Pesquisa Em EducaçãO

30,642 views

Published on

Published in: Education, Technology
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
30,642
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
221
Actions
Shares
0
Downloads
483
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Pesquisa Em EducaçãO

  1. 1. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas Ivanderson Pereira da Silva
  2. 2. Cenário... No âmbito do ensino de nível elementar e médio, tem-se usado e abusado do tema, de maneira a comprometê-lo, quem sabe, para sempre na compreensão dos estudantes. A professora pede para os alunos “pesquisarem” determinado assunto e o que eles fazem em geral, é consultar algumas ou apenas uma obra, do tipo enciclopédia, onde coletam as informações para a “pesquisa” (LUDKE, e ANDRE, 1986, p. 01).
  3. 3. O que é Pesquisa? Para se realizar uma pesquisa é preciso promove o confronto entre os dados, as evidências, as informações coletadas sobre determinado assunto e conhecimento teórico acumulado a respeito dele. Em geral, isso se faz a partir do estudo de um problema , que ao mesmo tempo desperta o interesse do pesquisador e limita sua atividade de pesquisa a uma determinada porção do saber, a qual ele se compromete a construir naquele momento [...] Em consonância com o autor, o professor pesquisador, não pode se distanciar do objeto de sua pesquisa. A pesquisa deve se situar bem dentro das atividades normais do profissional da educação, seja ele professor, administrador, orientador, supervisor, avaliador etc. (LUDKE e ANDRE, 1986, p. 02).
  4. 4. Como inicia a pesquisa em ciências sociais? Situado entre as ciências humanas e sociais, o estudo dos fenômenos educacionais não poderia deixar de sofrer as influências das evoluções ocorridas naquelas ciências. Por muito tempo elas procuraram seguir os modelos que serviram tão bem ao desenvolvimento das ciências físicas e naturais, na busca da construção do conhecimento científico do seu objeto de estudo (LUDKE e ANDRE, 1986 p. 03). Paradigma Positivista : Augusto Comte, que, no início do século passado, lançou as bases de uma sociologia positivista, para a qual o método de estudo dos fenômenos sociais deveria aproximar-se daquele utilizado pelas ciências físicas e naturais (p. 06) e Paradigma Interpretativo
  5. 5. O Papel do pesquisador O papel do pesquisador é justamente o de servir como veículo inteligente e ativo entre esse conhecimento acumulado na área e as novas evidências que serão estabelecidas a partir da pesquisa. É pelo seu trabalho como pesquisador que o conhecimento específico do assunto vai crescer, mas esse trabalho vem carregado e comprometido com todas as peculiaridades do pesquisador, inclusive e principalmente com as suas definições políticas. (LUDKE e ANDRE, 1986, p. 05)
  6. 6. O Papel do pesquisador O papel do pesquisador é justamente o de servir como veículo inteligente e ativo entre esse conhecimento acumulado na área e as novas evidências que serão estabelecidas a partir da pesquisa. É pelo seu trabalho como pesquisador que o conhecimento específico do assunto vai crescer, mas esse trabalho vem carregado e comprometido com todas as peculiaridades do pesquisador, inclusive e principalmente com as suas definições políticas. (LUDKE e ANDRE, 1986, p. 05)
  7. 7. Tipos de pesquisa Pesquisa do tipo levantamento (survey) – fotografia (LUDKE e ANDRE, 1986, p. 06) Pesquisa do tipo design (delineamento) experimental – relaciona variáveis (LUDKE e ANDRE, 1986, p. 07) Pesquisa participante Pesquisa-ação Pesquisa etnográfica Pesquisa estudo de caso Pesquisa de autoconfrontação
  8. 8. Técnicas de coleta de dados Questionários levantamento Entrevistas individuais história de vida Análise documental Testes psicológicos Videogravação Entrevistas em grupo Audiogravação Grupos Focais Observação participante Fotografias Observação direta Desenhos
  9. 9. Abordagens qualitativas de pesquisa: a pesquisa etnográfica e o estudo de caso
  10. 10. Pesquisa qualitativa A pesquisa qualitativa tem o ambiente natural como sua fonte direta de dados e o pesquisador como seu principal instrumento. Os dados coletados são predominantemente descritivos A preocupação com o processo é muito maior do que com produto. O “significado” que as pessoas dão às coisas e à sua vida são focos de atenção especial pelo pesquisador A análise dos dados tende a seguir um processo indutivo.
  11. 11. Pesquisa qualitativa A pesquisa qualitativa tem o ambiente natural como sua fonte direta de dados e o pesquisador como seu principal instrumento. Os dados coletados são predominantemente descritivos A preocupação com o processo é muito maior do que com produto. O “significado” que as pessoas dão às coisas e à sua vida são focos de atenção especial pelo pesquisador A análise dos dados tende a seguir um processo indutivo.
  12. 12. Abordagem etnográfica na pesquisa educacional Nasce entre antropólogos e sociólogos Por volta da década de 70 pesquisadores da área da educação começam a fazer uso dessas técnicas Etnografia é descrição d um sistema de significados culturais de um determinado grupo (SPRADLEY, 1979 apud LUDKE e ANDRE, 1986, p. 14) Um estudo pode ser chamado etnográfico, segundo Wolcott (1975) apud Ludke e Andre (1986, p. 14) se a pessoa que lê esse estudo consegue interpretar aquilo que ocorre no grupo estudado tão apropriadamente como se fosse um membro desse grupo.
  13. 13. Abordagem etnográfica na pesquisa educacional O problema é redescoberto no campo O pesquisador deve realizar a maior parte do trabalho de campo pessoalmente O trabalho de campo deve durar pelo menos um ano escolar O pesquisador deve ter tido uma experiência com outros povos de outras culturas A abordagem etnográfica combina vários métodos de coleta O relatório etnográfico apresenta uma grande quantidade de dados primários (FIRESTONE e DAWSON, 1981 apud LUDKE e ANDRE, 1986, p. 14)
  14. 14. Estudo de Caso na pesquisa educacional O caso é sempre bem delimitado, deve ter seus contornos claramente definidos no desenrolar do estudo. O caso pode ser similar a outros mas é ao mesmo tempo distinto, pois tem um interesse próprio, singular. Segundo Goode e Hatt(1968 apud Ludke e Andre (1986, p. 17), o caso se destaca por se contituir numa unidade dentro de um sistema mais amplo. O interesse, portanto, incide naquilo que ele tem de único, de particular, mesmo que posteriormente venham a ficar evidentes certas semelhanças com outros casos e situações. Quando queremos estudar algo singular, que tenha um valor em si mesmo, devemos escolher o estudo de caso. (p. 17)
  15. 15. Características dos Estudo de Caso Estudos de caso visam à descoberta Os estudos de caso, enfatizam a “interpretação em contexto” Os estudos de caso buscam retratar a realidade de forma completa e profunda. Os estudos de caso usam uma variedade de fontes de informação Os estudos de caso revelam experiência vicária e permitem generalizações qualitativas Estudos de caso procuram representar os diferentes e às vezes conflitantes pontos de vista presentes numa situação social Os relatos do estudo de caso utilizam uma linguagem e uma forma mais acessível do que os outros relatórios de pesquisa.
  16. 16. O desenvolvimento do estudo de caso Fase exploratória Delimitação do estudo Análise sistemática e a elaboração do relatório A prática de um estudo de caso
  17. 17. Baseado em...

×