Ação do Pensamento - Wilma Badan

1,122 views

Published on

Palestra de Wilma Badan no Instituto Espírita de Educação

Published in: Spiritual
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,122
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
53
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Ação do Pensamento - Wilma Badan

  1. 1. Wilma Badan Caparroz Gonzalezwww.slideshare.net/institutoespirita
  2. 2. PENSARprocesso mental oufaculdade do sistemamental.PENSARpermite aos seresmodelarem o mundo ecom isso lidar com ele deuma forma efetiva e deacordo com suas metas,planos e desejos.
  3. 3. PENSAMENTO:ato contínuo de escolher
  4. 4. NOSSAEXISTÊNCIAse faz através deum processointerminável deescolhas
  5. 5. DECIDIRpara onde ir e descobrir a razão dopróprio querer
  6. 6. Consequências das escolhas e atitudes adotadas – não podemos prever Assumir os erros e acertos
  7. 7. AO DECIDIRSomos responsáveis pornós mesmos,mas também por outrosseres:nossos filhos, ocônjuge, umamigo, companheiros detrabalho etc.
  8. 8. DECISÕESTOMADAS ONTEMRefletidas HOJECausa dos efeitosque ocorrem emnossa existênciaLei do retorno
  9. 9. Decisões começam a ser tomadas quando pensamos
  10. 10. Seg. Descartes (1596-1650), filósofo de grandeimportância na história dopensamento,"a essência do homem épensar".Por isso dizia:"Sou uma coisa quepensa, isto é, que duvida, queafirma, que ignoramuitas, que ama, queodeia, que quer e nãoquer, que também imagina e
  11. 11. QUANDO PENSAMOS: AVALIAMOSa realidade, o peso das coisas CRIAMOS APRENDEMOS AJUDAMOS
  12. 12. Obsessão e o pensamento único - sintonia Concentração - Irradiação Convergência de pensamentos para um determinado fim - sintonia A preceManifestação inteligente dos sentimentos da criatura humana - sintonia
  13. 13. DoPENSAMENTO para a AÇÃO
  14. 14. EM PAZ (Amado Nervo) Já bem perto do ocaso, eu te bendigo, ó Vida, Porque nunca me deste esperança mentida, Nem trabalhos injustos, nem pena imerecida. Porque vejo, ao final de tão rude jornada, Que a minha sorte foi por mim mesmo traçada; Que, se extraí os doces méis ou o fel das coisas, Foi porque as adocei ou as fiz amargosas;Quando eu plantei roseiras, eu colhi sempre rosas.
  15. 15. Decerto, aos meus ardores, vai suceder o inverno: Mas tu não me disseste que maio fosse eterno!Longas achei, confesso, minhas noites de penas; Mas não me prometeste noites boas, apenas E em troca tive algumas santamente serenas… Fui amado, afagou-me o Sol. Para que mais? Vida, nada me deves. Vida, estamos em paz!

×