Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Informe Rural - 18/09/13

654 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Informe Rural - 18/09/13

  1. 1. Informativo do Sistema Público da Agricultura - Ano II - Edição n° 44 - Brasília, 19 de setembro de 2013. Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Rural Estradas de terra dos núcleos rurais serão melhoradas Até o final do ano, as estradas de terra nos núcleos rurais do Distrito Federal receberão a aplicação de um estabilizador de solo, produto à base de carvão mineral que reduzirá a poeira, a lama e melhorará as condições para trafegar nos percursos. “É uma intervenção extremamente prática e barata se comparada ao asfalto, que reduz em 70% a poeira e acaba com os atoleiros. A experiência tem mostrado ser a solução para áreas intransitáveis do setor rural”, afirmou hoje o governador Agnelo Queiroz, em visita a Vargem Bonita, no Park Way, onde a aplicação começou em agosto. Além dos 6,5km de estradas na Vargem Bonita que receberão o produto, os núcleos rurais de Jardim 2, no Paranoá, Fazenda Larga, em Planaltina, e Almécegas, em Brazlândia, também serão beneficiados, e somarão um total de 20km impermeabilizados pelo estabilizador. Segundo o secretário de Agricultura do DF, Lúcio Valadão, foram escolhidas as rotas de ônibus escolares e as principais vias de escoamento de produção, usadas diariamente pelos agricultores das regiões. “Acreditamos que facilitará muito para as pessoas que transitam nessa região. A aplicação do produto provoca uma agregação das partículas do solo, tornando-o mais resistente ao tráfego de caminhões e trazendo uma necessidade de manutenção bem menor”, explicou Valadão. Melhoria – A poeira levantada por veículos muitas vezes prejudica a produtividade dos agricultores locais e encarece os produtos, porque precisam ser lavadas constantemente quando estão nas áreas de cultivo. Para o agricultor Hiromi Gerardo, com a aplicação do estabilizador de solo haverá uma melhora tanto na produção, quanto na qualidade de vida. “Para as pessoas que têm doenças respiratórias vai melhorar bastante, e na produção ajudará também, pois os custos com a água para lavar os alimentos, por exemplo, serão reduzidos”, comentou o agricultor. Estudantes e demais moradores das áreas beneficiadas também sentirão a melhoria, pois não terão que enfrentar lama nos dias de chuva ou poeira no período de seca, quando transitarem pelas vias. Durabilidade – Com estradas rurais em melhores condições, caminhões e produtos sofrerão menos danos, o que contribuirá para diminuição dos prejuízos com transporte da produção, e, consequentemente, nos preços dos alimentos. “Nossa expectativa é que a manutenção reduza em até 50%, o que fará com que ela ocorra apenas de dois em dois anos, em média”, informou o subsecretário de Desenvolvimento Rural, José Nilton Campelo. A expecitativa é que o estabilizador de solo tenha durabilidade de três anos. Um total de 20km de pistas no Park Way, Paranoá, Planaltina e Brazlândia serão beneficiados, até o final do ano, com um produto que reduz a poeira e a lama Agência Brasília
  2. 2. Emater-DF debate criação de nova agência A segunda Mesa Técnica da Emater-DF, ocorrida na última sexta-feira (13), debateu um dos assuntos mais caros para a extensão rural no Brasil atualmente: a criação da Agência Nacional de AssistênciaTécnicaeExtensão Rural (Anater). O órgão deverá coordenar o serviço de ATER no país, unificando diretrizes, gerenciando recursos e definindo as formas de atuação das entidades de extensão. O debate contou com a participação maciça dos empregados e foi conduzido por representantes das diversas instituições envolvidas na formatação da Anater. O presidente da Emater-DF, Marcelo Piccin, ressaltou que a Mesa Técnica é uma oportunidade para os empregados debaterem temas importantes para a extensão rural. “Trata-se de um evento que atende às expectativas do planejamento estratégico da empresa, de integrar mais todos os colegas”, lembrou. “Queremos proporcionar esses momentos para refletir nossa prática e olhar para o futuro”, completou Piccin. Para o presidente da Associação dos Servidores da Emater-DF (Asser-DF), Ecarlos Carneiro, o tema da mesa técnica é pertinente. “Acreditamos que a Anater dará sustentabilidade à extensão rural. Com ela, nossas empresas e instituições co-irmãs poderão se fortalecer, o que resultará num serviço de melhor qualidade prestado ao agricultor”, ponderou. O projeto de lei 5740/2013, que cria a Anater, já foi aprovado em todas as comissões da Câmara dos Deputados e agora aguarda apreciação do plenário. Se receber o aval da casa, seguirá para o Senado e, na sequência, deve ser sancinado pela presidente Dilma Rousseff. A expectativa é que a agência já esteja funcionando a partir de 2014. Confira o que eles pensam Otávio Balsadi Coordenador de Estudos e Métodos de Transferência de Tecnologia da Embrapa “A Embrapa não tem a missão da Ater pública e por isso as duas instituições devem atuar juntas para a inserção social e produtiva dos produtores que estão à margem. É necessária a sistematização e compartilhamento de metodologias que integrem melhor a pesquisa com a extensão rural”. Alexandre Giehl Coordenador de Assistência Técnica do Ministério da Pesca e Aquicultura “Com a Anater, será possível que as chamadas públicas fiquem disponíveis para os demais órgãos. Atualmente essa ferramenta se restringe ao MDA e ao Incra. O Ministério da Pesca tem trabalhado com chamadas, mas por meio de acordo de cooperação com MDA.” Caio Rocha Secretário Nacional de Desenvolvimento Agropecuário do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento “A nova agência será um serviço social autônomo, com estatuto próprio, caráter operacional e autonomia para contratação. Isso dará mais agilidade e quem ganha são os extensionistas, os agricultores e os governos.” Argileu Martins Diretor do Departamento de Assistência Técnica e Extensão Rural do Ministério do Desenvolvimento Agrário “A Anater nasce pela crescente demanda de extensão rural no Brasil. Mais importante do que saber a quem ela estará subordinada é definir a serviço de quem ela deve trabalhar: a serviço da agricultura brasileira. Com a agência, a PNATER (Política Nacional deAter) poderá ser implementada de forma mais ágil.” Manoel Saraiva Presidente da Federação Nacional dos Trabalhadores da Assistência Técnica e do Setor Público Agrícola do Brasil (Faser) “A criação da Anater é a resposta de anseios e lutas dos extensionistas. Um dos grandes desafios da agência é fazer com que o serviço de extensão rural seja prestado com a mesma qualidade e excelência em todo o país.” Hector Barreto Diretor executivo da Associação Brasileira das Entidades Estaduais de Assistência Técnica e Extensão Rural (Asbraer) “AEmater-DF é um exemplo de vanguarda, já que foi a primeira a propor um debate tão importante como esse entre seus empregados. Vamos estudar uma forma de estimular as outras instituições ASCOM - EMATER/DF
  3. 3. Começa o cadastramento para entrega de sementes Dentro da proposta de combate à extrema pobreza, a Secretaria de Agricultura e a Emater realizam a doação de sementes e fertilizantes minerais para produtores familiares do Distrito Federal. Serão 700 beneficiados para a produção da safra 2013/2014. As inscrições dos produtores podem ser feitas até o dia 30 de setembro nas unidades locais da Emater. A empresa deverá atestar as informações prestadas no formulário de inscrição e classificar os produtores como familiar, pré-assentado ou assentado. Os documentos preenchidos precisam ser enviados até o dia 5 de outubro à Subsecretaria de Desenvolvimento Rural, da Seagri, que divulgará o quadro de atendimento das demandas, até o dia 20 de outubro. Cada produtor poderá receber 20 kg de sementes de milho, com 200 kg de fertilizante mineral, e 20 kg de sementes de feijão, com 100 kg de fertilizante mineral. No ato de recebimento dos insumos, os produtores deverão possuir a recomendação técnica da Emater, correspondente ao plantio em sua propriedade. Quem pode receber – A ação é destinada a atender exclusivamente o público rural enquadrado nas categorias de agricultor familiar, preferencialmente os pré-assentados e assentados da reforma agrária. É obrigatório que tenham o Número de Identificação Social (NIS), do Cadastro Único do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate a Fome. Além do NIS, é preciso ter a Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP), ou o cadastro na Relação de Beneficiários ao Programa de Reforma Agrária do Incra (RB) ou a Declaração de Produtor Familiar, emitida pela Emater-DF. Inscrições de beneficiários serão feitas nas unidades locais da Emater-DF Emater-DF promove curso de boas práticas A manipulação correta dos alimentos é uma das etapas mais importantes da fase de produção. Para orientar os agricultores e empreendedores, existem diversas leis e regras, expressas nas Boas Práticas de Fabricação. Esse é o tema do curso oferecido pelaEmater-DFamaisde30empreendedores que já possuem ou pretendem possuir agroindústrias. Nesta terça-feira (17), ocorreu o terceiro de seis módulos do curso, que está sendo realizado uma vez por semana no Centro de Treinamento (Centrer) da empresa em Planaltina. Segundo a extensionista Sônia Cascelli, coordenadora do programa de Agroindústria da Emater-DF, o curso tem como objetivo capacitar os empreendedores e assim, evitar a ocorrência de eventuais problemas. “Desde que começamos a ministrar essas aulas, em 2009, já tivemos retornos muito positivos de produtores que passaram a economizar mais e racionalizar a produção”, aponta Sônia. Além de abordar a importância da higiene na manipulação, o curso aborda temas ligados à gestão da microempresa. Laticínios, panificados, biscoitos, bolos, frutas desidratadas, geleias, palmitos e vários outros produtos são processados pelas agroindústrias no DF. Durante as aulas, os participantes trocam experiências sobre os diferentes processos de produção, orientados pela equipe da Emater-DF. A última aula será uma visita a uma agroindústria, onde serão verificados os itens estudados durante o curso. Sônia acredita que esse tipo de orientação é de fundamental importância não só para os produtores mas também para toda a sociedade. “Quando o empreendedor aplica as boas práticas, ele reduz custos e coloca no mercado um produto de alta qualidade. Além de atender à legislação, sua renda aumenta, ele pode contratar mais funcionários e crescer, o que dinamiza a economia do DF”, explica. Boxes da Ceasa serão licitados A Ceasa-DF abriu licitação para oferecer cinco boxes de comercialização destinados à venda de produtos hortifrutigranjeiros, cereais, artigos agrícolas, condimentos e embalagens. Os interessa- dos podem acessar o edital por meio do endereço eletrônico www.ceasa.df.gov.br ou retirar pes- soalmente o documento no protocolo da Ceasa mediante a entrega de mídia para gravar os artigos. No edital estão informações sobre o tamanho dos boxes, além dos valores para as ofertas ini- ciais. A abertura dos envelopes com a documentação e propostas de preços acontece no dia 16 de outubro, às 10h, no auditório da Ceasa. ASCOM - EMATER/DF ASCOM - EMATER/DF ASCOM - CEASA/DF
  4. 4. Informativo produzido pelas assessorias de comunicação social: Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Rural (Seagri-DF) - 3051-6347 Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-DF) - 3340-3002 Centrais de Abastecimento do Distrito Federal (Ceasa-DF) - 3363-1024 Siga o Sistema Agricultura nas redes sociais: facebook.com/SeagriDF facebook.com/ematerdistritofederal facebook.com/ceasa-df twitter.com/ematerdf Emater participa de seminário nacional sobre o programa Brasil Sem Miséria O Governo do Distrito Federal e o Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) realizaram, nessa segunda e terça-feira (16 e 17), o II Seminário Nacional sobre Pactua- ção Federativa no Brasil Sem Miséria. O encontro reuniu representantes do DF e de governos estaduais para compartilhar experiências sobre ações e programas locais de superação da extrema pobreza, implantados em ar- ticulação com o plano do governo fe- deral. No Distrito Federal, há mais de 241 mil famílias inscritas no CadÚnico e 91 mil recebem o Bolsa Família. Dessas, 34 mil têm um complemento na renda de R$ 70 e recebem, no total, R$ 140. A expectativa, segundo o governador do DF, Agnelo Queiroz, é reduzir a desigualdade. A Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-DF) é executora do programa no meio rural. No total, serão 600 famílias beneficiadas com R$ 2.400 para a estruturação de atividade produtiva com a assistência técnica da Emater-DF. “Temos uma grande parceria com o governo federal e aplicamos rigorosamente a política de transferência de renda. Temos, sobretudo, a preocupação da inclusão produtiva, da qualificação profissional. A perspectiva é que as pessoas saiam da transferência de renda o mais rápido possí- vel”, disse o governador Agnelo Queiroz, após a cerimônia de abertura do evento. ASCOM - EMATER/DF com informações da Agência Brasília Secretários de Estado da Agricultura se reuniram na terça-feira (17), em Brasília, para debater as políticas do setor. O ministro da Agricultura, Antônio Andrade, também esteve presente e ouviu reivindicações dos dirigentes estaduais. Os secretários discutiram as políticas empregadas para a Defesa Agropecuária, crédito para os médios produtores, exportação, importação, registro de defensivos, safra e conflitos entre produto- res e indígenas. Também foi discutida a dinâmica de trabalho do Conselho Nacional dos Secretá- rios de Estado de Agricultura (Conseagri) e a escolha do novo presidente da entidade. A Defesa Agropecuária foi um dos principais temas de debate, devido à possibilidade do governo federal interromper o repasse de verbas às unidades da federação, destinadas a essa política. “O governo federal está realizando diversas reuniões para encontrarmos uma solução”, disse o minis- tro da Agricultura. Outro importante tema foi o fortalecimento da tomada de crédito destinado ao Programa Nacio- nal de Apoio ao Médio Produtor Rural (Pronamp). “O Pronamp é uma linha de crédito com juros de 4,5% ao ano, mas observa-se que os bancos não conseguem efetivar este crédito”, destacou o secretário de Agricultura do Distrito Federal, Lúcio Valadão. Para facilitar o acesso ao crédito pelo médio produtor, os secretários sugeriram a Andrade que o Ministério da Agricultura crie um sistema semelhante à Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP), concedida a agricultores familiares para facilitar a participação nas políticas públicas, para ser uti- lizado pelo médio produtor. “Acreditamos que seria importante criar a sugerida Declaração de Aptidão ao Médio Produtor (Damp) para atender a este público e facilitar o acesso ao crédito”, disse o secretário de Agricultura da Bahia e atual presidente do Consegari, Eduardo Salles. Secretários de Agricultura discutem políticas para o setor Encontro realizado em Brasília reuniu secretários dos estados e do Distrito Federal ASCOM - SEAGRI/DF

×