Redes Sociais no Oriente Médio - Uma Revolução Digital?

5,417 views

Published on

Apresentação da Plano B Consultoria no 2o. Circuito 4x1 do Rio de Janeiro no dia 29 de abril de 2011.

"Como o Oriente Médio utilizou as redes sociais para suplicar por democracia, melhores condições de vida e trabalho, liberdade de expressão".

Dentro da apresentação está inserido um vídeo, preparado e produzido pela própria Plano B.

Published in: Education, Technology, Business
2 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
5,417
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
2
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Redes Sociais no Oriente Médio - Uma Revolução Digital?

  1. 1. Redes Sociais<br />no OrienteMédio<br />UmaRevolução Digital? <br />PorJanaína Machado - Rio de Janeiro – 29 de abrilde 2011<br />
  2. 2.
  3. 3. #ChoquedeCivilizações<br />
  4. 4. #ChoquedeCivilizações<br /><ul><li> Começa a acontecer com a evolução histórica.
  5. 5. Muçulmanos são confrontados pela superioridade ocidental.</li></ul>Reação<br /><ul><li> “Absorver a receita da modernidade do Ocidente e rejeitar o papel da religião’’
  6. 6. Se refugiar num tradicionalismo religioso</li></ul>OU<br />
  7. 7. #ChoquedeCivilizações<br /><ul><li> Criou-se um vácuo ideológico
  8. 8. Persiste até hoje
  9. 9. Preenchido pelo fundamentalismo muçulmano
  10. 10. Choque agravado pelo 11 de setembro de 2001
  11. 11. George Bush, então presidente dos EUA, cunha o termo</li></ul>E lança...<br />Eixo do Mal<br />Guerra ao Terror<br />
  12. 12. #Do 11 de Setembro a 2011<br /><ul><li> EUA invadiu o Iraque e Afeganistão
  13. 13. Nunca conseguiram achar o terrorista Osama Bin Laden
  14. 14. Milhares de iraquianos, afegãos, jovens americanos, diplomatas, jornalista e empresários morreram em uma guerra inútil
  15. 15. O ditador iraquiano Saddam Hussein foi achado e enforcado</li></li></ul><li>#Do 11 de Setembro a 2011<br /><ul><li> Uma fobia insana contra os muçulmanos em todo o mundo
  16. 16. O Ocidente até hoje não entende o Oriente
  17. 17. Os telejornais, jornais, revistas, internet, mídias sociais e redes sociais – divulgam as vezes notícias distorcidas.</li></ul>De repente...<br />
  18. 18. #InícioConflitos<br />Milhares de pessoastrocammensagens de texto via celularparacoordenarprotestosqueculminam no impecheament do presidente Joseph Estrada<br />2001<br />Filipinas<br />Mensagens de textoacusando o prêmier José MaríaAzner, de mentirsobre o atentadoaometrô de Madri, influenciam e impõemderrotaaoprimeiro-ministronasruas. <br />2004<br />Espanha<br />
  19. 19. #ConflitosRedes<br />A tentativadarevoluçãocomeçapore-mail, masnãovailonge: protestosnão tem forçaparaderrubar o ditadorAleksandrLukashenko, queemseguidatentacontrolar a rede.<br />2006<br />Bielorrúsia<br />2009<br />Irã<br />Ativistasutilizaramcelularesparacoordenarprotestos contra fraudesnaseleiçõesparapresidente.<br />
  20. 20. #ConflitosRedes<br />Açõesnawebreunemmais de 10 mil manifestantes anti-governocomunista – queresponde com perfisfalsos no Facebookparaatrapalharosmanifestantes.<br />2009<br />Moldávia<br />Chamado de Red Shirt, o movimentoque se opõe à junta militarquegoverna o paísusa as redessociaisparacoordenarações, mas é esmagado. <br />Dezenas de pessoasmorrem.<br />2010<br />Tailândia<br />
  21. 21. #ConflitosRedes<br />O ditadorZine El Abidine Ben Ali caiapósconvulsão popular. As redessociaissãousadascomomeio de comunicação entre manifestantes. <br />2011<br />Tunísia<br />2011<br />Egito<br />MotivadospelosacontecimentosnaTunísia, osegípciossaemàsruas contra o ditador Hosni Mubarak.<br />
  22. 22. #Conflitos<br />As manifestaçõesocorridas no OrienteMédiochegam a Líbia, com o objetivo de derrubar o ditadorKadhaf.<br />A Internet, redessociais e celularessãobloqueados.<br />Luta armada e milhares de líbiosmortos.<br />Ataque dos americanos<br />Intensificação de um cercomundial<br />2011<br />Líbia<br />
  23. 23. #EleiçõesnoIrã<br />
  24. 24. #EleiçõesnoIrã<br />O mundo é sacudido por um Levante avassalador<br />a maior rebelião popular iraniana desde a Revolução Islâmica de 1979.<br />
  25. 25. #causaefeito<br /><ul><li> No dia 12 de junho de 2009 é anunciado a vitória do presidente MahmoudAhmadinejad, nas eleições
  26. 26. Apuração rápida e uma larga vantagem apontaram suspeitas de fraudes </li></li></ul><li>#EleiçõesIrã<br />“Façam um esforço para mostrar ao mundo, serenamente, o que está se passando nas entranhas agitadas do Irã”. <br />ZahraRahnavard, mulher de MirhosseinMousavi, líder da oposição no Irã<br />
  27. 27. #causaefeito<br /><ul><li> Os jovens se revoltam e convocam grandes marchasnas ruas de Teerã.
  28. 28. Com a intensidade de um tsunami, a Internet é usada pelos jovens. </li></li></ul><li>#causaefeito<br /><ul><li>Facebook, Twitter, YouTubee celulares são usados intensamente</li></ul>para fazer história e a <br />“A Nova Revolução”<br />
  29. 29. #causaefeito<br /><ul><li> Os protestos alcançam uma grande dimensão
  30. 30. Abrem-se fissuras políticas profundas na sociedade iraniana </li></li></ul><li>#causaefeito<br /><ul><li> O Levante participação de jovens iranianos com menos de 25 anos.
  31. 31. As Twittadas e protestos causam as possíveis mudanças na república clerical iraniana </li></li></ul><li>Redes sociais <br /><ul><li> Ajudam os iranianos a levar a fraude, as marchas e a revolta além das fronteiras do antigo Império Persa.
  32. 32. Proporções globais
  33. 33. Multidões comparecem as ruas
  34. 34. Slogan: “morte ao ditador” e “morte ao aiatolá”</li></li></ul><li>#Censura<br />Saldo de uma semana de rebelião: <br />Orientações via Facebook pelo opositor MirHosseinMoussavi<br />Políticos oposicionistas e manifestantes presos<br />Sites bloqueados<br />Jornais censurados e TVs sob controle estatal<br />Comícios proibidos<br />Universidades fechadas <br />Corrente digital anti-Ahmadinejad<br />
  35. 35. #nºsIrã<br /><ul><li> 70 milhões de habitantes
  36. 36. 23 milhões têm acesso à rede
  37. 37. 45 milhões possuem celulares</li></li></ul><li>#140caracteres<br /><ul><li> Em 140 toques o mundo soube o que aconteceu no Irã
  38. 38. Governo não domina o Twitter
  39. 39. Opositores recorreram a Internet em </li></ul>busca de informação<br /><ul><li> Filtros Proxy possibilitaram os acessos</li></li></ul><li>#AjudaIrã<br /><ul><li>Abre uma exceção e permite a veiculação de imagens de violência.
  40. 40. Muitas imagens foram postadas</li></ul> no YouTube<br />
  41. 41. #YouTube<br />
  42. 42. #AjudaIrã<br /><ul><li> Candidato opositor faz apelo via Twitter</li></ul>“Uma Mar de Verde”<br /><ul><li>Twitter se cobre de verde em todo o mundo.</li></li></ul><li>#AjudaIrã<br /><ul><li> Jornalista estrangeiros são expulsos do Irã
  43. 43. Twitter torna-se a única ferramenta de informação.</li></li></ul><li>Números #EleiçõesIrã<br /><ul><li> 220 mil mensagens por hora com a palavra Iran
  44. 44. Hashtag#IranElectionas mais postadas
  45. 45. Superou a morte do astro Michael Jackson
  46. 46. Blogs discutindo o assunto 2,25 milhões em um só dia
  47. 47. YouTube 3 mil vídeos com os protestos e violência</li></li></ul><li>Importância do #Twitter<br />“Será que vocês poderiam adiar a manutenção do sistema que tirará o Twitter do ar por algumas horas? Parece que o Twitter está tendo um papel muito importante em um momento crucial no Irã.” <br />Jared Cohen – funcionário do Departamento de Estado americano, em e-mail para a direção do Twitter em 2009<br />
  48. 48. #Ferramentas<br />Enquanto símbolo usadas como AK-47 das insurreições populares no Oriente Médio <br />Os conhecidos <br />Aparelhos presentes em todos os lugares<br />Propagaram palavras de ordem <br />Organizou as manifestações<br />Ensinam como enfrentar a violência das ruas nos conflitos<br />Amplificação do alcance e as consequências das revoluções<br />@Rebeldes<br />
  49. 49. Importância do #Twitter<br /><ul><li> Rapidez
  50. 50. 140 caracteres saem em segundos
  51. 51. Em toda parte
  52. 52. Com qualquer pessoa
  53. 53. Basta um celular com SMS ou computador conectado à Internet
  54. 54. Cada usuário do Twitter se tornou um repórter em potencial
  55. 55. Conseguiu realizar uma resistência organizada</li></li></ul><li>#Ameaça aos Regimes<br />Comunicação feito pelas massas<br />Governoacuado<br />
  56. 56. #Ecos da Revolução<br />
  57. 57. #Censura<br /><ul><li> Décadas de vigília ao prédio da União de Rádio e Televisão Egípcia do Cairo
  58. 58. O poder dos sites, blogs, e a tecnologia móvel provaram desta vez, ser uma ameaça muito maior do que o ex-presidente do Egito imaginava.
  59. 59. Revolução Twitter ou Revolução Facebook ?</li></li></ul><li>#Egito<br />A nova geração do Oriente Médio clama por melhores condições de vida, trabalho e principalmente por democracia.<br />
  60. 60. #Egito<br /><ul><li> O Ocidente está passando a ver estes jovens com outros olhos deste o 11 de setembro.
  61. 61. Buscam a democracia em seus próprios termos</li></li></ul><li>#Egito<br />Atenção!<br /><ul><li>As mídias e redes sociais são apenas ferramentas.
  62. 62. Elas não irão consertar as profundas mazelas do Oriente Médio.
  63. 63. Frustrações econômicas e sociais</li></li></ul><li>#Egito<br />As mídias e redes sociais ajudaram a tornar as queixas mais urgentes e difíceis de serem ignoradas.<br />
  64. 64.
  65. 65. #Egito<br />Tão impactante quanto a do Irã<br />
  66. 66. #Egito<br />Manifestações se espelham para Iêmen, Baherein, Argélia e Líbia<br />
  67. 67. #Egito<br /><ul><li> Realizam manifestações para pedir democracia
  68. 68. Meta acabar com 30 anos de ditadura do Regime de HosniMubarak
  69. 69. Manifestações marcadas via rede sociais e filmadas por celular</li></li></ul><li>#Egito<br />
  70. 70. #25Jan<br />Uma Revolução Twittada<br />
  71. 71. #Poder<br /><ul><li>Facebooke Twittertornam-se as redes mais usadas no O.M
  72. 72. Mídias poderosas entre os jovens do Oriente.</li></ul>Percepção dos egípcios <br />As vozes são ouvidas em grande escala<br />Se espalha mais rápido<br />Pode-se falar com muitas pessoas ao “mesmo tempo”<br />Proporciona relativa liberdade de expressão<br />
  73. 73. #Poder<br />Em apenas um mês <br /><ul><li>O número de usuários do Facebook no Egito: 4.567.660.
  74. 74. Vistantes aoTwitter</li></ul>360 mil<br />
  75. 75. #Bloqueio<br />
  76. 76. #Bloqueio<br /><ul><li> Celulares e Internet são os olhos e ouvidos do mundo
  77. 77. O primeiro corte redes sociais
  78. 78. A telefonia celular para de funcionar no Cairo e em outros pontos do Egito.</li></li></ul><li>#Bloqueio<br /><ul><li> Após celulares, o bloqueio chega à Internet.
  79. 79. As operadoras Mobinil e Vodafone não explicam as razões.</li></li></ul><li>#hashtag mais populares<br />
  80. 80. #redessociais #nºfinalEgito<br />Total de usuários<br />6.650.000<br />Novosusuários<br />+ 2.1 million<br />Total de usuários<br /> 450 mil <br />Novosusuários<br />+ 100 mil<br />
  81. 81. #redesocial #nºfinalEgito<br /><ul><li>O Facebook crescimento de 100% no mundo árabe
  82. 82. De 14 milhões para 28 milhões em 1 ano</li></ul>“O Facebook foi fundamental para arregimentar manifestantes para os protestos e teve função estratégica na revolução”<br />Segundo o egípcio WaelGhonim, executivo do Google e um dos principais organizadores do movimento de 25 de janeiro<br />
  83. 83. #redesocial #nºfinal Egito<br /><ul><li> Alto crescimento resultado da revolução de 25 de janeiro
  84. 84. Facebook virou uma da revolução
  85. 85. Manifestantes trocaram informações, opiniões e conselhos.
  86. 86. O Facebook serviu como veículo de mídia com notícias minuto a minuto, assim como vídeos e fotos.</li></ul>Sala de Operações <br />
  87. 87. #YouTube<br />
  88. 88. #Censura<br />RevistaÉpoca – 18/4/11 – pág 18<br />
  89. 89. #Teorias<br />
  90. 90. #ciber-utópico<br /><ul><li>Fazemdébutnaseleiçõesfraudulentas de Armadinejad
  91. 91. Cunham a expressão
  92. 92. Apostam que essa ferramenta seria responsável por revoluções.
  93. 93. Acham que com blogs e celulares podem tudo</li></ul>“Revolução Twitter” <br />
  94. 94. #ciber-utópico<br />Conclusão<br /><ul><li>O governo de Teerã não caiu: reprimiu os protestos e bloqueou serviços de Internet.
  95. 95. Sobrecarregam de expectativas as asas do Twitter
  96. 96. O microblogpareceu a panaceiaantiditaduras</li></li></ul><li>#ciber-céticos<br />“Houve uma sobrevalorização do Twitter. O país contou com menos de 1.000 usuários ativos. O maior volume de informações propagadas no microblog veio do Ocidente, de pessoas que não estavam no local. Quando alguém comentou que havia 700.000 pessoas protestando em frente a uma mesquita, descobriu-se que apenas cerca de 7.000 pessoas compareceram”. <br />Pesquisadoriraniano, HamidTehrani.<br />
  97. 97. #ciber-céticos<br />Conclusão<br /><ul><li> De levante a levante a realidadefoienfraquecida
  98. 98. Algumasditadurasjá conheceram o impacto que a tecnologia pode emprestar à oposição.</li></li></ul><li>#certo ou #errado<br />Não há<br />São pontos de vista diferentes<br />Lembrando sempre: são apenas meios, ferramentas<br />Céticos<br />ou<br />Utópicos ?<br />
  99. 99. #RevoluçãoDigital no #Egito #dúvida? <br />
  100. 100. #RevoluçãoEgito<br /><ul><li> O Twitter e Facebook apesar de ferramentas foram cruciais para as manifestações.
  101. 101. Os egípcios twittaram insanamente antes e durante as manifestações na praça Tahir e o centro do Cairo.</li></li></ul><li>#RevoluçãoEgito<br />Nada escapou aos dedos dos jovens e dos correspondentes internacionais.<br />
  102. 102. #RevoluçãoEgito<br /><ul><li> Ao contrário do Irã, não há razão para duvidar da informação de que a população teve acesso à agitação virtual.</li></li></ul><li>#RevoluçãoEgito<br />Mídias atuam na coordenação de informações e, assim, assumem relevância nessas situações.<br />e Redes Sociais<br />
  103. 103. #ApoioUSA<br />“Liberdade de informação e o acesso à Internet são elementos definidores do destino de cidadãos de todo o mundo – especialmente daqueles que vivem sob o jugo de ditaduras.”<br />secretária de Estado americana, Hillary Clinton<br />
  104. 104. #opinião<br />“A revolução não é digital (...) são apenas ferramentas. Permitem que as pessoas organizem e comuniquem seus pensamentos de maneira mais eficiente (...)<br />Pode ser usada pelos dois lados do conflito.” <br />Eric Schmidt – Ex-presidente do Google, entrevista Veja, 2 de março de 2011.<br />
  105. 105. #Colaboração<br />“Nãovivemosna era dainformação. Estamosna era dacolaboração. A era dainteligênciaconectada.”<br />“A internet nãomuda o queaprendemos, mas o modocomoaprendemos.”<br />Don Tapscott, canadense e consultor de tecnologiadainformação<br />
  106. 106. #ChoqueGerações<br />“Estamoscaminhandopara<br />um choque de gerações.”<br />“As mídiassociaisnãoservemsóparalocalizar amigos e namoradas. Elassalvamvidas.”<br />
  107. 107. #ChoqueGerações<br />“Issonãoquerdizerque a tecnologiaandainstigandolevantespopularespelomundo. <br />Apenasmudou o modocomoelassãofeitas.”<br />“Antigamentesaiamcolando<br />cartazesempostes.” <br />Don Tapscott, canadense e consultor de tecnologiadainformação<br />
  108. 108. #liberdadenarede<br /><ul><li>Revoltados com tantacorrupçãoosjovensusaramcelularesconcectados à Internet.
  109. 109. Porcausa disso as censuraaumentou, principalmente no Irã.
  110. 110. Nosúltimos tempos o governoiranianoinvestiuemtecnologiaparaimpedirenvio de mensagens e imagens via rede.</li></li></ul><li>#Constatação<br />Internet não é garantia <br />de <br />democracia<br />
  111. 111. #Prova<br />Ferramentas que podem provocar não apenas vendavais contra ditaduras, mas também brisas para democracias.<br />
  112. 112. #curtir<br />Conseguiu mudar a história? <br />
  113. 113. #Importância<br />Qual a real importância<br />destas mídias <br />nestes levantes? <br />
  114. 114. #Importância<br />O mundo presenciou o momento<br />emqueosnovosmeios de <br />comunicaçãocomeçaram a tirar<br />o poder dos governosopressores<br />e entregá-lo aopovo? <br />
  115. 115. #lição<br />O que as empresas ocidentais <br />podem aprender com o <br />uso das redes sociais nas manifestações do Oriente Médio? <br />
  116. 116. #lição<br />Podemos dizer que houve também uma <br />Revolução Digital? <br />
  117. 117. #Obrigada<br />Janaína Machado<br />Plano B Consultoria<br />@planob_consult<br />janaina.machado@planobconsultoria.com<br />www.facebook.com/PlanoB.Consultoria<br />

×