Eu conto 3º ciclo

851 views

Published on

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
851
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Eu conto 3º ciclo

  1. 1. Escola Básica dos 2º e 3º Ciclos Infante D. Henrique Concurso Eu Conto!Jorge GilNº109ºC
  2. 2. Desde a sua ascendência, o Homem como espécie superior a outras espécies, sempreprecisou de se entreajudar para assegurar a sua própria existência. Quando duas ou mais pessoastêm o mesmo objetivo, a mesma aspiração, é fácil uma ajudar a outra e unirem-se para lutarem pelasua vontade. A cooperação e a solidariedade sempre estiveram presentes na Humanidade. Era algures em janeiro. Estava a jogar, como sempre sozinho, pois não conhecia ninguémem quem pudesse confiar. Até esse dia. Tinha encontrado uma pessoa com a bandeira de Portugal como símbolo. Presumindo queera português, mandei-lhe uma mensagem: Olá, também sou português... Ele respondeu: Oi, temos Grupo às 20:00, alinhas? Sim Isto tudo aconteceu na Xbox 360, uma consola que possuo e aprecio. Então, às oito, comocombinado, juntei-me ao grupo deles. Comecei a jogar com eles e a falar, e todos eram da minha faixa etária. Apercebi-me queeram pessoas muito porreiras e tornei-me amigo deles. Tudo continuou assim. Quando ia jogar, estavam lá eles, e juntávamo-nos para jogarmostodos juntos, pois cooperando as coisas são, de longe, mais fáceis. E quando, um dia, estávamos no meio de um jogo, conhecemos outro grupo de pessoas,também portugueses. Todos muito porreiros e simpáticos, fui conhecendo mais cada um deles, poiscada indivíduo que conhecia tinha a personalidade que se adapta ao que eu, incapacitado de vê-los,criava como imagem que caracterizava e compactava tudo o que ouvia sobre eles numa só imagemque pudesse associar ao seu comportamento. É engraçado como a mente humana trabalha quandoprivada da capacidade de observação. Eu hoje em dia, relaciono-me com Arkon, Fábio, Rui Silva, Metaldrag e DCSlamer, que são
  3. 3. os seus pseudónimos, que vivem no Porto; Danie e Mafarrico em Coimbra. Mas naquela altura, há cerca de 10 meses, só estava a conhecê-los. Pouco sabia deles, masera uma coisa espetacular. Em todos os jogos que jogávamos, ganhávamos, pois juntos, somos maisfortes, mais poderosos, e é possível atingir patamares que nem a sonhar se conseguem alcançarquando sozinhos. O impacto que eles tinham na minha vida crescia, estava no oitavo ano, a minha vida tinhacertos aspetos negativos que eu gostava de ver atenuados e, tal como muitas pessoas têm, aquela eraa minha escapatória da vida real. De facto, a minha amizade com eles não era irreal, mas erautópica. Podia ter dias horríveis, mas sempre que pensava que, no final do dia, havia aquela maltaespetacular, fenomenal à minha espera, eu sentia-me melhor. Se calhar, para muita gente, isto faz confusão, o facto de eu confiar em pessoas que nunca vina minha vida. Mas aí, eu respondo com a frase Não julgues alguém pelo seu aspeto. As pessoasdizem isso, mas nunca o fazem, pois o ser humano é mesmo assim: as aparências são sempre aprimeira impressão, e a primeira impressão é fundamental para decidir se confiamos em alguém ounão. Mas quando não há aparências, a pessoa resume-se ao seu instinto. E continuámos a jogar juntos durante longos dias. Outra grande memória que tenho, foi numa terça-feira, de manhã livre, em que tinha testeoral a Espanhol, à tarde. Fui à Xbox e estava lá o Metaldrag que, por sorte, sabia bastantes coisas deEspanhol. Durante essa manhã, revi toda a matéria com ele e foi um dos exemplos de cooperaçãomais efetivos que já vi. Quando estava no teste, lembrava-me dos assuntos pois relacionava-os com momentos quetínhamos passado. Foi excelente. Já neste ano, decidi ir ao Porto visitar os meus amigos, ver as pessoas com quem tantofalava, tanto “conhecia”, mas nunca tinha visto. Foi um dos melhores fins de semana da minha vida. Conheci a rotina, um bocado frenética, da vida de um adolescente numa metrópole como oPorto. Certas atitudes que eram justificadas por esta vida, mas para as quais eu não encontrava
  4. 4. explicação anteriormente. Foi uma experiência que serviu para o meu crescimento psicológico, ao comparar estesestilos de vida tão contrastantes. E a seguir, quando jogávamos, melhorámos o nosso nível de jogo,pois respeitávamos mais as nossas decisões e as dos nossos companheiros de equipa. Tornámo-nosmais solidários com os outros, e até connosco próprios. E isto trouxe-nos aos dias de hoje. Aqui estou eu a escrever um texto sobre solidariedade ecooperação. Uma matéria que aparentemente ainda sei um bocado. A cooperação é uma parte tão importante para todos nós, mas muitas vezes subestimada edesrespeitada. Mas eu sei que não seria o mesmo sem esse valor. O dia em que aprendi que acooperação é um atributo do qual, felizmente, o Homem pode orgulhar-se mudou a maneira comoeu olho para a vida, e espero que a leitura deste conto por parte de alguém também possa mudar asua opinião. Mas a vida é mesmo assim. Uma sequência de acontecimentos aleatórios que secondicionam uns aos outros, e originam novos desafios a cada instante. A grandeza do Universo ainda está para ser compreendida, pois a possibilidade da existênciade tanta vida, e a sua interligação é uma parte ainda por descobrir. Com tantas possibilidades, é estranho que tenha sido o Homem a perdurar e a resistir aoteste do Tempo. Mas talvez isso tenha uma explicação. Afinal, o Homem possui duas grandes capacidades que outros seres não têm: aSolidariedade e a Cooperação.

×