breve
retrospectiva histórica




                      Vera Lúcia Menezes de Oliveira e Paiva
 Quando surge uma nova tecnologia, a
  primeira atitude é a de desconfiança e
  de rejeição.
 Aos poucos, a tecnologia c...
   Volumen

   Códex

   Imprensa

   Computador
   O aluno, na época medieval, era
    proprietário tanto do professor como
    do livro, mas somente o professor
    tin...
Primeiro livro com figuras, destinado ao ensino de Latim. Acreditava-
se que o aprendizado se daria a partir da contextual...
 Ao contrário de Comenius, que defendia o
  uso do livro na sala de aula, havia
  educadores como Lambert Sauver que
  pr...
   Segundo Kelly (1969, p. 240), a grande
    revolução no ensino de línguas
    começou com a invenção do fonógrafo
    ...
 “Com a inovação tecnológica de
  gravação e reprodução de som, foi
  possível levar para a sala de aula
  material     g...
 Walt Disney produz cartoons (1930)
  para o ensino de Inglês básico. Inicia-
  se assim o uso de filmes para o ensino
  ...
 Por volta da década de 50 criam-se
  laboratórios destinados ao aprendizado
  de Línguas Estrangeiras
 “seu fracasso po...
 “É relevante registrar que o rádio, ainda
  que de forma tímida, é, ocasionalmente,
  utilizado em estudos autônomos”
 ...
 “Os     canais educativos   costumam
  veicular cursos de línguas, mas assim
  como o rádio, geralmente, não atingem
  o...
   “Segundo Levy (1997), o ensino de
    línguas mediado por computador teve
    inicio   com     o     projeto PLATO
   ...
 “Storyboard é um programa que
  permite reconstruir um texto, palavra
  por palavra, por meio de dicas textuais”
 “Adam...
   “A tecnologia da informática evoluiu
    rapidamente e o computador e seus
    periféricos, além do correio e do
    t...
   A comunicação cada vez mais rápida,
    permitida por sites como o Orkut,
    ocasiona o contato de usuários no
    mu...
Rumo a normalização


           Pennington (1996): a
  socialização dos computadores
   e seu uso na educação podem
    ...
   Usados para cálculos matemáticos
                                    (elite);
    Alunos e professores (instituições ...
   Bax (2003) propõe sete estágios até a
    normalização das atividades de ensino
    de línguas mediadas por computador...
   No ensino de línguas estrangeiras em
    universidades, as experiências se
    dividem em três tipos: extensão,
    at...
 Collinse seu aluno de mestrado,
 Robert Wyatt (1997 e 1998),,
 planejaram o oferecimento do
 Business Writing on-line -I...
   Como atividade extracurricular, merece
    destaque o projeto Teletandem Brasil9
    na UNESP, sob a coordenação de Jo...
Concluindo
 Os governos têm feito empenho para
  universalizar o acesso á tecnologia,
  mas as reações ao computador aind...
   “A história da tecnologia no ensino de
    línguas não poderia ser linear em um
    país como o nosso onde as diferenç...
 “Ébem possível que o computador
 não chegue para todos, mas é
 preciso também ter em mente que
 nem o livro e nem o comp...
   “O sucesso da aquisição de uma língua
    estrangeira depende da inserção do
    aprendiz em atividades de prática
   ...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

O Uso Da Tecnologia No Ensino De LíNguas

568 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
568
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
17
Actions
Shares
0
Downloads
17
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

O Uso Da Tecnologia No Ensino De LíNguas

  1. 1. breve retrospectiva histórica Vera Lúcia Menezes de Oliveira e Paiva
  2. 2.  Quando surge uma nova tecnologia, a primeira atitude é a de desconfiança e de rejeição.  Aos poucos, a tecnologia começa a fazer parte das atividades sociais da linguagem e a escola acaba por incorporá-la em suas práticas pedagógicas.
  3. 3.  Volumen  Códex  Imprensa  Computador
  4. 4.  O aluno, na época medieval, era proprietário tanto do professor como do livro, mas somente o professor tinha acesso ao livro  “Aprender uma língua significava aprender a sintaxe dessa língua”
  5. 5. Primeiro livro com figuras, destinado ao ensino de Latim. Acreditava- se que o aprendizado se daria a partir da contextualização imagem/nome das coisas
  6. 6.  Ao contrário de Comenius, que defendia o uso do livro na sala de aula, havia educadores como Lambert Sauver que propunham sua proibição.  Segundo Kelly (1969, p. 261), Sauveur advogava a proibição do livro nas escolas, pois acreditava que a sala de aula era local para ocupar os ouvidos.  A função do livro seria a de preparar os alunos para as aulas e deveria, portanto, ser usado apenas em casa.
  7. 7.  Segundo Kelly (1969, p. 240), a grande revolução no ensino de línguas começou com a invenção do fonógrafo por Thomas Edson
  8. 8.  “Com a inovação tecnológica de gravação e reprodução de som, foi possível levar para a sala de aula material gravado, reproduzindo amostras de fala de falantes nativos”  O foco está na oralidade e buscava-se a imitação, a reprodução do que os nativos haviam gravado.
  9. 9.  Walt Disney produz cartoons (1930) para o ensino de Inglês básico. Inicia- se assim o uso de filmes para o ensino de línguas.  “O gravador de fita magnética, na década de 40, permitiu que os alunos gravassem suas leituras e exercícios de repetição e avaliassem seu desempenho”
  10. 10.  Por volta da década de 50 criam-se laboratórios destinados ao aprendizado de Línguas Estrangeiras  “seu fracasso pode ser atribuído não só a rigidez das instalações, mas também aos princípios lingüísticos e de aprendizagem que lhe davam suporte: o conceito de língua como conjunto de estruturas sintáticas e de aprendizagem como criação de hábitos automáticos”
  11. 11.  “É relevante registrar que o rádio, ainda que de forma tímida, é, ocasionalmente, utilizado em estudos autônomos”  “Dentre todas as tecnologias de áudio e vídeo, incluindo o cinema, o rádio e a televisão foram as de maior socialização, mas seu impacto no ensino escolar formal, no entanto, não teve a dimensão esperada”
  12. 12.  “Os canais educativos costumam veicular cursos de línguas, mas assim como o rádio, geralmente, não atingem o ambiente escolar”  “O livro ganhou a companhia do som e da imagem, oferecendo input menos artificial”
  13. 13.  “Segundo Levy (1997), o ensino de línguas mediado por computador teve inicio com o projeto PLATO (Programmed Logic for Automatic Teaching Operations), em 1960, na Universidade de Illinois”
  14. 14.  “Storyboard é um programa que permite reconstruir um texto, palavra por palavra, por meio de dicas textuais”  “Adam&Eve permite que o professor use qualquer texto e o software faz a análise do vocabulário com base em dados de freqüência de palavras, indicando seu nível de dificuldade”
  15. 15.  “A tecnologia da informática evoluiu rapidamente e o computador e seus periféricos, além do correio e do telégrafo, passaram a integrar todas as tecnologias da escrita, de áudio e vídeo já inseridas na sociedade: máquina de escrever, imprensa, gravador de áudio e vídeo, projetor de slides, projetor de vídeo, rádio, televisão, telefone, e fax”
  16. 16.  A comunicação cada vez mais rápida, permitida por sites como o Orkut, ocasiona o contato de usuários no mundo inteiro, possibilitando o interesse pelo uso da escrita e facilitando a aprendizagem de línguas estrangeiras.
  17. 17. Rumo a normalização  Pennington (1996): a socialização dos computadores e seu uso na educação podem ser descritos em 7 fases:
  18. 18.  Usados para cálculos matemáticos (elite);  Alunos e professores (instituições de prestígio;  Toda esfera educacional (pública); 4. Objeto de massa; 5. Maior acesso de educadores, mais presença nas práticas pedagógicas; 6. Crianças digitalmente letradas; 7. Acesso universal.
  19. 19.  Bax (2003) propõe sete estágios até a normalização das atividades de ensino de línguas mediadas por computador.  Do primeiro ao sétimo, apresenta a progressiva adeptabilidade do computador, sedo que no sétimo estágio o considera integrado em nossas vidas, tornando-se invisível, normalizado.
  20. 20.  No ensino de línguas estrangeiras em universidades, as experiências se dividem em três tipos: extensão, atividades curriculares e projetos opcionais.  Pioneira na área de extensão: Profa. Heloisa Collins (1997).  Ana Silvia Ferreira: Surfing & Learning, elaborado por uma grande equipe sob sua coordenação. (de 1997 a 2002).
  21. 21.  Collinse seu aluno de mestrado, Robert Wyatt (1997 e 1998),, planejaram o oferecimento do Business Writing on-line -Inglês para Negócios via Internet.  NaUnicamp, Denise Braga coordena, desde 2000, o projeto Read in Web.
  22. 22.  Como atividade extracurricular, merece destaque o projeto Teletandem Brasil9 na UNESP, sob a coordenação de João Telles e que conta com parcerias de universidades noexterior.  Finalmente, um dos pioneiros no desenvolvimento de material online no Brasil é Vilson Leffa com seu sistema ELO10 (Ensino de Línguas Online), um sistema de autoria para a produção
  23. 23. Concluindo  Os governos têm feito empenho para universalizar o acesso á tecnologia, mas as reações ao computador ainda são fortes.  Nunca houve tanto apoio governamental para a socialização de uma tecnologia como está acontecendo agora com o computador.
  24. 24.  “A história da tecnologia no ensino de línguas não poderia ser linear em um país como o nosso onde as diferenças sociais impedem que tecnologias como o papel, o livro, e até a eletricidade esteja ao alcance de todos.”
  25. 25.  “Ébem possível que o computador não chegue para todos, mas é preciso também ter em mente que nem o livro e nem o computador farão milagres no processo de aprendizagem.”
  26. 26.  “O sucesso da aquisição de uma língua estrangeira depende da inserção do aprendiz em atividades de prática social da linguagem e, dependendo do uso que se faz da tecnologia, estaremos apenas levando para a tela os velhos modelos presentes nos primeiros livros didáticos.”

×