Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Lição 3ª Liderança espiritual

1,969 views

Published on

  • Be the first to comment

Lição 3ª Liderança espiritual

  1. 1. I P ZONA SUL<br />Professor: Rev. Joab Barbosa<br />
  2. 2. Estudos Bíblicos 1Coríntios<br />3ª Lição<br /> Liderança Espiritual<br />
  3. 3. Texto Básico:<br />“I Coríntios 3.1-4.21”<br />
  4. 4. Objetivo <br /> Construir conceitos bíblicos sobre liderança espiritual.<br />
  5. 5. Introdução<br /> Um dos problemas antigos existentes na igreja é a predileção por líderes. Há muita gente que é “crente de pastor”, ou seja, ele frequenta e trabalha na igreja não por causa de Cristo, mas por afeição ao pastor. E se o pastor sai da igreja, ele também sai. Este era um dos problemas que havia na igreja em Corinto e que foi combatido por Paulo – 1Co 3.4. Este comportamento revela, segundo Paulo, imaturidade ou criancice e carnalidade ou comportamento dominado pela natureza humana pecaminosa.<br />
  6. 6. Este comportamento é diagnosticado por dois sintomas: (1) Eles não tinham profundidade espiritual, pois não conheciam e nem praticavam a Palavra de Deus. (2) Eles viviam em desarmonia uns com os outros, divididos por grupos e partidos. É neste contexto que Paulo pergunta: Quem é Apolo? E quem é Paulo? (v.5). Ao responder estas perguntas, ele nos oferece conceitos bíblicos sobre liderança espiritual.<br />
  7. 7. 1. Servo (v.5)<br />Paulo diz: Quem é Apolo? E quem é Paulo? Servos por meio de quem crestes, e isto conforme o Senhor concedeu a cada um (v.5). Quem são Apolo e Paulo? Duas respostas neste verso: (1) Eles são servos de Cristo. Ele usa a palavra “servos” (diakonos). Um diácono é alguém que serve aos outros, assim como Jesus serviu (Mt 20.28). A ênfase de Paulo não é a pessoa, mas o ofício. Não importa quem é a pessoa (Paulo ou Apolo), mas o que ela é. Não importa que é o pastor, mas a obra que ele está realizando. (2) Eles são servos por meio de quem vocês se tornaram crentes. A ênfase de Paulo é que eles eram meros instrumentos por meio de quem Deus realizava a Sua obra. Logo, nenhum líder espiritual deve ser idolatrado.<br />
  8. 8. 2. Plantador e Regador (v.6-8)<br /> Paulo diz: Eu plantei, Apolo regou; mas o crescimento veio de Deus. De modo que nem o que planta é alguma coisa, nem o que rega, mas Deus, que dá o crescimento. Ora, o que planta e o que rega são um; e cada um receberá o seu galardão, segundo o seu próprio trabalho (vv.6-8). Paulo usa uma figura agrícola para descrever o trabalho de um líder na evangelização e plantação de uma igreja. Há quatro lições primordiais nestes versos: (1) A igreja é a lavoura de Deus. O coração humano é o terreno onde a semente da Palavra é semeada (Mt 13.10,18-23). Quando a semente frutifica, nasce um cristão ou um membro da família de Deus. A igreja é o resultado e a soma destes corações onde a Palavra frutificou. <br />
  9. 9. (2) A lavoura de Deus nasce por meio do trabalho árduo daqueles que plantam e regam: Eu plantei, Apolo regou. Trata-se de um trabalho coletivo onde uns precisam dos outros. Há diversidade de dons (plantar, regar etc) e há interdependência dos ministérios na igreja. (3) A lavoura cresce por causa de Deus. Ele é quem dá o crescimento! O homem trabalha, mas somente Deus pode dar a vida e o crescimento espiritual da igreja. (4) Todos que trabalham na lavoura de Deus serão recompensados. Deus receberá toda a glória por meio da igreja. Cada trabalhador será recompensado, segundo o seu próprio trabalho (Mt 25.14-23).<br />
  10. 10. 3. Cooperador (v.9)<br />Porque de Deus somos cooperadores; lavoura de Deus, edifício de Deus sois vós (v.9). Para Paulo, ele e Apolo trabalhavam como cooperadores para Deus e com a cooperação de Deus. Estes dois sentidos são possíveis. Um não exclui o outro. Não que o homem seja igual a Deus, pois os líderes não são nada e não podem realizar nada, sem a bênção de Deus (Rm 10.14; 2Co 1.24). É Deus quem produz o crescimento.<br />
  11. 11. 4. Construtor (v.10)<br /> Paulo, após usar uma metáfora agrícola, utiliza-se de uma metáfora da arquitetura. Segundo a graça de Deus que me foi dada, lancei o fundamento como prudente construtor; e outro edifica sobre ele. Porém cada um veja como edifica (v.10). A palavra construtor vem do termo grego “arquiteto”. Só que o arquiteto, no contexto de Paulo, não indicava aquele que elabora um projeto, mas aquele que executa. O arquiteto era o mestre de obra ou o pedreiro responsável que executava a obra. Por isso Paulo usa o adjetivo prudente para qualificar o construtor. Veja as razões por que o construtor deve ser prudente:<br />
  12. 12. 1)Ele não pode mexer no fundamento da obra.<br /> Porque ninguém pode lançar outro fundamento, além do que foi posto, o qual é Jesus Cristo (v.11).<br />2) Ele precisa escolher bem o material que vai usar na construção.<br /> Contudo, se o que alguém edifica sobre o fundamento é ouro, prata, pedras preciosas, madeiras, feno, palha (v.12).<br />3)Ele será avaliado pela qualidade da sua obra.<br />Manifesta se tornará a obra de cada um; pois o Dia a demonstrará, porque está sendo revelada pelo fogo; e qual seja a obra de cada um o próprio fogo o provará (v.13).<br /> 4) Ele será recompensado pelo trabalho de edificação.<br /> Se permanecer a obra de alguém que sobre o fundamento edificou, esse receberá galardão; se a obra de alguém se queimar, sofrerá ele dano; mas esse mesmo será salvo, todavia, como que através do fogo (v.14,15).<br />
  13. 13. Logo, todo cristão, líder ou liderado, precisa tomar três cuidados:<br />Cada cristão é um santuário sagrado onde Deus habita por meio do Espírito. Deus destruirá todo aquele que tentar destruir o Seu santuário (vv.16,17).<br />Não se enganem! Não abra mão da sabedoria celestial em troca da sabedoria mundana (vv.18-20).<br />Todo cristão deve gloriar-se em Deus, e não se vangloriar na competência de líderes espirituais. Em Cristo, o cristão possui todas as coisas. Eles pertencem a Cristo e a Deus (vv.21-23).<br />
  14. 14. 5. Ministros de Cristo e mordomos de Deus<br /> Paulo escreve: Assim, pois, importa que os homens nos considerem como ministros de Cristo e despenseiros dos mistérios de Deus. Ora, além disso, o que se requer dos despenseiros é que cada um deles seja encontrado fiel (1Co 4.1,2). Três lições importantes: (1) Devemos olhar para os líderes como eles são perante Deus. Eles são servos ou ministros (huperetes). Originalmente, a palavra aplicava-se aos escravos que remavam no convés de uma embarcação e um sentido mais amplo de um empregado doméstico (Lc 4.20). Eles são mordomos ou despenseiros (oikonomos), isto é, servos a quem o senhor confiou os seus bens.<br />
  15. 15. No caso aqui, Paulo fala da mordomia dos mistérios de Deus, isto é, eles são instrumentos que Deus usa para a proclamação do evangelho e para a edificação da igreja. (2) Devemos considerar que todos os líderes são iguais perante Deus. Observe que Paulo usa o plural para ministros e mordomos. Tanto os apóstolos como os seus auxiliares são servos de Cristo, na igreja e para o bem dela. Jesus, e não a igreja, é o Senhor deles. (3) Devemos olhar para a fidelidade dos líderes espirituais. Os crentes estavam olhando para o carisma, eloquência e oratória do líder. Mas o que Deus exige de cada pessoa que o serve é a fidelidade (1Pe 4.10).<br />
  16. 16. 6. O Contraste Entre o Líder Orgulhoso e o Humilde<br /> Segundo o ensino bíblico, o orgulho é o pior de todos os pecados. Ele foi o primeiro pecado e é essência de todos os outros. John Stott disse: “O orgulho é mais que o primeiro dos sete pecados capitais; ele é a essência de todo pecado”. Por isso, Deus odeia o orgulho. Abominável é ao Senhor todo arrogante de coração; é evidente que não ficará impune (Pv 16.5). Tiago diz: Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes (Tg 4.6). Por que Deus odeia tanto o orgulho? C. J. Mahaney responde: “Orgulho é quando seres humanos pecadores desejam o prestígio e a posição de Deus, e se recusam a reconhecer sua dependência dele”. O orgulho promove a autoglorificação ao invés de glorificar a Deus. Somente Deus é digno de toda a glória, mas o meu orgulho leva-me a disputar com Deus querendo a sua glória para mim.<br />
  17. 17. “O orgulho tem sido a causa da divisão de muitas igrejas e a ruína de muitos líderes espirituais. A igreja de Corinto estava sendo prejudicada espiritualmente por causa do orgulho de seus membros. Eles se gloriavam em homens e o apóstolo Paulo os reprova severamente.”<br />
  18. 18. O servo orgulhoso<br />É cheio de soberba espiritual<br />É rico espiritual aos seus próprios olhos<br />É sábio em sua própria opinião<br />É forte física ou socialmente<br />É nobre na concepção do mundo<br />
  19. 19. O servo humilde<br />Serve com transparência<br />Não julga aos outros<br />Tem uma vida exposta<br />É visto como um louco<br />É totalmente indefeso<br />É escarnecido e desprezado pelo mundo<br />É sempre um necessitado<br />É um peregrino ou vive sempre de maneira instável<br />Trabalha de forma estafante<br />Abençoa mesmo que amaldiçoado<br />É visto como o lixo do mundo<br />
  20. 20. Fim da 3ª Aula.<br />

×