qwertyuiopasdfghjklçzxcvbn
mqwertyuiopasdfghjklçzxcvb
nmqwertyuiopasdfghjklçzxcv
        Síntese dos Conceitos
         Bá...
Instituto Politécnico de Setúbal
                              Escola Superior de Educação



                      Instit...
Instituto Politécnico de Setúbal
                                Escola Superior de Educação




         Síntese dos conc...
Instituto Politécnico de Setúbal
                                 Escola Superior de Educação

        A língua é um siste...
Instituto Politécnico de Setúbal
                                 Escola Superior de Educação

atenção o nível de conhecim...
Instituto Politécnico de Setúbal
                                Escola Superior de Educação

vivenciam; a segunda diz res...
Instituto Politécnico de Setúbal
                                 Escola Superior de Educação

        A competência lingu...
Instituto Politécnico de Setúbal
                              Escola Superior de Educação




Referências bibliográficas
...
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Síntese dos conceitos básicos da didáctica do português ana andreia

4,339 views

Published on

Published in: Technology, Health & Medicine
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
4,339
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
6
Actions
Shares
0
Downloads
55
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Síntese dos conceitos básicos da didáctica do português ana andreia

  1. 1. qwertyuiopasdfghjklçzxcvbn mqwertyuiopasdfghjklçzxcvb nmqwertyuiopasdfghjklçzxcv Síntese dos Conceitos Básicos da Didáctica bnmqwertyuiopasdfghjklçzxc do Português (Módulo 1) vbnmqwertyuiopasdfghjklçzx Ana Andreia Ribeiro Carvalho cvbnmqwertyuiopasdfghjklçz xcvbnmqwertyuiopasdfghjklç zxcvbnmqwertyuiopasdfghjkl çzxcvbnmqwertyuiopasdfghj klçzxcvbnmqwertyuiopasdfg hjklçzxcvbnmqwertyuiopasdf ghjklçzxcvbnmqwertyuiopas dfghjklçzxcvbnmqwertyuiopa
  2. 2. Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Educação Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Educação Título: Síntese dos Conceitos Básicos da Didáctica do Português (Módulo 1) Unidade Curricular: Introdução à Didáctica do Português Docentes: Fernanda Botelho Curso: Licenciatura em Educação Básica Turma: A Ano: 3.º Semestre: 2.º Elaborado por: Ana Andreia Carvalho, nº 070142056 Introdução à Didáctica do Português Página 2
  3. 3. Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Educação Síntese dos conceitos básicos da didáctica do português No contexto da didáctica das línguas, é importante que o profissional de educação detenha alguns conceitos fundamentais acerca da linguística, como por exemplo o conceito de linguagem e de comunicação. A linguagem, enquanto objecto de estudo da linguística, pode ser definida como um conjunto de processos específicos do ser humano que têm como finalidade possibilitar a comunicação e a estruturação do pensamento humano. Apesar de recorrermos à linguagem para comunicar, a sua finalidade não se finda no processo de comunicação. A comunicação é um processo activo de troca de informação que implica a codificação, transmissão e descodificação de uma mensagem entre, no mínimo, dois intervenientes. Todavia, o processo comunicativo só poderá ter sucesso se os interlocutores dominarem um código comum e se utilizarem um canal de comunicação apropriado. A linguagem verbal, usada pelo ser humano, para além de ser a forma de comunicação mais completa é simultaneamente o mais complexo dos códigos existentes. O processo comunicativo é inevitável, mesmo quando a comunicação não se estabelece pelo canal verbal. Ao valorizar-se o contexto da comunicação e as formas não verbais da mesma, está-se a defender uma concepção total e multicanal da comunicação, em que o sujeito para além de ser emissor, é também receptor, e vice-versa. No entanto, a comunicação não é uma capacidade exclusiva do ser humano, uma vez que no reino animal também podemos encontrar formas específicas e poderosas de comunicação, que ocorrem por variados motivos. A linguagem, enquanto sistema linguístico, serve-se de mecanismos que podem ser extralinguísticos ou paralinguísticos, de modo a clarificar, reforçar ou distorcer a mensagem veiculada. Apesar das características particulares de cada sistema linguístico, a comunicação verbal é universal. Esta universalidade deve-se ao facto de qualquer ser humano, independentemente do local onde reside, conseguir compreender e transmitir informação através de um sistema linguístico, sendo esta capacidade inerente à condição humana. A aquisição da linguagem define-se como um processo comum a qualquer indivíduo independentemente da língua a que está exposto, o que possibilita a aprendizagem da sua língua materna e a aquisição das suas regras. Este processo provém da existência de uma capacidade inata, isto é, geneticamente programada, que possibilita a faculdade da linguagem. A aquisição da linguagem, por parte da criança, ocorre somente ao nível da oralidade, estando assim relacionada com a vertente oral. A produção da linguagem na variante fónica dá-se através da articulação de sons. Este processo designa-se por fala e ocorre a nível individual e com recurso à língua. Introdução à Didáctica do Português Página 3
  4. 4. Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Educação A língua é um sistema gramatical organizado pertencente a um conjunto de indivíduos. É uma herança colectiva, que resulta de um conjunto de convenções estabelecidas numa comunidade e que são aceites por todos os falantes. Os falantes de uma determinada língua possuem um conhecimento implícito das propriedades do sistema linguístico. Ao adquirirem esse conhecimento, os falantes são capazes de fazer juízos de gramaticalidade, de compreender e produzir frases novas e de produzir sobregeneralizações. Relativamente ao conceito de língua, pode-se distinguir dois tipos de língua: a língua natural e a língua artificial. Entende-se por língua natural todas aquelas que o homem adquire espontaneamente, por outro lado, considera-se língua artificial todas aquelas que foram construídas pelo homem e que não são apreendidas como línguas maternas. O conceito de língua materna diz respeito a um sistema que se adquire espontaneamente durante a infância de forma natural em contacto com a mãe e com os outros no seu processo de interacção. A aquisição da língua materna implica a aprendizagem e compreensão de determinadas regras específicas de cada sistema linguístico, no que diz respeito à forma (fonética, morfologia e sintaxe) e ao conteúdo (semântica) desse mesmo sistema. São, simultaneamente, importantes as regras de adequação de determinado discurso linguístico ao contexto de comunicação (pragmática). No entanto, e numa primeira instância, esta língua não é alvo de uma verdadeira aprendizagem, devido ao facto de este processo decorrer em contexto familiar. A língua materna para além de ser a primeira língua que o indivíduo adquire, poderá ainda ser simultaneamente a língua de socialização da criança. Ao analisarmos o fenómeno linguístico, podemos constatar que todas as línguas têm em comum um conjunto de traços fundamentais, denominados como universais linguísticos. Ao todo, podemos encontrar cinco características universais: a possibilidade de expressar qualquer tipo de ideia, em qualquer língua; a capacidade de mutação e evolução das línguas; o facto de todas as línguas serem compostas por unidades discretas que são reguladas por regras e que permitem a formulação de expressões de negação e de interrogação, e ainda a faculdade de expressar o passado, o presente e o futuro, assim como a elaboração de ordens; por fim, a relação arbitrária entre o som e o(s) seu(s) significado(s). No que se refere, em particular, à Língua Portuguesa, enquanto língua materna, esta surge como veículo de aprendizagem das outras áreas do currículo. Portanto, é de extrema importância o zelo pelo uso adequado e correcto da língua portuguesa, em contexto escolar, por parte de todos os professores, o que adverte para a importância da formação inicial destes profissionais. Neste sentido, salienta-se a importância de formar professores e educadores conscientes do seu trabalho e das suas metodologias. Logo, é necessário formar professores e educadores que saibam reflectir sob a sua prática, com base nos conhecimentos adquiridos na sua formação inicial, e que a transformem numa prática bem sucedida com objectivos pedagógicos; é importante ainda formar profissionais de educação que estejam conscientes da sua tarefa de educar e ensinar, de modo a serem capazes de construir uma prática de efectiva qualidade. Para atingir este objectivo, é importante que o profissional de educação tenha em Introdução à Didáctica do Português Página 4
  5. 5. Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Educação atenção o nível de conhecimento linguístico das crianças com que trabalha, de modo a proporcionar-lhes as mesmas possibilidades de alcançar sucesso. Assim sendo, cabe ao profissional de educação apurar os conhecimentos prévios das suas crianças, de forma a seleccionar as metodologias mais adequadas para atingir este objectivo. Deste modo, compete à escola proporcionar as aprendizagens necessárias que possibilitem o desenvolvimento da competência linguística em todas as crianças, o que lhes permitirá ter acesso ao conhecimento e tornarem-se cidadãos cultos. O professor ou educador que objective desenvolver, entre outros, a competência linguística nas suas crianças deverá ser um utilizador proficiente da língua, ou seja, deverá dominar e saber usar competentemente a língua que ensina nos modos oral e escrito. Não sendo um utilizador proficiente da língua, o professor não será um bom modelo nem transmitirá um bom input linguístico e, consequentemente, a estimulação proporcionada pelas trocas linguísticas do professor com as suas crianças não constituirá um factor positivo de desenvolvimento. Mais ainda, um professor ou educador que não seja um utilizador proficiente da língua muito dificilmente perceberá qual o estado de desenvolvimento linguístico das suas crianças, o que dificultará a sua prática e a criação de estratégias e materiais adequados à progressão linguística dos seus alunos. Torna-se, deste modo, necessário compreender o que se entende por utilizador proficiente da língua. Para que o profissional de educação seja um utilizador proficiente da língua é necessário que este domine a um nível óptimo a sua língua padrão, bem como a um nível regular as suas variedades. Para além destas características, é também solicitado ao profissional de educação a capacidade de comunicar correctamente nas várias situações que lhe são exigidas e de expressar-se fluentemente no domínio oral, sendo ainda necessário que domine um vasto reportório de estilos comunicativos. Ao nível da expressão escrita, o profissional de educação deve escrever com clareza e com correcção linguística, dominando os vários géneros textuais. Não obstante, para que o profissional de educação seja um verdadeiro utilizador proficiente da língua, é necessário que tenha hábitos de leitura regulares. Tal como foi referido anteriormente, a escola tem a obrigação de formar cidadãos competentes ao nível linguístico, o que remete para o conceito de didáctica, mais especificamente para o conceito de didáctica da língua materna, uma vez que esta formação tem por base o ensino da língua. A didáctica, de um modo geral, diz respeito à forma e à razão pela qual se utiliza determinadas metodologias no processo ensino-aprendizagem. É uma disciplina geral que comporta em si os fundamentos de uma acção pedagógica suportada por determinados objectivos e metas a atingir. Logo, a didáctica deve ser encarada como uma disciplina transversal e transdisciplinar, uma vez que inclui aspectos gerais que sustentam as didácticas específicas de cada área disciplinar. Em didáctica, destaca-se, duas dimensões: a primeira diz respeito ao diálogo que se estabelece nas situações de sala de aula entre os sujeitos (alunos e professores) que as Introdução à Didáctica do Português Página 5
  6. 6. Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Educação vivenciam; a segunda diz respeito à investigação, que contribui para a observação e interpretação dos actos educativos e para a evolução da própria disciplina. No que concerne, em particular, à didáctica das línguas pode-se evidenciar três etapas no seu percurso epistemológico. A primeira etapa corresponde à didáctica instrumental durante a qual se desenvolveram instrumentos e técnicas de carácter normativo e prescritivo pelas quais se guiava a acção educativa. Numa segunda etapa, surge a didáctica específica que se centrou na especificidade de cada uma das línguas, o professor passa a ser encarado como investigador e um formador. Nesta etapa, a didáctica consolidou-se como ciência. Numa terceira etapa, surge a didáctica do plurilinguismo que foi influenciada por várias questões sociais, tais como a cidadania e a multiculturalidade. Esta didáctica não se confina à sala de aula e pretende valorizar as Novas Tecnologias de Informação e Comunicação (TIC), os media e as vivências das crianças, como recursos para a acção educativa. Perante o actual contexto cultural observado nas escolas, torna-se essencial adoptar uma mudança metodológica e de consolidação da vertente da Didáctica do Português, em que esta língua é aprendida, não só como língua materna, mas também como língua segunda. Neste sentido, é de extrema importância atender à didáctica do plurilinguismo, que, ao servir-se dos princípios comuns no processo ensino-aprendizagem das línguas, as aproxima. Em todo este processo, a língua materna adquire um papel central, o que valoriza, por sua vez, a diversidade cultural e linguística presente em sala de aula. A necessidade de formar cidadãos plurilingues vem expressa em vários documentos europeus, nomeadamente no Quadro Europeu Comum de Referência (QECR). A diversidade linguística presente nas escolas veio despoletar a atenção, por parte das entidades governamentais, uma vez que se tornou extremamente necessário desenvolver nas crianças/jovens competências de mediação, independentemente da sua língua materna, que possibilitem a integração de todos os alunos nas escolas. Aliada à competência de mediação, surge o conceito de competência plurilingue que pode ser definido como a capacidade para recorrer às línguas em situações de comunicação e interacção cultural, em que é exigido ao indivíduo proficiência nas variadas línguas, em diferentes níveis, assim como experiência nas várias culturas. Trata-se de uma competência complexa a que o utilizador pode recorrer sempre que se confronte com situações de diversidade cultural. Para melhor compreender esta e outras competências é necessário definir o conceito de competência. Por competência entende-se a forma como um indivíduo mobiliza os seus saberes, saber-fazer, saber-ser, saber tornar-se, o que lhe possibilita agir e gerir situações complexas. Deste modo, um indivíduo demonstra ser competente quando transforma o seu saber em acção. No seu dia-a-dia, o indivíduo tem de produzir enunciados adaptados às diversas situações que encontra, mobilizando a sua competência comunicativa. Na competência comunicativa em língua, é necessário ter conta três componentes distintos: a linguística, a sociolinguística e a pragmática. Introdução à Didáctica do Português Página 6
  7. 7. Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Educação A competência linguística remete para os elementos lexicais, gramaticais, semânticos e fonológicos das línguas, abarcando o conhecimento de recursos formais a partir dos quais se podem formular discursos correctos. Estes quatro elementos são essenciais para a elaboração de um discurso fluente e significativo: • Competência lexical – remete para o conhecimento e a capacidade de utilizar o vocabulário de uma língua e compreender os seus elementos lexicais e gramaticais. • Competência gramatical – diz respeito ao conhecimento dos recursos gramaticais de uma determinada língua e à capacidade para os utilizar, ou seja, a competência gramatical revela-se na forma como se compreende, e se expressa, significados, através da produção e do reconhecimento de frases e expressões bem construídas segundo princípios gramaticais. • Competência semântica – remete para a consciência e o controlo que o aprendente possui sobre a organização do significado dos discursos. • Competência fonológica – diz respeito ao conhecimento e à capacidade de percepção e produção dos aspectos fonológicos. Deste modo, para se compreender e falar uma dada língua, é necessário conhecê-la, o que implica ter conhecimento de todos os elementos que a constituem. Esta componente não se prende somente com a quantidade e qualidade dos conhecimentos adquiridos pelo sujeito, mas também com a organização cognitiva e a forma esse conhecimento é armazenado, bem como a sua respectiva acessibilidade. A variação da acessibilidade e da organização verifica- se de indivíduo para indivíduo e no mesmo indivíduo. A competência sociolinguística diz respeito às situações socioculturais do uso da língua. Os interlocutores, por vezes, não têm plena consciência da importância que a componente sociolinguística desempenha na comunicação linguística entre indivíduos oriundos de culturas diferentes, mas a verdade é que esta componente pode prejudicar, e muito, a comunicação linguística. Esta competência também abarca o conhecimento do mundo, das culturas, dos referentes e dos rituais comunicativos, existindo assim uma articulação entre esta componente e as competências individuais gerais. Por último, a competência pragmática subdivide-se em três partes: a discursiva (capacidade que o utilizador possui para organizar frases em sequência de modo a produzir discursos coerentes), a funcional (recurso ao discurso falado e a textos escritos na comunicação para fins específicos) e a esquemática. Esta componente relaciona-se com o uso funcional dos discursos linguísticos e com a forma como o indivíduo os utiliza e os domina. A competência comunicativa em língua materna ou nas outras línguas não pode ser separada das “competências individuais”, nomeadamente das dimensões do saber, saber-ser, saber-fazer e saber-aprender. De facto, as línguas permitem ao indivíduo: ter conhecimento de si e da sua própria cultura; conhecer e compreender o outro e a cultura deste; ter acesso a outros conhecimentos e às formas de tratamento desse conhecimento. Em suma, as línguas permitem que o indivíduo desenvolva os valores, as atitudes e as competências necessárias para o seu futuro enquanto cidadão. Introdução à Didáctica do Português Página 7
  8. 8. Instituto Politécnico de Setúbal Escola Superior de Educação Referências bibliográficas • DUARTE, Inês, “A formação em Língua Portuguesa na dupla perspectiva do formando como utilizador e como futuro docente da língua materna” in Inês Sim-Sim (org.), A formação para o Ensino da Língua Portuguesa na Educação Pré-Escolar e no 10º Ciclo do Ensino Básico, Cadernos de Formação de Professores, n.º 2, 2001, pp. 27-34. • SIM-SIM, Inês – Desenvolvimento da Linguagem. Lisboa: Universidade Aberta, 1998. • MATEUS, Maria Helena Mira e VILLALVA, Alina – O Essencial sobre Linguística. Lisboa: Caminho, 2006. Pp. 13-17. • TAVARES, Clara Ferrão – Didáctica do português – Língua materna e não materna – No Ensino Básico. Lisboa: Porto Editora, cop. 2007. • CONSELHO DA EUROPA, coord. de ed. Ministério da Educação, GAERI – Quadro europeu comum de referência para as línguas: aprendizagem, ensino, avaliação. Lisboa: ASA, 2001. • FERRAZ, Maria José – Ensino da Língua Materna. Colecção: O Essencial sobre Língua Portuguesa. Lisboa: Caminho, 2007. Introdução à Didáctica do Português Página 8

×