Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Direito tributário e conceito de tributo

3,607 views

Published on

  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

Direito tributário e conceito de tributo

  1. 1. DIREITO TRIBUTÁRIOE CONCEITO DE TRIBUTO Silvia Zomer
  2. 2. PREMISSASFILOSOFIA DA LINGUAGEM (Neopositivismo lógico) Linguagem - instrumento para descrever a realidade Linguagem - condição de possibilidade da realidadeTEORIA COMUNICACIONAL DO DIREITO Direito é um sistema comunicacional, portanto, linguístico; emissor/receptor/canal/msg/contexto/conexão ideológica. Toda realidade tem uma linguagem Não há direito sem linguagemCONSTRUTIVISMO LÓGICO-SEMÂNTICO Escola que trabalha com a atribuição de sentido às estruturas dos textos jurídicos (DP/CD), a partir de estipulações axiológicas. (método empírico-dialético).
  3. 3. SISTEMAConjunto integrado por elementos que seinter-relacionam mediante regras, em tornode um princípio unificador.  Sistema de referência: Jurídico (DP/CD)  Elementos /repertório - normas jurídicas  Estrutura - conjunto de regras que informa o relacionamento dos elementos Obs.: Ordenamento é sinônimo de Sistema
  4. 4. SISTEMA JURÍDICO Gregório Tárek Robles Moussalem Ordenamento é o conjunto de  Ordenamento é a sequência dos textos brutos DP (NJ está no conjuntos de NJ; visão dinâmica ordenamento porque é dos vários sistemas temporais do DP enunciado prescritivo) Sistema é a organização do DP, promovida pela CD  Sistema é o conjunto estático de (proposição normativa está na normas jurídicas. CD)
  5. 5. DE QUAL SISTEMA FALAMOS? SISTEMA DO DIREITO POSITIVO Sistema estruturado de normas jurídicas válidas (enunciados prescritivos/proposições prescritivas) de um dado país, voltado para a disciplina das relações intersubjetivas, considerando os valores que a sociedade pretenda implementar. altera a realidade (incide sobre as condutas intersubjetivas)
  6. 6. DE QUAL SISTEMA FALAMOS? SISTEMA DA CIÊNCIA DO DIREITO Sistema estruturado de normas jurídicas válidas (enunciados descritivos/proposições descritivas) voltado para o conhecimento do seu objeto: Direito Positivo. não altera a realidade (estuda, compreende, descreve o DP) “Não só o DP tende à forma limite de sistema, como também a Ciência do Direito que o tem por objeto.” DP: Sistema objeto CD: Meta-sistema
  7. 7. DE QUAL SISTEMA FALAMOS? Ciência do Direito (Meta Sistema) Direito Positivo (Sistema Objeto)  Realidade Social      
  8. 8. DIREITO POSITIVO E CIÊNCIA DO DIREITODIREITO LINGUAGE CIÊNCIA DOPOSITIVO M DIREITO LINGUAGEM METALINGUAGEM OBJETO enunciados Paulo de Barros Carvalho enunciados prescritivos descritivos (sujeito cognoscente ) (lei- suporte (doutrina) físico)
  9. 9. DIREITO POSITIVO E CIÊNCIA DO DIREITODIREITO POSITIVO CIÊNCIA DO DIREITOLinguagem objeto MetalinguagemLinguagem prescritiva Linguagem descritivaLinguagem técnica Linguagem científicaObjeto:condutas Objeto: direito positivointersubjetivasLógica deôntica (dever-ser) Lógica alética/clássica (ser)P. da Imputação P. da CausalidadeVálido/Não-válido Verdadeiro/FalsoAdmite contradição Não contradição
  10. 10. DIREITO TRIBUTÁRIODireito tributário é o ramo do Direito PúblicoPositivo que estuda as relações jurídicas entre oFisco e os Contribuintes, concernentes àinstituição, arrecadação e fiscalização de tributos. CRÍTICA Esta definição mescla características do Direito Positivo (ramo do DP) com características da Ciência do Direito (estuda).
  11. 11. DE QUAL DIREITO TRIBUTÁRIO SE FALA? DIREITO TRIBUTÁRIO POSITIVO É o ramo do Direito Positivo formado pelo conjunto de enunciados prescritivos que regulam as condutas relativas à instituição, arrecadação e fiscalização de tributos.  Cria, altera a realidade CIÊNCIA DO DIREITO TRIBUTÁRIO É o ramo da Ciência do Direito formado pelo conjunto de enunciados descritivos de condutas reguladas pelo Direito Positivo, relativas à instituição, arrecadação e fiscalização de tributos.
  12. 12. NORMA JURÍDICA NO DP/CD Normas Jurídicas são elementos do sistema (DP ou CD) DP: caráter prescritivo CD: caráter descritivo DP: imputação (V/N-V) CD: causalidade (V/F) Significação construída pelo intérprete a partir dos enunciados prescritivos do Direito Positivo Juízo hipotético-condicional: D(HC) Expressão linguística (estudada pela semiótica – ciência que estuda os signos)
  13. 13. DIMENSÕES DA SEMIÓTICA SINTÁTICA - estuda a relação dos signos entre si, sob dois ângulos: Formação – os signos se relacionam mediante regras para formar expressões. Ex: HC Derivação – de uma expressão podem derivar-se outras. Ex. N1 N2…(validade)
  14. 14. DIMENSÕES DA SEMIÓTICA SEMÂNTICA – estuda a relação do signo com o seu significado (objeto) Ex. No Direito Positivo a semântica ocupa-se da relação entre a norma jurídica e as condutas por ela reguladas
  15. 15. DIMENSÕES DA SEMIÓTICA PRAGMÁTICA – estuda a relação do signo com os seus usuários ou intérpretes. Ex. A aplicação como resultado da interpretação da norma jurídica: Lei (sentido amplo), sentença judicial, lançamento tributário etc.
  16. 16. TRIÂNGULO SEMIÓTICO significação SIGNOCASA Relação triádicasuporte físico significado
  17. 17. TRIÂNGULO SEMIÓTICO NO DP/CD D HC (HC) norma norma significaçã jurídica significaçã jurídica o o DIREITO CIÊNCIA POSITIV DO O DIREITOsuporte Significado suporte Significado físico (objeto) físico (objeto) enunciados condutas enunciados enunciado prescritivos intersubjetiv descritivos s (Textos de as (textos de prescritivo Lei) doutrina) s do DP
  18. 18. PERCURSO GERADOR DOS SENTIDOS COMO SE CHEGA À SIGNIFICAÇÃO N1 S4- Plano de Sistematização N2 N3 (estrutura organizada) N4 Coordenação/Subordinaçã o S3- Plano Normativo (significação deôntica) D(HC) Ex. Identifica os critérios S2- Plano Proposicional xxx, (significações isoladas) yyy Ex. A alíquota é de 2% S1- Plano de Expressão DIREITO POSITIVO (enunciados prescritivos) Ex. NGA/NIC CIÊNCIA DO DIREITO (enunciados descritivos)FONTE I Aurora T. Cavalho Doutrina
  19. 19. NORMA JURÍDICA CLASSIFICAÇÃOSENTIDO AMPLO SéPSignificação construída a partir de qualquerenunciado prescritivo do direito posto,mesmo sem sentido deôntico completo .Exs.: A alíquota é de 5%. (planos S1 e S2) O Brasil é uma República Federativa
  20. 20. NORMA JURÍDICA CLASSIFICAÇÃOSENTIDO ESTRITO D (HC)Significação construída na forma hipotético-condicional D(HC), a partir de enunciadosprescritivos, com sentido deôntico completo.Ex.: RMIT (planos S3 e S4)
  21. 21. NORMA JURÍDICA CLASSIFICAÇÃOPRIMÁRIA (endonorma)Aquela que prescreve um dever caso se concretize ofato descrito na hipótese normativa (caráter material) D {HR(S1.S2)}Norma primária dispositivaNorma primária sancionadora
  22. 22. NORMA JURÍDICA CLASSIFICAÇÃONORMA PRIMÁRIA DISPOSITIVA Aquela que tipifica, na hipótese, um ato/fato lícito. Caráter material D[H R(S1.S2)]
  23. 23. NORMA JURÍDICA CLASSIFICAÇÃO NORMA PRIMÁRIA SANCIONADORA Aquela que prescreve uma sanção de direito material (administrativa), caso haja descumprimento da norma dispositiva. Ex.: multa pelo não pagamento de tributo. Caráter material D{[HR1(Sa.Sp)] . [(-R1) R2 (Sa.Sp)]}
  24. 24. NORMA JURÍDICA CLASSIFICAÇÃONORMA SECUNDÁRIA (Perinorma) Aquela que descreve, na sua hipótese, o descumprimento da conduta prescrita no consequente da norma primária, instaurando, no seu consequente, uma sanção a ser aplicada pelo Estado-Juiz. Caráter processual D{[H R1(Sa.Sp)] . [(-R1) R3(Sp.Se)]}
  25. 25. NORMA JURÍDICA COMPLETA Primária (D1ª+D2ª) + SecundáriaD{[(H→R1(sa.sp)] . [(-R1 → R2(sa.sp)] v [(-R1vR2→R3(Sp.Se)]} primária dispositiva primária sancionadora secundária material material processual“As duas entidades que, juntas, formam a norma completa, expressam a mensagem deôntico-jurídica na sua integridade constitutiva, significando a orientação da conduta, juntamente com a providência coercitiva que o ordenamento prevêpara seu descumprimento. “ (Paulo de Barros Carvalho)
  26. 26. CLASSIFICAÇÃO DA NORMA JURÍDICA NGA: descreve in abstrato, na sua hipótese, um fato de possível ocorrência (futuro) e, prescreve, no seu consequente, a relação jurídica imputada caso esse fato se concretize. Enunciado conotativo (classes) Ex. RMIT NGC: descreve, na sua hipótese, um acontecimento identificado no tempo e no espaço (pretérito) e, no seu consequente, a conduta autorizada pelo sistema e que deverá ser obedecida por todos (geral). Ex. norma veículo-introdutor.
  27. 27. CLASSIFICAÇÃO DA NORMA JURÍDICA NIC: é aquela que descreve, na sua hipótese, um fato identificado no tempo/espaço (pretérito) e, no seu consequente, prescreve a relação jurídica imputada àquele fato. É um enunciado protocolar denotativo. Ex. Norma de lançamento tributário NIA: é aquela que descreve abstratamente, na sua hipótese, um fato de possível ocorrência (futuro) e, no seu consequente, prescreve a relação jurídica estabelecida, ou seja, individualiza os sujeitos da relação.. Ex. Consulta fiscal
  28. 28. RMIT Norma que estipula a incidência do tributo NGA – estabelece grupos/classes para H e C Norma jurídica em sentido estrito D(HC) Norma de conduta (atinge diretamente a conduta) Norma primária (caráter material) Significação construída a partir de enunciados prescritivos do DP  Ciência do Direito RMIT
  29. 29. COMPOSIÇÃO DA RMIT HIPÓTESE: descreve as características de um fato de possível ocorrência - futuro Critério Material: descreve uma ação/estado Ex. Prestar serviços; ser proprietário de imóvel no Município X Critério Espacial: delimita o local do evento  Pontual: aponta um local específico (repartiçao alfandegária) Regional: áreas específicas (Zona Franca) Territorial: coincide com a vigência territorial (Município)  Universal: extrapola o campo de vigência territorial (renda no exterior) Critério Temporal: permite identificar o momento da
  30. 30. COMPOSIÇÃO DA RMIT CONSEQUENTE: prescreve a relação jurídica imputada àquele fato descrito na Hipótese Critério Pessoal : identifica os sujeitos da relação Sujeito Ativo: direito de exigir o crédito Sujeito passivo: dever de cumprir a obrigação Critério Quantitativo: $ Base de cálculo (NGA)/base calculada(NIC)
  31. 31. TRIBUTO CTN Art. 3º - Tributo é toda prestação pecuniáriacompulsória, em moeda ou cujo valor nela sepossa exprimir, que não constitua sanção deato ilícito, instituída em lei e cobradamediante atividade administrativaplenamente vinculada.
  32. 32. TRIBUTO prestação pecuniária: valor econômico $ compulsória: conduta obrigatória (P,O,V) em moeda: $ (repetição) ou cujo valor nela se possa exprimir: se tem valor econômico, pode ser expresso em $. Nesse sentido: o trabalho Crítica: nem todos os “trabalhos” realizam o conceito de tributo (ex. serviço militar, mesário, jurado)
  33. 33. TRIBUTO que não constitua sanção por ato ilícito: o fato previsto em lei deve lícito (não pode ser sanção, mas pode ser tributada a renda auferida ilicitamente, conforme art. 118, CTN) Art.118. A definição legal do fato gerador é interpretada abstraindo-se: I - da validade jurídica dos atos efetivamente praticados pelos contribuintes, responsáveis, ou terceiros, bem como da natureza do seu objeto ou dos seus efeitos
  34. 34. TRIBUTO instituída em lei: ex lege, para diferençar da ex voluntate. Art. 5°, II, (P. Legalidade e art. 150, I, (P. da Estrita Legalidade), ambos da CF. cobrado mediante atividade administrativa plenamente vinculada: NIC (Lançamento)
  35. 35. ACEPÇÕES DE TRIBUTO COMO QUANTIA EM DINHEIRO Acentua-se o objeto da prestação ou o conteúdo dever jurídico cometido ao sujeito passivo, indicado por uma soma em $. Ex. Art. 166, CTN (restituiçao) COMO PRESTAÇÃO CORRESPONDENTE AO DEVER JURÍDICO DO SUJEITO PASSIVO Enfatiza o comportamento exigido de PF ou PJ. Ex. Art. 3°, CTN (prestação pecuniária compulsória) Sa $ Sp Direito subjetivo Dever jurídico
  36. 36. ACEPÇÕES DE TRIBUTO COMO DIREITO SUBJETIVO DO SUJEITO ATIVO Sa $ Sp Direito subjetivo Dever jurídicoCOMO SINÔNIMO DE RELAÇÃO JURÍDICA TRIBUTÁRIA“Tributo” como a obrigação tributária (relacional) instalada por força da imputação deôntica. Sa $ Sp Direito subjetivo Dever jurídico
  37. 37. ACEPÇÕES DE TRIBUTO COMO NORMA JURÍDICA TRIBUTÁRIA QUE INSTITUI O TRIBUTO – NGA (RMIT) D (HC) COMO NORMA, FATO E RELAÇÃO JURÍDICA QUE ESTUDA O FENÔMENO DA INCIDÊNCIA - NIC D[Fj R(Sa. Sp)]
  38. 38. QUESTÕESa) Quantas normas há nessa lei?b) Identificar todas as normas jurídicas veiculadas nessa lei.c) Qual dessas normas institui tributo?d) Qual dessas normas é estudada pela Ciência do Direito Tributário? Justificar.e) O texto legal, acima transcrito, é Ciência do Direito? Justificar.
  39. 39. QUESTÕES1. Que é norma jurídica? Diferençar texto de lei, enunciado prescritivo e norma jurídica.R. É a significação construída pelo intérprete (norma jurídica – proposição normativa) a partir dos enunciados prescritivos do instrumento normativo (texto de lei).
  40. 40. QUESTÕES2. Que é tributo? Com base na sua definição de tributo, quais dessas hipóteses são consideradas tributos? (i) seguro obrigatório de veículos (tributo - imposto) (ii) multa decorrente do atraso no IPTU (sanção por ato ilícito - não é tributo) (iii) FGTS (tributo/ espécie de poupança compulsória) (iv) estadia e pesagem de veículos em terminal alfandegário (tributo) (v) aluguel de imóvel público (renda proveniente de contrato) (vi) custas judiciais (tributo - taxa) (vii) prestação de serviço eleitoral (tributo/não é tributo) (viii) impostos sobre a renda auferida por meio de atividade ilícita (tributo - imposto)
  41. 41. QUESTÕES Desconto no IPVA é utilização de tributo como sanção? R. Não; é um benefício. O tributo pago com desconto, continua tendo um ato lícito como antecedente da norma que o institui; também a norma que institui o tributo daqueles que não têm direito ao desconto tem como hipótese um fato lícito.
  42. 42. QUESTÕES A progressividade é equiparável à sanção? R. Não, a norma que institui o tributo sujeito àprogressividade continua tendo por hipótese, um fatolícito. Trata-se da mesma norma, porém, sujeita àvariação da alíquota, com fundamento em enunciadoconstitucional (princípio)A lei que institui tal progressividade extrafiscal(IPTU/ITR) não institui o tributo como sanção de atoilícito. O fato jurídico tributário está no âmbito dalicitude (ser proprietário – deve pagar o imposto).
  43. 43. QUESTÕESPrefeitura Municipal de Caxias, Lei Municipal nº 2.809, de 10/10/2002Art. 1º Esta taxa de controle de obras tem como fato gerador a prestação de serviço de conservação de imóveis, por empresa ou profissional autônomo, no território municipal.Art. 2º A base de cálculo dessa taxa é o preço do serviço prestado. § 1º A alíquota é de 5%. § 2º O valor da taxa será calculado sobre o preço deduzido das parcelas correspondentes ao valor dos materiais utilizados na prestação do serviço.Art. 3º Contribuinte é o prestador de serviço.Art. 4º Dá-se a incidência dessa taxa no momento da conclusão efetiva do serviço, devendo, desde logo, ser devidamente destacado o valor na respectiva “NOTA FISCAL DE SERVIÇOS” pelo prestador de serviço.Art. 5º A importância devida a título de taxa deve ser recolhida até o décimo dia útil do mês subseqüente, sob pena de multa de 10% sobre o valor do tributo devido.Art. 6º Diante do fato de serviço prestado sem a emissão da respectiva “NOTA FISCAL DE SERVIÇOS”, a autoridade fiscal competente fica obrigada a lavrar “Auto de Infração e Imposição de Multa”, em decorrência da não-observância dessa obrigação, no valor de 50% do valor da operação efetuada.
  44. 44. QUESTÕES - NORMAS 1ª norma: RMIT (institui o tributo) H - Se (cm) prestar serviço de conservação de imóveis; (ce) no território municipal de Caxias; (ct) no momento da conclusão efetiva do serviço. C – o (sp) prestador do serviço está obrigado a pagar ao (sa), município de Caxias, (al) 5% do (bc). preço do serviço prestado deduzido o valor dos materiais
  45. 45. QUESTÕES - NORMAS 2ª norma: dever instrumental (obrigação de fazer) H - Se (cm), prestar serviço de conservação de imóveis, no (ce) território municipal de Caxias, no (ct) momento da conclusão efetiva do serviço. C – o prestador do serviço (sp) está obrigado a destacar “nota fiscal de serviços”, município de Caxias (sa)
  46. 46. QUESTÕES - NORMAS 3ª Norma: sancionadora pelo não pagamento do tributo H – Se (cm) não pagar a importância devida a título de taxa, em (ce) qualquer lugar, (ct) até o décimo dia útil do mês subsequente C – o (sp) prestador do serviço está obrigado a pagar ao (sa) município de Caxias, 10% (al) do valor devido a título de tributo (bc)
  47. 47. QUESTÕES - NORMAS 4ª norma: sancionadora pelo descumprimento do dever instrumental H – Se (cm) não destacar a “nota fiscal de serviços”, no (ce) território Municipal de Caxias, no (ct) momento da conclusão efetiva do serviço C - o (sp) prestador do serviço está obrigado a pagar ao (sa) município de Caxias (al) 50% do (bc) valor da operação efetuada município de Caxias.
  48. 48. NORMAS 5ª Norma: administrativa H – Se verificar a ausência de destaque da nota fiscal de serviços, no território Municipal de Caxias, no momento da conclusão efetiva do serviço. C – a autoridade fiscal fica obrigada a lavrar AIIM (obrigação de fazer)
  49. 49. NORMAS 6ª Norma: Norma introdutora/norma veículo introdutor H - Dado que a Câmara Municipal de Caxias se reuniu na data tal… (Título da Lei n°….) C – Todos devem obedecer 7ª Norma: Norma introduzida Todas as normas de conteúdo (arts. 1°ao 6°)
  50. 50. QUESTÕESd) Qual dessas normas é estudada pela Ciência do Direito Tributário? Justificar.R. Todas as normas são objeto do estudo da Ciência do Direito, uma vez que o Direito Positivo é linguagem objeto da Ciência do Direito.e) O texto legal, acima transcrito, é Ciência do Direito? Justificar.R. Não, o texto transcrito é Direito Positivo; linguagem objeto da CD (prescritiva, técnica, lógica deôntica/dever-ser, válida)
  51. 51. OBRIGADA SÍLVIA ZOMERs.zomer@uol.com.br

×