Porque cristo teve_morrer

23,036 views

Published on

Porque cristo teve_morrer

Published in: Spiritual
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
23,036
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
21,385
Actions
Shares
0
Downloads
329
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Porque cristo teve_morrer

  1. 1. POR QUE CRISTO TEVE QUE MORRER? NN ão poderia ter realizado mais, vivendo uma vida plena e feliz? Pense nas pessoas que Ele poderia ter sarado, todos os ensinamentos que poderia ter dado, os problemas que poderia ter resolvido. Por que Ele estava obcecado em morrer? Por que não se defendeu num tribunal para o bem de Sua família, Seus discípulos e de todos os que O admiravam? Este livreto, compilado pelos escritores, examina as razões dadas pela Bíblia por que Cristo planeou e permitiu a Sua própria morte. Martin R. De Haan II Título original: Why Did Christ Have To Die? ISBN: 1-58424-080-6 Foto da capa ©Terry Bidgood Traduzido por: Astrid Rodrigues PORTUGUESE As passagens bíblicas são da edição Revista e Atualizada no Brasil GP202 Todos os direitos reservados © 2003 RBC Ministries, Grand Rapids, Michigan Printed in USA CONTEÚDO O Símbolo da Cruz . . . . . . . . . . . . . . 2 As Opiniões sobre a Cruz. . . . . . . . . . 3 A Ofensa da Cruz . . . . . . . . . . . . . . 4 O Dilema da Cruz . . . . . . . . . . . . . . 6 O Propósito da Cruz . . . . . . . . . . . . . . 9 Os Princípios da Cruz . . . . . . . . . . . . . 11 Os Resultados da Cruz . . . . . . . . . . . . . 16 A Ironia da Cruz. . . . . . 18 Os Antecedentes da Cruz . . . . . . . . . . . . . 23 As Palavras da Cruz . . . . . . . . . . . . . 26 A Acusação da Cruz . . . . . . . . . . . . . 27 A Chamada da Cruz . . . . . . . . . . . . . 29 A Satisfação da Cruz . . . . . . . . . . . . . 30 GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:07 Página 1
  2. 2. O SÍMBOLO DA CRUZ VV ocê pode imaginar qual seria a reação do público se um grupo fundamentalista religioso usasse uma cadeira elétrica como símbolo de sua filosofia de vida? Pense o que seria ter diante dos olhos a imagem de uma cadeira elétrica nos seus lugares de reuniões ou como uma jóia, em redor de seus pescoços. No entanto, esse é o significado dado à cruz. A cruz significava uma punição capital. A crucificação era o meio pelo qual os Romanos colocavam os seus piores criminosos à morte. Era horrível — muito pior do que uma câmara de gás, um pelotão de fuzilamento ou mesmo um enforcamento. Por que, então, os cristãos dão tanta importância a esse instrumento de ridicularização e tortura publica? Por que os cristãos estão obcecados com este símbolo de morte? Será que eles sabem o que estão fazendo? Em muitos casos, a resposta parece ser um não. Mesmo os cristãos falham em perceber as implicações da cruz. Ela tem sido usada de forma tão banal como uma jóia religiosa, como um símbolo de amor e esperança e mesmo como um sinal de boa sorte, que perdeu muito de seu significado original. Na verdade, a cruz tem sido aceite de uma forma tão generalizada que todos, desde os seguidores mais devotos de Cristo até os músicos de rock pesado, usam a sua imagem ao redor de seus pescoços. 2 GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:07 Página 2
  3. 3. AS OPINIÕES SOBRE A CRUZ EE ntão, o que pensam as pessoas a respeito da cruz? Mais especificamente, o que pensam elas a respeito da cruz quando relacionada com Cristo? É desta cruz que surgiu este símbolo é exatamente dela que começam as reais discussões. Por que uma vida tão exemplar teve um final tão terrível? O que tinha Ele em mente? O que deveríamos nós ter em mente? Vamos ver em seguida algumas das razões que as pessoas dão para a morte de Cristo. “A cruz é um exemplo de falta de resistência”. Algumas pessoas pensam que quando Jesus morreu na cruz Ele nos deu o maior exemplo de como viver num mundo violento e hostil. Elas dizem que a Sua morte nos mostra como viver com êxito, sendo suficientemente fortes para deixar que outros tenham vantagens sobre nós. “A cruz significa aquilo que você quer que ela signifique”. Aqueles que têm esta opinião, geralmente crêem que Cristo na verdade não cumpriu nada quando Ele morreu na cruz. Como a cruz se tornou algo normal de nossa consciência, ela pode ser usada para simbolizar muitas coisas diferentes. 3 “Pai, perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem.” Jesus, desde a cruz GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:07 Página 3
  4. 4. “A cruz não tem nenhum significado real”. Algumas pessoas dizem que o significado de Cristo estava em Sua vida — não em Sua morte. Elas crêem que Ele veio para viver uma vida impecável aqui na terra de forma que nós pudéssemos saber como é Deus. Mas esta foi a única razão pela qual Deus O enviou. Elas dizem que a Sua morte não estava relacionada à Sua missão aqui na terra. “A cruz representa um fracasso”. Aqueles que têm esse ponto de vista dizem que Jesus teve um plano nobre e universal para a terra, mas que Ele morreu antes de chegar a realizá-lo. A Sua missão fracassou quando os soldados romanos O pregaram na cruz como a um criminoso qualquer. Quando Cristo morreu, assim dizem essas pessoas, isto significou que Ele fracassou. A OFENSA DA CRUZ AA lgumas pessoas vêem tantas coisas boas na cruz que se esquecem de que ela representa um instrumento terrível de morte. Mas para outros, a cruz é tão ofensiva que por sua vez deixam de ver o seu valor. O apóstolo Paulo disse que isto seria assim. Escrevendo aos cristãos de Corinto, ele disse: Mas nós pregamos a Cristo crucificado, escândalo para os judeus, loucura para os gentios (1 Coríntios 1:23). A afirmação dos apóstolos, de que Jesus era O tão esperado Messias, foi quase impossível de aceitar para um judeu. Crer que o Messias morreu numa cruz era impossível de imaginar — especialmente desde que o Antigo Testamento afirmava que todo o que 4 GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:07 Página 4
  5. 5. morresse numa cruz era maldito de Deus (Deuteronômio 21:23). A cruz representava uma grande ofensa. Os gentios também se sentiam ofendidos com a cruz. Na sua opinião, era uma loucura. Eles acreditavam de que a sua maneira lógica de pensar e a sua boa forma de vida iria satisfazer aos deuses. Eles não podiam ver uma razão para crer na morte insensata de um obscuro galileo. E o que dizem as pessoas de hoje? A cruz ainda as ofende? As pessoas ainda tropeçam • Se o seu ponto de vista filosófico não inclui a realidade do pecado e a necessidade de um Salvador, a resposta é sim! • Se elas esperam conseguir a aprovação de Deus por meio de uma vida boa e de altos padrões morais, sim! • Se elas esperam conseguir o Seu favor por causa de sua herança nacional ou por causa de algum nome da família, sim! • Se elas pensam que Deus é muito amoroso para punir as pessoas pelos seus atos maus, sim! A mensagem da cruz, uma “cadeira elétrica” do primeiro século, vai ofendê-los. Entretanto, o que nós precisamos compreender é que é difícil viver com a cruz. E não só isso — aliás, ela faz com que a vida seja 5 “Certamente a palavra da cruz é loucura para os que se perdem . . .” 1 Corintios 1:18 GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:07 Página 5
  6. 6. possível. Na verdade, a cruz resolveu o maior dilema de todos os tempos. O DILEMA DA CRUZ AA cruz resolve dois grandes dilemas — um da perspectiva de Deus e outro da perspectiva do homem. Todos os pais podem entender o dilema de não querer corrigir um filho(a) desobediente com uma disciplina dolorosa, mas compreendem ao mesmo tempo que não podem apenas piscar os olhos ou bocejar com o seu mau comportamento. O que fazer? Você ama essa criança. Mas ela também desobedeceu e agora está mentindo, numa tentativa de esconder o seu ato. É claro que você o(a) ama. Todavia, você igualmente sabe que não pode simplesmente apagar o problema. A criança deve ser castigada — e você deverá fazê-lo. A situação causada pelo nosso pecado foi infinitamente mais complexa do que esta que vimos. Mas encontramos alguns paralelos. Como Deus é um Deus santo, Ele não pode simplesmente ignorar o nosso pecado. Porém, sendo também um Deus de amor, Ele não quer que recebamos aquilo que nós merecemos. Uma outra ilustração pode nos ajudar a ver o dilema da perspectiva do homem. Imagine um grupo de pessoas presas no teto de um edifício alto, o qual está envolto em chamas. A única maneira de se salvar é a de saltar ao teto de um edifício ao lado — a dez metros de distância! Em seu desespero, as pessoas começam a tentar dar o salto impossível. Alguns saltam uma distância maior 6 GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:07 Página 6
  7. 7. que outros, mas todos caem e morrem. É isso o que acontece com a condição irremediável do homem diante de Deus. O nosso pecado causou uma separação entre nós e um Deus que é Santo e que não pode ser removida com nada que fazemos. Nós somos completamente incapazes de salvar a nós mesmos. Mas o amor de Deus encontrou um caminho: a cruz de Cristo. Nós poderíamos representar este dilema da seguinte forma: Podemos relacionar a necessidade do madeiro do Calvário com uma árvore muito mais antiga. Todos os nossos problemas começaram quando os nossos primeiros pais desobedeceram e comeram voluntariamente da árvore do conhecimento do bem e do mal. Deus havia dito que Adão e sua esposa haveriam de morrer se comessem daquela árvore. E eles comeram. Desde então, os descendentes de Adão nasceram fisicamente vivos mas espiritualmente mortos. Eles não só perderam o Jardim do Éden mas também a inocência com a qual haviam sido criados. Assim toda criança nascida desde o Éden até ao dia de hoje, tem provado que se perdeu essa inocência. Embora criado para andar com Deus, o homem herdou uma natureza que o leva a esquecer Deus, a se aborrecer de seu próximo e a viver uma vida de auto- 7 Santo Pecador DEUS HOMEM Amoroso Incapaz GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:07 Página 7
  8. 8. destruição. Por causa disso, Davi o rei de Israel confessou: “Eu nasci na iniqüidade, e em pecado me concebeu minha mãe” (Salmo 51:5). E o apóstolo Paulo escreveu: “. . . Por um só homem entrou o pecado no mundo, e pelo pecado a morte (Romanos 5:12) e “o salário do pecado é a morte” (6:23). Em uma outra carta, ele escreveu: “. . . em Adão todos morrem” (1 Coríntios 15:22). Essa é a nossa condição. Quando Adão seguiu o conselho da serpente, ele não somente se feriu mesmo. Quando comeu daquela árvore, desafiando O seu Criador, a morte espiritual e física recaiu sobre todos os homens. E assim também chegou até nós. A prova é que todos nós pecamos contra Deus na primeira oportunidade que tivemos. Além do mais, nós não podemos fazer nada para ajudar a nós mesmos. Nenhum esforço próprio ou boas obras podem nos devolver aquilo que Adão perdeu. O profeta Isaías viu isto claramente pois ele disse que os nossos maiores esforços são nada mais do que um trapo de imundícia (Isaías 64:6). Muito mais tarde, o apóstolo Paulo expressou o mesmo pensamento (Efésios 2:8-9). As suas palavras nos lembram de que nenhum homem pode elevar-se até Deus por esforço próprio. Essas são más notícias. Mas a Bíblia, o livro de 8 Nenhum esforço nosso ou boas obras, podem nos devolver aquilo que Adão perdeu. GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:07 Página 8
  9. 9. maior confiança em todo o mundo, confirma que isto é verdade. Nós nascemos separados de Deus. Nascemos num mundo de morte física e espiritual e a não ser que algo aconteça, nós viveremos a nossa vida em rebeldia contra Deus. A não ser que algo suceda, nós seremos julgados por Deus — a segunda morte, o lago de fogo criado para o diabo e os seus demônios. E como se isso não fosse suficiente, a Bíblia nos fala que não existe nada neste mundo que possamos fazer por conta própria que venha a nos resgatar. Sem nenhuma dúvida, nós necessitamos de ajuda. Nós necessitamos ser resgatados. Necessitamos ser libertados da nossa culpa e nossa escravidão. Antes que seja tarde por toda a eternidade. O PROPÓSITO DA CRUZ QQ uando Adão e Eva pecaram, Deus poderia ter golpeado a ambos instantaneamente à morte. E Ele teria sido justo, se assim o tivesse feito porque a Sua natureza santa exige que a desobediência seja punida com a morte. Entretanto, porque Deus é amor, Ele não golpeou os nossos primeiros pais à morte. Em vez disso, Ele os procurou, providenciou 9 A Bíblia nos diz que não existe nada neste mundo que possamos fazer por conta própria que venha a nos resgatar. GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:07 Página 9
  10. 10. uma vestimenta de peles de animais e lhes deu uma promessa maravilhosa (Gênesis 3:15). Nesta oportunidade, Deus anunciou as Boas-Novas. Sim, as Boas-Novas são que Deus resolveu o dilema — a Sua santidade é contrabalançada com o Seu amor! O amor encontrou um caminho. O amor encontrou uma outra árvore, a cruz (Romanos 5:6). Deus na Sua sabedoria encontrou um caminho para terminar com o terrível prejuízo que homem sofreu com a primeira árvore. A árvore do jardim do Éden agora deu lugar à cruz. E neste madeiro de humilhação, a bondade triunfou sobre o mal. A misericórdia triunfou sobre a justiça. O resgate foi efetuado. A missão foi cumprida. O dilema foi resolvido. 10 Deus encontrou um caminho para terminar com o terrível prejuízo que o homem sofreu com a primeira árvore. Santo Pecador DEUS CRISTO Homem Amoroso Incapaz GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:07 Página 10
  11. 11. OS PRINCÍPIOS DA CRUZ CC omo Deus o resolveu? O que foi que Ele viu naquela cruz tão horrível? O que aconteceu quando o Seu Filho Unigênito e amado sangrou, lutou e gritou: “Está consumado” e entregou o Seu espírito? Vamos examinar dois princípios de resolução que terminaram com o dilema causado pelo nosso pecado e nossa incapacidade, e a santidade e o amor de Deus: 1) o princípio do sacrifício adequado e 2) o princípio da substituição necessária. PRINCÍPIO 1: A cruz constituiu um sacrifício adequado. Não pode haver perdão sem uma morte sacrificial (Hebreus 9:22). Através da Sua morte na cruz, Jesus Cristo apresentou a Deus um sacrifício adequado para pagar os pecados de toda a humanidade. A morte dos animais dos dias do Antigo Testamento estavam longe de constituir um sacrifício perfeito porque na realidade, eles não podiam remover pecados. Os sacrifícios do Antigo Testamento tinham que ser oferecidos todos os dias. Era trazido um animal após outro ao altar, onde eram sacrificados. Cada novo dia trazia consigo um novo ritual de mortes sacrificiais. O escritor de Hebreus, comentando este fato, disse: “porque é impossível que sangue de touros e de bodes remova 11 Santo Sacrifício Pecador DEUS CRISTO HOMEM Amoroso Sacrifício Incapaz GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:07 Página 11
  12. 12. (Hebreus 10:4). Além disso, tais sacrifícios eram apenas para os pecados cometidos involuntariamente, na ignorância ou por causa da fraqueza humana (Levítico 4:2-7). Nos dias do Antigo Testamento, não podia ser oferecido um sacrifício por um pecado premeditado, pré-deliberado. É por isso que quando Davi se arrependeu de seu duplo pecado de adultério com Bate-Seba e o assassinato de Urias, ele nem mesmo apresentou um sacrifício. Porém, ele veio diante de Deus com um “coração compungido e contrito” para obter o perdão (Salmo 51:16,17). Com a Sua morte na cruz, o Senhor Jesus providenciou um sacrifício para sempre por todos os nossos pecados (Hebreus 10:12). O Seu sacrifício foi completo e perfeito. Ele satisfez a toda e qualquer exigência de um Deus Santo e traz salvação a todo aquele que confia em Cristo. O Seu sacrifício foi adequado por diversas razões: • Ele se tornou um membro da família humana. Ele podia representar-nos de verdade (algo que nenhum anjo podia fazer) porque Ele assumiu a natureza humana. • Ele viveu uma vida sem pecado. Embora confrontado pela tentação física, mental e espiritual, Jesus não pecou (Hebreus 4:15). Portanto, quando Ele morreu, Ele o fez como um ser humano perfeito. Porque Ele não pecou, Ele pôde morrer pelos nossos pecados. • Ele permaneceu sendo Deus. Embora Cristo tivesse se tornado completamente humano, 12 GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:07 Página 12
  13. 13. Ele também conservou completamente a Sua divindade. Ele não foi metade Deus e metade homem; Ele foi totalmente Deus e totalmente homem. A Sua Divindade foi o que deu um valor infinito ao Seu sacrifício, fazendo-o adequado para pagar pelos pecados de toda a humanidade. PRINCÍPIO 2: A cruz providenciou um substituto necessário. Jesus estava pensando numa substituição quando Ele disse aos Seus seguidores que Ele daria a Sua vida “em resgate por muitos” (Marcos 10:45). Embora talvez não o tivessem reconhecido quando Jesus falou essas palavras, os discípulos muito em breve haveriam de aprender que Cristo estava planejando dar a Sua vida para resgatá-los legalmente de seu pecado e de sua culpa. Na cruz, Cristo haveria de morrer em seu lugar — e no nosso lugar. No Calvário, Ele sofreu a morte que todos nós deveríamos ter sofrido, suportando o castigo que nós merecíamos. “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito. . .” (João 3:16). Por causa de nossa incapacidade em nos ajudarmos a nós mesmos, Deus em Seu amor enviou o Seu Filho para ser o nosso substituto. Ele trocou a Sua vida pela nossa, morrendo a fim de que possamos viver (Isaías 13 Santo Substituto Pecador DEUS CRISTO HOMEM Amoroso Substituto Incapaz GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:07 Página 13
  14. 14. 53:5,6; Romanos 5:8; 1 Coríntios 15:3; 2 Coríntios 5:21; 1 Pedro 2:24; 3:18). Quando Jesus disse que veio para dar a Sua vida em resgate de muitos, os Seus ouvintes provavelmente entenderam que Ele estava falando do sistema judaico de sacrifícios. Desde a sua infância, eles haviam visto as ovelhas, os bois ou pombas serem trazidos ao altar e serem sacrificados. Eles sabiam que a morte dos animais estava relacionada com os seus pecados. Ao quando o sacerdote colocava a sua mão na testa do animal, eles compreenderam que este era um símbolo da transferência da culpa do pecador para o animal. Então, quando viam o animal morrer e o seu sangue ser espalhado em volta do altar, entendiam que de certa forma esse sangue simbolizava a remoção da culpa. O mesmo princípio da substituição se cumpriu mais tarde Naquele de quem João Batista disse: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!” (João 1:29). Este princípio é ilustrado por uma narrativa da história Norte-Americana. Em certa tribo de índios, alguém estava roubando galinhas. O chefe da tribo declarou que se encontrassem o ofensor, ele receberia 10 chicotadas. Se o roubo continuasse, ele 14 “. . . Cristo, tendo-se oferecido de uma vez para sempre para tirar os pecados de muitos . . .” Hebreus 9:28 GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:07 Página 14
  15. 15. aumentaria o castigo para 20 chicotadas. As galinhas continuavam a desaparecer metodicamente. Em seu furor, o chefe aumentou a sentença para 100 chicotadas — uma sentença segura de morte. Finalmente o ladrão foi encontrado. Mas o chefe da tribo enfrentou um terrível dilema. A pessoa que estava roubando era a sua própria mãe! Quando chegou o dia da penalidade, toda a tribo se reuniu. Será que o amor do chefe haveria de sobrepujar a sua justiça? A multidão estava ofegante quando ele ordenou que atassem a sua mãe ao poste para ser chicoteada. O chefe tirou a sua camisa, deixando aparecer a sua forte estatura, e tomou o chicote nas mãos. Mas em vez de levantá-lo para dar o primeiro açoite, ele o entregou a um jovem robusto, que estava ao seu lado. O chefe caminhou lentamente até onde estava a sua mãe, envolveu-a com os seus braços vigorosos num forte abraço. Então ordenou ao jovem guerreiro que desse a ele as 100 chicotadas. Foi exatamente isso o que Jesus fêz por nós. Em seu amor, Ele se tornou o nosso substituto e morreu em nosso lugar. Ele venceu a nossa incapacidade de salvar-nos a nós mesmos ao pagar o preço pelos nossos pecados. Na nossa ilustração, a vida de uma mãe se prolongou 15 Cristo conquistou a nossa incapacidade para salvação pagando o preço pelos nossos pecados. GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:07 Página 15
  16. 16. amor substitutivo de seu filho; a vida eterna foi comprada para nós através da morte substitutiva de Cristo. A morte de Cristo, portanto, foi de um tremendo valor porque ela constituiu a ponte sobre o abismo que separava os homens de Deus. Veja outra vez o que aconteceu. A condição do homem: Condenado pelo pecado de Adão e pelo seu próprio pecado, e sem condições para fazer algo para salvar- se a si mesmo, o homem estava condenado à morte. A posição de Deus: Deus estava comprometido, pela Sua própria santidade, a condenar o mal. Não fazê-lo, significaria violar o Seu próprio caráter. Mas como Ele também é amor, Ele desejava salvar ao homem da sua sentença de morte. A resolução: Cristo, o Filho de Deus, tornou-se homem, viveu uma vida sem pecado e então morreu em nosso lugar. A sua morte sacrificial e substitutiva possibilitou a nossa salvação. Veja o diagrama completo. Ele lhe mostra- lhe como a morte de Cristo resolveu o dilema. OS RESULTADOS DA CRUZ AA morte de Jesus Cristo à dois mil anos atrás, não foi somente um ato heróico que cativou a imaginação de alguns idealistas 16 Santo Sacrifício Substituto Pecador DEUS CRISTO HOMEM Amoroso Sacrifício Substituto Incapaz GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:07 Página 16
  17. 17. religiosos. Também não foi um ato de fraqueza. Foi uma missão de resgate amorosa, corajosa, desafiada pela morte. O resultado foi que a pessoa que confia em Jesus Cristo é restaurada a um relacionamento com Deus. A sua relação para com o seu próprio pecado é alterada. E o seu futuro é transformado, tanto para esta vida como para o porvir. Esta transformação se define em quatro conceitos básicos que mostram os resultados do que Cristo fêz por nós. Aqui está o que nós temos desde que aceitamos a morte sacrificial e substitutiva de Cristo. 1. RECONCILIAÇÃO: Estamos em paz com Deus. Quando Jesus Cristo morreu na cruz, Ele nos possibilitou sermos reconciliados com Deus e ser restaurada a comunhão com Ele, através da fé em Cristo. A inimizade se converteu em amizade, a alienação em adoção como filhos, a hostilidade em fé e o ódio em amor por causa do sacrifício de Cristo na cruz (Romanos 5:1,10; 2 Coríntios 5:18-20; Efésios 2:16; Colossenses 1:20-22). 2. JUSTIFICAÇÃO: Somos declarados justos diante de Deus. Quando Jesus Cristo morreu, Ele absorveu o nosso castigo. Portanto, quando cremos Nele, os nossos pecados já não estão contra nós (Romanos 3:24; 4:5; 5:1,9; 8:30,31; Tito 3:4-7). 3. REDENÇÃO: Nós fomos resgatados de nosso pecado e da condenação. A morte de Cristo também significa que fomos resgatados da escravidão do pecado e de 17 GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:07 Página 17
  18. 18. Satanás. O preço do resgate pelos nossos pecados foi totalmente pago (Mateus 20:28; Romanos 3:24; 1 Coríntios 1:30; Gálatas 3:13; 4:4,5; Efésios 1:7; Colossenses 1:14; Tito 2:14; Hebreus 9:12; 1 Pedro 1:18,19). 4. PROPICIAÇÃO: Nós estamos livres da ira de Deus. Isto é possível por causa de uma oferta aceitável feita a nosso favor. A oferta foi feita para apaziguar Deus, para afastar a Sua ira de nós (1 João 2:2; Romanos 3:25; Hebreus 2:17; 1 João 4:10). A IRONIA DA CRUZ AA ironia de tudo isso é que algo tão feio como a cruz — algo suficientemente revoltoso que faz com que as pessoas rejeitem O melhor Homem que já existiu — é na verdade a nossa única esperança de resgate da nossa indefesa situação espiritual. É isso o que diz a Bíblia. E foi isso o que Cristo confirmou quando Ele ressuscitou triunfante da morte. A cruz não significou um engano. Não se tratou de alguém que viveu uma boa vida em tempos maus. A ironia da cruz consiste em mostrar que 1) ela é o maior exemplo do amor de Deus e que 2) ao morrer, Cristo também nos mostrou como viver. O primeiro aspecto da ironia é o seguinte: A MORTE DE CRISTO DEMONSTROU O AMOR DE DEUS. A grande verdade do versículo mais conhecido e estimado da Bíblia é a de que a cruz foi uma evidência do amor de Deus. Porque Deus amou ao 18 GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:07 Página 18
  19. 19. mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna (João 3:16). Uma passagem paralela nos diz: “Nisto conhecemos o amor, em que Cristo deu a sua vida por nós” (1 João 3:16). Algumas pessoas buscam encontrar o amor de Deus na natureza. Mas não há garantia de que vão encontrá-LO lá porque a mensagem da criação traz mensagens conflitivas. Algumas vezes ela parece nos dizer que Deus é maravilhosamente amoroso. O calor do sol, a suave chuva , as flores desabrochando no campo e o cuidado vigilante de uma vaca pelo seu bezerro, tudo parece nos dizer: “Deus é amor”. Noutras ocasiões, porém, a mensagem da natureza é justamente o contrário. O sol e a seca endurecem o solo e o fazem improdutivo. Um tornado mortal pode rugir de um céu enegrecido, sem nenhuma advertência. Um ninho de pequenos coelhos pode ser destruído por um gato ou um chacal feroz. Ou um vulcão em erupção pode exterminar vilas inteiras, matar centenas de pessoas e deixar a muitos desabrigados. Não, o amor de Deus não pode ser visto sempre na natureza. O amor de Deus também não está claramente evidente na história. Uma família que imigrou do Vietnã ou da Coréia para os Estados Unidos talvez diga que ter vindo para os Estados Unidos provou que Deus os ama. Mas se você fala com uma jovem mãe de três filhos cujo esposo acaba de ser morto por seqüestradores de um avião, poderia desprezar amargamente a idéia que 19 GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:07 Página 19
  20. 20. um Deus de amor controla todos os eventos. Muitos dos judeus que viveram os horrores de Auschwitz ou Dachau também poderiam rejeitar a idéia que o amor de Deus se demonstra através da história. Por isso, quando os cristãos falam que o amor de Deus se manifestou, eles devem apontar para algo com mais evidência desse amor. Segundo a Bíblia, essa evidência é a cruz. Porque Jesus Cristo é o Filho de Deus, a Sua morte foi uma declaração profunda do amor de Deus. Deus demonstrou o Seu amor por nós, mas por um preço muito alto. Na pessoa de Jesus Cristo, Deus se tornou um membro da família humana. Ele viveu toda a Sua vida, sem pecado. Então, embora fosse inocente, Ele morreu uma morte cruel para que a nossa salvação fosse possível. Brilhando em meio à escuridão que rodeou o Calvário naquele dia fatal, estava aí o resplendor maravilhoso do amor de Deus. Pense por um instante sobre o que Cristo sofreu e lembre-se de que isto aconteceu por nós. Contemple com assombro como Ele agoniza diante de Deus, o Pai, no Getsêmani a ponto de o Seu suor se tornar como gotas de sangue caindo sobre a terra. Observe com horror como Ele é arrestado à semelhança de um criminoso, sendo mutilado por um chicote romano e torturado, ridicularizado e escarnecido com uma coroa de espinhos. Chore por Ele ao vê-LO tropeçar sob a carga pesada do madeiro que é forçado a carregar até o lugar de Sua execução. Encolha-se de aversão ao presenciar os endurecidos soldados 20 GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:07 Página 20
  21. 21. romanos perfurando as Suas mãos, cravando os pregos em Seus pés e colocando rudemente a cruz no seu devido lugar. Escute-LO , pendurado na cruz, orando pelos Seus inimigos, falando amavelmente à Sua mãe e prometendo salvação ao malfeitor que se arrepende. Silencie ao ver o céu escurecer ao meio-dia e à medida que observas passarem as três horas de intensa escuridão em pleno dia. Ouça o Seu clamor, ao ver-Se abandonado: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” Lembre-se que na cruz Jesus suportou a agonia do inferno por você e por mim. Deus era o Seu Pai, Ele havia existido com o Pai desde toda a eternidade em um relacionamento mais próximo do que qualquer que possamos imaginar. Entretanto, o Pai “o fez pecado por nós; para que nele fôssemos feitos justiça de Deus” (2 Coríntios 5:21). O segundo aspecto da ironia da cruz é o seguinte: A MORTE DE CRISTO MOSTROU-NOS COMOVIVER A cruz não somente nos deu a maior evidência do amor de Deus, mas também nos legou um princípio espiritual de vida. O amor que levou Jesus Cristo a este ato de auto-sacrifício, 21 “Pois que também Cristo sofreu em vosso lugar, deixando-vos exemplo para seguirdes os seus passos.” 1 Pedro 2:21 GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:07 Página 21
  22. 22. foi um exemplo para nós. Nós somos chamados a amar como Ele amou; a viver, como Ele viveu. O Senhor Jesus estava pensando na cruz na noite antes de sua crucificação, quando falou aos Seus discípulos, “Um novo mandamento vos dou: que vos ameis uns aos outros; assim como eu vos amei, também vos ameis uns aos outros” (João 13:34). O amor do Calvário deve ser o padrão para o nosso amor. Jesus Cristo também pensou na Sua morte na cruz quando disse: Se o grão de trigo, caindo na terra, não morrer, fica ele só; mas se morrer, produz muito fruto. Quem ama a sua vida, perde-a; mas aquele que odeia a sua vida neste mundo, preservá-la-á para a vida eterna. Se alguém me serve, siga-me (João 12:24-26). Esta é a lei da colheita: uma semente tem que morrer antes que possa produzir uma planta. Jesus Cristo foi a “semente” que teve de morrer. Todavia, a Sua morte produziu vida espiritual para todos os que confiam Nele. Nós somos o fruto de Seu sofrimento e morte. Mas a lei da morte que produz vida, não terminou com Cristo na cruz. Jesus declarou que esta lei também se aplica aos Seus seguidores. Nós precisamos andar o caminho da cruz, o caminho da morte de nossos próprios desejos se queremos que se produza o fruto para o qual Deus nos criou (Efesios 2:8-10). O apóstolo Paulo viu este princípio na morte de Cristo. Em algumas ocasiões, ele falou em ser crucificado com Cristo, em morrer para si e em andar o caminho do Calvário. Ele escreveu com profunda convicção: “Mas longe 22 GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:07 Página 22
  23. 23. esteja de mim gloriar-me, senão na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim, e eu para o mundo” (Gálatas 6:14). Paulo pôde classificar o sistema do mundo como algo inútil e morto porque a cruz de Cristo foi a sua inspiração e a sua confiança. Quando vivemos segundo a lei da colheita, nós haveremos de ser frutíferos em nosso serviço para Cristo. Seguindo o Seu exemplo, nós primeiramente precisamos morrer para nós mesmos. Se isto ocorre, nós poderemos dizer com Paulo: “Estou crucificado com Cristo; logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que agora tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim” (Gálatas 2:20). Aqui encontramos novamente a ironia da cruz. Ela não somente traz a vida de Deus para nós, mas conduz a nossa vida a Deus. OS ANTECEDENTES DA CRUZ SS omos afortunados em poder olhar para trás, para a cruz e vê-la com perspectiva. Os primeiros discípulos de Cristo não foram tão privilegiados. Para eles, a crucificação veio como terrível e inconsolável tragédia. O seu amado Mestre estava morto. As suas esperanças de um reino messiânico se haviam evaporado. Os seus inimigos estavam contentes. Eles ficaram atônitos com a mudança tão inesperada dos eventos. Somente mais tarde, quando Cristo os 23 GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:07 Página 23
  24. 24. surprendeu com a Sua presença depois da Ressurreição, os discípulos começaram a entender que o Antigo Testamento já apontava para a cruz bem como para o Seu reino. Somente então eles começaram a ver que Cristo teve de cumprir a figura de um Servo sofredor antes de poder voltar como o Rei prometido. Jesus ressuscitado explicou para os Seus assombrados seguidores como a cruz fazia parte do plano de Deus. Primeiro, Ele mostrou-lhes as Suas feridas. Então Ele disse: “São estas as palavras que eu vos falei, estando ainda convosco, que importava se cumprisse tudo o que de mim está escrito na Lei de Moisés, nos Profetas e nos Salmos” (Lucas 24:44). Ele abriu as suas mentes para as ilustrações do Antigo Testamento e das profecias a respeito de Sua morte (v.45). Vamos folhear através do Antigo Testamento e ver um exemplo de cada uma delas. PROFECIAS DO ANTIGO TESTAMENTO SOBRE A MORTE DE CRISTO. • Gênesis 3:15 — A Semente da mulher foi “ferida.” • Salmo 16:10 — Cristo não permaneceu no sepulcro. • Salmo 22:1 — O grito de abandono. • Salmo 22:6-8 —O Messias ridicularizado. • Salmo 22:15 — A sede de Cristo. • Salmo 22:16 — As mãos e os pés traspassados. • Salmo 22:17 — O olhar fixo de Seus inimigos. • Salmo 22:18 — A sorte lançada sobre as Suas vestimentas. • Salmo 69:21 — O 24 GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:07 Página 24
  25. 25. vinagre oferecido para Cristo. • Isaías 49:7 — O Servo de Deus desprezado. • Isaías 50:6 — O Messias fisicamente abusado. • Isaías 52:14 — A Sua face desfigurada. • Isaías 53:5 — Traspassado pelos nossos pecados. • Isaías 53:7 — Calado diante de Seus acusadores. • Isaías 53:9 — A sua sepultura está entre a dos ricos. • Isaías 53:12 — Identificado com criminosos. • Daniel 9:26 — O Ungido de Deus é morto. • Zacarias 12:10 — O Messias “traspassado” por Israel. • Zacarias 13:7 — O Pastor ferido. AS FIGURAS DA MORTE DE CRISTO NO ANTIGO TESTAMENTO O símbolo da cruz aparece em três figuras do Antigo Testamento. Sacrifícios. A morte substitutiva de Cristo é, em sua maioria, apresentada no Antigo Testamento pelo sistema de sacrifícios. Muitos eruditos da Bíblia consideram a provisão da pele de animais para Adão e Eva como uma iniciativa de Deus para o sacrifício pelos pecados do homem (Gênesis 3:21). O sacrifício da Páscoa é uma imagem primordial de libertação 25 “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!” João 1:29 GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:07 Página 25
  26. 26. através do sangue derramado de um cordeiro (Êxodo 12; Levítico 23; 1 Coríntios 5:7; 1 Pedro 1:19). João Batista, relacionou o sacrifício de um animal a Jesus Cristo, quando Ele exclamou: “Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo!” (João 1:29). Hebreus 9:11-10:18 nos dá uma explicação detalhada a esse respeito. A Serpente de Bronze. O povo de Israel estava sendo afligido pelas mordidas das serpentes por causa de sua desobediência. De acordo com as instruções de Deus, foi feita uma serpente de bronze e colocada sobre uma haste, no meio do acampamento. Todo o que a mirava, era sarado da mordida das cobras (Números 21:4-9). Cristo haveria de ser “levantado”e todo o que olhasse para Ele por meio da fé experimentaria cura espiritual (João 3:14). Jonas. Jesus também ensinou que a experiência de Jonas no ventre do grande peixe por 3 dias e 3 noites, foi uma figura de Sua própria morte, sepultamento e Ressurreição (Mateus 12:39-41). Portanto, através das profecias e das figuras, o Antigo Testamento previu a morte de Cristo. A Sua crucificação não foi um desvio inesperado do plano de Deus. Antes, foi a verdadeira razão pela qual Ele veio a este mundo. AS PALAVRAS DA CRUZ MM esmo morrendo, Cristo nos ensinou como viver. As sete frases proferidas na cruz nos dão sete lições profundas da vida. 26 GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:07 Página 26
  27. 27. 1”Pai,perdoa-lhes, porque não sabem o que fazem” (Lucas 23:34). O perdão é melhor do que a vingança. 2“”Em verdade te digo que hoje estarás comigo no paraíso” (Lucas 23:43). A fé é recompensada com promessa. 3“Mulher, eis aí o teu filho”, Eis aí tua mãe” (João 19:26-27). As nossas próprias necessidades nunca devem ofuscar as necessidades dos outros. 4“Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” (Lucas 15:34). Tudo o que pode pôr em perigo o nosso relacionamento com Deus, deveria nos angustiar. 5“Tenho sede!” (João 19:28). Essas palavras, proferidas para cumprir a profecia, nos lembra a autoridade das Escrituras. 6“Está consumado!” (João 19:30). Não permita que a sua atenção seja desviada da meta final. 7“”Pai, nas tuas mãos entrego o meu espírito!” (Lucas 23:46). Em seu sofrimento, entregue-se a Deus. A ACUSAÇÃO DA CRUZ NN a Bíblia encontramos palavras assombrosas que testificarão para sempre a respeito da maldade do homem. Descrevendo a execução de Jesus Cristo, os escritores dos Evangelhos usaram a afirmação: “Eles o crucificaram”. Nunca antes alguém tão inocente havia suportado uma manifestação tal do desprezo e desdém humano. Todo o processo foi uma revelação 27 GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:07 Página 27
  28. 28. aterradora do pecado humano. Primeiro, estava o ódio ciumento dos líderes religiosos de Israel. Os fariseus, os saduceus e os escribas uniram as suas forças para desacreditar a Jesus (Mateus 22:15-46). Eles estavam ressentidos por causa da popularidade de Jesus (Mateus 21:45,46; João 12:19). Eles disseram que os milagres de Jesus eram obra de Satanás (Mateus 12:22-30). Eles ficaram horrorizados por que Jesus aceitava as pessoas ordinárias (Lucas 15:1,2). Eles odiavam que Jesus desmascarava a sua hipocrisia (Mateus 15:1-14). Embora fossem considerados como os líderes espirituais de Israel, eles faziam acusações falsas, juízos ilegais, condenaram e crucificaram Aquele que havia sido enviado por Deus (Mateus 26-27). Segundo, estava a traição avarenta de Judas. Como sendo um dos discípulos, compartilhou a vida e o ministério de Jesus. Ele experimentou os ensinamentos, os milagres e mesmo o coração e a alma do Salvador. Mas no final, ele optou pela traição. Como tesoureiro dos Doze, ele roubava freqüentemente da bolsa comum (João 12:6). Por isso, não é de surpreender que ele vendesse a sua própria alma e o Salvador por 30 moedas de prata. Terceiro, estava a covardia astuta de Pôncio Pilatos, o governador da Palestina nomeado por César. Ele era odiado pelos líderes judeus. Ele sabia que eles o estavam manipulando para matar a Jesus e ele quis resistir a isso. Mas todos os seus contra-ataques falharam. Embora tivesse proclamado publicamente a inocência 28 GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:07 Página 28
  29. 29. de Jesus, ele não o libertou. Cedendo à pressão, ele ordenou a crucificação de Cristo. Quarto, estava o desejo inconstante da multidão. Alguns dias antes, as massas haviam gritado: “Hosana ao Filho de Davi!” quando Cristo entrou em Jerusalém. Mas agora, eles clamavam por Sua morte, gritando: “Crucifica-o! Crucifica-o!” Quinto, estava a crueldade dos soldados romanos. Eles O despojaram de Suas roupas, golpearam-NO com um caniço. Zombaram Dele. Cuspiram Nele. Colocaram uma coroa de espinhos na Sua cabeça. Levaram-NO para fora, golpeado e sangrando e O crucificaram. Que comportamento monstruoso! Agora, seria muito fácil para nós condenar essas pessoas. Mas vamos ser honestos. Tais obras de maldade contra o inocente Filho de Deus, representam a verdade a respeito de todos nós. Elas são uma acusação de nossos próprios pecados. A CHAMADA DA CRUZ OO lhe novamente para a cruz. Olhe para Aquele que está morrendo na cruz. Ele nunca pecou, porém está na cruz para carregar o castigo pelos pecados de todo o mundo. Ele está morrendo ali por você. Você deveria estar lá na cruz. É uma cena feia, não é verdade? Ela nos mostra quão horrível é o pecado e que preço terrível teve de ser pago para libertar-nos. Se você é um cristão, aproxime-se da cruz mais uma vez e isto deveria encher o seu coração de gratidão pelo que Cristo fez por você. Como seu 29 GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:07 Página 29
  30. 30. sacrifício e substituto, Ele fez com que o seu perdão e a sua salvação dos pecados fosse possível. Por que você não Lhe agradece agora mesmo? Então, decida-se a andar em obediência a Deus. Se você não é um cristão, não deseja confiar Nele como o seu Salvador? O seu pecado é real. Você não pode fazer absolutamente nada a respeito — exceto confiar em Jesus Cristo. Não espere mais. Diga-Lhe que você confia Nele como o seu Salvador pessoal. Peça-Lhe para salvá-lo(a). Ele vai fazê-lo porque foi por você que Ele morreu naquela terrível cruz. Ele foi o seu sacrifício. Ele pagou a culpa pelo seu pecado. Confie Nele agora! A SATISFAÇÃO DA CRUZ por Darlene Lehman relatado a Judith Fabisch EE u não me lembro que tenha havido um tempo em que eu não quisesse ser aceite por Deus. O nosso lar era religioso. Minha avó nunca precisou me forçar a ir à igreja aos domingos ou nos dias santos. Depois da escola, muitas vezes eu me 30 “Porque Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.” João 3:16 GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:07 Página 30
  31. 31. detive na catedral fria e pouco iluminada perto de nossa casa e me ajoelhava em um dos bancos vazios. Era uma devoção de agonia. Eu desejava ardentemente o perdão de Deus mas Ele sempre parecia estar tão distante de mim. Quando eu tinha dez anos de idade, o bispo visitou a nossa catedral. Enquanto estava lá, ele abençoou certa quantidade de água santa. Minha avó me mandou buscar uma garrafa dessa água para colocá-la nos pequenos frascos espalhados pela nossa casa. Eu corri todo o caminho até à igreja, mas voltei caminhando lentamente todo o trajeto. Eu estava pensando arduamente. Eu tanto queria ser aceita por Deus. Impulsivamente, eu tomei a água santa! Minha avó não pôde ficar com raiva de mim, pois ela entendeu o desejo e a culpa que podem estar no coração de uma jovem. Mas mesmo assim, eu não estava satisfeita. O segundo grau escolar não me fez perder a sede que estava em minha alma mas muito em breve estava ocupada com os estudos, amigos e namoros. Quando ainda não havia passado um ano depois da minha formatura, eu conheci a Dick e me casei com ele. Em pouco tempo, eu estava me estabilizando na rotina de formar um lar e uma família. Embora amasse a meu esposo e o meu lar, eu ansiava mais do que nunca por paz espiritual. Eu aumentei os meus tempos de dedicação à igreja, assistindo à mesma com fidelidade e fazendo coisas extras na tentativa de conseguir a aprovação de Deus. Mas sempre voltava com um vazio no coração. Eu também participei de 31 GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:08 Página 31
  32. 32. um evento evangelistico no centro da cidade. Mas eu não entendi o que estava sendo dito e por isso eu saí de lá frustrada. Eu estava disposta a fazer qualquer coisa para agradar a Deus. Eu supliquei a Deus. Eu clamei por Ele. Lhe implorei que Se revelasse a mim. E a resposta finalmente veio de um lugar inesperado — através de minha sogra. Parecia que ela sempre estava rodeada de paz e sempre era muito amável. Assim, quando ela me perguntou se queria assistir a uma reunião cristã de mulheres com ela, eu fiquei contente em ir. Uma missionária estava falando. Em termos claros, amorosos e inconfundíveis, ela nos levou até à cruz. Pela primeira vez eu entendi o significado da morte de Cristo — glória a Deus! Eu compreendi que deveria ter me aproximado dali — da cruz — há muito tempo. Eu sabia que a sede de minha alma seria saciada ali. Eu aceitei o amor e o perdão de Deus. Com lágrimas de alegria, eu confiei em Cristo e em Seu sacrifício por mim. Desde então, os anos não têm sido fáceis. Com o tempo, eu deixei a minha igreja por causa do vazio do seu ritual. Eu cresci rapidamente em Cristo e também o meu compromisso para com Ele. Dick não o entendeu e me abandonou. Mas o Senhor sustentou a mim e a meus filhos através dos anos. A paz e a satisfação que encontrei na cruz têm sido reais — muito maior do que se poderia encontrar numa garrafa de água santa. O perdão dos pecados e a aceitação por um Deus santo só podem ser encontrados na cruz. 32 GP202 Christ died:GP202 Christ died 28.10.10 17:08 Página 32

×