Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Corda Bamba - Lygia Bojunga

9,474 views

Published on

Apresentação preparada para obtenção de crédito da disc

Published in: Education
  • Be the first to comment

Corda Bamba - Lygia Bojunga

  1. 1. Corda Bamba Lygia Bojunga Jamille Rabelo Luana Loes Maria de Jesus Thalita Ribeiro
  2. 2. <ul><li>“ Viver na corda bamba – é como o imaginário popular define a existência de quem tem que enfrentar desafios diários para sobreviver. Assim caminha Maria em busca de seu próprio equilíbrio, abrindo as portas do passado e recompondo-se dos dramas que marcaram sua infância circense.” </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Enredo: </li></ul><ul><li>O enredo de Corda Bamba segue uma linearidade, no tempo presente, até o momento em que Maria passa a imaginar a sua caminhada na corda para o passado. Nesse instante, é o fluxo de pensamento da personagem quem determina esse enredo, não existindo mais necessariamente começo, meio e fim. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Linguagem: </li></ul><ul><li>É uma linguagem sutil, precisa, sem excessos. As palavras não trazem peso, trazem leveza. Ora a narrativa está nos diálogos, ora nos pensamentos de Maria, ora nas personagens que vão nos ajudando a conhecer a estória. Ao mesmo tempo que a narrativa é rápida, o texto flui sem tropeços, porque é um texto de narrativa delicada e de ordem cronológica. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>A boa construção das personagens pela autora, com suas problemáticas encadeadas no corpo da narrativa traduz a sua visibilidade de pensamento. Percebemos a clareza nos pensamentos de Maria, a transparência do imaginário da autora, ganhando forma, com uma linguagem precisa. Um texto exato, sutil e ritmado é capaz de nos mostrar a transparência do pensamento do artista. </li></ul><ul><li>Corda bamba é uma narrativa que explora os meandros da consciência da criança, e sob o seu foco são vistos os acontecimentos de sua vida no passado, e no presente. A narrativa capta os pensamentos das personagens, o imaginário da criança de forma exata, precisa, sem excessos, com imagens visuais nítidas. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Corda: é a ponte entre o real e o imaginário. </li></ul><ul><li>O poder do imaginário de Maria que recorrendo e resgatando um símbolo de seu agrado, estima e valor “o arco, a corda” vai equilibrando-se na “corda bamba” da vida, viajando para dentro de si mesma através do imaginário e da personalidade tímida que nem por isso se torna frágil, mas densa, profunda e forte. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Janela: é a representação da realidade, a consciência de Maria. </li></ul><ul><li>A visão da janela, pela personagem, o silêncio e os pensamentos na solidão caminham juntos com as dores, dentro do mundo particular de Maria. Quietude e reflexão podendo ser percebidas delicadamente através da linguagem leve e precisa e da cena de Maria na janela no segundo capítulo da narrativa intitulado Janelas. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Portas: são a abertura para o inconsciente. </li></ul><ul><li>Maria encontra muitas portas esperando para serem abertas. Cada porta tem uma cor diferente assim, como cada uma ao ser aberta esconde um momento do seu passado e uma sensação diferente. </li></ul><ul><li>Ela vai abrindo uma a uma as portas do seu passado, ficando por último a porta vermelha, na qual ela vê seus pais pela última vez caindo da corda bamba durante uma apresentação. </li></ul><ul><li>A partir daí, Maria aprende a lidar com seus sentimentos e sente-se pronta para abrir novas portas em sua vida, sonhar e buscar compreender seus sonhos. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Maria: </li></ul><ul><li>Protagonista </li></ul><ul><li>Com a morte dos pais foi morar com a avó materna. </li></ul><ul><li>Se tornou uma criança infeliz com a perda dos pais </li></ul><ul><li>Se fecha dentro de si </li></ul><ul><li>D.Maria Cecília Mendonça de Melo: </li></ul><ul><li>Antagonista </li></ul><ul><li>Casada por quatro vezes </li></ul><ul><li>Autoridade e poder sobre a Maria </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Márcia e Marcelo: </li></ul><ul><li>pais de Maria; </li></ul><ul><li>equilibristas de circo na corda bamba. </li></ul><ul><li>Barbuda e Foguinho </li></ul><ul><li>artistas de circo </li></ul><ul><li>Pedro </li></ul><ul><li>marido de Dona Maria Cecília </li></ul><ul><li>avô de Quico </li></ul><ul><li>Quico </li></ul><ul><li>A velha contadora de histórias </li></ul><ul><li>D. Eunice </li></ul><ul><li>professora de Maria </li></ul>
  11. 11. <ul><li>Diferenças entre classes sociais: </li></ul><ul><li>“ - Quando eu nasci, a minha mãe e o meu pai não tinham dinheiro pra comprar um berço. </li></ul><ul><li>- Quando eu nasci, a minha mãe comprou sete: cada dia da semana em dormia num. </li></ul><ul><li>- Pra quê? </li></ul><ul><li>- Pra já ir me acostumando a ter uma porção de tudo. </li></ul><ul><li>- Hmm. </li></ul><ul><li>- Que é? você ficou de cara triste. </li></ul><ul><li>- É que desde que eu nasci me acostumaram a ter uma porção de nada.” </li></ul><ul><li>(NUNES, 2009, p.p. 71-72) </li></ul>
  12. 12. <ul><li>Dinheiro compra tudo??? </li></ul><ul><li>A Menina chegou pertinho da avó e cochichou: </li></ul><ul><li>- Mas, vó, gente se compra? </li></ul><ul><li>- Quem tem dinheiro feito eu compra tudo. </li></ul><ul><li>[...] </li></ul><ul><li>A Menina perguntou ainda mais baixo: </li></ul><ul><li>- Gente custa caro? </li></ul><ul><li>- Depende. Tem uns que custam bem caro (olhou de rabo de olho pros retratos). Essa aí custou baratinho. </li></ul><ul><li>(NUNES, 2009, p. 109) </li></ul>
  13. 13. <ul><li>Relações trabalhistas </li></ul><ul><li>“ - Não tá certo, não tá certo! Vocês não podem deixar eles botarem a corda tão alto. </li></ul><ul><li>- Eles vão pagar muito mais. </li></ul><ul><li>- Você tá deixando eles te explorarem, Marcelo! </li></ul><ul><li>[...] </li></ul><ul><li>- Se vocês começam a trabalhar na base do risco, tudo que é circo vai imitar. É sempre assim. E aí, quem não tem a segurança de vocês ou se arrisca de morrer ou fica sem trabalho.” </li></ul><ul><li>(NUNES, 2009, p.p. 129-130) </li></ul>
  14. 14. <ul><li>Hierarquia/autoridade/imposição </li></ul><ul><li>“ É que a mesa é pequena. E o cachorro é enorme. E se esparrama todo. E acaba sempre sobrando um pedaço dele debaixo da minha cadeira. Eu não posso mexer o pé que, pronto: já esbarro nele. E é só um esbarrãozinho de nada que ele já levanta num pulo e começa a latir com uma voz grossa toda vida. Eu morro de susto. </li></ul><ul><li>[...] </li></ul><ul><li>- Escuta Maria você me conhece não é? Eu acho que é sempre melhor a gente ser franca. Diz assim pra professora: “olha, professora, ou a senhora me dá lugar pra eu botar o pé descansada, ou eu não dou mais aula”. </li></ul><ul><li>[...] </li></ul><ul><li>- Você ouviu o que eu disse, filhinha? </li></ul><ul><li>- Ouvi. Mas não vai dar pé.” </li></ul><ul><li>(NUNES, 2009, p.p. 43-44) </li></ul>
  15. 15. <ul><li>Temos Maria com seus apenas dez anos de história de vida –respeitando-se a criança como um ser humano completo e não como um vir a ser, ou seja, que a criança tem conhecimento de mundo, no limite de sua idade. </li></ul><ul><li>Não é justo e nem verdadeiro com a criança que lhe deem apenas o “livrinho feliz”, pois a criança tem o direito de experimentar e saborear a leitura para poder fazer suas escolhas pessoais e livres de pré-conceitos estabelecidos e arraigados por toda e qualquer sociedade. </li></ul><ul><li>A literatura verdadeiramente inovadora é aquela que ultrapassa a função didático-moralizante, para revelar uma visão mais clara da realidade na qual o leitor já estava inserido, sem no entanto conhecê-la. </li></ul>
  16. 16. <ul><li>No que se refere à participação da criança em textos de abordagens sociais, sabe-se que durante muito tempo a literatura para crianças evitou abordar temas que enfocassem “o ‘lado podre’ da sociedade, seja em termos sociais (ausência de temas relacionados às diferenças ou conflitos de classe) ou existenciais, faltando a representação de determinados problemas familiares, como a falta de dinheiro do pais e a morte. </li></ul><ul><li>A criança é vista como um ser pensante, capaz de apreender significados importantes por meio da linguagem, dos símbolos e da própria forma como a narrativa foi construída. Além disso, ao final da narrativa, a criança sai da história modificada, pois toda a trajetória da personagem Maria leva ao leitor o mesmo amadurecimento alcançado por ela. </li></ul>
  17. 17. <ul><li>BOJUNGA, Lygia. Corda bamba . 23. ed. Rio de Janeiro: Casa Lygia Bojunga, 2009. </li></ul><ul><li>BOROWSKI, Maria N. Corda bamba: uma leitura dentro da outra. Disponível em: http://guaiba.ulbra.tche.br/pesquisa/2005/artigos/letras/76.pdf </li></ul><ul><li>FERNANDES, V. R. O. A literatura infanto-juvenil na corda bamba. Disponível em: http://www.litteratu.com/cordabambafio.pdf </li></ul><ul><li>MALHEIROS, Eglê. A criança na corda-bamba: a literatura de Lygia Bojunga Nunes. Disponível em: http://www.gelbc.com.br/pdf_revista/0501.PDF </li></ul><ul><li>SANDRONI, Laura. De Lobato a Bojunga: as reinações renovadas. Rio de Janeiro: Agir, 1987 </li></ul><ul><li>SANTOS, Daniela Y. U. Estética e imaginário em Corda bamba de Lygia Bojunga Nunes . Disponível em: http://www.fflch.usp.br/dlcv/revistas/crioula/edicao/01/Dossie/04.pdf </li></ul><ul><li>SILVA , Maria Marlene R. da . As relações sociais da criança na obra de Lygia Bojunga Nunes. Disponível em: http://www.gelbc.com.br/pdf_revista/0503.PDF </li></ul>

×