Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Seminário Mitos - Mestrado em Comunicação.

1,984 views

Published on

Apresentação do seminário sobre Mitos e Mitologias, aplicados ao Programa Catalendas da TV Cultura. Autor da dissertação: Gabriel Lage. Apresentação: Rodrigo Volponi, Janaíra Franca, José Geraldo, Marcos Ribeiro. Prof. Dimas Kunsch.

Published in: Education
  • Be the first to comment

Seminário Mitos - Mestrado em Comunicação.

  1. 1. • Criado em 1999;• 1 ano de planejamento na TV Cultura do Pará;• O Catalendas procura refletir a realidade sociocultural brasileira;• Ambientado no universo de histórias do Amazonas;• A linguagem usada é da própria região;• Tradicionalidade das narrativas;• Personagens: Dona Preguiça e Macaco Preguinho;• Cenários são pensados detalhadamente com elementos naturais a floresta;• Conta com consultoria pedagógica e pesquisa sobre as narrativas.
  2. 2. • As lendas são ouvidas das pessoas da região;• Depois são escritas por roteiristas e inseridas nos livros de história da Dona Preguiça;• Por meio da oralidade, são transmitidas pela personagem ao macaco Preguinho;• Crianças e adultos levam adiante as narrativas.• Histórias fundamentais: a mitologia amazônica, Curupira, Matinta Perera e o meio ambiente;• Quadro efeito dicionário;• Gramática dos símbolos aplicada às narrativas;• Episódios estudados: Matinta Perera e Novo Mundo.
  3. 3. • Alguns autores foram estudados na busca pela compreensão das teoriassobre mito e mitologias e como a mídia se utiliza de suas narrativas:• Joseph Campbell• Mircea Eliade,• Karen Armstrong,• Maleia Segura Contrera,• Mônica Martinez,• Eric Havelock,• Roland Barthes,• Christopher Vogler,• Dimas Künsch.
  4. 4. • Entende que é preciso que a expressão mito seja desvinculada da ideia de pura história de ficção, folclore, lenda, imaginação, irrealidade ou associações do gênero.• Mito e mitologia são bem mais do que simples histórias. São umaforma de ordenar o caos da vida.• Para Künsch, “compreender, de comprehendere, evoca originalmente a idéia de abranger, abraçar ou pegar junto”. (2005:46) Mitos, nesse mesmo sentido, são verdadeiros instrumentos de compreensão do mundo. Produzem e abraçam significados.
  5. 5. • Depois da pesquisa bibliográfica buscou-se a compreensão das teorias sobre mito e mitologias e como a mídia se utiliza das narrativas míticas.• Descrição completa do programa Catalendas, de sua história e de sua produção;• Entrevistas em profundidade com a equipe de produção;• Uma visão geral dos temas dominantes, os tratamentos, o modo comoessas histórias ganham corpo na TV;• Estudo aprofundado de episódios específicos, com a finalidade de investigar, o modo como o programa trata as narrativas míticas.
  6. 6. De acordo com Marilena Chauí:“a palavra mito vem do grego, mythos,e deriva de dois verbos: do verbo mytheyo(contar, narrar, falar alguma coisa para outros)e do verbo mytheo (conversar, contar,anunciar, nomear, designar)”. (2000:32)Assim, desde a origem da palavra,mito e narrativa caminham juntos,são indissociáveis.
  7. 7. • Barreira: domínio da racionalidade e lógica na reprodução dos mitos;• São histórias verdadeiras;• Histórias que buscam a verdade, o sentido de nossas vidas e o que representamos neste mundo;• Mitos não são estudos do passado, são tão contemporâneos quando nosso pensamento científico;• Mitologia planetária.
  8. 8. • Na cultura amazônica existe o personagem Curupira. Seu primeiro registro escrito foi feito por José de Anchieta, no século XVI;• É dado ao Curupira a função social de guardar, de preservar a flora e a fauna;• O personagem representa mitologicamente a preservação da natureza.
  9. 9. • Mitologias e rituais permitem que o ser humano avance:"As lendas são a poesia do povo; ellas correm de tribu em tribu,de lar em lar, uma história doméstica das idéas e dos factos;como o pão bento da instrucção familiar. (...)Mas o povo crê, e nãoconvém destruir as fábulas do povo (...)Este cultivo dos mythos, não é,talvez, o aguardar laboriosodas verdades eternas?"(Machado de Assis, 2008:41)
  10. 10. • As grandes interrogações humanas – filosofia;• Contato com a experiência de estar vivo – lendo mitos alheios: "O mito ajuda a colocar sua mente em contatocom essa experiência de estar vivo. Ele lhe diz o que a experiência é”. (Campbell, 2007:6)
  11. 11. • As sociedades contemporâneas também praticam mitos;• Campbell afirma que vivemos os tempos míticos;• Pensamento mítico faz parte de nossa vida social;• A necessidade humana de narrar é vital e contribuiu para o surgimento da mídia;• Narrar o mundo, dar ordem ao caos;• Vida sem mito, vida esvaziada de sentido.
  12. 12. • Morrer para o passado, viver o futuro;• A purificação do eu;• Quem se recusa a passar por esses rituais geralmente se afasta da comunidade ou não é bem visto dentro dela;• O Mito nos encoraja a viver o nosso mundo (participar da vida), a não temê-lo, porque outras pessoas já passaram por isso;
  13. 13. • Criamos heróis o tempo todo;"A linguagem da Jornada do Herói está nitidamentese tornando parte do conhecimento comum sobrenarrativas e seus princípios têm sido usados deforma consciente para criar filmes de grandealcance popular”. (Vogler, 2006:23)• A jornada do Herói e Indiana JonesIndiana Jones e os caçadores da arca perdida (1981),Indiana Jones no templo da perdição (1984),Indiana Jones e a última cruzada (1989),Indiana Jones e o reino da caveira de cristal (2008).
  14. 14. • Pseudo-heróis = celebridades;• Reality Shows• Durante a exibição alguns participantes são idolatrados;• O telespectador se vê dividido entre o prazer de assistir as intrigas causadas pelos “vilões” e a satisfação de vê-los serem eliminados pelos “mocinhos”;• O público decide quem é o herói;• O herói é premiado e desfruta uma fugaz fama;• Por que não nos sentimos motivados pelosnosso heróis contemporâneos?
  15. 15. • As narrativas míticas e seus heróis, fascinam e estimulam o homem comum, a encontrar forças em histórias infinitamente maiores que ele e a entender que pode, sim, planejar os rumos que sua vida irá tomar, com decisões que irão tornar a jornada mais agradável até que esta chegue a um desfecho sobre o qual ele, porém, não possui controle absoluto.
  16. 16. • Humberto Ecco afirma que nossos mundos são pequenos e confortáveis, que usamos as narrativas para criar mundos complexos, contraditórios e provocantes (mundos ficcionais).• Isso se explica na narrativa mítica, que, mesmo sendo predominantemente ficcional, trata de verdades absolutas.
  17. 17. • Mitos só existem quando fazem parte da cultura de oralidade de um povo;• A maior dificuldade é o foco na imagem (dinâmicas, sedutoras, predominantes) os indivíduos ficam sedentários, preferem apenas ver nas narrativas;• Importante para o desenvolvimento cognitivo das crianças.
  18. 18. • A relação desigual entre cultura oral e cultura escrita;• Meios de comunicação que tinham foco na oralidade: telefone, rádio e televisão;• Índios contemporâneos usam a oralidade para contar suas histórias, acreditam que conhecer sobre um determinado animal, objeto ou planta é o mesmo de deter um poder mágico sobre ele.
  19. 19. • Há uma visão de que essa atual sociedade não possui mitos, pela descrença neles;• Perda de valores: criminalidade, família (atos destrutivos);• O mito está presente no cotidiano, mesmo que não seja percebido;• Todos executam cotidianamente pequenos rituais;• O carnaval é um grande ritual;• Estamos intimamente ligados pelos mitos;• A relação mitologia e educação – mitos carregam significados de valor ao homem.
  20. 20. • As narrativas míticas seguem ajudando o homem a compreender, a viver, a ser melhor;• Seus heróis, além de fascinarem e estimularem o homem comum (o herói da vida real); ajudam a viver, a encontrar forças em histórias infinitamente maiores que ele e a entende que pode, sim planejar os rumos que sua vida irá tomar, com decisões que irão tornar a jornada mais agradável até que esta chegue a um desfecho sobre o qual ele, porém, não possui controle absoluto.
  21. 21. • Contribuir para um melhor entendimento do mito como forma de compreensão do mundo, no contexto de um pensamento e epistemologia de caráter compreensivo;• Desvinculação das narrativas míticas de conceitos como ficção folclore lenda , imaginação, irrealidade, ou associações do gênero;• O indivíduo que entra em contato com a mitologia inicia um processo de ver o mundo de outro modo: mais compreensivo, mais cordato, mais respeitoso e menos agressivo.
  22. 22. • Investiga a presença e força do mito no cotidiano• Ressalta a importância fundamental da compreensão da mitologia para a vida;• Analisa, seguindo os princípios de uma epistemologia de tipo compreensivo, a presença e força de elementos do campo da mitologia na produção dos grandes meios de comunicação;
  23. 23. • Cria o espaço teórico necessário para o estudo do programa Catalendas;• Destaca que O Catalendas caminha na contramão do modo de ver e tratar a sabedoria mítica dos povos pela mídia;• Questiona uma visão de mito reducionista e cientificista;• Exalta a importância de reorganização do caos para sobrevivência da humanidade por meio das narrativas.

×