Informe rural 02/05/2013

171 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
171
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Informe rural 02/05/2013

  1. 1. Informativo do Sistema Público da Agricultura - Ano II - Edição n° 25 - Brasília, 02 de maio de 2013.Secretaria de Agriculturae Desenvolvimento RuralFaltam poucos dias paraa sexta edição da Agro-brasília, realizada de 14 a 18de maio, no Parque de Exposi-ções Ivaldo Cenci (PAD-DF). Noevento, a Emater-DF coordenao Espaço de Valorização daAgricultura Familiar (Evaf), quepossui várias novidades nosseus 48 mil metros quadrados.São 13 rotas que vão levartecnologias de baixo custo eorientação técnica especializa-da a milhares de pequenos agri-cultores, trabalhadores rurais etécnicos do Distrito Federal eEntorno. O foco é o agricultorfamiliar, público-alvo da empre-sa e maior beneficiário das po-líticas agrícolas do Governo doDistrito Federal.No espaço, os visitantespoderão observar unidadesdemonstrativas adaptadas àpequena propriedade rural e re-ceber orientações sobre diver-sos temas como plantio de hor-taliças, fruticultura, piscicultura,pecuária, crédito rural, agroin-dústria, comercialização, boaspráticas agrícolas, floricultura eagroecologia.Além dos diversos sistemasde produção, o espaço tem apreocupação de abordar toda acadeia produtiva - do plantio àcomercialização - e apresentarmáquinas, equipamentos, políti-Espaço espera receber mais de seis mil agricultores familiarescas públicas e linhas de créditoque atendem às necessidadesdos visitantes. A culinária e oartesanato rural também têmespaço reservado para mostrarque há de melhor no Distrito Fe-deral.Alguns destaquesA primeira rota temática doEvaf é a de Hortaliças, que ocu-pa cerca de 2 mil m². Neste es-paço estarão presentes as trêstecnologias mais utilizadas noDF: plantio em estufa, no teladoe em campo.Nessa área, empresas apre-sentarão seus mais novos culti-vares para que os agricultoresavaliem e comparem os produ-tos para definir o que utilizarãono próximo plantio.As hortaliças não convencio-nais também receberão aten-ção especial dentro da Rota dasHortaliças. O projeto de resgatede culturas como a capuchinha,o ora-pro-nobis, a mostarda, otomatilho, o peixinho e a vina-greira é feito em parceria com aEmbrapa Hortaliças.Na área da floricultura, ha-verá um viveiro de 700 m², umaestufa e área de plantio emcampo, mostrando como a ati-vidade é viável e rentável.Para a pecuária leiteira, oEvaf destaca um dos alimen-tos mais baratos que podemser ofertados ao gado: as forra-gens. O produtor também pode-rá obter informações sobre a or-denha e silagem para o períododa seca.A piscicultura é uma das ro-tas mais recentes do Evaf. Seráapresentado um reservatórioutilizado para irrigação, aliado àcriação de peixes. O setor temrecebido fomento do governodevido à sua viabilidade e ren-dimento.O Instituto Agronômico doParaná (Iapar) também teráum espaço de 1500 m² no Evafpara apresentar tecnologias,maquinas e equipamentos vol-tados à agricultura familiar.Casa RuralA Secretaria de Agriculturaestará presente com a CasaRural. Lá, os produtores rece-berão informações sobre o Fun-do de Desenvolvimento Rural,legalização de terras rurais, deagroindústria artesanal, entrediversos outros serviços e polí-ticas públicas para o setor.Agrobrasília traz novidades para a agricultura familiarServiço:AGROBRASÍLIA 2013Entrada francaData: 14 a 18 de maioHorário: das 9h às 18hLocal: Parque Ivaldo Cenci, PAD-DF.BR-251, Km 5, Brasília-DF, sen-tido Brasília-Unaí (MG).
  2. 2. Emater discute produção orgânica animalPara alinhar as políticaspúblicas, ensino, pesquisa eextensão voltadas para a pro-dução orgânica animal, a Ema-ter-DF organizou na manhã deterça-feira (30) uma reuniãocom produtores rurais que tra-balham com o setor produtivoanimal. Na oportunidade o ex-tensionista rural da Emater--DF, Luiz Carlos Britto Ferreira,apresentou um diagnóstico daprodução animal certificada lo-cal e nacional.Na abertura o presidenteConselheiros de Desenvolvimento Ruralquerem mais recursos para infraestruturaDurante a segunda reu-nião de 2013 do Conse-lho de Desenvolvimento RuralSustentável do Distrito Federal,realizada no dia 27, conselhei-ros solicitaram que metade dosrecursos do Fundo de Desen-volvimento Rural (FDR) sejamdirecionados para projetos deinfraestrutura. Com nova legis-lação, o FDR permite financiara construção de empreendi-mentos coletivos para a árearural sem necessidade de re-embolso. Por isso, a nova op-ção de crédito é chamada deFDR Social.Para esclarecer sobre comoutilizar os recursos do FDR,servidores da Secretaria deAgricultura apresentaram asnovas regras. A atual legislaçãodetermina que as prioridadesde investimento coletivo sejamindicadas pelos Conselhos Re-gionais de DesenvolvimentoRural. O plano inicial do conse-lho gestor do Fundo era dispo-nibilizar 40% dos recursos paraa modalidade social. Os mem-bros do CDRS solicitaram queo patamar fosse elevado para50%.Além do FDR, foram expli-cadas as novas regras para oFundo de Aval, outra oportu-nidade de tomada de créditopara investimentos, com con-dições atraentes. Mais umaimportante ação mostrada aosmembros do CDRS-DF foi aPolítica Nacional de HabitaçãoRural (PNHR). Foram explica-das as regras, condições e oauxílio que o Sistema Públicoda Agricultura dará aos agricul-tores familiares para participa-rem.Também foram anunciadasa realização da II ConferênciaDistrital de DesenvolvimentoRural Sustentável, em junho,e a II Conferencia Nacional deDesenvolvimento Rural Sus-tentável, em setembro. Os con-selheiros deliberaram, ainda,que deverá ser marcada reu-nião extraordinária para discu-tir o novo regimento interno doCDRS-DF.Para mais informações:www.agricultura.df.gov.br/acoes/fundo-de-desenvolvi-mento-ruralMembros do CDRS-DF reivindicam que 50% da verba do Fundo de Desenvolvimento Rural sejam investidos no setorda Emater-DF, Marcelo Piccin,destacou a importância de dis-cutir o assunto no atual momen-to de governo. “Hoje o incentivoà produção de alimentos orgâ-nicos é eixo estratégico dentroda política do governo Agnelo.Isso é fundamental para viabi-lizarmos a transição dos pro-dutores convencionais para aagroecologia”.O produtor Joe Valle, quetambém é deputado distrital,fez um apanhado da realidadevivida na sua empresa (Ma-lunga) ao longo de mais de 25anos de produção. Ele ressal-tou que o mercado convencio-nal vem ocupando espaço dosalimentos orgânicos de origem,com outros tipos de selos (pro-dução integrada, bem-estaranimal etc).Com as ponderações feitaspelos produtores, a Emater-DFvai organizar os temas levanta-dos para integrar as ações eviabilizar o setor produtivo.
  3. 3. Regularização fica mais próximaMais um passo em direçãoà regularização das ter-ras rurais foi dado pelo GDF naquinta-feira (25): a Emater-DFe a Secretaria de Agricultura eDesenvolvimento Rural (Sea-gri) entregaram 52 Planos deUtilização a agricultores do nú-cleo rural São José (região ad-ministrativa de Planaltina). Comos documentos, que detalhama ocupação das terras em cadachácara, os moradores terão,em breve, a garantia do direitode uso do solo com mais segu-rança.Os planos foram elabora-dos pela Fundação Rural, numconvênio com a Emater-DF. Aotodo, serão 300 documentosdesenvolvidos gratuitamentepara agricultores familiares detodo o DF. Os Planos de Utili-zação fazem um levantamentodos aspectos ambientais daspropriedades, apontando comoas terras estão sendo usadas ede que forma podem ser melhoraproveitadas sem prejuízos aomeio ambiente.Para o agricultor FranciscoBarbosa de Oliveira, o planode utilização vai lhe trazer maissegurança e autonomia. “Comesse documento vai ficar bemmais fácil pegar crédito ruralno banco e me associar emalguma organização para ven-der meus produtos para o PAA(Programa de Aquisição de Ali-mentos), por exemplo”, apontao produtor de frutas e hortaliçasorgânicas.O secretário de Agricultura,Lúcio Valadão, lembra que aSeagri e a Emater-DF assumi-ram o compromisso de fazer osplanos sem custo para agricul-tores familiares. “Essa é umafase importante do processode regularização: a partir domomento que reconhecemos aocupação regular dos terrenos,a posse não pode mais ser con-testada, o que facilita a vida dosprodutores”, explica.O presidente da Emater-DF,Marcelo Piccin, reforça a impor-tância do documento. “O planode utilização é como se fosse acarteira de identidade da terra:ele aumenta a autoestima doagricultor, garante mais cidada-nia e estabilidade no campo”,observa.Após a entrega dos Pla-nos de Utilização, os agricul-tores aguardam a avaliaçãoda Seagri; estando tudo ok,o documento é enviado paraa Terracap, que vai prepararos contratos de direito de usodas terras. O processo é ne-cessário porque a maioria dasocupações de terrenos ruraisno Distrito Federal é em áreaspúblicas. A entrega dos docu-mentos foi feita por técnicosda Gerência de Agroecologia eMeio Ambiente da Emater-DF edo escritório local da empresano núcleo rural Rio Preto, queatende a região.GDF começa a entregar Planos de Utilização a agricultores familiaresAprendendo a comer bemCerca de 50 alunos da Es-cola Classe Café Sem Troco(região rural do Paranoá) as-sistiram, na terça-feira (30) àpalestra sobre alimentação se-gura, promovida pela Emater--DF. A atividade faz parte docalendário de eventos do es-critório da empresa no PAD-DFe deverá acontecer em outrasescolas rurais da região naspróximas semanas.Segundo a nutricionista Da-nielle Amaral, é importanteeducar os estudantes desdecedo sobre as vantagens daalimentação saudável — prin-cipalmente na área rural, ondeos alimentos industrializadosjá estão nas vendas e merca-dinhos. “Nosso desafio é fazercom que as crianças voltem ater interesse nas frutas e ver-duras, que são tão acessíveispara elas”, explica Danielle.Além das palestras, a Ema-ter-DF vai desenvolver, em bre-ve, dois projetos de inclusãosocial na região do PAD-DF. Oprimeiro pretende ensinar ascrianças a contar histórias, eserá desenvolvido com a pro-fessora e escritora Clara Rosa.O outro vai promover a troca deexperiências entre estudantesdas zonas rural e urbana pormeio do basquete, numa par-ceria com o Clube Unidade deVizinhança da Asa Sul.Emater-DF promove palestra sobre alimentação para estudantes do Café Sem Troco
  4. 4. Produtores terão recursos para habitaçãoOsonho de uma moradiamelhor na área ruralestá prestes a se tornar rea-lidade para diversas famíliasde pequenos agricultores doDistrito Federal. O ProgramaNacional de Habitação Rural(PNHR) começa a ser levadopara quem mais precisa.O projeto, subsidiado comrecursos do Orçamento Geralda União, por meio da CaixaEconômica Federal, está sen-do possível graças à iniciati-va da Empresa de AssistênciaTécnica e Extensão Rural e daSecretaria de Agricultura e De-senvolvimento Rural (Seagri),que começam a divulgar o pro-grama junto às organizaçõesde produtores, como associa-ções e cooperativas, e aosconselhos de desenvolvimentorural.Cerca de 10 famílias que fa-zem parte da Associação dosProdutores da Fazenda Larga(Aprofal) estão com suas casasquase concluídas. Outras 30 jáestão com a documentação emandamento.Segundo o responsável peloprograma na Emater-DF, Mar-celo Silva, a ideia é que maisagricultores, que façam partede entidades organizadas, sebeneficiem do programa. “Ago-ra estamos finalizando um pla-no de ação para que o PNHRseja divulgado e chegue a maisfamílias”, disse.Programa NacionalO PNHR é uma das modali-dades do programa federal Mi-nha Casa, Minha Vida. Podemparticipar os produtores ruraisfamiliares com renda bruta anu-al familiar de até R$ 15 mil, quese enquadrem como agriculto-res em uma das seguintes ativi-dades: pescadores artesanais,extrativistas, silvícolas, mari-cultores, piscicultores, traba-lhadores rurais, assentados doInstituto Nacional de ReformaAgrária (Incra), comunidadesquilombolas ou povos indíge-nas. Para ser um beneficiário,o produtor rural precisa morarna propriedade, não possuirimóvel em área urbana e estarcom a casa onde mora em mauestado de conservação (de suapropriedade ou não).O valor do subsídio paraconstrução é de R$ 28.500,00,sendo 35% para custear amão-de-obra. No final, 96% dovalor total do projeto é subsi-diado pelo PNHR e cada famí-lia devolve à União apenas 4%do valor subsidiado pago em 4anos (uma parcela por ano deR$ 285,00).Para a conclusão de obra,reforma ou ampliação, o recur-so oferecido é de R$ 17.200,00.O valor é gerenciado poruma comissão, eleita por meiode assembleia da associaçãoou cooperativa de produtores.Outra comissão também é elei-ta para o acompanhamento dasobras. O valor é repassado emetapas, conforme andamentodas obras e vistoria da CaixaEconômica.Também são parceiros doprograma os Ministérios da Fa-zenda e das Cidades.Informativo produzido pelas assessorias de comunicação social:Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Rural (Seagri-DF) - 3051-6347Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater-DF) - 3340-3002Centrais de Abastecimento do Distrito Federal (Ceasa-DF) - 3363-1024Nos próximos dias 08 e09 de maio será realizado oSeminário Nacional de Agro-ecologia e Produção Orgânica,no auditório Petrônio Portella,no Senado Federal.O evento visa a mobilizaçãode parlamentares, estudiosos eautoridades envolvidos com otema e da sociedade civil comoum todo, para debater sobre aprática da agroecologia para odesenvolvimento da sustenta-bilidade.A iniciativa é da Frente Par-lamentar Mista da Agroecologiae Produção Orgânica e a Açãoda Cidadania, associação su-prapartidária que reúne depu-tados e senadores para a pro-moção de políticas públicas eo aprimoramento da legislaçãonacional para o fortalecimentoda agroecologia e produçãoorgânica.A Emater-DF estará pre-sente, divulgando suas açõesrelativas ao tema.Os interessados em par-ticipar devem informar: nomecompleto, RG (n° de iden-tidade) e órgão expedidor, mu-nicípio e fones para contato,pelo e-mail: atendimento@di-ocesechapeco.org.br ou pelotelefone 3215-1306.Seminário discute agroecologia e produção orgânica

×