Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Arquivos de Inicialização do Linux

3,186 views

Published on

Material de apoio - Instalação e configuração de sistemas operacionais de redes Linux.

Arquivos de inicialização do Linux

Published in: Technology
  • Be the first to comment

Arquivos de Inicialização do Linux

  1. 1. Instalação e configuração de Sistemas Operacionais de Redes Arquivos de Inicialização Profª Ivani Nascimento
  2. 2. Apresentação• Quando o sistema Linux inicia, existe basicamente duas interações com o usuário: • GRUB: onde você escolhe qual sistema irá iniciar em sua máquina; ou seja, imagine que você tenha 2 Sistemas Operacionais. Quando ligar a máquina você terá que optar qual será carregado. • Getty: após o sistema ser iniciado, ele entrará no getty (terminal console), ou seja o login, onde o sistema irá esperar a autenticação de usuário.• Essas interações são configuradas em arquivos, como demonstra a figura a seguir.
  3. 3. ApresentaçãoArquivos responsáveis pela inicialização do sistema: GRUB /etc/inittab /etc/fstab Getty (login) /etc/issue Shell /etc/motd /etc/bashrc /etc/profile
  4. 4. /etc/issue• No arquivo issue está armazenado a mensagem de boas vindas ao sistema, ou outras informações que você pode editar para que os usuários vejam antes do login.• Exemplo:
  5. 5. /etc/issue• O issue também é um arquivo onde você pode colocar algumas informações em forma de variáveis para o getty interpretar: • d – data atual • n – hostname • s – nome do sistema instalado • r – versão do Kernel• Para colocar no arquivo basta acrescentar a (barra invertida) na frente de cada variável: # vi /etc/issue Máquina s - n - l - d
  6. 6. /etc/issue.net• Este arquivo possui o mesmo formato que o issue, aceitando inclusive, variáveis para que o getty interprete.• Sua função é a mesma que o issue, mas a mensagem de boas vindas será somente apresentada para acessos remotos.• Isso quer dizer que, a mensagem editada será vista assim que os usuários se conectarem via rede no seu sistema, ou seja, quando fizerem uma conexão ssh por exemplo.
  7. 7. /etc/motd• A sigla motd significa “message of the day” (mensagem do dia). Seu conteúdo é exibido após o login.• Em sistemas com muitos usuários, este arquivo é utilizado para mandar mensagens a todos os usuários, pois requer muito menos espaço em disco do que enviar e-mail para todos os usuários.• Diferente do issue, esse é um arquivo texto simples, onde só poderemos colocar mensagens textos; ou seja, ele não aceita variáveis.
  8. 8. /etc/inittab• Vimos que, quando a máquina é inicializada, existe primeiro o gerenciador de boot, que carrega o kernel na memória RAM e passa o controle do sistema para ele.• Logo após o kernel controlar a máquina, inicia-se a fase de iniciar os serviços necessários para a utilização do sistema.• O arquivo /etc/inittab, é o responsável por chamar os serviços que serão executados em um determinado nível, assim como, é também nesse arquivo que definimos em qual nível o sistema irá iniciar.• Existem 7 níveis no Linux, veja na tabela a seguir:
  9. 9. /etc/inittab Níveis de Inicialização do Linux (Debian) Nível Função 0 Desliga a máquina 1 Carrega o sistema no modo monousuário (root) 2 Modo multiusuário com suporte à rede, parte gráfica 3 Modo multiusuário com suporte à rede, parte gráfica 4 Modo multiusuário com suporte à rede, parte gráfica 5 Modo multiusuário com suporte à rede, parte gráfica 6 Reinicia o sistema
  10. 10. /etc/inittab• Agora que já conhecemos os níveis de inicialização que existem, vamos entrar no arquivo /etc/inittab e conhecer suas principais linhas! # vi /etc/inittab id:2:initdefault:• Na linha acima, configuramos em que nível o sistema irá iniciar. O padrão do Debian, é iniciar no nível 2. ca:123456:ctrlaltdel:/sbin/shutdown -t1 -a -r now• A linha acima, permite reiniciar o sistema teclando CTRL + ALT + DEL.
  11. 11. /etc/inittab• Por questões de segurança, não é interessante deixar essa linha de reboot habilitada. Então, vamos alterar o conteúdo dessa linha para: ca:123456:ctrlaltdel:/bin/echo “Voce teclou CTRl + Alt + DEL”• Dessa forma, toda vez que alguém teclar CTRL + ALT + DEL, irá aparecer a mensagem “Voce teclou CTRL+ALT+DEL”.
  12. 12. /etc/inittab• Neste arquivo também é especificado quantos terminais estão habilitados para o usuário realizar login no sistema.• Por questão de segurança, é recomendável que em servidores você deixe apenas acesso à um terminal.• Para essa configuração, basta deixar comentadas as linhas que darão acesso a outos terminais, ou seja, colocar “#” na frente da linha:• Exemplo: 1:2345:respawn:/sbin/getty 38400 tty1 #2:23:respawn:/sbin/getty 38400 tty2 #3:23:respawn:/sbin/getty 38400 tty3
  13. 13. /etc/inittab• No exemplo anterior, deixamos apenas o terminal 1 habilitado para o login, e, os terminais 2 e 3 não estão habilitados para o usuário efetuar o login.• Observação: O símbolo “#” nesse arquivo, é tratado como comentário, assim o inittab não irá ler a linha onde está esse símbolo.• Após efetuar as alterações, podemos salvar e sair do arquivo. Para que as alterações já sejam utilizadas, basta reiniciar o sistema ou utilizar o comando abaixo: # init q
  14. 14. /etc/fstab• É o arquivo que contém uma tabela de parâmetros para a montagem de dispositivos (disco rígido, cdrom, disquete, etc.).• Ao montar o dispositivo, com o comando mount, precisamos apenas fornecer o diretório onde o mesmo será montado.• Exemplo: /dev/cdrom /media/cdrom iso9660 user,noauto 0 0• Neste exemplo, apenas especificamos que montaremos o conteúdo do cdrom no diretório /media/cdrom; sendo que, as demais informações, o sistema irá pegar dentro do fstab.
  15. 15. /etc/fstab• É o arquivo que contém uma tabela de parâmetros para a montagem de dispositivos (disco rígido, cdrom, disquete, etc.), de forma, que, ao montar o dispositivo, com o comando mount, precisamos apenas fornecer o diretório onde o mesmo será montado.• Exemplo: /dev/cdrom /media/cdrom iso9660 user,noauto 0 0• Neste exemplo, apenas especificamos que montaremos o conteúdo do cdrom no diretório /media/cdrom; sendo que, as demais informações, o sistema irá pegar dentro do fstab.
  16. 16. /etc/fstab• A estrutura do arquivo obedece a seguinte ordem: /dev/cdrom /media/cdrom iso9660 user,noauto 0 0 1 2 3 4 5 6• Coluna 1 – Especifica o arquivo dispositivo da partição;• Coluna 2 – Ponto de Montagem; (Diretório)• Coluna 3 – Sistema de Arquivo; (ext3,vfat, reiserfs))• Coluna 4* – Opções de Montagem; (rw,ro,auto,user,exec)• Coluna 5 – Backup com o Dump. (0 – Sem Backup, 1 – Backup)• Coluna 7 – Checagem com o fsck. (0 – Não Checar, 1 – checar apenas o /, 2 – checar as demais partições).
  17. 17. /etc/fstabAbaixo algumas opções de montagem da Coluna 4 do arquivo /etc/fstab: • defaults – Usa as opões:rw,suid,exec,auto,nouser,async • rw – Monta em modo read, write (leitura,escrita) • ro – Monta em modo read-only (Somente leitura) • auto – Será montada automaticamente no boot. • noauto – Só poderá ser montado pelo comando mount. • user – Permite que qualquer usuário monte o dispositivo. • nouser – Apenas o root poderá montar. • exec – Permite execução de scripts. • noexec – Partição sem arquivos executáveis. • suid – Permite usar SUID e SGID na partição. • nosuid – Não permite usar as permissões especiais.
  18. 18. ReferênciasMORIMOTO, Carlos E.. Linux, guia prático. Porto Alegre: Sul Editores, 2009.FERREIRA, Rubem E.. Linux: guia do administrador do sistema. São Paulo: Novatec, 2008.MOTA FILHO, João Eriberto. Descobrindo o Linux: entenda o sistema operacional GNU/linux. São Paulo: Novatec, 2007.
  19. 19. ReferênciasRIBEIRO, Uirá, Certificação Linux, 1ª Ed, Rio de Janeiro, Axcel Books, 2004.Certificação Linux LPI- Nível 1 Exames 101 e 102. Vários, 1ª Ed, São Paulo, Alta Books.NORTON, Peter; GRIFFITH, Arthur. Guia Completo do Linux. Tradução Sérgio Facchim – Complete Guide to Linux. São Paulo, Berkeley, 2000.

×