Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.
EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" 
HTPC – 28/07/2014 
PAUTA 
“A música pode ser o exemplo único do que poderia ter 
sido se...
EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" 
DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva 
COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de ...
EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" 
DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva 
COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de ...
EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" 
DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva 
COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de ...
EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" 
DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva 
COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de ...
EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" 
DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva 
COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de ...
EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" 
DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva 
COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de ...
EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" 
DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva 
COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de ...
EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" 
DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva 
COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de ...
EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" 
DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva 
COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de ...
EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" 
DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva 
COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de ...
EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" 
HTPC- 20/10/2014 (temático de 22 de setembro) 
Pouco importam as notas na música, o que ...
EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" 
O Referencial Curricular Nacional 
Afirma que: “a música é a linguagem que se traduz em ...
EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" 
DÓ, RÉ, MI, FÁ, SOL, LÁ, SI. As notas localizam-se na pauta musical, em 
diferentes luga...
EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" 
cada aluno, por meio de propostas que consideram todo o processo de 
trabalho, e não ape...
EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" 
Depois de repetir várias vezes palma, palma, perna, perna, deve-se mudar a 
segunda part...
EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" 
 Voz de bebê 
 Voz de fantasma 
 Voz de bruxa 
 Voz de vovó 
 Passa bolinha: 
Ouvir...
EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" 
ATIVIDADE 
1 - Ao escutar essa música, você: 
a) ( ) Desliga imediatamente 
b) ( ) Ouve ...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

PORTFÓLIO PALAVRA CANTADA - 2014 (PARTE II)

2,188 views

Published on

Este portfólio apresenta o trabalho desenvolvido em 2014 na EMEF “Profº Cleston Mello Paiva” sobre o projeto Palavra Cantada que é formado por uma dupla musical infantil que se iniciou em 1994 por Paulo Tatit e Sandra Peres. Sua característica principal é a musica com canções infantis, com instrumentos e movimentação, que atendem ao gosto e inteligência das crianças.

Published in: Education

PORTFÓLIO PALAVRA CANTADA - 2014 (PARTE II)

  1. 1. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" HTPC – 28/07/2014 PAUTA “A música pode ser o exemplo único do que poderia ter sido se não tivesse havido a invenção da linguagem, a formação das palavras, a análise das ideias – a comunicação das almas”. (Marcel Proust) ASSUNTOS:  Como fazer músicas com as crianças?  Artigo: A criança e a música.  Dinâmica: A matéria-prima sonora.  Orientações aos professores. OBJETIVOS:  Conscientizar que o fazer musical, além do cantar, tocar, ouvir, dançar, está ligado, principalmente, em desenvolver a linguagem musical.  Perceber a importância de sistematizar o trabalho musical e afinar o ouvido da criança para garantir a educação musical.  Compreender que a linguagem musical deve ser significativa para o aluno, deve levá-lo a uma reflexão e envolvimento.  Entender que produzir música é improvisar, compor, reproduzir, e provocar o fazer com liberdade e alegria.  Permitir que o aluno crie seu próprio sistema de registro, em que lhe seja significativo.  Saber que o fazer musical deve ser repleto de significados e encantamento. DESENVOLVIMENTO: 1. Apresentação da pauta. 2. Explanação sobre o assunto. (Slide) 3. Dinâmica 4. Encerramento com o feedback do grupo. DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  2. 2. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  3. 3. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  4. 4. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  5. 5. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  6. 6. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  7. 7. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  8. 8. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  9. 9. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  10. 10. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  11. 11. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  12. 12. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" HTPC- 20/10/2014 (temático de 22 de setembro) Pouco importam as notas na música, o que conta são as sensações produzidas por elas. DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio (Leonid Pervomaisky) Pauta ASSUNTOS:  Lembretes/ Avisos (até a data de hoje):  24/10 - Justiça eleitoral  27/10 - Facultativo (Aulas Suspensas)  28/10 - Feriado (Funcionário Público)  29, 30/10 - Encontro Nova Dutra (5º ano)  Provas externas: o ANA 3º ano (17 à 28 de novembro de 2014)  Projeto Palavra Cantada: o Reflexões o Organização do portfólio o Sugestões de bibliografias o Proposta de atividades para serem trabalhadas em sala de aula. o Atividade Objetivos:  Refletir sobre o desenvolvimento do trabalho musical na sala de aula.  Reconhecer os recursos musicais que as brincadeiras proporcionam.  Entender na prática os conceitos de ritmo, melodia, timbre e intensidade.
  13. 13. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" O Referencial Curricular Nacional Afirma que: “a música é a linguagem que se traduz em formas sonoras capazes de expressar e comunicar sensações, sentimentos e pensamentos, por meio da organização e relacionamento expressivo entre som e silêncio” Sendo assim, o objetivo da Educação Musical é levar a criança a construir conhecimento musical, interagir com a linguagem musical, bem como com os elementos que a formam: ritmo, melodia, timbre, intensidade, por meio de atividades musicais que proporcionem manipulação direta com tais elementos como: apreciação musical, a execução e a criação. Aprender música no sentido de musicalizar significa ampliar a capacidade de expressão e reflexão do uso da linguagem musical. 1-Algumas definições: Ritmo: O dia é feito de uma sucessão de períodos: manhã, tarde, noite, essa passagem de um período a outro segue um ritmo, que pode ser definido como. Platão definiu o ritmo como “a ordem do movimento”. Essa sequência está presente em praticamente todos os eventos que influenciam a vida humana: noite, dia; estações do ano; fases da lua. O nosso corpo é regido por eventos rítmicos: o pulsar do coração, nossa respiração, nossa memória. A escola é regida por um ritmo. Tudo isso nos faz perceber que o ritmo não está presente apenas na música ele faz parte da nossa vida. O ritmo está diretamente ligado ao conceito do som chamado duração, ou seja, quanto tempo o som irá soar. As diferentes durações do som formam o ritmo de uma melodia. Por exemplo: O ritmo do corpo Melodia: A melodia na música é formada por diferentes alturas do som. A altura é a qualidade que nos permite diferenciar os sons agudos dos sons graves. No dia a dia, percebemos esses sons a nossa volta. O canto de um pássaro, o apito do trem, gritos das crianças na escola são exemplos de sons de altura aguda, o som do trovão, da voz masculina, do motor de um ônibus, são exemplos de sons de altura grave. Para entender um pouco mais: Na escrita musical, convencionou-se que a altura é representada pelas notas musicais DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  14. 14. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" DÓ, RÉ, MI, FÁ, SOL, LÁ, SI. As notas localizam-se na pauta musical, em diferentes lugares: aquelas registradas nas primeiras linhas do pentagrama e abaixo deste representam os sons graves, as situadas nas linhas superiores ou acima delas representam os sons mais agudos. Assim a escala dos sons inicia no grave seguindo em direção ao agudo: Timbre: Característica do som que permite identificar sua fonte produtora. É como se fosse a impressão digital sonora de um instrumento, de um objeto sonoro ou de uma voz. Mesmo que dois instrumentos toquem a mesma nota musical, com a mesma frequência, a mesma duração, e a mesma intensidade, ouvimos sons diferentes, pois distinguimos o timbre de cada um. Segundo o Dicionário Grove de Música, timbre é o termo que descreve qualidade ou o colorido de um som. No desenvolvimento musical das crianças, é possível constatar que logo nos primeiros meses ela já reconhece o timbre da voz materna, passando depois ao reconhecimento de diferentes timbres de vozes, eventos sonoros, de objetos, de instrumentos musicais, etc. O timbre é uma das primeiras aquisições no desenvolvimento infantil. Todas as atividades de identificação dos instrumentos musicais e objetos sonoros, assim como os sons da voz e do corpo, trabalham a percepção do timbre. O Referencial Curricular Nacional para a Educação Infantil estabelece que: “a música é a linguagem que se traduz em formas sonoras capazes de expressar e comunicar sensações, sentimentos, e pensamentos, por meio da organização e relacionamento expressivo entre o som e o silêncio” Já os Parâmetros Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental apresentam a descrição de conteúdos musicais envolvendo a compreensão da linguagem musical. Os dois documentos referem-se ao ensino de música levando em consideração a escuta, o envolvimento, a compreensão, a identificação, a percepção, a cooperação, a execução, a criação, a análise, a audição da linguagem musical. Diante dessas afirmações é preciso lembrar que na música e na linguagem o conhecimento se constrói com base em vivencias e reflexões orientadas. Desse modo, todos têm direito de cantar, ainda que desafinando. Todos podem tocar um instrumento, ainda que não tenham, naturalmente, um senso rítmico fluente e equilibrado, pois as competências musicais desenvolvem-se com a prática regular e orientada, em contextos de respeito, valorização e estímulo a DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  15. 15. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" cada aluno, por meio de propostas que consideram todo o processo de trabalho, e não apenas o produto final. De acordo com Kodály: “É nossa firme convicção que a espécie humana viverá mais feliz quando aprender a viver mais feliz quando aprender a viver mais sua música. Qualquer um que trabalhe com este objetivo não terá vivido em vão.” Sugestões de Referências Bibliográficas: Educação Musical: da teoria à prática na sala de aula, Marta Deckert Música na Educação Infantil, Teca Alencar de Brito Brincadeirinhas Musicais- volume 2 Palavra Cantada, Berenice de Almeida e Gabriel Levy. Proposta de atividades para serem trabalhadas em sala de aula: 1. Fazer um registro através de desenho e/ou texto sobre uma das aulas da Palavra Cantada, acrescentar ao o portfólio. 2. Atividade rítmicas: A. O ritmo do corpo Sentados no chão, em círculo. Propor uma sequência rítmica: Bater palmas 2 vezes na frente do corpo Bater 2 vezes com as mãos na perna Depois de repetir várias vezes “palma, palma, perna,perna” ,deve-se mudar a segunda parte do movimento, mantendo as palmas:  Palma, palma, barriga, barriga  Palma, palma, pé, pé  Palma, palma, cabeça, cabeça Representações gráficas Palma Perna Cabeça Barriga DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  16. 16. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" Depois de repetir várias vezes palma, palma, perna, perna, deve-se mudar a segunda parte do movimento, mantendo as palmas. Mostrar as formas quando for mudar. Pode ser figuras coladas em palitos, em forma de cartaz, fica a critério de cada um. Essa atividade explora o movimento corporal com ritmo de modo ordenado. Ao modificar o movimento é possível identificar quem consegue perceber a alteração e ritmo do outro e imitá-lo. Variação – nomes com ritmo. A mesma atividade anterior, mas com um desafio a mais: Palma, palma, perna, perna – fala o nome Dessa forma coordena movimento-ritmo com a expressão verbal. Outra sugestão é falar: nome de frutas, animais, cores, etc. a. Melodia: Produção de sons graves e agudos à partir de imagens. Levar imagens de pessoas, animais, objetos, que possam produzir ou representar sons graves ou agudos. A partir das imagens, discutir com as crianças a diferença entre sons, por exemplo: o canto de um pássaro e o rugido de um leão. O objetivo desta atividade é chegar ao conceito de grave e agudo. Levar garrafas de vários tamanhos, potes de lata, caixa de papelão todos de tamanhos variados. Seleciona 2 itens: garrafa grande, garrafa pequena, tocá-las uma de cada vez com um objeto que faça a garrafa produzir som, um lápis por exemplo. Comparando o som reproduzido é possível perceber que objetos pequenos produzem sons agudos e objetos grandes produzem sons graves. b. Timbre: Todas as atividades de identificação dos instrumentos musicais e objetos sonoros, assim como os sons da voz e do corpo, trabalham a percepção do timbre.  Imitando vozes: Escolha uma parlenda para fazer a exploração do timbre da voz humana.  Sua voz DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  17. 17. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva"  Voz de bebê  Voz de fantasma  Voz de bruxa  Voz de vovó  Passa bolinha: Ouvir a música Passa bolinha (Volume 2 BRINCADEIRINHAS MUSICAIS). Explorar os sons vocais, tentar identificar os sons produzidos na omissão da sílaba BÃO. Tentar reproduzir outros sons com a boca. DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio
  18. 18. EMEF "Profº Cleston Mello Paiva" ATIVIDADE 1 - Ao escutar essa música, você: a) ( ) Desliga imediatamente b) ( ) Ouve atentamente c) ( ) Compra o CD d) ( ) Deixa tocando como música de fundo 2 - Imagine alguém que gostaria dessa música e escreva seu nome ___________________________________________________ 3 - Imagine alguém que odiaria essa música e escreva seu nome. ___________________________________________________ 4 - O que você sente ao ouvir essa música? ___________________________________________________ 5 - O que você vê ou imagina se fechar os olhos ouvindo essa música? ___________________________________________________________ 6 - Se essa música fosse fundo musical de um comercial, que produto seria vendido? _______________________________________________________________ 7 - Em que tipo de lugar tocaria essa música? ___________________________________________________ 8 - Você gosta desse tipo de música? Por quê? ___________________________________________________ DIRETORA: Suely de Fátima Pedroso da Silva Paiva COORDENADORA PEDAGÓGICA: Izabel C. de Moura Sampaio

×