Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Instituto Espírita de Educação - Adolescência e Dependência Química

0 views

Published on

Palestra no Instituto Espírita de Educação proferida por Irene Gaviolle.

  • Be the first to comment

Instituto Espírita de Educação - Adolescência e Dependência Química

  1. 1. TEMA: ADOLESCÊNCIA E A DEPENDÊNCIA QUÍMICA EXPOSITORA: IRENE WENZEL GAVIOLLE Psicanalista – Psicóloga Clínica E-mail: igaviolle@terra.com.br www.institutoespirita.org.br www.institutoespirita.blogspot.com
  2. 2. É um período de desenvolvimento do jovem em que se verificam mudanças na vida psíquica, mudanças na relação com o próprio corpo e com o semelhante; onde se estabelecem novas escolhas e laços. Dura apenas um tempo e o tempo é seu remédio natural. Fase de conflitos e modificações: alguns a vivem sem problemas significativos, outros com grandes conflitos. PUBERDADE: é o amadurecimento físico – Início 11/12 anos. Meninas (menarca) e nos meninos pela primeira ejaculação c/ sêmem. ADOLESCÊNCIA: é o amadurecimento emocional - Se completa por volta dos 15/17 anos. ADOLESCÊNCIA
  3. 3. ADOLESCÊNCIA SOCRATES – (470a.C. – 399 a . C.) “Os jovens rebelam-se contra a autoridade e não respeitam os mais velhos. Contradizem seus pais, cruzam as pernas e tiranizam seus mestres”. ARISTÓTELES – (383a.C. – 322a.C.) “Os jovens tudo fazem em excesso: se amam, se odeiam, se enfim, agem, o fazem com veemência”.
  4. 4. O jovem adolescente precisa elaborar vários lutos: LUTO PELO CORPO INFANTIL: Voz - Corpo sofre modificações que o jovem não tem controle – Para não perder seus corpos o marcam com tatuagens ou pierces ou sentem vergonha do novo corpo – Um corpo desconhecido, novo. LUTO PELA DEFINIÇÃO SEXUAL: Nessa fase o adolescente começa a pensar na diferenciação sexual. Precisa haver uma definição e uma postura condizente com o seu sexo, o que antes não era pensado com tanta responsabilidade. ADOLESCÊNCIA LUTOS
  5. 5. LUTO PELOS PAIS DA INFÂNCIA: Os pais agora são vistos como seres humanos falíveis, que fracassam e que não são mais invencíveis. LUTO PELO PAPEL E PELA IDENTIDADE INFANTIL: Conflito entre ser dependente ou independente. Entrar no mundo dos adultos é um misto de desejo e temor. Significa a perda definitiva da condição de ser criança. ADOLESCÊNCIA LUTOS
  6. 6. DROGA  OMS (ORG. MUNDIAL DE SAÚDE )  QUALQUER SUBSTÂNCIA QUE UMA VEZ INTRODUZIDA NO ORGANISMO VIVO PODE MODIFICAR UMA OU MAIS DE SUAS FUNÇÕES, EXCETO AQUELAS NECESSÁRIAS À MANUTENÇÃO DA SAÚDE NORMAL. DROGAS
  7. 7. 1- DEPRESSORAS (SNC) - DROGAS QUE DIMINUEM A ATIVIDADE CEREBRAL: ÁLCOOL – ÓPIO- HIPNO-SEDATIVOS – BARBITÚRICOS – ANSIOLÍTICOS (TRANQUILIZANTES) – INALANTES (COLA, BENZINA, ELMALTE DE UNHA) – NARCÓTICOS (MORFINA – HEROÍNA). DIMINUEM A ATENÇÃO, A CONCENTRAÇÃO, A TENSÃO EMOCIONAL E A CAPACIDADE INTELECTUAL.  2- ESTIMULANTES (SNC)  DROGAS QUE AUMENTAM A ATIVIDADE CEREBRAL: CAFEÍNA – NICOTINA (TABACO) - COCAÍNA – CRACK – ANFETAMINAS (REMÉDIOS P/ EMAGRECER – BOLAS) DROGAS
  8. 8. 3- DROGAS QUE ALTERAM A PERCEPÇÃO DO SNC : ALUCINÓGENOS- DEIXAM A MENTE PERTURBADA : MACONHA – SKANK (MUTAÇÃO GENÉTICA DA CANABIS) - LSD – ECSTASY – COGUMELO – MERLA (FOLHA DE COCAÍNA ADICIONADA AO QUEROSENE/GASOLINA).  DROGAS LÍCITAS - VENDIDAS LIVREMENTE (ALCOOL – TABACO) DROGAS ILÍCITAS – COMERCIALIZAÇÃO RESTRITA E CONTROLADA (TRANQUILIZANTES, MORFINA, ANTIDEPRESSIVOS, ANOREXÍGENOS, ETC.) OU TERMINANTEMENTE PROIBIDAS - (MACONHA, COCAÍNA, CRACK, MERLA, HEROÍNA, ECSTASY) DROGAS
  9. 9. <ul><li>CONFLITOS – A DROGA SURGE COMO ELEMENTO CAPAZ DE SOLUCIONÁ-LOS. </li></ul><ul><li>FUGA DA REALIDADE POR ALGUNS INSTANTES </li></ul><ul><li>O JOVEM SE SENTE O TODO PODEROSO “EM PAZ” INDEPENDENTE E SE JUNTA A GRUPOS. </li></ul><ul><li>TEM MEDO DE NÃO SER ACEITO PELO GRUPO E SE SUBMETE ÀS SUAS REGRAS. </li></ul><ul><li>DEPENDÊNCIA ÀS REGRAS DO GRUPO E MUITAS VEZES DEPENDENTE DA DROGA. </li></ul><ul><li>O GRUPO ENTENDE A SUA “LINGUAGEM”. OS PAIS E ORIENTADORES SÃO “CARETAS” E NÃO SABEM NADA DA VIDA. </li></ul>ADOLESCÊNCIA x DROGAS
  10. 10. <ul><li>SE NÃO HOUVE DIÁLOGO E ORIENTAÇÃO O JOVEM FATALMENTE CEDERÁ ÀS REGRAS DO GRUPO. </li></ul><ul><li>SE UNIR A GRUPOS É EXTREMAMENTE SAUDÁVEL. QUANDO O JOVEM NÃO CONSEGUE É O SINTOMA DE DIFICULDADE NA ELABORAÇÃO DOS LUTOS. </li></ul><ul><li>ONIPOTÊNCIA FRENTE À MORTE. O JOVEM NÃO TEME RISCOS. CRÊ QUE NO MOMENTO QUE RESOLVER PARAR COM A DROGA, IRÁ CONSEGUIR. </li></ul>ADOLESCÊNCIA x DROGAS
  11. 11. <ul><li>O jovem se considera imortal, invencível. Pratica esportes radicais, saltos mortais s/ skates. </li></ul><ul><li>Crença de que as drogas podem modificar o que sentimos. Tentativa de amenizar sentimentos de solidão, de inadequação, baixa auto-estima ou falta de confiança. </li></ul><ul><li>A mídia reforça a onipotência dos jovens, quando veiculam comerciais de cigarros e bebidas alcoólicas, mostrando modelos com faces rosadas e aspectos saudáveis. </li></ul><ul><li>O alto custo das drogas não é impedimento para o seu consumo. O que importa é a busca pelo prazer imediato. </li></ul>ADOLESCÊNCIA x DROGAS
  12. 12. <ul><li>Mudanças bruscas de comportamento: se afastam dos amigos &quot;caretas&quot; (que não se drogam) e das atividades que exercia. </li></ul><ul><li>Falta de motivação para as atividades comuns. </li></ul><ul><li>Queda no rendimento escolar ou abandono dos estudos. </li></ul><ul><li>Perda de interesse por atividades antes favoritas: esportes que praticava. </li></ul><ul><li>Alteração do aspecto físico (desleixo): não faz a barba, não toma banho. </li></ul>ADOLESCÊNCIA x DROGAS SINAIS A SEREM OBSERVADOS
  13. 13. <ul><li>Presença de instrumentos necessários para consumo de drogas (seringas, canudos ou similar, etc.). </li></ul><ul><li>Alterações acentuadas no apetite: a cocaína faz aumentar o apetite e a maconha tira o apetite, pois a droga emite informação ao cérebro de que está alimentado. </li></ul><ul><li>Excesso de distração: tem sempre um aspecto &quot;desligado&quot;, &quot;vive no mundo da lua&quot;. </li></ul><ul><li>Desaparecimento de objetos de valor em casa ou no trabalho: o adicto precisa vender objetos para conseguir dinheiro para a droga. </li></ul>ADOLESCÊNCIA x DROGAS SINAIS A SEREM OBSERVADOS
  14. 14. <ul><li>Lesões e irritações nasais constantes: característica do usuário de cocaína. </li></ul><ul><li>Afecções físicas incomuns, tais como: hepatite, sangramento pelo nariz: a droga enfraquece o sistema imunológico. </li></ul><ul><li>Ausências de casa ou do trabalho repentinas e por longo tempo. </li></ul><ul><li>O jovem passa a se tornar evasivo, mentiroso e manipulador. </li></ul><ul><li>Mania de perseguição. </li></ul>ADOLESCÊNCIA x DROGAS SINAIS A SEREM OBSERVADOS
  15. 15.   1-   OS PAIS ENFRENTAREM O PROBLEMA E NÃO O NEGAR. 2-     CONTROLAR A RAIVA E OS RESSENTIMENTOS 3-    NÃO AGREDIR O FILHO NEM POR PALAVRAS (MACONHEIRO – VAGABUNDO – MARGINAL – INÚTIL) NEM POR AÇÕES. 4-     DIALOGAR COM O FILHO ABERTAMENTE SOBRE COMO ELE CHEGOU A ISSO. OS PAIS NÃO DEVEM SE VIOLENTAR POR NENHUM TIPO DE RESPOSTA QUE O FILHO LHES DÊ.   ADOLESCÊNCIA x DROGAS O QUE SE DEVE FAZER?
  16. 16. 5-   DEMONSTRAR CLARAMENTE O DESEJO DE AJUDÁ-LO A SAIR DA DIFICULDADE. FAZÊ-LO COMPREENDER QUE O PROBLEMA É DOS DOIS. MANTER CLIMA DE AFETO E COMPREENSÃO, MAS SEM COMPACTUAR COM AS DROGAS. 6- PROCURAR ORIENTAÇÃO E AJUDA ESPECIALIZADA EM TRATAMENTO DE DROGAS. 7- OS PAIS ESTAREM PRESENTES FÍSICA E PSICOLOGICAMENTE TOCANDO O FILHO, ABRAÇANDO-O, OUVINDO-O. 8-   A FAMÍLIA (SE HOUVER) PARTICIPAR DO TRATAMENTO. ADOLESCÊNCIA x DROGAS O QUE SE DEVE FAZER?
  17. 17. 9-    NÃO SUPERVALORIZAR A DROGA ACHANDO QUE O JOVEM JAMAIS SE LIBERTARÁ DELA OU SUBESTIMÁ-LA ACHANDO QUE ELA NÃO É PERIGOSA E QUE O CASO É PASSAGEIRO. 10- O TRATAMENTO É IMPOSSÍVEL QUANDO O PACIENTE NÃO ESTÁ CONVICTO DA NECESSIDADE DE TRATAMENTO. ADOLESCÊNCIA x DROGAS O QUE SE DEVE FAZER?
  18. 18. <ul><li>• CONVIDADOS A CAMINHAR AO LADO DO JOVEM. </li></ul><ul><li>  DIALOGANDO. </li></ul><ul><li>  COMPREENDENDO-LHE AS ASPIRAÇÕES. </li></ul><ul><li>POSTURA MORAL DE RESPEITO E INTIMIDADE. </li></ul><ul><li>   FORTALECENDO A CORAGEM DO JOVEM. </li></ul><ul><li>   AJUDANDO-O NOS DESAFIOS PARA QUE ELE SINTA SEGURANÇA. </li></ul><ul><li>ADULTOS SERVEM DE MODELOS  SERÃO DEFINIDORES DO COMPORTAMENTO. </li></ul><ul><li>ESTABELECER LIMITES . DIZER “NÃO” A UM FILHO O ENSINARÁ A DIZER TAMBÉM, NÃO, PARA AS DROGAS. </li></ul>PAIS E EDUCADORES PREVENÇÃO
  19. 19. <ul><li>  Ensinar o jovem a pensar. </li></ul><ul><li>Antes de educar crianças, jovens e adolescentes, precisamos educar seus pais, professores e orientadores. </li></ul><ul><li>A prevenção ao uso de drogas tem a ver com a auto-estima e a afetividade. Trabalhar primeiro a afetividade e auto-estima do orientador ou educador.    Trabalhar com a direção, orientações e supervisões. </li></ul><ul><li>A segunda etapa envolve os professores e funcionários. </li></ul><ul><li>A Terceira Etapa, trabalhar com os Pais e Família. </li></ul>PAIS E EDUCADORES PREVENÇÃO
  20. 20. <ul><li>• O bom educador tem: </li></ul><ul><li>Diálogo. </li></ul><ul><li>Conhece o assunto. </li></ul><ul><li>Tem senso crítico. </li></ul><ul><li>É modelo e presença. </li></ul><ul><li>Age com amor e firmeza. </li></ul><ul><li>Dá apoio e auto-estima. </li></ul><ul><li>Resgata valores. </li></ul><ul><li>Mantém todos ocupados. </li></ul><ul><li>Convive com carinho, dedicação e diálogo. </li></ul>PAIS E EDUCADORES PREVENÇÃO
  21. 21. É fato que as drogas atingem qualquer pessoa de qualquer credo, raça, cor, sexo e idade. Mas ela só alcança você, se você deixar ou quiser que isso aconteça. Nunca se considere imune à elas. Nunca duvide dos poderes que elas possuem. Amar a vida não é ser careta. PAIS E EDUCADORES CONSIDERAÇÕES GERAIS
  22. 22. <ul><li>Crescendo sem Drogas – Guia de Prevenção – www.contradrogas.com.br </li></ul><ul><li>SENAD – Secretaria Nacional Anti-Drogas – Um guia para a Família. </li></ul>BIBLIOGRAFIAS

×