Successfully reported this slideshow.

A noção de iconologia de Erwin Panofsky

7

Share

1 of 29
1 of 29

A noção de iconologia de Erwin Panofsky

7

Share

Download to read offline

Objetivo:
Conhecer um dos distintos métodos de estudo de que se pode servir para a análise das obras de arte.
Conteúdos: 1. Definição. 2. Antecedentes. 3. Autores. 4. Críticas. 5. Influências e características

Objetivo:
Conhecer um dos distintos métodos de estudo de que se pode servir para a análise das obras de arte.
Conteúdos: 1. Definição. 2. Antecedentes. 3. Autores. 4. Críticas. 5. Influências e características

More Related Content

Related Books

Free with a 14 day trial from Scribd

See all

Related Audiobooks

Free with a 14 day trial from Scribd

See all

A noção de iconologia de Erwin Panofsky

  1. 1. Profa. Dra. Catarina Argolo
  2. 2. Objetivo: Conhecer um dos distintos métodos de estudo de que se pode servir para a análise das obras de arte. Conteúdo: 1. Definição 2. Antecedentes 3. Autores 4. Críticas 5. Influências e características 2 Profa. Dra. Catarina Argolo
  3. 3. Do lat. METHODUS, “maneira de ir ou de ensinar”; Método: etimologia 3 Do gr. METHODOS, “investigação científica, modo de perguntar”, originalmente, “perseguição, ato de ir atrás”, – de META-, “atrás, depois”, mais HODOS, caminho”. Profa. Dra. Catarina Argolo
  4. 4. Iconografia: do grego eikôn (imagem) e graphein (descrição) • É o ramo da história da arte que trata do tema ou mensagem das obras de arte em contraposição à sua forma (Panofsky, 2001, p. 54). • Descrição e primeira interpretação do significado. 4 Profa. Dra. Catarina Argolo
  5. 5. 5 Iconologia: do grego eikôn (imagem) e logia (discurso) A ICONOLOGIA se ocupa, junto à ICONOGRAFIA, da descrição e da interpretação das imagens representadas nas obras de arte. A utilização do método iconológico remonta ao séc. XVI, tendo um amplo desenvolvimento no séc. XVIII através do estudo do patrimônio figurativo de ordem sacra, dando lugar a repertórios e manuais. Profa. Dra. Catarina Argolo
  6. 6. Iconologia: 6 Ciência que estuda o objeto em questão: - origens - obras literárias - processo pelo qual chegou a ter determinada interpretação - relação com demais objetos • Importância do SÍMBOLO como meio de representação simples e compreensível. Profa. Dra. Catarina Argolo
  7. 7. 7 Do latim simbŏlum, é a representação de uma ideia que se percebe com os sentidos e que responde a uma convenção socialmente aceita. SÍMBOLO: lat. symbolum: marca, crença; gr. symbolon: senha, garantia - “aquilo que é lançado junto” (de SYN-, “junto”, mais BALLEIN, “lançar, jogar, atirar”). Segundo Ernst Cassirer, o ser humano se caracteriza por viver num universo SIMBÓLICO, cuja elaboração se deve à relação entre a linguagem, mito, arte e religião. Profa. Dra. Catarina Argolo
  8. 8. 8 Ainda que a atividade simbólica se encontre presente em todos os momentos históricos, os símbolos mudam constantemente ao longo da história. Símbolo Este aspecto terá uma grande influência neste método de estudo. Profa. Dra. Catarina Argolo
  9. 9. A Iconologia tem sua ORIGEM e desenvolvimento vinculados ao grupo de estudiosos do Instituto Warburg, fundado por Aby Warburg (1866 – 1929). 9 Profa. Dra. Catarina Argolo
  10. 10. Aby Warburg (1866 – 1929) é um dos mais importantes representante s do método iconológico, porém, Panofsky foi quem o concretizou na sua obra Significado das artes visuais. A tese principal de seu trabalho se baseia na crença de que a arte é um indicador fidedigno de caráter psicológico de uma época. A iconologia é resultado de:  uma interação de forma e conteúdo  o estilo é um sintoma da mentalidade de uma época 10 Profa. Dra. Catarina Argolo
  11. 11. Centra interesse no significado da obra. Indaga no conteúdo das imagens. Atribui aos testemunhos figurativos o papel de fontes históricas. Ampliou o campo da iconografia à uma interpretação cultural da forma artística. WARBURG 11 Profa. Dra. Catarina Argolo
  12. 12. Aloïs Riegl (1858-1905) Heinrich Wölfflin (1864-1945) O estudo da FORMA se constitui como principal elemento da análise FORMA 12 Profa. Dra. Catarina Argolo
  13. 13. A Iconologia é um método coetâneo ao Formalismo e divergente, porque: • extrapola a forma, a aparência; • indaga, na interpretação da obra; • a concebe, segundo seu contexto. Se posiciona como questionamento à corrente positivista da Escola de Viena que:  aborda somente o dado;  exclui toda consideração que não esteja provada empiricamente. 13 Profa. Dra. Catarina Argolo
  14. 14. • Panofsky (1892 – 1968) sofreu influxo de autores ligados ao Instituto Warburg (Aby Warburg) na construção de seu Método Iconográfico: - Aloïs Riegl (1858 – 1905): – Formalismo / Escola de Viena /Teoria da visibilidade -Ernst Cassirer (1874 – 1945): Filosofia das formas simbólicas (1929) Demais influências 14 Profa. Dra. Catarina Argolo
  15. 15. OBRA: Em A perspectiva como forma simbólica (1927) propõe que a perspectiva renascentista constitui um modo de representação espacial fruto de uma determinada concepção de mundo revelando o particular conteúdo espiritual de uma época. Toda forma expressa valores simbólicos e a interpretação iconológica é o meio para alcançar o significado intrínseco da obra que revela a mais profunda atitude de um povo, de um período ou de uma classe. 15 Profa. Dra. Catarina Argolo
  16. 16. OBRA: Em Iconografia e iconologia: uma introdução ao estudo da arte da renascença, Panofsky expõe sua metodologia iconológica de trabalho e os processos ou fases que esta segue. 16 Método de interpretação dos significados de temas antigos que reaparecem na arte dos séculos XV e XVI investidos de significado diferente do original. Profa. Dra. Catarina Argolo
  17. 17. • Iconografia: estudo do tema. O que está representado (descrição). • Iconologia: estudo do significado. O que a(s) imagem(ns) quer(em) dizer. • Obra de arte: resultado do ambiente histórico. Contextualização. 17 Profa. Dra. Catarina Argolo
  18. 18. Descrição pré-iconográfica: corresponde à significação primária ou natural dos motivos artísticos. 1 18 Profa. Dra. Catarina Argolo
  19. 19. Análise iconográfica: consiste na identificação de imagens, histórias e alegorias. Descritiva2 3 Análise iconológica: é o verdadeiro objetivo da análise da obra de arte. Explicação do significado intrínseco e dos conteúdos da imagem. Caráter interpretativo 19 Profa. Dra. Catarina Argolo
  20. 20. Repercussão: Nesse contexto cabe citar o trabalho de GOMBRICH, que é fruto do resultado de cruzamento de diferentes orientações: A iconologia, considerada por ele como uma disciplina de interpretação dos símbolos presentes na história da arte. 1 20 Profa. Dra. Catarina Argolo
  21. 21. Influência da psicanálise, observada no seu interesse pela análise desse universo simbólico. Análise dos processos perceptivos da arte, ainda que concede igual importância à experiência e aos condicionantes culturais do público no momento de analisar a obra de arte. 2 3 21 Profa. Dra. Catarina Argolo
  22. 22. Para GOMBRICH (dirigiu o Instituto Warburg, de 1959 a 1976),  a obra de arte é como uma tela onde projetamos certos conteúdos;  a compreensão da imagem é um ato de interpretação;  nosso olhar está sempre condicionado tal e como se desenvolve em seu estudo, A imagem e o olho. 22 Profa. Dra. Catarina Argolo
  23. 23. Erwin Panofsky (1892-1968) Ernst Gombrich (seguidor) Significação intrínseca da imagem Análise iconográfica descritiva Análise iconológica interpretativa  Interpretação da imagem 23 Profa. Dra. Catarina Argolo
  24. 24. Hermann Bauer: Critica o Método argumentando que Panofsky separa a experiência vital, da tradição cultural sem levar em consideração que os movimentos e a percepção humanas estão marcados por esta tradição. 24 Profa. Dra. Catarina Argolo
  25. 25. Hermann Bauer: Nas segunda e terceira etapas de análise da obra (análises iconográfica e iconológica) sublinham o que a obra de Arte mostra, mas não o que ela oculta, postergando a concepção completa da realidade. 25 Profa. Dra. Catarina Argolo
  26. 26. Por influxo de Cassirer, os iconógrafos não consideram sinais como valores simbólicos, uma vez que, um sinal não é um símbolo. O Instituto Warburg e Panofsky (Cassirer), concebem a obra de arte como um ‘sinal’ da História da Cultura e seu caráter ‘revelador’, como um símbolo da cultura. 26 Profa. Dra. Catarina Argolo
  27. 27. Censura os iconógrafos por demonstrarem mais interesse pelas conotações da imagem que por ela própria, além de desprezarem a mímesis (reflexo da realidade), por considerá-la algo artificial. 27 Profa. Dra. Catarina Argolo
  28. 28. A proposta de Bauer é fazer uma Historiografia da Arte na qual a mímesis seja compatível com o significado da imagem, tanto histórica como supra-historicamente. 28 Profa. Dra. Catarina Argolo
  29. 29. 1. A História da teoria das proporções humanas como reflexo da História dos Estilos 2. Iconografia e Iconologia: uma introdução ao estudo da Renascença. 29 Profa. Dra. Catarina Argolo

×