Plano de Avaliação do Domínio B
                                                               Sub-domínios B1 e B3
______...
Plano de Avaliação do Domínio B
                                                               Sub-domínios B1 e B3
______...
Plano de Avaliação do Domínio B
                                                               Sub-domínios B1 e B3
______...
Plano de Avaliação do Domínio B
                                                               Sub-domínios B1 e B3
______...
Plano de Avaliação do Domínio B
                                                               Sub-domínios B1 e B3
______...
Plano de Avaliação do Domínio B
                                                                      Sub-domínios B1 e B3...
Plano de Avaliação do Domínio B
                                                               Sub-domínios B1 e B3
______...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Formação BE 5

322 views

Published on

Plano de avaliação do domínio B

Published in: Technology, Travel
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
322
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
3
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Formação BE 5

  1. 1. Plano de Avaliação do Domínio B Sub-domínios B1 e B3 ________________________________________________________________________________ PLANO DE AVALIAÇÃO DO DOMÍNIO B (LEITURA E LITERACIA) A. ESCOLHA DO DOMÍNIO Ao iniciar o processo de auto-avaliação da BE, importa escolher o domínio sobre o qual vai incidir o referido processo, sendo essa escolha fundamentada em critérios que a escola deve conhecer e aceitar. No corrente ano lectivo, foi escolhido o domínio B pelas seguintes razões:  A escola está a iniciar a avaliação/ revisão de vários documentos estruturantes (PEE, Plano de Auto-Avaliação e Plano de Formação)  A equipa de revisão do PEE, tendo em conta as linhas gerais do relatório de avaliação externa e as evidências já recolhidas, considera que a promoção da leitura e da literacia, com carácter transversal e envolvendo as diferentes áreas curriculares, deve ser o motor de todo o projecto e a base sobre a qual assentarão as diferentes acções para a melhoria, tendo como grande objectivo o sucesso educativo dos alunos e não, tão somente, o seu sucesso académico.  Para que este grande objectivo se possa concretizar, importa que todas as estruturas pedagógicas orientem a sua acção nesse sentido. Justifica-se, por isso, que a BE faça incidir a sua auto-avaliação sobre este mesmo domínio, para que possa vir a demonstrar a importância do seu contributo para que a escola cumpra a sua missão e atinja os seus objectivos.  A BE tem desenvolvido a sua acção em torno deste objectivo, mas não o tem feito de uma forma sistemática e devidamente planificada, pelo que certamente poderá melhorar o seu trabalho com base na auto-avaliação do mesmo. B. O PROCESSO DE AVALIAÇÃO No texto Basic Guide to Program Evaluation, Carter McNamara sublinha que a avaliação das organizações, quer tenham ou não fins lucrativos, não pode continuar a ser vista como uma actividade inútil e sem consequências na vida da organização. Pelo contrário, a avaliação deve ser útil, relevante e praticável, além de cientificamente válida. A avaliação não é um processo que se encerra, é antes um processo contínuo, que vai dando o feed-back necessário para que se possam continuar a fazer os ajustamentos necessários à melhoria da organização. ____________________________________________________________________________ 1 Isabel Mendes
  2. 2. Plano de Avaliação do Domínio B Sub-domínios B1 e B3 ________________________________________________________________________________ Para que este objectivo se concretize, há que decidir:  Que informação é necessária para poder tomar decisões?  Como recolher a informação com precisão?  Como interpretar essa informação? Para que o programa de avaliação seja viável é, entretanto, necessário que a organização, neste caso a escola, funcione e aja como um todo e que o programa seja avaliado não só em termos de meios (inputs), de processo (process) e de realizações (outputs) mas, igualmente, em termos de impactos (outcomes) sobre os utilizadores. A avaliação irá revelar o valor que os utilizadores atribuem à sua biblioteca, quer em termos da melhoria nas suas competências e conhecimento, quer em termos da sua formação, integração e bem-estar. A aplicação do modelo de auto-avaliação da BE tem subjacentes estes pressupostos, sendo por isso necessário que:  Toda a escola se envolva no processo  Sejam avaliados os meios, processos, realizações e impactos  Sejam retiradas conclusões fundamentadas e credíveis  Sejam deduzidas acções de melhoria C. PLANIFICAÇÃO DA AVALIAÇÃO C.1. Envolvimento da escola O envolvimento da escola processar-se-á gradualmente, através da Equipa da Biblioteca, da Direcção Executiva e Conselho Pedagógico (1º Período), alargando-se progressivamente aos restantes professores, alunos, encarregados de educação e assistentes operacionais da BE (2º/3º períodos). C.1.1. Equipa da BE Analisa o modelo, envolve-se na escolha do sub-domínio, acompanha o processo, colabora na recolha de evidências, na análise de dados e na elaboração da proposta do plano de acção para a melhoria. C.1.2. Direcção Executiva Toma conhecimento do modelo, envolve-se na escolha do sub-domínio, acompanha o processo, toma conhecimento do relatório final e do plano de acção e envolve-se na criação de condições para as acções de melhoria ____________________________________________________________________________ 2 Isabel Mendes
  3. 3. Plano de Avaliação do Domínio B Sub-domínios B1 e B3 ________________________________________________________________________________ C.1.3. Conselho Pedagógico Toma conhecimento do modelo e da escolha do domínio, toma conhecimento do processo, do relatório final e do plano de acção para a melhoria C.1.4. Restantes professores Tomam conhecimento de todo o processo e do relatório final através dos respectivos departamentos e colaboram na recolha de evidências, quando tal se justifique. C.1.5. Alunos Colaboram na recolha de evidências, quando tal se justifique. C.1.6. Encarregados de Educação Através dos seus representantes (Associação de Pais) tomam conhecimento do modelo e da escolha do domínio, tomam conhecimento do processo, do relatório final e do plano de acção para a melhoria. Colaboram na recolha de evidências, quando tal se justifique. C.1.7. Assistentes Operacionais da BE Conhecem sucintamente o modelo e colaboram na recolha de evidências. Tomam conhecimento dos aspectos principais do relatório e do plano de acção e envolvem-se na concretização das acções de melhoria. C.2. Recolha de evidências A recolha dos diferentes tipos de evidências deve decorrer, maioritariamente, durante o 2º período C.3. Interpretação da informação A interpretação da informação, retirando as respectivas conclusões e propondo acções de melhoria deve realizar-se no 3º período. D. RECOLHA DE EVIDÊNCIAS DO SUB-DOMÍNO B.1. TRABALHO DA BIBLIOTECA AO SERVIÇO DA PROMOÇÃO DA LEITURA NA ESCOLA A avaliação deste sub-domínio incide sobre os processos e as realizações da BE no sentido de promover a leitura junto de todos os seus potenciais utilizadores, ou seja, pretende-se saber o que é realizado e como é realizado. D.1. Análise prévia Antes de iniciar o processo de avaliação propriamente dito, considero importante fazer uma análise prévia de verificação, antecipando os aspectos a observar, que necessitam ser implementados ou desenvolvidos. ____________________________________________________________________________ 3 Isabel Mendes
  4. 4. Plano de Avaliação do Domínio B Sub-domínios B1 e B3 ________________________________________________________________________________ Aspectos a avaliar Análise Prévia Pontos fortes Pontos fracos A colecção existente A colecção tem vindo a ser Não existe uma política de está adequada e actualizada; colecção; corresponde aos gostos Têm sido recolhidas sugestões Não se conhecem com rigor os e necessidades dos de utilizadores, embora não de gostos, interesses e utilizadores? forma sistemática necessidades dos utilizadores A colecção corresponde Os alunos dos CEF e PIEF Não se conhecem com rigor os aos gostos e frequentam a BE e alguns gostos, interesses e necessidades de novos requisitam livros; necessidades destes públicos? Alguns professores de Português utilizadores destes cursos integram a leitura nas suas práticas; A BE desenvolve Estes alunos participam em Existem poucas actividades actividades destinadas a actividades da BE, embora o destinadas a estes públicos. estes públicos? façam esporadicamente. Estão identificadas Existe uma noção empírica de Não existe uma identificação problemáticas e algumas dificuldades fundamentada dificuldades? São promovidas acções São promovidas algumas acções Não são promovidas de forma formativas na área da sistemática leitura? É incentivado o Existe um aumento no número Muitos alunos nunca empréstimo de requisições requisitaram qualquer livro domiciliário? A BE desenvolve São desenvolvidas acções no Não existe uma actuação acções no âmbito da âmbito do PNL sistemática e consistente em implementação do termos da implementação do PNL? PNL A BE incentiva a leitura Existem actividades pontuais de Não existe articulação com a informativa, em articulação generalidade dos articulação com os departamentos departamentos curriculares? A BE desenvolve São desenvolvidas várias Muitas actividades são actividades no âmbito actividades pontuais da promoção da leitura? ____________________________________________________________________________ 4 Isabel Mendes
  5. 5. Plano de Avaliação do Domínio B Sub-domínios B1 e B3 ________________________________________________________________________________ A BE promove São desenvolvidas várias Não têm sido promovidos encontros com actividades encontros com escritores escritores/ eventos culturais para promoção da leitura? A BE incentiva a leitura Existem meios informáticos e os Não é feito de forma em ambientes digitais? alunos têm apetência sistemática A BE organiza e Fá-lo esporadicamente Não tem sido feito trabalho difunde recursos sistemático nesta área documentais? A BE apoia os alunos Existe um bom ambiente e o A equipa não consegue dar nas suas escolhas e atendimento é o mais resposta a todas as solicitações conhece as novidades personalizado possível que se adequam aos seus gostos? D.2. Evidências No sentido de recolher a informação pretendida, dever-se-á recorrer a diferentes tipos de evidências, conforme o objecto da avaliação. Tal determinará o recurso a diferentes tipos de instrumentos de avaliação, conforme se indica. Objecto de avaliação Evidências A colecção Livros adquiridos (quantidade/ diversidade) Orçamento anual Pedidos não satisfeitos Comparação com necessidades das áreas curriculares Questionário aos alunos e professores Utilização informal da BE Estatísticas de utilização para leitura em presença (registo de dias críticos) Leitura domiciliária Estatísticas de requisição domiciliária Leitura programada Registo de actividades de leitura programada na BE Questionário aos professores envolvidos Leitura em sala de aula Estatística de livros requisitados para sala de aula Questionário aos professores Leitura em ambientes digitais Registo de acesso ao blogue da BE Registo de participação em fóruns de leitura Actividades do PNL Estatística de livros utilizados Levantamento das actividades desenvolvidas Questionário aos professores de 3º ciclo Questionário aos alunos de 3º ciclo ____________________________________________________________________________ 5 Isabel Mendes
  6. 6. Plano de Avaliação do Domínio B Sub-domínios B1 e B3 ________________________________________________________________________________ Realização de actividades de Registo de actividades promoção da leitura Organização e difusão de recursos Questionários a professores de diferentes áreas documentais curriculares E. RECOLHA DE EVIDÊNCIAS DO SUB-DOMÍNO B.3. IMPACTO DO TRABALHO DA BE NAS ATITUDES E COMPETÊNCIAS DOS ALUNOS, NO ÂMBITO DA LEITURA E DA LITERACIA Com a avaliação deste sub-domínio pretende-se aferir se a acção da BE provoca alterações significativas nas competências de leitura e literacia dos alunos. O que está em causa não são os processos e as realizações, mas sim o seu impacto. E.1. Análise prévia Pela análise prévia de verificação deste sub-domínio verifica-se: Aspectos a avaliar Análise Prévia Pontos fortes Pontos fracos Os alunos usam os Os alunos recorrem à BE com Não é evidente a forma como livros e a BE para frequência usam os livros e a BE leitura recreativa, para se informar ou realizar trabalhos? Os alunos revelam Muitos alunos revelam maior Desconhecem-se os progressos nas apetência pela leitura progressos reais competências de leitura, lendo mais e com mais profundidade? Os alunos revelam Os alunos dispõem dos meios Importa aferir a qualidade dos progressos nas para desenvolver trabalhos competências de leitura, competências de leitura em desenvolvendo ambientes informacionais trabalhos onde variados e realizam trabalhos interagem com equipamentos e ambientes informacionais variados? Os alunos participam Verifica-se uma boa Importa avaliar a qualidade da em actividades de participação participação promoção da leitura? ____________________________________________________________________________ 6 Isabel Mendes
  7. 7. Plano de Avaliação do Domínio B Sub-domínios B1 e B3 ________________________________________________________________________________ E.2. Evidências As evidências a recolher são as seguintes: Objecto de avaliação Evidências Utilização do livro Estatísticas de requisição domiciliária Utilização da BE Estatísticas de utilização da BE para actividades de leitura; Observação de utilização da BE Progressos nas competências de Análise das avaliações dos alunos leitura Questionários / Entrevistas aos alunos Questionários/Entrevistas aos professores Desenvolvimento de trabalhos Trabalhos realizados pelos alunos Participação em actividades Registo de actividades Trabalhos realizados pelos alunos F. ANÁLISE DOS DADOS A partir dos dados recolhidos, serão tiradas ilações relativamente aos diferentes factores críticos de sucesso, confrontando-as com os perfis de desempenho. G. RELATÓRIO E COMUNICAÇÃO DE RESULTADOS Após preenchimento do relatório, de acordo com o modelo da RBE, os resultados devem ser comunicados à escola e incluídos no relatório de auto-avaliação da escola. H. PLANO DE ACÇÃO Tendo em conta os pontos fortes e fracos identificados, é definido um plano de acção que será monitorizado no ano lectivo seguinte. ____________________________________________________________________________ 7 Isabel Mendes

×