Univasf biomas ciencia ambiental modelo dinamo

1,878 views

Published on

Published in: Science
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,878
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1,153
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Univasf biomas ciencia ambiental modelo dinamo

  1. 1. 1 (NOME DO COLEGIO) UNIVERSIDADE FEDERAL DO VALE DO SÃO FRANCISCO CAMPUS CIÊNCIAS ÁGRARIAS CURSO DE MEDICINA VETERINÁRIA ITALO ALAN BARBOSA BISPO (SEU NOME) CARACTERIZAÇÃO DOS SETES BIOMAS BRASILEIROS (TITULO DO TRABALHO) (LOCAL E ANO) PETROLINA 2013
  2. 2. 2 SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 04 2. BIOMAS 04 2.1. AMAZÔNIA 04 2.2. CERRADO 07 2.3. MATA ATLÂNTICA 09 2.4. CAATINGA 10 2.5. PAMPA 13 2.6 PANTANAL 14 2.7. BIOMA MARINHO 15 3. CONCLUSÃO 17 4. BIBLIOGRAFIA 18
  3. 3. 3 1. INTRODUÇÃO (Faça uma apresentação do trabalho, tipo um resumo) Coutinho (2005) apresenta um conceito de bioma essencialmente ecológico, considerando bioma como uma área de ambiente uniforme, pertencente a um zonobioma, o qual é definido de acordo com a zona climática em que se encontra, dentro deste conceito se deve também considerar outros fatores ambientais, como a altitude e solo, cabe ainda lembrar que os biomas brasileiros não correspondem aos Domínios Morfoclimáticos1 . Desse modo considera-se como Bioma uma área do espaço geográfico, representada por um tipo uniforme de ambiente, identificado e classificado de acordo com o macroclima, a fitofisionomia (formação), o solo, a altitude e a eventual recorrência de fogo natural. No Brasil existem seis biomas continentais e um bioma marinho. Figura 01 – Mapa Biomas Brasileiros. Fonte: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, 2013. (Depois de terminado a introdução seu relatório começa a partir daqui) 2. BIOMAS (Registro de observações) 2.1. AMAZÔNIA O IBGE (2013) apresenta o bioma amazônico com uma área aproximada de 4.196.943 km2, ocupando 49,29% da área total do território terrestre brasileiro ela abrange predominantemente os estados do Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Roraima e em parte os estados do Maranhão, Mato Grosso, Rondônia e Tocantins, mas ele abrange realmente quase 8 milhões de Km2 pois esse bioma está distribuído em nove países da América do Sul: Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana, Guiana-Francesa, Peru, Suriname e Venezuela. 1 Conceito criado por Aziz Ab’Sáber.
  4. 4. 4 Mendonça & Danni-Oliveira (2007) descrevem que com exceção de uma pequena parte da Amazônia Brasileira, em sua totalidade ela recebe precipitações anuais de 1.600 a 3.600 mm com uma temperatura média que varia entre 24 a 27ºC. O clima é considerado úmido e superúmido de dois a três meses secos, entre agosto e outubro com ocorrência de temperaturas entre 40 a 42ºC. O clima amazônico pode ser considerado um dos mais homogêneos que em geral é coberta por um mar de nuvens baixas. Ab’Saber (2003) descreve geograficamente o bioma como inserido numa depressão a partir de pequenas elevações dos tabuleiros, terraços e planícies. O maior bioma brasileiro abriga a maior floresta tropical do mundo, a Amazônia que é uma região de grandes relíquias da história da vida na Terra. Segundo a organização não governamental Greenpeace Brasil (2013) estão entre os rios, vales e florestas amazônicos mais de um quarto de todas as espécies animais e vegetais do planeta. Acredita-se que seja até 30 milhões de plantas diferentes e o maior conjunto de primatas, jacarés, sapos, insetos, lagartos, aves e peixes de água doce. Enquanto nos rios europeus nadam até 200 espécies de peixe, na Amazônia há mais de 2 500 e o maior peixe do mundo, o pirarucu é encontrado no Amazonas. O Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (IPAM, 2013) acredita que o bioma possa abrigar mais 2,5 milhão de espécies de insetos, 2.000 aves, 1.700 mamíferos, mas que somente parte destes foram catalogados. Há pelo menos seis espécies de felinos endêmicos como a onça pintada (jaguar), preta (jaguanun), vermelha (puma) e jaguatirica (gato maracajá), existem tatus, tamanduás, gambás, preguiça, coral, surucucu, sucuri, jibóia, jacaré Açu, anta é o maior animal da Amazônia entre outros animais Ab’Sáber (2004) apresenta que tanta diversidade está ligada ao passado da floresta. Nos últimos milênios, as glaciações forçaram as florestas a passar por grandes períodos de seca. No momento que isso acontecia, as regiões de floresta diminuíam, permanecendo isoladas umas das outras. O isolamento propiciou o aparecimento de novas espécies, e a maior parte delas prosseguiu existindo mesmo após as matas se unificaram. Outro fator que colabora para a diversidade são os diversos tipos de relevo amazônico. Conforme Ab’Sáber (Op. Citi.) basicamente existem três principais relevos da região:  A famosa mata de igapós que são as áreas ao longo dos rios que estão sempre alagadas, abrigo de plantas de pequeno porte, como a vitória-régia e outras ninfeáceas.
  5. 5. 5  Nas várzeas, áreas propensas a inundações periódicas, a vegetação tem porte médio.  Já as grandes árvores estão na terra firme, também chamada de caaetês, onde algumas espécies, como a da castanha do Pará, chegam a 60 metros de altura. Os rios que cortam a região formam a bacia hidrográfica do Amazonas, descrita pela Agência Nacional de Aguas (2013) como a maior do mundo, onde percorre cerca de 60% da água doce do Brasil. Esses rios são originados pela água que desce da cordilheira dos Andes, do planalto das Guianas e do planalto central. O rio central, o Amazonas, percorre, dos Andes até o oceano Atlântico, 7.000 km. Trata-se do rio mais extenso e com maior volume de água do mundo (cerca de 200.000 metros cúbicos por segundo). Como a região é formada por grandes planícies sedimentares segundo Ab’Saber (2004), são rios navegáveis - os barcos são um importante meio de transporte na região. A bacia amazônica forma uma rede de estradas fluviais com mais de 25.000 km. No caminho até o oceano, o Amazonas arrasta sedimentos (restos de plantas e animais, além de rochas que passaram por intemperismo). Os sedimentos podem ser vistos a mais de 200 quilômetros dentro do oceano Atlântico. Conforme dados do IBGE (2013) vivem nessa região 25 milhões de brasileiros. Pelo menos 400.000 deles são índios, de quase 200 etnias. Cerca de 1% - aproximadamente 70 tribos - ainda está isolado, ou seja, sem contato com o branco. Pouco mais de 25% dos índios da Amazônia já vivem nas cidades. Em Manaus, há cerca de 20.000 deles - uma população maior que a de muitas aldeias da região. Ab’Saber (2004) explica que a Amazônia vem sendo ocupada, sobretudo, depois da década de 1970, quando o regime militar brasileiro abriu estradas, ferrovias, implantou mineradoras e incentivou a migração para os estados amazônicos, a preocupação com a soberania brasileira no território da floresta era maior que as questões ambientais, a consequência é que 17% da vegetação amazônica já foi desmatada. As regiões mais propensas à exploração humana são as bordas da floresta - Rondônia, o norte de Mato Grosso, sul do Pará e norte do Maranhão formam o que o Instituto de IPAM (2013) chama de Arco do Desmatamento, onde a nessas regiões, a floresta dá lugar principalmente à áreas de cultivo e pastoreio. Outras regiões atingidas pelo desmatamento são aquelas próximas às redes de transporte - os rios e as estradas. Apesar da redução do ritmo de desmatamento ele ainda é preocupante, além da preocupação da retirada de madeira, ainda existem os focos de incêndio.
  6. 6. 6 Dentre os conflitos mais recentes na região está a geração de energia elétrica, a construção das usinas de Santo Antônio, Jirau e Belo Monte, essa ultima alcançou notoriedade mundial pelo fato do espelho d’água alcançar reservas florestais e indígenas. Como a Amazônia é uma região de grandes planícies, as barragens costumam alagar áreas imensas. A construção da Usina Hidrelétrica de Balbina, por exemplo, inundou 2600 quilômetros quadrados de florestas nativas - o dobro da área alagada por Itaipu e mais de sete vezes a área da cidade de Belo Horizonte. As árvores, em vez de ser aproveitadas como madeira, estão até hoje apodrecendo embaixo d’água, o que fez de Balbina uma fonte gigantesca de gases do efeito estufa. O mesmo ocorreu com a Usina de Tucuruí, inaugurada em 1984, que devastou mais da metade dos Animais e da floresta dos municípios ao seu redor. 2.2. CERRADO O IBGE (2013) informa que o bioma Cerrado ocupa mais de 2 milhões de quilômetros quadrados, cerca de 24,1% do território brasileiro, é o segundo maior bioma brasileiro abrangendo 12 estados. Detém cerca de um terço da biodiversidade brasileira. Predominam mais arbustos e ervas que árvores, mas há também matas secas, as chamadas florestas deciduais – aroeiras, perobas, ipês, cerejeiras, cedros –, que perdem quase todas as folhas no inverno, uma estratégia para guardar energia e enfrentar a estiagem e o frio. A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (EMBRAPA) comenta que já foram identificadas mais de 12 mil plantas e que os pesquisadores estimam que possam existir pelo menos 20 mil, das quais 4 mil são endêmicas. Na última década, só de flores, foram identificadas 966 novas espécies. Brasília, com menos de 6 mil quilômetros quadrados, tem mais orquídeas conhecidas que toda a Amazônia. Segundo o I Relatório Nacional para a Convenção sobre Diversidade Biológica publicado pelo Ministério do Meio Ambiente (2013), o Cerrado brasileiro guarda pelo menos um terço dos 15% a 20% dessa diversidade no planeta. Em certos pontos, chega-se a encontrar até 28 espécies por metro quadrado. O desmatamento do Cerrado avança à razão de 22 mil quilômetros quadrados (1,1% do ecossistema) por ano. Como já são mais de 800 mil quilômetros quadrados desmatados, a perda da biodiversidade é acentuada. Há indícios disso no desaparecimento progressivo de polinizadores, como abelhas e morcegos, Em Tocantins, no Jalapão vivem 440 espécies de vertebrados, e recentemente foram descobertos mais 11 tuiuiús.
  7. 7. 7 Parque Nacional das Emas é o cenário de uma das maiores tristezas do Cerrado. Praticamente todo o entorno dessa unidade de conservação foi drenado para secar e permitir a plantação de soja. Isso afeta os rios que correm para dentro do parque e a vegetação que alimenta a fauna (emas costumam pastar nas plantações para comer restos de soja). Os agrotóxicos pulverizados por avião são levados pelos ventos reserva adentro, e as queimadas se estendem pela vegetação que deveria ser preservada. O lobo-guará, símbolo do Cerrado, um ser em geral solitário, tem de aproximar-se dos humanos em busca de comida Na mesma região, outro drama: as imensas voçorocas das nascentes do rio Araguaia. Já são quase 100, cada uma com quilômetros de extensão e dezenas de metros de profundidade. Elas aumentam anualmente, despejando sedimentos que o rio carreia. Segundo a Embrapa Monitoramento por Satélites, menos de 5% da área total do ambiente apresenta fragmentos com mais de 2 mil hectares contínuos, capazes de sobreviver – em trechos menores as cadeias genéticas, reprodutivas, alimentares não conseguem se manter. E em boa parte dos fragmentos menores há ocupação progressiva em “pastagens naturais”. Para piorar, o recente avanço da cana-de-açúcar no Cerrado está causando forte desmatamento nos dois Mato Grosso, além de Goiás, Tocantins, Piauí e oeste da Bahia, quando a expansão poderia perfeitamente acontecer em áreas de pastagens, onde o índice de degradação está em torno de 70% do total. A produção de carvão para siderúrgicas é outro sério problema. De acordo com o Ministério do Meio Ambiente, de 750 milhões de toneladas anuais de emissão de gases no país como resultado de desmatamento e queimadas, a Amazônia responde por 59%. E isso quer dizer que 41% ocorrem fora de lá, principalmente no Cerrado. Nos cenários que traçou para o Brasil, o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais já prevê para o centro-oeste um aumento de temperatura entre 4 e 6 graus Celsius ao longo deste século. A perda também será relevante na área dos recursos hídricos, já que nas áreas desmatadas é bem menor a retenção de água. O Ministério do Meio Ambiente tem indicações de que está se reduzindo o volume de água retido no subsolo. Com isso, poderão ser afetadas inclusive as bacias em outros biomas que recebem água do Cerrado. Contribui para o descaso com esse bioma o fato de ele não haver sido incluído entre os que a Constituição de 1988, no artigo 225, parágrafo 4o, considera patrimônio nacional, como a floresta Amazônica, a mata Atlântica, a serra do Mar e o Pantanal Mato-Grossense. Há quase 14 anos está empacada no Congresso Nacional uma proposta de emenda constitucional que retiraria do Cerrado, da Caatinga e do Pampa essa condição de “primos pobres” entre os ecossistemas brasileiros e os incluiria no artigo 225. Contudo, a bancada ruralista, com outros
  8. 8. 8 apoios, não permite que seja aprovada, pois considera o Cerrado o lugar ideal para a expansão da agropecuária. Falta ao país, na verdade, uma estratégia que privilegie recursos e serviços naturais no centro de todo o planejamento nacional. Porque, como têm afirmado os relatórios do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, esses recursos e serviços são hoje fator escasso no mundo, já que estamos consumindo cerca de 25% mais do que a biosfera terrestre pode repor. O Brasil é dono de posição privilegiada, que o coloca como uma espécie de sonho de futuro: tem território continental, Sol o ano todo, 12% de toda a água doce superficial do planeta, de 15% a 20% da diversidade biológica global. Além disso, pode dispor de uma matriz energética renovável e limpa, com hidroeletricidade, energia solar, eólica (seu potencial é o dobro do consumo total de energia no país hoje), de marés e de biocombustíveis (álcool, mamona, dendê, pinhão-manso, soja). 2.3. MATA ATLÂNTICA O Almanaque Brasil Socioambiental (2007) afirma que o bioma da Mata Atlântica possuía 1,3 milhão de quilômetros quadrados de floresta, o equivalente a 15% do atual território brasileiro, numa faixa que atravessava o país desde o extremo do nordeste brasileiro até o extremo sul do país, era a segunda maior floresta do país. As paisagens se alternavam de contínua: manguezais intactos, árvores enormes enfeitadas com bromélias e orquídeas, vegetação baixa no topo das serras, araucárias nas regiões mais frias. Diversos ciclos econômicos se sucederam - a exploração do pau-brasil, as monoculturas da cana-de-açúcar e do café - e ao estabelecimento de polos industriais. Hoje, restam pouco mais de 7% de Mata Atlântica em fragmentos esparsos de floresta, ainda ameaçados pela caça ilegal, pela exploração predatória de palmito e de madeira e pela especulação imobiliária. A organização não governamental Conservation International Brasil (2013) diz que apesar de bastante degradada, a Mata Atlântica continua sendo uma das regiões mais ricas em biodiversidade do planeta, chamando-a de um hotspot2 , reduzida a 25% ou menos da sua cobertura original. A SOS Mata Atlântica (2013) comenta que como a floresta está fragmentada, as remanescentes de mata não têm ligação umas com as outras, assim, as espécies animais e 2 Área com considerável riqueza biológica.
  9. 9. 9 mesmo as vegetais passam a se reproduzir entre elas mesmas, diminuindo progressivamente a diversidade de genes. Foram traçadas então estratégias para a criação de "corredores de biodiversidade", também chamados de "corredores ecológicos". São conexões, entre um fragmento e outro de floresta, formadas por uma rede de unidades de conservação, reservas, superfícies menos degradadas e parques. Conforme o Almanaque Brasil Socioeconômico (2007) a preocupação desse bioma se justifica, principalmente, porque a Mata Atlântica apresenta altos índices de endemismo, e que segundo dados da Conservation Brasil (2013), entre as 20 000 espécies de plantas que lá existem, 8 000 são endêmicas. Somando mamíferos, aves, répteis e anfíbios são 389 espécies endêmicas, num total de 1 807. Ab’Saber (2003) diz que a explicação para o alto índice de endemismo está relacionado a época dos períodos glaciais que atingiram a Terra. A cada vez que as geleiras avançavam, a floresta se retraía, parte do território virava deserto e apenas algumas manchas de mata permaneciam preservadas, nos períodos quentes e úmidos, a floresta voltava a se expandir, já um pouco diferente do que era anteriormente, porque muitas espécies animais e vegetais não sobreviviam ao impacto das mudanças climáticas. Nos resquícios de floresta que restavam, a fauna e a flora evoluíam separadamente e as espécies que habitavam tais locais iam se diferenciando geneticamente de suas irmãs, por isso, existem bichos e plantas que só aparecem em pontos determinados da Mata Atlântica como o mico-leão-dourado, que você encontra apenas em regiões do Rio de Janeiro. São 208 espécies animais sob risco de extinção no Brasil, 171 vivem na Mata Atlântica, esse bioma sofre amplamente do tráfico ilegal de animais silvestres e de plantas ornamentais que também vem contribuindo para aumentar a lista dos ameaçados de extinção. Para tentar coibir essas atitudes e frear o processo de extinção criou-se a lei Nº 11.428 de 2006 de crimes ambientais do Brasil, que diz que a coleta de alguma natureza vegetal ou animal é proibida em toda a Mata Atlântica. É importante salientar que um dos ecossistemas agregados à Mata Atlântica são os manguezais, as áreas de mangues ocupam o trecho intermediário entre o mar e a serra. 2.4. CAATINGA O IBGE (2013) descreve o bioma da caatinga distribuído em aproximadamente 844 mil Km2. Ao contrario dos outros biomas a caatinga não apresenta uma homogeneidade,
  10. 10. 10 sendo encontrados 12 tipos diferentes de “caatingas” e ambientes associados. Mendonça e Danni-Oliveira (2007) descrevem que cidades na região do bioma da caatinga apresentam variação térmica anual caracterizando um período mais quente, que coincide com a primavera (média acima de 28ºC), e um menos quente (média de cerca de 25ºC em junho). As chuvas marcam dois períodos distintos: invernos e primavera. As chuvas que são escassas e irregulares possuem características de torrencialidade, isto é, grandes quantidades concentradas em pouco tempo, provocando desequilíbrios ambientais. O rio São Francisco, é considerado como o mais importante sistema de drenagem perene inserido num vasto território seco, ele é importante tanto pela extensão, quanto pelo volume de água, constituindo-se num alto potencial energético e de irrigação, sendo de suma importância para o desenvolvimento da fruticultura irrigada. Assim Ab’Saber (1999) confirma ao falar que os atributos que dão similitude às regiões semiáridas são sempre de origem climática, hídrica e fitogeográfica: baixos níveis de umidade, escassez de chuvas anuais, irregularidade no ritmo das precipitações ao longo dos anos; prolongados períodos de carência hídrica; solos problemáticos tanto do ponto de vista físico quanto do geoquímico (solos parcialmente salinos, solos carbonáticos). As condições de semiaridez do Nordeste brasileiro remetem aos fins do Terciário e inicio do Quaternário, quando alterações severas, de origem planetária, provocaram alterações de grande magnitude, criando vastos aplainamentos, que deram origens às depressões interplanálticas semiáridas do nordeste. Ao longo desse período aconteceram enormes erupções vulcânicas no oeste da África, devido a isso, as lavas chegavam a atingir parte da América do Sul. Durante esse momento, o clima começa a sofrer mudanças, aumentado gradativamente as temperaturas associadas a separação dos continentes, bem como a origem do Atlântico Sul e as intensas atividades vulcânicas. Esse aumento de temperatura implicou na escassez de água devida altos níveis de evaporação, e por conseqü.ncia alterou toda a dinâmica da natureza da região. A zona do bioma da caatinga é uma região semiárida brasileira que se estende por depressões interplanáticas, situadas entre maciços antigos e chapadas eventuais, esculpidas em xistos e gnaisses, com baixo nível de decomposição química de rochas. Op. Citi (1999) explica ainda que o solo possui revestimento baixo de vegetação – arbustivo-arbórea e muito raramente, arbórea, possuindo folhas miúdas e hastes espinhentas, adaptadas para conter os efeitos de evapotranspiração muito intensa. Vegetação quase completamente caducifólia – cinza nos períodos secos e exuberantemente verde nos períodos
  11. 11. 11 de chuva – também existem espécies xerófitas, representado por diversas espécies cactáceas como mandacaru, xique-xique, e coroas-de-frades. A flora semiárida é constituída por espécies dotadas de longa história de adaptação ao calor e a secura. Conforme o Almanaque Brasil Socioambiental (2007) Há desde florestas altas e secas com árvores de até 20 metros de altura, a chamada caatinga arbórea, até afloramentos de rochas com arbustos baixos esparsos, com cactos e bromélias saindo das fendas do solo. A EBRAPA Semiárido (2013) afirma que no bioma já foram catalogado mais de 932 espécies de plantas, sendo 318 endêmicas. A adaptação ao clima semiárido resultou em plantas tortuosas, de folhas pequenas e finas ou até reduzidas a espinhos, com cascas grossas e sistema de raízes e órgãos específicos para o armazenamento de água É importante destacar a dificuldade de retorno da vegetação original quando se há alguma alteração ambiental no local - áreas de terra usadas para a construção de estradas comprovam a rapidez de alastramento do xerofitismo e a fragilidade desse bioma. O Almanaque Brasil Socioambiental (2007) descreve que mesmo em meio a tanta adversidade climática – muito diferente do que as pessoas pensam - a caatinga possui rica biodiversidade vegetal e animal, que não é de toda conhecida, onde sobram cactos e uma infinidade de espécies endêmicas e assim como o cerrado, não foi considerado Patrimônio Natural do País na constituição de 1988. Atualmente, as unidades de conservação (UCs) correspondem a apenas 2% da área total do bioma, é o que relata o Ministério do Meio Ambiente, mas é de comum entendimento que o ideal é a ampliação para 10% da área total protegida no prazo de 10 anos. Dentre as áreas de extrema importância biológica estão o Raso da Catarina (BA), a Chapada do Araripe (PI) o qual foi sugerida conexão com o Parque Nacional da Serra das Confusões (PI). Em 2006 foi criado pelo Ministério do Meio Ambiente o Corredor Ecológico da Caatinga, uma área com aproximadamente 5,9 milhões de hectares que deve ligar oito UCs, compreendendo 40 municípios de Pernambuco, Alagoas, Sergipe Bahia e Piaui. Em Abril de 2007, foi lançada a Aliança pela Caatinga, projeto que tem como meta duplicar 35 Reservas Particulares do Patrimônio Natural (RPPNs) do bioma. Nesse bioma as aves são o grupo mais conhecido do bioma brasileiro. A EMBRAPA Semiárido descreve que são mais de 510 espécies de aves, dentre os mais conhecidos são: o acauã, gavião predador de serpentes, associado a superstições do nordestino; a ararinha-azul, considerada extinta na natureza vitima do tráfico de animais silvestres e hoje encontrada
  12. 12. 12 somente me cativeiros; a arribaçã, também conhecida como avoante, é uma pomba da mesma família da asa-branca; galo-da-campina, também conhecido como cardeal-do-nordeste. Apesar do predomínio de rios temporários e do crescente desmatamento de matas ciliares e da contaminação por esgotos e agrotóxicos, foi identificada na Caatinga, uma grande diversidade de peixes, são aproximadamente 240 espécies, 57% endêmicas. As serpentes, os lagartos e os anfisbenídios, as chamadas cobras-cegas, estão entre os grupos mais numerosos das espécies de répteis e anfíbios, aproximadamente 154 no total, é o que afirma o Almanaque Brasil Socioambiental (2007), ele descreve ainda que descobertas recentes indicam que 37% dos lagartos e anfisbenideos da caatinga são endêmicos das dunas do Médio São Francisco. Ainda conforme Op. Citi. (2007) Até o fim dos anos 80, o número de mamíferos existentes na região era subestimado em 80, e as espécies endêmicas em três, após revisões desses levantamentos se aponta a existência de 144 mamíferos na região, dos quais 64 são espécies de morcegos e 34 roedores e cerca de dez mamíferos endêmicos e todos eles ameaçados de extinção, dentre eles estão cinco felinos o tatu-bola e o roedor mocó, esses animais eram espécies de caça de subsistência praticada pelo sertanejo para acabar com a fome. 2.5. PAMPA O Pampa gaúcho ou como também pode ser chamado de Campos do Sul ou Campos Sulinos ou Campanha Gaúcha ou ainda de Pradarias, segundo Ab’Saber (2003) é um bioma de natureza extratropical pelo fato de seu clima ser mais frio do que o restante do país, basicamente caracterizado geograficamente em planícies suavemente onduladas, com colinas esparsas cobertas por uma vegetação composta por gramíneas e plantas rasteiras, ele também é constituído por araucária, a vegetação é relativamente descontinua, com pinhais altos e esguios. É no pampa onde se encontra uma vegetação única, uma vegetação espinhosa e seca identificada como parque de espinilho. O Pampa ocupa áreas na Argentina, Uruguais e no Brasil está presenta no sul do país, com aproximadamente 700 mil Km2. Áreas preservadas por lei, como o Parque Nacional do Iguaçu, conjunto da Serra do Mar paranaense e o Parque Estadual do Espinilho pelo Decreto nº 41.440 de 2002. A fauna possui várias espécies de animais, sendo o quero-quero e o joão-de-barro figuras típicas da paisagem, se encontra ainda nesse bioma os marrecos e marrecões e emas.
  13. 13. 13 O Ministério do Meio Ambiente (2013) comenta que há registros de espécies em extinsão, como tatus, tamanduás, lobos-guará, graxains-do-campo e zorrilhos Ab’Saber explica que o maior problema ambiental sofrido pelo Pampa é o processo de arenização dos solos provocado pela pratica da pecuária e agricultura extensiva. Nesses locais a cobertura vegetal foi retirada para o plantio de novas espécies de vegetais, sobretudo de culturas comerciais ou para a criação de gado, expondo o solo arenoso à ação das águas das chuvas e dos ventos. As chuvas abundantes, que caem durante todo o ano aceleram o processo erosivo, criando voçorocas. Os ventos colaboram na formação de dunas e para o alastramento das manchas de areia. 6 PANTANAL O Almanaque Brasil Socioambiental (2013) descreve o Pantanal numa área de aproximadamente 210 mil Km2 do território brasileiro divididos entre os estados de Mato Grosso e Mato Grosso do Sul, ela está inserida na lista da Organização da Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) como Patrimônio Natural da Humanidade e também na Constituição Brasileira como Patrimônio Nacional. A paisagem do Pantanal apresenta vegetação bastante diversificada, composta de florestas, cerrados e até espécies típicas da Caatinga. Esse bioma é conhecido como “ecorregião” onde encontram-se o Cerrado (leste, norte e sul); o Chaco (sudoeste); a Amazônia (norte); a Mata Atlântica (sul) e o Bosque Seco Chiquitano (noroeste). A convergência e presença de distintos biomas, somadas ao variável regime de cheia e seca, conferem particular diversidade e variabilidade de espécies, é o que explica Ab’Saber (2003). Segundo o Almanaque Brasil Socioambiental a taxa de endemismo é relativamente baixa, porém as características múltiplas possibilitam a interação de material genético de animais e plantas. Por ser compreendido como um ponto de ligação entre as duas maiores bacias da América do Sul (Prata e Amazônica), o Pantanal funciona como corredor biogeográfico, promovendo a dispersão de fauna e flora. Uma das características marcantes do Pantanal é seu regime de cheias e secas, determinado pela condição de extensa planície e sua relação com a parte alta da bacia (planalto). Ab’Saber (2003) descreve que na planície, a declividade é muito modesta, de
  14. 14. 14 aproximadamente 1 a 2 centímetros por quilômetro, durante o período das chuvas a região recebe as águas da parte alta, que são retidas, espelham-se e escoam lentamente. Existe uma entrelaçada combinação das contribuições de diferentes regiões, cujas lagoas e baías funcionam como reguladores de vazão, acumulam água e amortecem a elevação do nível durante o crescimento e cedem água durante a recessão. A lenta drenagem promove o fenômeno que é a cheia sem chuva ou cheia sem seca: as águas que entram há meses na planície nas partes mais altas, por fim chegam em grande volume na parte mais ao sul, provocando a crescida das águas sem que tenha ocorrido chuvas. Na época da seca, formam-se então lagoas e corixos isolados, os quais retêm grande quantidade de peixes e plantas aquáticas. Lentamente esses corpos d’água vão secando, o que atrai aves e outros animais em busca de alimentos promovendo espetacular concentração de fauna. Coincide, em algumas regiões, com a florada de várias espécies, provocando cenários de raríssima beleza. Vale lembrar que o Pantanal é uma das áreas mais importantes para as aves aquáticas e espécies migratórias, como abrigo, fonte de alimentação e reprodução. Na região existem espécies animais ameaçadas de extinção, como a onça-pintada, o tatu-canastra, o tamanduá-bandeira, o tamanduá-mirim, a anta e a ariranha. 2.7. BIOMA MARINHO O Panorama da Conservação dos Ecossistemas Costeiros e Marinhos no Brasil (2010) produzido pelo Ministério do Meio Ambiente apresenta a Zona Costeira e Marinha se estende da foz do rio Oiapoque (04º52’45’’N) à foz do rio Chuí (33º45’10”S) e dos limites dos municípios da faixa costeira, a oeste, até as 200 milhas náuticas, incluindo as áreas em torno do Atol das Rocas, dos arquipélagos de Fernando de Noronha e de São Pedro e São Paulo e das ilhas de Trindade e Martin Vaz, situadas além do citado limite marítimo. (IBGE, 2013) Os cerca de 10.800 quilômetros de costa atlântica colocam o Brasil entre os países com maiores áreas litorâneas do mundo. Essa abrangência latitudinal, com ampla variedade climática e geomorfológica, é um dos fatores principais a explicar a diversidade de espécies e de ecossistemas existentes ao longo do litoral brasileiro.
  15. 15. 15 Figura 02 – Abrangência do bioma Marinho Fonte: Panorama da conservação dos ecossistemas costeiros e marinhos no Brasil. A Zona Costeira constitui, a rigor, uma região de transição ecológica, desempenhando importante papel no desenvolvimento e reprodução de várias espécies e nas trocas genéticas que ocorrem entre os ecossistemas terrestres e marinhos. As características tropicais e subtropicais dominantes ao longo de toda a costa do país, as condições oceanográficas e climatológicas próprias da região conferem traços distintivos à sua biodiversidade. A área marinha adjacente à costa é constituída por águas quentes, nas costas nordeste e norte, e por águas frias, no litoral sul e sudeste, dando suporte a uma grande variedade de ecossistemas que incluem dunas, praias, banhados e áreas alagadas, estuários, restingas, manguezais, costões rochosos, lagunas e marismas, os quais abrigam inúmeras espécies de flora e fauna, muitas das quais endêmicas e várias ameaçadas de extinção (Ministério do Meio Ambiente, 2013). A biodiversidade marinha presente na costa brasileira é ainda relativamente pouco conhecida. No caso de invertebrados bentônicos, foram registradas pouco mais de 1.300 espécies na costa sudeste do Brasil, com elevado grau de endemismo; porém, muitas regiões e ambientes ainda precisam ser adequadamente inventariadas. No caso dos grupos mais bem conhecidos, os peixes somam estimativas entre 750 e 1209 espécies (a última se consideradas as espécies estuarinas), cuja diversidade é relativamente uniforme ao longo da costa e
  16. 16. 16 apresenta baixo grau de endemismo. (PANORAMA DA CONSERVAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS COSTEIROSE MARINHOS NO BRASIL - PCECMB, 2010). Figura 03 – Mapa da zona de preservação do bioma marinho Fonte: Panorama da conservação dos ecossistemas costeiros e marinhos no Brasil. O litoral brasileiro abriga, ainda, cerca de 54 espécies de mamíferos. Há registros de 53 espécies de cetáceos e uma de sirênio, além deles possuímos mais duas espécies de penípedes residentes e algumas outras espécies de penípedes que ocasionalmente ocorrem em águas brasileiras, quatro das quais inspiram preocupação quanto à sua conservação: a baleia- franca; a jubarte; a franciscana ou toninha e o boto cinza. (Ministério do Meio Ambiente, 2013) Das quatro espécies da ordem Sirenia existentes no mundo, duas ocorrem no Brasil e uma delas é marinha – o peixe-boi-marinho o mamífero aquático mais ameaçado do Brasil, com populações residuais não contínuas, habitando de Alagoas ao Amapá, que totalizam no máximo algumas centenas de indivíduos. Para os pinípedes, são conhecidas sete espécies em águas brasileiras, das quais apenas duas são relativamente comuns: leão-marinho e o lobo marinho-do- sul. A presença de um elefante-marinho-do-sul foi constatada no arquipélago de Fernando de Noronha, ponto considerado como limite norte de ocorrência dos pinípedes no país (PCECMB, 2010). Em relação à diversidade de aves, segundo Op. Citi. (2010), foram registradas mais de
  17. 17. 17 100 espécies associadas aos sistemas costeiros e marinhos brasileiros. Dessas espécies, algumas são residentes, outras são migrantes oriundas dos hemisférios norte e de outras de regiões mais ao sul. Ainda sobre a diversidade de espécies nos ecossistemas, o Brasil possui os únicos recifes coralíneos do Atlântico Sul. Das mais de 350 espécies de corais recifais existentes no mundo, pelo menos 20 espécies (de corais verdadeiros e hidrocorais) foram registrados para o Brasil, sendo que oito são endêmicas, ou seja, encontram-se apenas nos mares brasileiros. Uma outra espécie ocorre apenas no Brasil e ao largo da África. Os manguezais abrigam uma grande diversidade de plantas, artrópodos, moluscos, peixes, aves, totalizando minimamente 776 espécies relacionadas. As angiospermas do mangue do litoral brasileiro pertencem a três gêneros, contando com um total de 6 espécies. 3. CONCLUSÃO (Aqui você finaliza o trabalho, pode dar sua opinião, comentar o que não gostou, o que gostou, o que achou mais interessante, qual a importância do passeio, etc.)
  18. 18. 18 REFERENCIAS (Coloque de onde você obteve informações para o trabalho, como por exemplo o site do cemafauna) AB’SÁBER, A. N. Sertões e sertanejos: uma geografia humana sofrida. Estudos Avançados, São Paulo, v. 13, n. 36, p. 7-59, 1999. [Publicado originalmente, com pequena alteração, como Os sertões: a originalidade da terra. Ciência Hoje, Rio de Janeiro, v. 3, n. 18, 1985.] ___,___. Os Domínios de Natureza do Brasil: Potencialidades Paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003. ___,___. A Amazonia: Do Discurso à Praxis. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2004. AGÊNCIA NACIONA DE ÁGUAS – ANA <http://www2.ana.gov.br/> Acessado em: 15/01/2013 ALMANAQUE BRASIL SOCIOAMBIENTAL. São Paulo: Instituto Socioambiental –ISA, 2007. CONSERVAÇAO INTERNACIONAL BRASIL <http://www.conservation.org.br/> COUTINHO, Leopoldo Magno. Universidade de São Paulo, Instituto de Biociências, Revista do Departamento de Ecologia, São Paulo, SP: 2005 EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUARIA DO CERRADO. <http://www.cpac.embrapa.br/> Acessado em: 16/01/2013 EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUARIA DO SEMIARIDO. <http://www.cpatsa.embrapa.br/> GREENPEACE. <http://www.greenpeace.org/brasil/pt/> Acessado em: 13/01/2013 INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATISTICA. Mapa de Biomas do Brasil. Sem escala. <http://www.ibge.gov.br> Acessado em: 15/01/2013 INSTITUTO DE PESQUISA AMBIENTAL DA AMAZONIA. <http://www.ipam.org.br/o- ipam> Acessado em: 16/01/2013 INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) <www.inpe.br/> Acessado em: 17/01/2013 LEI Nº 11.428, DE 22 DE DEZEMBRO DE 2006. Das Definições, Objetivos e Princípios Do regime Jurídico Do Bioma Mata Atlântica http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004- 2006/2006/lei/l11428.htm Acessado em: 18/01/2013 MENDONÇA, Francisco; DANNI-OLIVEIRA, Inês Moresco. Climatologia: noções básicas e climas do Brasil. São Paulo: Oficina de Textos, 2007. MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE <www.mma.gov.br/> Acessado em: 17/01/2013
  19. 19. 19 PANORAMA DA CONSERVAÇÃO DOS ECOSSISTEMAS COSTEIROS E MARINHOS NO BRASIL. Secretaria de Biodiversidade e Florestas/Gerência de Biodiversidade Aquática e Recursos Pesqueiros. – Brasília: MMA/SBF/GBA, 2010. SOS MATA ATLANTICA <http://www.sosma.org.br/> Acessado em: 18/01/2013

×