Recomendações e Especificações                                      Técnicas do Edifício Hospitalar                       ...
Recomendações e Especificações Técnicas do Edifício Hospitalar                                                            ...
V. 2009                                                                              Recomendações e Especificações Técnic...
Recomendações e Especificações Técnicas do Edifício Hospitalar                                                            ...
V. 2009                                                                                                         Recomendaç...
Recomendações e Especificações Técnicas do Edifício Hospitalar                                                            ...
V. 2009   Recomendações e Especificações Técnicas do Edifício Hospitalar6
Secção 1        Introdução Recomendações e Especificações Técnicas do Edifício Hospitalar                                 ...
Introdução   Secção 1V. 2009                     Recomendações e Especificações Técnicas do Edifício Hospitalar8
Secção 2      Subsecção 2.1 Arquitectura Recomendações e Especificações Técnicas do Edifício Hospitalar                   ...
Subsecção 2.1 Arquitectura             Secção 2V. 2009                                                                  Re...
Secção 2      Subsecção 2.1 Arquitectura Recomendações e Especificações Técnicas do Edifício Hospitalar                   ...
Subsecção 2.1 Arquitectura        Secção 2V. 2009                                                             Recomendaçõe...
Secção 2     Subsecção 2.1 ArquitecturaRecomendações e Especificações Técnicas do Edifício Hospitalar                     ...
Subsecção 2.1 Arquitectura         Secção 2V. 2009                                                                Recomend...
Secção 2    Subsecção 2.1 Arquitectura Recomendações e Especificações Técnicas do Edifício Hospitalar                     ...
Subsecção 2.1 Arquitectura           Secção 2V. 2009                                                                  Reco...
Secção 2    Subsecção 2.1 Arquitectura Recomendações e Especificações Técnicas do Edifício Hospitalar                     ...
Subsecção 2.1 Arquitectura        Secção 2V. 2009                                                    Recomendações e Espec...
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar

2,084 views

Published on

0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,084
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
72
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Reteh v09 26 10-09 construção hospitalar

  1. 1. Recomendações e Especificações Técnicas do Edifício Hospitalar ACSS do SistemaCentralSaúde, IP Administração de V. 2009Administração Central ACSSdo Sistema de Saúde Ministério da Saúde
  2. 2. Recomendações e Especificações Técnicas do Edifício Hospitalar V. 2009 Recomendações e Especificações Técnicas do Edifício Hospitalar – V. 2009 Ficha técnica Versão/Ano V. 2009 Data de aprovação Data de publicação Especialidades Arquitectura Fundações e estruturas Movimentos de terras e contenções Instalações e equipamentos de águas e esgotos Instalações e equipamentos eléctricos Instalações e equipamentos mecânicos Equipamento geral móvel e fixo Segurança integrada Gestão técnica centralizada Heliporto Espaços exteriores Gestão integrada de resíduos ManutençãoMinistério da Saúde Avª da República, nº 34 | 4º ao 5º piso | 1050-193 Lisboa | Tels: 217 925 690 e 217 925 636 Fax: 217 925 535 www.acss.min-saude.pt
  3. 3. V. 2009 Recomendações e Especificações Técnicas do Edifício HospitalarISSN: 1646-9933Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução total ou parcial, de qualquer formaou por qualquer meio, salvo com autorização por escrito do editor, da parte ou totalidadedesta obra.2
  4. 4. Recomendações e Especificações Técnicas do Edifício Hospitalar V. 2009Índice 1.4. Acção do fogo ........................................................... 19SECÇÃO 1 - INTRODUÇÃO 1.5. Outras acções........................................................... 201. Objectivos................................................................. 7 2. Estrutura ................................................................. 202. Enquadramento ........................................................ 7 2.1. Concepção e verificação da segurança .................... 20 2.2. Estruturas sismo-resistentes ..................................... 203. Durabilidade, manutenção e flexibilidade .............. 7 2.3. Requisitos gerais ...................................................... 20 2.4. Fundações ................................................................ 214. Legislação e regulamentação.................................. 7 2.5. Aspectos de manutenção.......................................... 215. Organização das especificações ............................ 7 3. Materiais .................................................................. 21 3.1. Betão ........................................................................ 21 3.2. Aço em estruturas de betão armado e aço de pré-SECÇÃO 2 – RECOMENDAÇÕES E esforço...................................................................... 21ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA O PROJECTO 3.3. Aço em estruturas metálicas ..................................... 21E CONSTRUÇÃO DO EDIFÍCIO HOSPITALAR 3.4. Outros materiais ....................................................... 21 4. Requisitos diversos ................................................ 21 4.1. Futura expansão e/ou remodelação .......................... 21 4.2. Reconhecimento geológico e geotécnico .................. 22SUBSECÇÃO 2.1 – ARQUITECTURA .................................. 9 5. Regulamentos, normas, especificações e recomendações ...................................................... 221. Introdução ................................................................ 91.1. Aspectos gerais .......................................................... 91.2. Metodologia................................................................ 91.3. Aspectos de Manutenção ........................................... 92. Especificações e recomendações gerais ............... 9 SUBSECÇÃO 2.3 – MOVIMENTOS DE TERRAS E2.1. Caracterização geral da concepção ........................... 9 CONTENÇÕES .................................................................... 232.2. Flexibilidade ............................................................. 10 1. Obras de escavação e contenção.......................... 232.3. Entradas no Edifício ................................................. 102.4. Estacionamentos ...................................................... 10 2. Projecto de contenções ......................................... 232.5. Circulações Interiores ............................................... 102.6. Articulação dos Serviços .......................................... 11 3. Desmatação, escavações e aterros ....................... 232.7. Conforto térmico ....................................................... 112.8. Conforto visual ......................................................... 112.9. Conforto acústico ..................................................... 112.10. Conforto mecânico/vibrações ................................... 112.11. Segurança................................................................ 12 SUBSECÇÃO 2.4 – INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS DE2.12. Pavimentos exteriores, interiores e rodapés ............. 12 ÁGUAS E ESGOTOS ........................................................... 252.13. Paredes exteriores e interiores ................................. 122.14. Coberturas ............................................................... 13 1. Introdução ............................................................... 252.15. Tectos ...................................................................... 14 1.1. Aspectos Gerais ....................................................... 252.16. Tectos falsos ............................................................ 14 1.2. Comportamento sob a acção sísmica ....................... 252.17. Vias de comunicação vertical (escadas, rampas) ..... 14 1.3. Aspectos de Manutenção.......................................... 252.18. Guardas sobre vazios .............................................. 15 2. Instalações e equipamentos a considerar ............ 252.19. Vãos exteriores ........................................................ 152.20. Vãos interiores ......................................................... 15 3. Caracterização genérica das instalações e2.21. Divisórias amovíveis ................................................. 16 equipamentos ......................................................... 262.22. Ductos ...................................................................... 16 3.1. Redes ....................................................................... 262.23. Protecção de paredes .............................................. 16 3.1.1. Redes de água fria ................................................... 262.24. Instalações sanitárias ............................................... 17 3.1.2. Redes de água quente ............................................. 262.25. Apoios à mobilidade ................................................. 17 3.1.3. Redes de águas residuais ........................................ 262.26. Sinalização interior e exterior ................................... 17 3.1.4. Rede de águas pluviais............................................. 262.27. Equipamento fixo...................................................... 18 3.2. Instalações complementares .................................... 26 3.3. Equipamento sanitário e diverso ............................... 26 4. Aspectos gerais de concepção das instalações e equipamentos ......................................................... 27 4.1. Águas frias, quentes e serviço de incêndios ............. 27SUBSECÇÃO 2.2 – FUNDAÇÕES E ESTRUTURAS .......... 19 4.1.1. Depósito de reserva e de regularização de1. Acções .................................................................... 19 consumos ................................................................. 271.1. Acções permanentes ................................................ 19 4.1.2. Depósito de reserva para combate a incêndios ........ 271.2. Sobrecargas em edifício hospitalar ........................... 19 4.1.3. Central de pressurização .......................................... 271.3. Acção dos sismos .................................................... 19 4.1.4. Distribuição de água ................................................. 27 4.1.5. Produção de água desmineralizada .......................... 27 3
  5. 5. V. 2009 Recomendações e Especificações Técnicas do Edifício Hospitalar4.1.6. Redes ...................................................................... 274.1.7. Contadores .............................................................. 274.1.8. Tubagem .................................................................. 27 SUBSECÇÃO 2.6 – INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS4.1.9. Temperaturas de produção e distribuição de água MECÂNICOS ........................................................................ 41 quente ...................................................................... 284.1.10. Bocas-de-incêndio e extintores ................................ 28 1. Introdução ............................................................... 414.2. Equipamentos sanitários e acessórios...................... 28 1.1. Aspectos Gerais ....................................................... 414.3. Águas residuais e pluviais ........................................ 28 1.2. Comportamento sob a Acção Sísmica ...................... 414.4. Tubagem das redes interiores elevadas ................... 29 1.3. Aspectos de Manutenção.......................................... 414.4.1. Águas residuais........................................................ 294.4.2. Águas pluviais .......................................................... 29 2. Instalações e equipamentos a considerar ............ 414.4.3. Águas residuais quentes .......................................... 29 3. Caracterização genérica das instalações e4.4.4. Câmaras de inspecção............................................. 29 equipamentos ......................................................... 414.4.5. Ralos de pavimento e caleiras ................................. 29 3.1. Centrais térmicas e zonas técnicas ........................... 415. Regulamentos, normas, especificações e 3.2. Aquecimento, ventilação e ar condicionado .............. 41 recomendações ...................................................... 29 3.3. Serviço de alimentação............................................. 42 3.3.1. Cozinha .................................................................... 42 3.3.2. Copas ....................................................................... 42 3.3.3. Refeitório do pessoal ................................................ 42 3.3.4. Cafetarias ................................................................. 42 3.4. Serviço de lavandaria e tratamento de roupas .......... 42SUBSECÇÃO 2.5 – INSTALAÇÕES E EQUIPAMENTOS 3.5. Gases medicinais e aspiração .................................. 42ELÉCTRICOS ...................................................................... 31 3.6. Gás combustível ....................................................... 421. Introdução .............................................................. 31 3.7. Ar comprimido industrial............................................ 421.1. Aspectos Gerais ....................................................... 31 3.8. Serviço de esterilização ............................................ 431.2. Comportamento sob a Acção Sísmica ...................... 31 3.9. Lavagem, desinfecção e armazenamento de1.3. Aspectos de Manutenção ......................................... 32 arrastadeiras ............................................................. 43 3.10. Instalações frigoríficas .............................................. 432. Instalações e equipamentos a considerar ............ 32 3.10.1. Câmaras frigoríficas .................................................. 44 3.10.2. Frigoríficos................................................................ 443. Caracterização genérica das instalações e 3.10.3. Tipo de câmaras frigoríficas ...................................... 44 equipamentos......................................................... 33 3.10.4. Fluidos frigorigéneos ................................................ 443.1. Alimentação e distribuição de energia eléctrica ........ 33 3.10.5. Ligações à GTC........................................................ 443.1.1. Ligação à rede pública ............................................. 33 3.11. Câmaras frigoríficas para cadáveres ......................... 443.1.2. Posto (s) de transformação e seccionamento........... 33 3.12. Oficinas .................................................................... 443.1.3. Autoprodução de energia eléctrica (grupos de socorro, 3.13. Jardinagem ............................................................... 44 cogeração) ............................................................... 333.1.4. Sistemas de alimentação ininterrupta (UPS) ............ 34 4. Aspectos complementares .................................... 443.1.5. Redes de distribuição de energia eléctrica em BT .... 343.1.6. Redes de distribuição a neutro isolado ..................... 35 5. Gestão técnica centralizada (GTC) ........................ 443.1.7. Redes de ligação à terra e de equipotencialidade .... 35 6. Instalações eléctricas das instalações mecânicas3.1.8. Quadros eléctricos ................................................... 36 ................................................................................. 453.2. Iluminação................................................................ 363.3. Tomadas, força motriz e alimentações especiais...... 37 7. Regulamentos, normas, especificações e3.4. Protecção contra descargas atmosféricas ................ 37 recomendações ...................................................... 453.5. Rede estruturada para voz, dados e imagem ........... 373.6. Sinalização e intercomunicação ............................... 373.7. Difusão de som, TV e vídeo ..................................... 383.8. Sistema de informação horária ................................. 383.9. Sistema de procura de pessoas ............................... 39 SUBSECÇÃO 2.7 – EQUIPAMENTO GERAL, MÓVEL E3.10. Redes de monitorização ........................................... 39 FIXO ................................................................................. 473.11. Redes internas de TV ............................................... 393.12. Radiocomunicações (infra-estrutura) ........................ 39 1. Enquadramento ...................................................... 473.13. Instalações de segurança electrónica ....................... 39 1.1. Equipamento geral .................................................... 473.13.1. Detecção e alarme de incêndios .............................. 39 1.2. Bancadas.................................................................. 473.13.2. Vigilância e alarme de intrusão e controlo de acessos.................................................................... 39 2. Especificações........................................................ 473.13.3. Sistema anti-rapto de crianças e recém-nascidos .... 39 2.1. Equipamento geral .................................................... 473.13.4. Detecção de gás combustível .................................. 39 2.1.1. Equipamento hospitalar ............................................ 473.13.5. Detecção de monóxido de carbono .......................... 39 2.1.2. Mobiliário de escritório e equipamento3.14. Sistema de comando e gestão do estacionamento... 39 complementar ........................................................... 493.15. Elevadores ............................................................... 39 2.2. Bancadas.................................................................. 503.16. Iluminação e sinalização do heliporto ....................... 40 2.2.1. Bancadas gerais ....................................................... 503.17. Canalizações eléctricas ............................................ 40 2.2.2. Bancadas de laboratório ........................................... 504. Regulamentos, normas, especificações e 3. Aspectos de durabilidade ...................................... 51 recomendações ...................................................... 40 4. Regulamentos, normas, especificações e recomendações ...................................................... 514
  6. 6. Recomendações e Especificações Técnicas do Edifício Hospitalar V. 2009SUBSECÇÃO 2.8 – SEGURANÇA INTEGRADA ................ 53 SUBSECÇÃO 2.12 – GESTÃO INTEGRADA DE RESÍDUOS ........................................................................... 631. Introdução .............................................................. 53 1. Enquadramento ...................................................... 632. Segurança contra incêndio ................................... 532.1. Segurança passiva ................................................... 53 2. Gestão integrada de resíduos ................................ 632.2. Segurança activa...................................................... 53 2.1. Triagem e Acondicionamento.................................... 633. Segurança contra intrusão, vigilância e controlo de 2.2. Recolha e Transporte Interno.................................... 63 2.3. Armazenamento em Ecocentro Hospitalar ................ 63 acessos................................................................... 54 2.4. Transporte externo e Eliminação .............................. 643.1. Generalidades .......................................................... 54 3. Regulamentos, normas, especificações e4. Segurança às acções sísmicas ............................. 54 recomendações ...................................................... 644.1. Generalidades .......................................................... 544.2. Peças desenhadas ................................................... 545. Regulamentos, normas, especificações e recomendações ...................................................... 54 SUBSECÇÃO 2.13 – MANUTENÇÃO .................................. 65 1. Objectivos e âmbito................................................ 65 2. Elementos a fornecer no âmbito do projecto deSUBSECÇÃO 2.9 – GESTÃO TÉCNICA CENTRALIZADA 55 execução ................................................................. 651. Introdução .............................................................. 55 3. Condições da concepção com durabilidade......... 652. Âmbito .................................................................... 55 4. Condições da construção / montagem com3. Funções previstas.................................................. 55 durabilidade ............................................................ 674. Caracterização genérica do equipamento do sistema de gestão técnica ..................................... 554.1. Concepção ............................................................... 554.2. Equipamento de controlo no campo ......................... 564.3. Quadros com equipamento de controlo .................... 564.4. Equipamento central ................................................ 564.5. Rede de cabos ......................................................... 564.6. Alimentações ininterruptas de energia (UPS) ........... 565. Outros aspectos ..................................................... 56SUBSECÇÃO 2.10 – HELIPORTO ...................................... 57SUBSECÇÃO 2.11 – ESPAÇOS EXTERIORES .................. 591. Enquadramento ...................................................... 592. Recomendações e especificações ........................ 602.1. Acessos, circulações pedonais e de viaturas............ 602.2. Articulação funcional ................................................ 612.3. Segurança e conforto ............................................... 612.4. Pavimentos .............................................................. 612.5. Material vegetal ........................................................ 612.6. Elementos construídos ............................................. 612.7. Drenagem ................................................................ 612.8. Rega ........................................................................ 612.9. Iluminação e sinalética ............................................. 612.10. Mobiliário urbano/equipamentos ............................... 623. Aspectos de manutenção e durabilidade ............. 623.1. Concepção com durabilidade ................................... 623.2. Construção / montagem com durabilidade ............... 623.3. Aspectos de manutenção ......................................... 62 5
  7. 7. V. 2009 Recomendações e Especificações Técnicas do Edifício Hospitalar6
  8. 8. Secção 1 Introdução Recomendações e Especificações Técnicas do Edifício Hospitalar V. 2009SECÇÃO 1 - INTRODUÇÃO técnicas deverão ser concebidas com similar fle- xibilidade, designadamente pela segmentação e seccionamento das respectivas redes em con-1. Objectivos sonância com a compartimentação corta-fogo ouConstitui objectivo do presente documento a definição com a delimitação dos diversos serviços.tipológica da construção hospitalar, com vista a asse-gurar níveis de qualidade que se pretendem estabele-cer. 4. Legislação e regulamentação Os projectos devem observar as regras constantes da legislação e regulamentação portuguesa e europeia em2. Enquadramento vigorA leitura deste documento deverá ser feita em articula-ção com a restante documentação (glossário e publica- Deve ser consultada a lista de legislação específicações técnicas) disponível na página de internet da aplicável a instalações de saúde, disponível na páginaACSS e no Portal da Saúde, em www.acss.min- de internet da ACSS/UONIE.saude.pt (na secção de publicações da Unidade Ope-racional de Normalização de Instalações e Equipamen- Por último, deverão igualmente ser consideradas astos) e www.portaldasaude.pt, respectivamente. recomendações técnicas específicas adicionais indica- das ao longo das RETEH.3. Durabilidade, manutenção e flexibilidade 5. Organização das especificaçõesNo desenvolvimento do projecto dos edifícios e dosespaços exteriores deverão adoptar-se como princípios As recomendações e especificações técnicas para oorientadores a concepção com durabilidade, facilidade projecto do edifício hospitalar são organizadas na Sec-de manutenção e flexibilidade, tendo em conta a ção 2, com as seguintes subsecções:implementação das soluções técnicas mais vantajosas, ▪ Subsecção 2.1 - Arquitectura;de que se assinalam os seguintes aspectos: ▪ Subsecção 2.2 - Fundações e estruturas; ▪ A concepção com durabilidade deve contemplar, nas especificações técnicas do projecto de exe- ▪ Subsecção 2.3 - Movimentos de terras e conten- cução, os ensaios e exigências de garantias de ções; durabilidade, a implementação durante a cons- trução de sistemas de controlo de qualidade que ▪ Subsecção 2.4 - Instalações e equipamentos de garantam os referidos parâmetros de durabilida- águas e esgotos; de e a exigência da indicação das características de fiabilidade e facilidade de manutenção dos ▪ Subsecção 2.5 - Instalações e equipamentos vários componentes e equipamentos e do forne- eléctricos; cimento das instruções de manutenção. ▪ Subsecção 2.6 - Instalações e equipamentos ▪ A concepção deverá, ainda, considerar os meios mecânicos; de acesso e equipamentos que possibili- tem/facilitem todas as operações de inspecção, ▪ Subsecção 2.7 - Equipamento geral, móvel e limpeza e substituição dos elementos principais fixo; da construção e dos componentes das instala- ções técnicas. O projecto de execução, nas ▪ Subsecção 2.8 - Segurança integrada; várias especialidades, deverá descrever o modo como se alcançarão soluções com elevada ▪ Subsecção 2.9 - Gestão técnica centralizada; durabilidade, com indicação dos tempos de vida ▪ Subsecção 2.10 - Heliporto; útil expectável de todos os elementos principais da construção (revestimentos de paredes, pisos, ▪ Subsecção 2.11 - Espaços exteriores. coberturas em terraço, caixilharias e paredes divisórias, redes, etc.). As estruturas deverão ser ▪ Subsecção 2.12 - Gestão integrada de resíduos; concebidas para uma vida útil mínima de 100 anos. ▪ Subsecção 2.13 - Manutenção dos edifícios e espaços exteriores. ▪ A construção arquitectónica deve optimizar a fle- xibilidade, devendo a concepção do edifício permitir remodelações e alterações ao layout dos serviços, compartimentos ou equipamentos e expansões do próprio edifício, a realizar de for- ma a minimizar eventuais perturbações ao fun- cionamento do restante hospital. As instalações 7
  9. 9. Introdução Secção 1V. 2009 Recomendações e Especificações Técnicas do Edifício Hospitalar8
  10. 10. Secção 2 Subsecção 2.1 Arquitectura Recomendações e Especificações Técnicas do Edifício Hospitalar V. 2009SECÇÃO 2 – RECOMENDAÇÕES E podem estar totalmente envolvidas por paredes estrutu-ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS PARA O rais e devem ser acessíveis.PROJECTO E CONSTRUÇÃO DO EDIFÍCIO Nas zonas de maior concentração de instalações espe-HOSPITALAR ciais, devem ser previstos pisos técnicos/áreas técni- cas. Caso se opte por uma solução alternativa, deve aSubsecção 2.1 – Arquitectura mesma ser tecnicamente justificada e verificada a sua conformidade com a legislação em vigor, os requisitos técnicos aplicáveis e a viabilidade funcional.1. Introdução Deve ser prevista a industrialização dos processos construtivos, com vista à optimização dos custos de1.1. Aspectos gerais construção e de manutenção.As presentes especificações técnicas referem-se a Deve ser favorecida a utilização de materiais com faci-aspectos de concepção, construção e manutenção do lidade de obtenção, manutenção e reposição.edifício hospitalar, na especialidade de arquitectura. O recurso a grande diversidade de materiais deve ser1.2. Metodologia contido, devendo procurar-se soluções, tanto quanto possível, homogéneas.Como metodologia, optou-se pela abordagem porespecificações técnicas, onde se salvaguardam proce- Os métodos e sistemas construtivos devem ser ade-dimentos, técnicas ou caracterizações a nível de quados ao tipo de instalação em causa.dimensionamentos, de acabamentos e de materiaisque são considerados como requisitos mínimos aceitá- Devem ser utilizados materiais e elementos de constru-veis e importantes para o bom resultado final da obra e ção que confiram durabilidade aceitável, desvalorizan-para a eficiência da sua manutenção/durabilidade bem do-se soluções que propiciem qualquer degradaçãocomo na sua vertente energética. prematura em relação à vida útil expectável, ou cuja manutenção seja considerada problemática. A escolhaO programa funcional constitui uma fonte de dados dos materiais a utilizar deve ser articulada com aspara a definição ou justificação da opção adoptada no propostas de durabilidade e os esquemas de manuten-que respeita aos aspectos relacionados com a concep- ção previstos em projecto, privilegiando-se os materiaisção arquitectónica do edifício hospitalar. com melhores características de manutenção e limpe- za, de acordo com as funções a que se destinam.1.3. Aspectos de Manutenção As soluções de projecto devem dar especial atençãoAs recomendações para arquitectura, relativas aos aos aspectos de conforto acústico, térmico, visual e deaspectos de manutenção, são apresentadas na Sub- ambiente interior, como elementos preponderantessecção 2.13. para humanização dos cuidados de saúde, sobretudo nos aspectos de cor, textura, brilho, reflexão e desenho dos acabamentos e equipamentos a utilizar.2. Especificações e recomendações gerais Deve considerar-se a existência de luz natural em todos os compartimentos de permanência de doentes e2.1. Caracterização geral da concepção de pessoal, excepto naqueles em que os requisitosDevem considerar-se as referências urbanas e locais, clínicos, técnicos e funcionais o impeçam.em termos físicos e ambientais, e respeitar-se os ins-trumentos de planeamento urbanístico e os factores da O projecto deve assegurar a dignidade e a privacidadeenvolvente local que possam influenciar ou condicionar dos doentes facilitando, no entanto, a observação dosa disposição e configuração do edifício, articulando-os mesmos pelos técnicos de saúde.com as necessidades funcionais do mesmo. Em ambiente hospitalar, a abolição de barreiras arqui-O agrupamento básico de funções deve ser fisicamente tectónicas deve ser particularmente cuidada.assegurado de acordo com o programa funcional. Em projecto, devem ser acautelados os vários aspectosA estrutura deve ser concebida de forma a ser minimi- de segurança contra incêndios, sismos, radiaçõeszada a sua intrusão em compartimentos ou circulações. internas, resíduos perigosos, descargas atmosféricas eA relação de pilares, ductos e paredes deve dar origem intrusão.a compartimentos livres destes elementos. Em todos os âmbitos de projecto devem ser indicadasA fim de facilitar a instalação, manutenção e alteração as normas ou documentos de certificação que caracte-das instalações técnicas, as suas prumadas não rizam os níveis de ambiente e conforto do edifício, bem como os materiais ou processos construtivos a utilizar. 9
  11. 11. Subsecção 2.1 Arquitectura Secção 2V. 2009 Recomendações e Especificações Técnicas do Edifício Hospitalar2.2. Flexibilidade 2.3. Entradas no EdifícioTendo como objectivo permitir futuras remodelações ou As entradas no edifício devem ser controláveis, dealterações do layout dos serviços, compartimentos e forma a impedir a intrusão (e saída/fuga) de pessoasequipamentos, pretende-se que o projecto garanta o não identificadas.máximo de flexibilidade na utilização do edifício. Em todas as entradas do edifício, deve ser previsto umDevem ser considerados vários tipos de flexibilidade, espaço, resguardado da intempérie e com eliminaçãoque devem ser aplicados em resposta às necessidades de barreiras arquitectónicas, para entrada e saída ouespecíficas de cada caso a atender: carga e descarga de veículos de transporte de pes- soas. ▪ Flexibilidade funcional – é a capacidade de alte- ração do uso de um determinado espaço, sem Os acessos aos vários tipos de circuitos (doentes, proceder a alterações estruturais ou de forma visitas, pessoal) devem ser controláveis, de forma a significativa das instalações especiais; evitar o acesso indevido. ▪ Flexibilidade interna - é a capacidade de troca de Nas entradas de abastecimentos, devem ser previstos serviços ou de funcionalidades dentro do hospi- locais próprios para as descargas de veículos com ou tal, sem perda de coesão do mesmo e com um sem apoio de cais. mínimo de obstrução para o respectivo funcio- namento; 2.4. Estacionamentos ▪ Flexibilidade estrutural - é a capacidade da Os estacionamentos, em edifício e/ou à superfície estrutura do edifício de sofrer ampliações, sem devem ser projectados de acordo com o programa perda da coesão do mesmo e com um mínimo funcional. Deve ser indicada a respectiva distribuição de obstrução para o respectivo funcionamento; quando for específica de um serviço ou de um tipo de utilizador. ▪ Flexibilidade de demolição – é a capacidade de demolir partes do edifício sem perda da coesão Se outra indicação não houver no programa funcional, do mesmo e com um mínimo de obstrução para o parqueamento de veículos deve ser equivalente ao o respectivo funcionamento; triplo da lotação da unidade hospitalar. ▪ Flexibilidade de expansão - é a capacidade do Devem também ser claramente identificados e dimen- aumento da área, sem perda da coesão do sionados os estacionamentos que se destinam a pes- mesmo e com um mínimo de obstrução para o soas com mobilidade reduzida. respectivo funcionamento. Pode dividir-se em: Os estacionamentos à superfície devem ser concebi- ▫ Expansão sem alteração do perímetro exte- dos e tratados, de forma a não prejudicarem a imagem rior; exterior do hospital. ▫ Expansão para fora do perímetro; O acesso dos estacionamentos ao edifício deve ser controlável, de forma a evitar o acesso indevido. ▫ Expansão por anexos; Devem ser consideradas zonas de estacionamento ▫ Expansão vertical. para os funcionários do hospital e zonas de estaciona- mento para o público em geral.Algumas destas flexibilidades poderão traduzir-se emmaior ou menor facilidade de alteração das componen-tes edificadas, nomeadamente: 2.5. Circulações Interiores ▪ Facilidade de alteração de instalações especiais; As circulações interiores devem permitir e contribuir para uma correcta articulação dos serviços. ▪ Facilidade de alteração de pavimentos; Nas ligações entre os diversos serviços, devem ser ▪ Facilidade de alteração de paredes; garantidas as separações de circuitos de doentes externos e internos. ▪ Facilidade de alteração de tectos; As circulações de serviço do hospital (pessoal, abaste- ▪ Facilidade de alteração de vãos. cimentos, limpos, sujos e cadáveres) devem ser sepa- radas das circulações de doentes e do público em geral. As circulações internas devem ter a seguinte largura mínima útil (excluindo réguas parietais de protecção/ corrimãos):10
  12. 12. Secção 2 Subsecção 2.1 Arquitectura Recomendações e Especificações Técnicas do Edifício Hospitalar V. 2009 ▪ Circulações principais: 3,00m; 2.8. Conforto visual O edifício deve dispor de boa iluminação natural e ▪ Circulações em geral: 1,80m; artificial, de modo a evitar a fadiga visual dos seus utilizadores, originada quer pelo inadequado nível de ▪ Circulações em unidades de tratamento (inter- iluminação relativamente ao uso dos espaços ou das namento) e outros serviços onde circulem actividades neles desenvolvidas, quer pela ultrapassa- camas/macas: 2,20m, sendo recomendável a gem dos níveis máximos de tolerância visual ou por existência de bolsas de alargamento à entrada contraste de luminosidade, que gerem deslumbramen- das enfermarias ou quartos de doentes com to, quer ainda pela instabilidade e má qualidade da luz. dimensão de 2,40mx2,40m; Para efeitos do parágrafo anterior, considera-se neces- ▪ Circulações de serviço, onde circulem apenas sária uma área envidraçada situada entre 10 e 15% da pessoas e pequenos equipamentos rodados: respectiva área útil de cada compartimento, não 1,60m. devendo a profundidade dos compartimentos habitá-Não são permitidas rampas, nem degraus nas circula- veis ser superior ao dobro da sua largura.ções horizontais do interior do edifício. A privacidade visual dos compartimentos deve ser garantida, de acordo com a respectiva utilização, pelo2.6. Articulação dos Serviços que os vidros das janelas dos quartos, dos comparti- mentos onde se pratiquem actos clínicos e das instala-A articulação de todos os serviços e respectivos espa- ções sanitárias, que tenham visibilidade do exterior,ços deve atender às inter-relações funcionais respecti- devem ser translúcidos ou visualmente protegidos porvas, com hierarquização e adequada separação dos outro processo.circuitos internos e externos. As inter-relações devemser asseguradas por proximidade, por adjacência, ouainda, em caso de impossibilidade, através de meios 2.9. Conforto acústicode circulação e transporte eficientes. O edifício deve ser concebido de modo a proporcionar aos utilizadores boas condições de conforto acústico,2.7. Conforto térmico devendo observar-se a regulamentação em vigor.O edifício deve ser concebido, dimensionado e equipa- Face à natureza transversal do projecto de condicio-do de forma a permitir que se criem e mantenham, no namento acústico, importa realçar a necessidade daseu interior, condições ambientais satisfatórias de con- sua articulação com as restantes especialidades,forto termohigrométrico, com contenção de gastos designadamente arquitectura e instalações técnicas.energéticos e tendo em atenção a função do edifício e Esta articulação deve existir, logo na fase inicial doso normal funcionamento dos respectivos equipamentos, estudos, por forma a influenciar as opções de localiza-devendo, deste modo, ser satisfeitas as condições do ção de equipamentos ou zonas ruidosas no interior doregulamento das características de comportamento edifício e/ou no seu exterior próximo, assim como atérmico dos edifícios (RCCTE) e dos sistemas energé- definição preliminar dos sistemas construtivos a adop-ticos (RSECE). tar.Devem ser previstas protecções solares exteriores das A conclusão da obra deverá incluir a realização departes envidraçadas do edifício, particularmente nos ensaios para verificação da conformidade do edifíciovãos das enfermarias e quartos de doentes, devendo com os requisitos acústicos regulamentares. Estesesta protecção conduzir a factores solares relativamen- ensaios devem ser realizados por laboratório acredita-te baixos (não superior a 0,10) nas orientações a Sul, do para o efeito, pelo IPAC – Instituto Português dePoente e Nascente e possibilitar o sombreamento dos Acreditação.vãos sem, no entanto, os obturar.Esta protecção solar não obsta a que se preveja tam- 2.10. Conforto mecânico/vibraçõesbém a aplicação de outro tipo de protecção solar, que A construção deve ser concebida e dimensionada, depermita o obscurecimento dos locais que, pela sua modo a limitar a ocorrência de vibrações (exteriores efunção, requeiram estas condições. Por razões de do edifício) que sejam causa de incomodidade para ossegurança contra incêndios, são de excluir soluções utentes.interiores com materiais que os possam propagar. As juntas de dilatação nos pavimentos devem ser cui-Deve ser possível garantir as condições do RCCTE, dadosamente tratadas, com “mata juntas” de nível comsem necessidade de obturar os vãos, quando estive- o pavimento, de forma a permitir a passagem semrem sob insolação directa. ressaltos dos equipamentos rodados, em particular nasDevem ser utilizadas soluções e sistemas passivos de zonas onde circulem camas ou macas, evitando aeconomia de energia. ocorrência de vibrações e ruídos. 11
  13. 13. Subsecção 2.1 Arquitectura Secção 2V. 2009 Recomendações e Especificações Técnicas do Edifício Hospitalar2.11. Segurança sem juntas nem ângulos, que facilitem a respectivaNa implantação, concepção e construção do edifício limpeza.devem ser consideradas todas as medidas que limitemos riscos de incêndio e o respectivo desenvolvimento e Os pavimentos das instalações sanitárias, zonas húmi-que facilitem a evacuação e o combate ao incêndio, em das ou sujeitas a lavagens com abundância de águacumprimento do regulamento em vigor de segurança devem ser impermeabilizados por telas ou outros sis-contra incêndios. temas devidamente homologados.Na implantação do edifício hospitalar, sempre que seja Os materiais a aplicar em pavimentos interiores, assimpertinente, deverão ser consideradas as condições das como os respectivos processos construtivos, devem:Especificações Técnicas para o Comportamento Sis- ▪ Criar condições de isolamento de forma a evitarmo-Resistente de Edifícios Hospitalares - ET 05/2007, a transmissão de ruído, humidade ou radiaçõesACSS. aos pisos contíguos;Na implantação, concepção e construção do edifício ▪ Adequar-se às exigências dos respectivos espa-devem ser consideradas todas as medidas que limitem ços e terem a constituição e características deos riscos inerentes à utilização de radiações. aplicação próprias para cada função;Na implantação, concepção e construção do edifício ▪ Obedecer à classificação UPEC (conformedevem ainda ser consideradas todas as medidas que ITE29 – LNEC 1991) para edifícios hospitalareslimitem os riscos de intrusão. e estar devidamente homologados e certificadosDeve ser dada particular atenção ao controlo das de acordo com aquela classificação ou outraentradas e saídas do edifício, tendo em conta que a equivalente e de igual importância (desde quefacilidade de evacuação deve sobrepor-se aos riscos seja apresentada uma tabela de equivalências,de intrusão. de validade reconhecida, para a classificação UPEC), sempre que se trate de revestimentosDeve ainda atender-se às especificações técnicas delgados de pisos;dedicadas, em particular, à especialidade de segurançaintegrada. ▪ Garantir a inexistência futura de anomalias durante o seu normal “período de vida” e a sua fácil substituição no fim desse período;2.12. Pavimentos exteriores, interiores e rodapés ▪ Garantir os níveis de conforto e segurança exigi-Os pavimentos exteriores devem assegurar uma dre- dos;nagem eficaz e permitir uma limpeza fácil sem que,com isso, se deteriorem. As rampas devem ter uma ▪ Garantir, em conjunto com o sistema associadoinclinação e revestimento adequados às suas funções, de pavimentos, características anti-estáticas,nomeadamente no que se refere a circulação de equi- com resistência compreendida entre 50 KOhm epamento rodado para transporte de doentes e merca- 100 MOhm, satisfazendo a norma ISO 2882dorias. Para este efeito, devem ser observadas todas depois de medida conforme a Norma ISO 2878,as exigências legalmente estabelecidas. nos compartimentos, onde permaneçam ou cir- culem doentes, do bloco operatório, cirurgiaNos pavimentos interiores não podem existir juntas de ambulatória, cuidados intensivos e em outrasdilatação a atravessar compartimentos em que é exigi- áreas que requeiram esta especificidade.do ambiente estéril ou de elevada assepsia, nem eminstalações sanitárias ou em áreas susceptíveis de ▪ Os rodapés devem ser, tanto quanto possível,ocorrência de derrames de substâncias perigosas. constituídos pelos mesmos materiais dos pavi-Podem, no entanto, atravessar circulações, desde que mentos,correctamente protegidas com sistema apropriado quenão prejudique nem dificulte a circulação de equipa-mentos rodados. 2.13. Paredes exteriores e interiores As soluções a adoptar para paredes exteriores devemEm especial, nas zonas onde se exige maior assepsia, ter em conta os seguintes aspectos:os revestimentos de piso devem ser contínuos, evitan-do-se as juntas entre peças. Nestes mesmos locais os ▪ Boas condições de comportamento acústico;rodapés devem ser do mesmo material do pavimento,ligando-se em “meia cana” para maior facilidade de ▪ Boa drenagem e ventilação no interior e elimina-limpeza. ção de riscos de condensações intersticiais;Nos restantes locais devem, na medida do possível, ser ▪ Elevada inércia térmica, adequada para manterprivilegiadas as soluções de pavimentos e de rodapés estável a temperatura interior;12
  14. 14. Secção 2 Subsecção 2.1 ArquitecturaRecomendações e Especificações Técnicas do Edifício Hospitalar V. 2009 ▪ Correcção simples ou dupla em elementos estru- As paredes interiores devem ter uma constituição ade- turais de forma a diminuir o factor de concentra- quada à satisfação das exigências regulamentares ção de perda nas zonas heterogéneas; mínimas de comportamento térmico, acústico e de segurança contra incêndios (quando façam parte de ▪ Isolamento adequado das caixas de estores; envolventes de um compartimento ou sector de fogo), devendo, em qualquer dos casos, as características ▪ Constituição adequada à satisfação das exigên- relativamente àquelas exigências, ser equivalentes, no cias regulamentares mínimas de comportamento mínimo, às de uma parede de tijolo furado de 0,11m de acústico e de segurança contra incêndios, largura, com reboco em ambas as faces (0,15m de devendo em qualquer circunstância considerar espessura no total da parede). 2 um Umax=0,90W/m .ºC e um La 30dB, sem prejuízo do cumprimento do RCCTE; O revestimento das paredes interiores deve ter acaba- mento adequado às exigências funcionais dos compar- ▪ Adequado contraventamento entre panos; timentos a que respeitam, nomeadamente quanto à possibilidade de limpeza, conforto táctil e resistência ▪ Quando o revestimento das paredes exteriores mecânica ao desgaste e aos agentes químicos. for em materiais constituídos por pla- cas/mosaicos de grandes dimensões devem ser Não se permite a utilização de revestimentos de pare- tidos em conta, com particular cuidado, os sis- des interiores que por características da respectiva temas de fixação e de ancoragem, dos quais superfície de acabamento, juntas, natureza dos mate- devem sempre ser apresentados documentos de riais ou outros aspectos não garantam a capacidade de homologação; o mesmo tipo de documentação assepsia correspondente ao local onde são aplicadas. deve ser apresentado relativamente ao material de preenchimento das juntas entre placas/ Não se permite a utilização de betão aparente em mosaicos. Ainda que não constem dos docu- zonas de circulação de doentes, tais como corredores e mentos de homologação apresentados deverá circulações interiores de núcleos centrais e unidades comprovar-se que os sistemas de fixação e de internamento, respectivos acessos directos ou ancoragem podem acomodar as deformações e escadas de utilização principal do edifício, nem em as forças de inércia devidas à acção sísmica áreas de grandes solicitações, como por exemplo ofici- sem perda de capacidade de suporte das placas. nas, ou onde haja produtos susceptíveis de contaminar O método de cálculo das deformações e forças as paredes e obrigar a uma limpeza mais complexa, de inércia devidas à acção sísmica encontra-se nem em outros locais com necessidades especiais de descrito nas Especificações Técnicas para o limpeza ou assepsia. Comportamento Sismo-Resistente de Edifícios Hospitalares - ET 05/2007, ACSS; Todas as superfícies de parede interior em alvenaria devem ser rebocadas, mesmo as que ficam nos vãos ▪ Nas paredes exteriores revestidas a azulejos, dos tectos falsos sempre que estes sejam visitáveis ou placas de cerâmica ou placas de pedra natural não selados. devem ser dimensionadas juntas de esquartela- mento, de largura compatível com as dilatações No caso de existirem paredes no alinhamento de juntas e contracções de origem higrotérmica que aque- estruturais, aquelas devem ser duplicadas, com um les irão sofrer. O material de preenchimento pano de parede levantado de cada lado da junta. dessas juntas deve ser objecto de documentos de homologação que comprovem as característi- Quanto às paredes, quer interiores, quer exteriores, cas de deformabilidade e durabilidade que estes deve ser tida em consideração a absorção total de devem ter; equipamentos, tais como carretéis de incêndio, quadros eléctricos, negatoscópios, tubos de queda, entre ▪ Excepto em situações pontuais devidamente jus- outros. tificadas, será de evitar o recurso a monomassas ou rebocos em paredes exteriores, sem outros revestimentos para além da simples pintura; 2.14. Coberturas As coberturas devem ser tratadas acústica e termica- ▪ As paredes exteriores devem preferencialmente mente, obedecendo à respectiva regulamentação, e ser estar inclusas nos quadros definidos pelos ele- impermeáveis às humidades. mentos estruturais principais (pilares/paredes resistentes e vigas/lajes); Devem igualmente evitar a propagação de vibrações sobretudo provocadas por equipamentos nelas instala- ▪ Para evitar a ocorrência de fenómenos de coluna dos. curta devidos à acção sísmica, nos vãos existen- tes nas paredes exteriores deverá evitar-se a A drenagem das águas pluviais deve ser dimensionada ocorrência de aberturas horizontais (vãos rasga- e posicionada, de modo a evitar danos na construção dos) situados sistematicamente na mesma posi- ou nas instalações, nomeadamente resultantes do ção (cota) numa parte significativa da fachada. 13
  15. 15. Subsecção 2.1 Arquitectura Secção 2V. 2009 Recomendações e Especificações Técnicas do Edifício Hospitalarescorrimento de água sobre superfícies não prepara- ▪ Considerar a articulação entre as soluções dedas para tal. iluminação e outro tipo de instalações e equipa- mentos especiais, de forma a evitar situaçõesDeve ser garantido o acesso a todas as coberturas, propícias à acumulação de sujidade ou recurso apara limpezas e manutenção e para instalação ou manutenção e limpeza complexas;manutenção de equipamentos. No caso de coberturasinvertidas acessíveis, estas devem possuir sistemas de ▪ Permitir uma fácil limpeza;protecção mecânica (como, por exemplo, betonilha,gravilha, lajetas, etc). ▪ Ser constituídos por materiais que não se desa- greguem, não provoquem desprendimento deAs coberturas acessíveis devem estar providas de poeiras nem libertem produtos tóxicos durante ameios adequados de segurança contra queda, em todo combustão ou provoquem reacções alérgicas;o seu perímetro, nomeadamente através de guardas deprotecção. ▪ Privilegiar a ausência de juntas, em áreas e compartimentos onde haja necessidade deA impermeabilização das coberturas em terraços, assepsia;varandas e caleiras deve ser prevista em projecto, pelaaplicação de sistemas devidamente homologados e ▪ Garantir o isolamento entre compartimentos emcompatíveis com os sistemas e equipamentos a instalar toda a altura da parede que os separa, não sen-sobre as mesmas. Os pontos singulares devem ser do aceites soluções de revestimento contínuoobjecto de pormenorização específica. sobre paredes amovíveis; ▪ Quando tiverem componentes metálicos, garantir2.15. Tectos que os mesmos sejam resistentes à corrosão;Todos os elementos de tectos devem: ▪ Ser resistentes à humidade, mantendo-se inalte- ▪ Ser concebidos de tal modo que sejam resisten- ráveis e sem manchas, mesmo no caso de infil- tes, no todo e em parte, aos esforços neles trações; exercidos; ▪ Incorporar as instalações técnicas (iluminação, ▪ Ser tratados acústica e termicamente, obede- grelhagens, entre outras) quando existam, sem cendo à respectiva regulamentação; juntas, frestas ou ressaltos susceptíveis de acu- mular poeiras ou sujidades, em compartimentos ▪ Ter acabamento que permita uma fácil limpeza e que assim o exijam; que evite a formação de fungos ou bactérias; ▪ Ter um sistema de apoio/suspensão que não ▪ Não permitir a criação, libertação ou passagem potencie a queda dos elementos; de poeiras ou partículas nos compartimentos onde haja necessidade de assepsia ou limpeza; ▪ Os painéis leves devem poder suportar deforma- ções significativas sem quebrar; ▪ Incorporar as instalações técnicas (iluminação, grelhagens, entre outras) quando existam, sem ▪ O sistema de iluminação no tecto deverá ter dis- juntas, frestas ou ressaltos susceptíveis de acu- positivos de suporte independentes de tal forma mular poeiras ou sujidades, quando em compar- que, caso se verifique a queda generalizada dos timentos que assim o exijam; painéis de tecto falso, a iluminação continue em funcionamento; ▪ Ter resistência ao fogo, devidamente certificada, de acordo com o compartimento onde se inte- ▪ Na instalação das placas de tecto falso deve gram. garantir-se que a folga total (considerando ambas as extremidades) entre a placa e o siste- ma de suspensão deve ser tal que não possa2.16. Tectos falsos ocorrer a perda de apoio da placa, ou em alter-Os tectos falsos e sistemas de montagem associados nativa estejam devidamente fixos, em caso dedevem: sismo. ▪ Permitir um acesso fácil às instalações técnicas, 2.17. Vias de comunicação vertical (escadas, localizadas acima do tecto falso, por desmonta- rampas) gem e remontagem dos seus elementos sem deterioração dos mesmos; Quando constituírem vias verticais de evacuação as escadas, rampas, ou outras vias de comunicação verti- ▪ Ser identificados e coordenados com as instala- cal devem ser projectadas tendo em atenção o regula- ções de modo a assegurar um número mínimo mento de segurança contra incêndios. de pontos de acesso a estas;14
  16. 16. Secção 2 Subsecção 2.1 Arquitectura Recomendações e Especificações Técnicas do Edifício Hospitalar V. 2009Todos os patamares de escadas devem ter degrau de possuir sistemas de protecção solar e de obscureci-espera. mento.Os corrimãos das vias de comunicação vertical, quando As portas exteriores de entrada no serviço de urgênciaconstituírem guardas sobre vazios, devem respeitar as e nas entradas gerais devem ser de correr e de abertu-especificações técnicas relativas a guardas sobre ra automática e prever a existência de grande tráfego.vazios. 2.20. Vãos interiores2.18. Guardas sobre vazios Os vãos interiores devem:As guardas de escadas, rampas, varandas, terraços eoutras áreas sobre vazios devem obedecer às seguin- ▪ Ter resistência mecânica compatível com o seutes características: uso, através de estrutura e revestimento ade- quados; ▪ Altura mínima de 1,10m; ▪ Ter protecção mecânica em zonas de embate de ▪ Evitar a possibilidade de escalamento; equipamentos rodados; ▪ Quando em barras horizontais, o afastamento ▪ Ter protecção contra radiações ionizantes nos máximo deve ser de 0,11m até 0,45m de altura, casos em que a característica e funções dos e de 0,16m entre os 0,45m e o 1,10m; respectivos compartimentos assim o requeiram; ▪ Quando exclusivamente em barras verticais, ▪ Ter aros metálicos; deve ser considerado 0,11 m como afastamento máximo. ▪ Ter dobradiças em número e dimensão adequa- dos, devendo aquelas localizar-se de forma a garantir a melhor resistência ao uso;2.19. Vãos exterioresAs caixilharias dos vãos exteriores devem ser concebi- ▪ Ter fechos, fechaduras e puxadores de modelo edas tendo em atenção o preconizado nas Directivas tipologia hospitalar e, quando necessário, terUEAtc (Union Européenne pour l’Agrément Technique molas hidráulicas de modelo adequado, nãodans la Construction) para edifícios desta natureza sendo permitido o uso de molas mecânicas;quanto à permeabilidade ao ar, à estanquidade, à águae à resistência ao vento, pelo que devem ter, no míni- ▪ Ter fechos tipo Yale, excepto nos casos em quemo a qualificação A3V3E3. haja tipos de fechaduras específicas, nomeada- mente nas portas de acesso a determinadosNo caso de ser metálico, o acabamento das referidas serviços, enfermarias, quartos de doentes e ins-caixilharias exteriores deve estar certificada com as talações sanitárias;marcas “QUALICOAT” ou “QUALINOD”. ▪ Permitir a abertura pelo interior e pelo exterior eNo caso de a caixilharia exterior não ser em alumínio, ser mestradas as chaves (o projecto de segu-deve ter características de resistência aos agentes rança deve contemplar o sistema de fechadu-atmosféricos equivalente ou superior ao descrito para o ras);alumínio e ser devidamente comprovado em certificadoemitido por laboratório independente. ▪ Ser resistentes ao fogo, de acordo com o regu- lamento em vigor de segurança contra incêndios;Deve ser prevista a limpeza dos envidraçados exterio-res em condições de segurança e, sempre que possí- ▪ Nos casos em que incorporem vidros, ter a resis-vel, pelo interior. Nestes casos deve haver fixações tência mecânica adequada e/ou resistência aointeriores para os cintos de segurança. fogo, ou às radiações;Toda a fenestração que possa ser acessível a doentes ▪ Ter sentido de abertura adequado às funções,ou público deve ser provida de fecho com chave ou nomeadamente: para o exterior, nos caminhosencravamento mecânico. de evacuação e saídas de emergência. De abrir para fora, ou de correr, em instalações sanitáriasAs janelas devem ter sistemas que permitam o obscu- de doentes localizadas nos internamentos e, emrecimento parcial e total dos compartimentos. O cálculo todo o edifício, nas instalações sanitárias desti-térmico do edifício deve ser independente destes sis- nadas a pessoas de mobilidade condicionada.temas de obscurecimento. Nos corredores e zonas de passagem, o movimento deNo caso de janelas de compartimentos onde haja longa abertura das portas não deve diminuir a largura daspermanência dos doentes, os vãos exteriores devem circulações. 15
  17. 17. Subsecção 2.1 Arquitectura Secção 2V. 2009 Recomendações e Especificações Técnicas do Edifício HospitalarAs portas das salas de operações devem ser de correr, Devem ser utilizados sistemas comprovadamente ade-com abertura automática, além de garantir a estanqui- quados às funções para que se destinam e que pos-dade e características de assepsia inerentes às suas suam adequado isolamento acústico.funções. De forma a garantir a eficaz desmontagem das divisó-As portas de acesso às urgências devem ser de correr, rias, estas só devem ser instaladas depois de niveladocom abertura automática. e acabado o pavimento onde assentam.No caso de serem consideradas portas de vaivém,estas não podem coincidir com as portas corta-fogo ou 2.22. Ductospára-chamas e devem possuir molas de pavimento. Os ductos devem ser compatibilizados com as instala- ções técnicas a prever, localizados e dimensionados deOs vãos interiores devem ter dimensões úteis (largura modo a não diminuir a área útil dos compartimentosútil mínima), adequadas ao fluxo e passagem dos equi- nem alterar a configuração original dos mesmos e serpamentos rodados, nomeadamente: acessíveis sem interferir fortemente na normal utiliza- ção dos espaços. ▪ Entradas para enfermarias, quartos de doentes e banho assistido: 1,15m (uma folha); O acesso aos ductos deve ser realizado pelas circula- ções e não pelo interior dos compartimentos. ▪ Salas de tratamentos, observação, exames e de partos e em todos os compartimentos em que Os ductos horizontais ou verticais para instalações haja necessidade de passagem de camas, técnicas devem ter septos, em todos os pisos e no macas e equipamento rodado de grandes atravessamento de paredes resistentes ao fogo, ou dimensões: 1,40m (duas folhas); isolados dos compartimentos de fogo com processos e materiais adequados e que respondam às condições ▪ Gabinetes de consulta e exames, copas e insta- do regulamento em vigor de segurança contra incên- lações sanitárias para deficientes e nos compar- dios. timentos em que haja necessidade de passagem de cadeiras de rodas: 1,00m (uma folha); Sobre as zonas mais pesadas em termos de instala- ções especiais deve sempre ser previsto um piso técni- ▪ Gabinetes em geral e nas instalações sanitárias co. sem acesso a cadeiras de rodas: 0,80m (uma folha); As aberturas nas lajes e paredes resistentes corres- pondentes aos ductos devem ser explicitamente consi- ▪ Em circulações horizontais dentro dos diversos derados no projecto de estruturas. serviços: 1,40m (duas folhas); ▪ Em circulações principais de maior fluxo de trá- 2.23. Protecção de paredes fego: 1,80m (duas folhas) ou 2,40m (duas folhas). Nas circulações, a protecção das paredes relativamen- te ao embate de equipamentos rodados (camas, macas, carros de transporte e outros) deve ser prevista2.21. Divisórias amovíveis quer nas zonas expostas ao longo das paredes, quer nas esquinas.Pode ser considerada a utilização de divisórias amoví-veis, em casos de justificada necessidade de flexibili- As referidas protecções devem ser concebidas comdade dos espaços, devendo no entanto: sistemas que protejam toda a zona de embate. ▪ Ser constituídas e montadas de forma a não As protecções de paredes, nas circulações onde transi- porem em risco condições de segurança dos tem doentes, nomeadamente no internamento, serviços locais e do edifício em geral, nomeadamente de de imagiologia, exames especiais, medicina física e de segurança contra incêndio; reabilitação e urgências, devem também servir de apoio à mobilidade do doente, pelo que a respectiva ▪ Terem capacidade de suporte para as instala- configuração deve ser adequada à função de corrimão ções e equipamentos que nelas forem fixados. em ambas as alturas previstas no Decreto-Lei n.º ▪ Permitir a respectiva mudança sem recurso a 163/2006, de 8 Agosto, e prever fixações que garantam processos complexos ou necessidade de altera- a necessária resistência mecânica e afastamento da ção das instalações técnicas não comprometen- parede. do, portanto, a flexibilidade das instalações; A montagem das protecções de paredes não deve, no ▪ Incluir barreiras acústicas na sua parte superior. entanto, diminuir a largura útil das circulações.16
  18. 18. Secção 2 Subsecção 2.1 Arquitectura Recomendações e Especificações Técnicas do Edifício Hospitalar V. 20092.24. Instalações sanitárias ▪ Repetitiva, com intervalos regulares ao longoEm todos os serviços acessíveis a doentes deverão ser dos trajectos, devendo acompanhar os utentes eprevistas instalações sanitárias isentas de barreiras visitantes desde a entrada na unidade hospitalararquitectónicas. até ao local a que se destinam;Por abolição de barreiras arquitectónicas entende-se o ▪ A sinalização deve ser diferenciada, responden-cumprimento da legislação em vigor, incluindo a insta- do aos diversos tipos de solicitação através,lação de ajudas à mobilidade. nomeadamente, dos seguintes tipos de informa- ção:Independentemente do cumprimento da legislação emvigor – havendo uma instalação sanitária completa e ▫ Exterior aos limites do hospital – que devesem barreiras arquitectónicas – quando existirem várias ser concertada com a autarquia local;instalações sanitárias nas proximidades (unidades deinternamento, por exemplo), admite-se que as bacias ▫ Dentro da cerca e no exterior do edifício – ade retrete possam ter acesso, alternadamente, apenas integrar nos espaços exteriores e a articularpor um dos lados. com o respectivo projecto, dando indicações do encaminhamento para as diferentesSempre que as portas das instalações sanitárias abram entradas e serviços com acesso pelo exte-para dentro, deve ser deixado espaço para, com o rior, bem como da sinalização rodoviária emovimento de abertura da porta, empurrar um corpo de parqueamento. Sempre que se justifique,caído no chão. este tipo de sinalização deve ter iluminação própria;A face superior das bases de duches para utilizaçãopor doentes deve ficar de nível com o pavimento, ou ▫ Geral – indicando os serviços ou departa-constituir um degrau com o máximo de 2cm de altura. mentos, por piso, e sendo colocada em locais estratégicos nomeadamente em átrios, zonas de distribuição ou junto dos2.25. Apoios à mobilidade principais núcleos de comunicação vertical;Os apoios sanitários denominados “apoios à mobilida- ▫ Direccional – dando encaminhamento ine-de” devem ser previstos em compartimentos de higiene quívoco para os diversos serviços ou depar-de doentes, instalações sanitárias para deficientes e tamentos do hospital;instalações sanitárias para utentes no serviço de medi-cina física e de reabilitação. ▫ Específica – identificando inequivocamente cada serviço ou departamento e respectivosEstes apoios, quer sejam fixos ou articulados, devem compartimentos neles inseridos.ter características ergonómicas e de fixação que lhesconfiram rigidez e configuração perfeitamente adequa- O sistema de sinalização deve ainda, em termos deda à função, devendo também estar de acordo com as qualidade e de desenho, respeitar o seguinte:normas técnicas para promoção da acessibilidade apessoas de mobilidade condicionada. ▪ Fazer uso de símbolos, pictogramas e cores internacionalmente usados em edifícios de saú-Não devem ser utilizados apoios à mobilidade nos de, em reforço às palavras escritas;lavatórios. ▪ Utilizar espaçamentos adequados que permitam2.26. Sinalização interior e exterior uma fácil leitura;Deve ser considerado um sistema racional de sinaliza- ▪ Fazer uso dos diversos componentes isolada-ção quer interior quer exterior que preste aos utentes mente ou em conjunto;uma informação: ▪ Seguir recomendações de montagem perfeita- ▪ Clara e eficiente, transmitindo um conjunto de mente ajustadas, nomeadamente quanto às altu- elementos convenientes e compatíveis com as ras de colocação, posicionamento relativo e funções de cada espaço em que é utilizado; compatibilidade entre si e com outros equipa- mentos (tais como a iluminação e outros elemen- ▪ Sistematizada e clara, de forma a transmitir aos tos fixos ao tecto); utentes e aos visitantes o encaminhamento cor- recto nas suas deslocações dentro do edifício; ▪ Ser organizado por painéis modulares, com grande flexibilidade de utilização, permitindo ▪ Abundante e bem visível, devendo todos os uma fácil mudança de conteúdo; locais e compartimentos ter identificação especí- fica e serem assinaladas as direcções de circu- ▪ Utilizar materiais de grande durabilidade e de lação e as saídas de emergência; fácil montagem, desmontagem e limpeza e de 17
  19. 19. Subsecção 2.1 Arquitectura Secção 2V. 2009 Recomendações e Especificações Técnicas do Edifício Hospitalar excelente conservação, apresentando superfície lisa e uniforme, com boa resistência à lavagem e aos produtos químicos, humidade, variação de temperatura, embates, vandalismo ou bactérias e fungos; ▪ Ter em conta pessoas com deficiência visual.2.27. Equipamento fixoNo projecto de arquitectura, para além da inclusão nosdesenhos do equipamento geral deve ser consideradaa implantação do seguinte equipamento fixo: ▪ Bancadas e armários superiores, a instalar em compartimentos onde se desenvolvam actos clí- nicos ou de enfermagem, nomeadamente, salas de trabalho de enfermagem, salas de tratamen- tos, salas de exames e observação; ▪ Sistema de bancadas, armários e outros elemen- tos destinados às áreas laboratoriais. ▪ Equipamentos sanitários.18

×