Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

Expressão gráfica na infância completo

  • Be the first to comment

Expressão gráfica na infância completo

  1. 1. Expressão GráficanaInfânciaHérica da Siva TeixeiraPedagogiaUlbra - Pólo Franca2013
  2. 2. “As manifestações artísticas, iniciadas nos primeiros anosde vida, podem significar para nossos filhos a diferençaque existe entre indivíduos adaptados e felizes e outrosque, apesar de toda a capacidade, continuam, às vezes,desequilibrados e encontram dificuldades em suas relaçõescom o próprio ambiente” .Vicktor Lowenfeld (1977)
  3. 3. O Desenho InfantilO desenho é um meio que possibilita à criança expressar graficamente seussentimentos, sua compreensão do mundo no qual está inserida, bem comorealizar o seu imaginário. Esta atividade deve ser incentivada pelo adulto, poisé parte integrante do desenvolvimento infantil.Durante sua infância, a criança passa por diversas fases de desenvolvimento,cada qual tendo sua própria característica, e que devem ser observadas peloprofessor para melhor compreensão do aluno.Com base nos estudos de Vicktor Lowenfeld, veremos neste trabalhoexemplos para as fases evolutivas da arte gráfica infantil.
  4. 4. Fase Garatuja. Nesta fase a criança desenha pelo prazer do movimento. O corpo acompanha o movimento do lápis. Segura o lápis de várias formas. O traço é um reflexo de seu comportamento. Está dividida em três etapas: desordenada, ordenada e nominada
  5. 5. Garatuja Desordenada. Esta fase apresenta um traçado espontâneo, movimentos amplos edesordenados, rabisco em várias direções e sentidos.Ana Elisa 1 ano e 4 meses
  6. 6. Garatuja Ordenada. Coordenação viso-motora, começa a controlar o traçado, explorandomovimentos longitudinais e circulares.Helena 1 ano e 8 mesesJoão Ricardo 2 anos
  7. 7. Garatuja Nominada. Começa a se interessar pelas formas, dá nome ao que faz, preocupação emdistribuir melhor os traços no papel.João Ricardo 2 anos e 6 meses“Ventilador”
  8. 8. Fase Pré Esquemática 1. Nesta fase as formas passam a ser mais definidas, identificando uma ideia, emelhor distribuídas no papel.Arthur 4 anos
  9. 9. Fase Pré Esquemática 2. Surgem as figuras humanas, ainda no formato “cabeça-pernas” ou “girinos”.André 4 anos
  10. 10. Fase Pré Esquemática 3. Surgem novos elementos como bonecos, flores, sol, nuvens, etc. A criançacomeça a identificar o desenho como forma de linguagem.Alice 3 anos Mateus Gabriel 5 anos
  11. 11. Fase Pré Esquemática 3Marya Clara 8 anosBrenda 9 anos
  12. 12. Fase Pré Esquemática 3Maria CarolinaAna Clara
  13. 13. Fase Esquemática. Surgimento da “linha base”, sobre a qual as formas começam a se organizar.João Pedro 8 anos
  14. 14. Fase Esquemática. Expressão do cotidiano e dos sentimentos.Júlia 7 anos
  15. 15. Fase Esquemática. Imagens antropomórficas (sol com olhos e boca)Lívia 9 anosGabriela 10 anos
  16. 16. Início do Realismo. Forma e fundo são conquistados, havendo um apuramento da decoraçãocom riqueza de detalhes;. Aparece embrionariamente perspectivas no desenho.Gabrielle 10 anos
  17. 17. ConclusãoA produção gráfica é de grande importância no desenvolvimento infantil,portanto deve ser incentivada através da oferta de variedade de materiaispara possibilitar o enriquecimento desta atividade. Através do desenho acriança se comunica, expressando seus sentimentos, suas impressões domundo que a cerca, desenvolvendo sua criatividade e habilidadespsicomotoras.
  18. 18. Referências• FALCÃO, Leandra Teixeira. A evolução do desenho infantil. Disponível emhttp://www.slideshare.net/leandrafono/a-evoluo-do-desenho. Acesso em 30de mai.2013• MARQUES, Rozimeri Pereira. Arte e educação. Universidade Luterana doBrasil – ULBRA/EAD. Canoas-RS, 2011.• ZOPELARI, Lauri de Freitas Petilli. Desenho: Uma forma de desenvolvimentoinfantil. Faculdade de Educação São Luis, Jaboticabal-SP, 2007. Disponível emhttp://www.portaldosprofessores.ufscar.br/biblioteca/112/artigo_desenho_livre_lauri_2_1_.pdf . Acesso em 30 mai.2013.

×