamente elevada (100 mm por hora ou mais) sugere etiologias como abscesso abdominal ou pélvico, osteomielite e endocardite. ESR de 100 mm por hora ou maior apresentaram alta especificidade para malignidade (96%) e infecção. A ESR normal tem um valor preditivo negativo elevado para arterite temporal. • Proteína C reativa (PCR) – marcador sensível para infecção e inflamação. • Procalcitonina
  15. 15. EXAMES LABORATORIAIS • Se o diagnóstico permanecer indescritivel os testes destinados a malignidades e doenças inflamatórias não infecciosas devem ser considerados. 1. Lactato desidrogenase (indicativos de infecção e causas malignas da FOI); 2. Ferritina - 561 ng/mL (Doença de Still do Adulto). *Após a avaliação inicial, se não houver um diagnóstico, o doente é considerado como tendo FOI e uma avaliação secundária deve ser considerada.
  16. 16. Avaliação secundária • Testes sorológicos mais avançados, estudos radiológicos e procedimentos diagnósticos mais invasivos podem ser utilizados para traçar pistas diagnósticas (ex: crioglobulinas; testes sorológicos; eletroforese de proteínas séricas; estudo das funções da tireóide; etc.). • TC de tórax, abdome e pelve. • Biópsia.
  17. 17. DIAGNÓSTICOS DIFERENCIAIS • Infecções • Doenças malignas • Condições autoimunes • Diversas
  18. 18. OBRIGADO!!!

×