Successfully reported this slideshow.
We use your LinkedIn profile and activity data to personalize ads and to show you more relevant ads. You can change your ad preferences anytime.

A atmosfera terrestre

1,575 views

Published on

Aula de geografia sobre fatores climáticos, el niño, e atmosfera terrestre

Published in: Education
  • Login to see the comments

A atmosfera terrestre

  1. 1. A atmosfera terrestre Professor: Herbert Miguel www.herbertgaleno.blogspot.com.br www.youtube.com/herbertmiguel Aula 37
  2. 2. Atmosfera - conceito • Atmosfera é uma camada gasosa que envolve um corpo. No caso da atmosfera terrestre é a camada de gases que está envolta do planeta e acompanha todos os seus movimentos, graças à gravidade. Ela tem a função de controlar a temperatura da Terra. • Os gases que compõem a atmosfera terrestre são atraídos pela força da gravidade, portanto regulam a temperatura do planeta e o acompanham em todos os seus movimentos. Além disso, a atmosfera também é responsável por manter possível a vida no planeta, já que protege a superfície contra os raios solares mais nocivos, formando uma barreira contra eles. Fonte: https://www.significadosbr.com.br/atmosfera A Troposfera concentra cerca de 75% do volume de gases presente na atmosfera e a totalidade do vapor d’água existente na terra. Portanto ela fornece água para o desenvolvimento de vida na biosfera. Além de possibilitar a ocorrência de fenômenos meteorológicos. O nitrogênio (78,08%) e o oxigênio (20,95%) ocupam cerca de 99% do volume da atmosfera.
  3. 3. Camadas da atmosfera Troposfesra • A troposfera é a mais baixa camada da atmosfera terrestre, sendo a mais próxima da superfície. Nela se concentra praticamente toda a concentração de água e vapores, além de ¾ dos gases atmosféricos. Por isso é nessa camada que ocorrem os fenômenos climáticos como chuva, vento e neve. Estratosfera • A estratosfera atinge até 50 km acima do nível do mar. Nesta camada está a camada de ozônio, responsável pela proteção da superfície terrestre dos raios nocivos do sol, extremamente nocivos à vida. Existem, no entanto, falhas. O “buraco na camada de ozônio” é uma das principais preocupações da população mundial, já que possibilita o contato cada vez mais próximo dos raios ultravioletas com a Terra.
  4. 4. Camadas da atmosfera Mesosfera • A mesosfera se estende do fim da estratosfera até 80 km acima do nível do mar. Considerada a camada mais fria da atmosfera, sua temperatura pode atingir - 95ºC. Exosfera • conhecida como zona de transição da Terra com o espaço exterior. Ela se inicia a partir do fim da mesosfera e estende-se pelo espaço, por dezenas de milhares de quilômetros. Sua temperatura é elevada e possui densidade baixa, portanto as moléculas e átomos que a compõem formam uma espécie de plasma. É na exosfera que se encontram os “Cinturões de Radiação de Van Allen” A penúltima camada da atmosfera é conhecida como mesosfera, e atinge cerca de 500 quilômetros acima do nível do mar. Pode atingir até 1000ºC de temperatura e é nela que se concentram as grandes quantidades de oxigênio atômico, responsável pela absorção da energia do Sol. O Cinturão de Van Allen é uma região onde ocorrem vários fenômenos atmosféricos devido a concentrações de partículas no campo magnético terrestre.
  5. 5. Outros conceitos Hidrosfera • A hidrosfera corresponde a toda parte líquida contida no planeta. Os oceanos são responsáveis por 97,2% de toda a água, isso significa que cerca de 2/3 da superfície do planeta são cobertos por oceanos. Já as águas continentais possuem um percentual bem inferior, sendo encontradas nos rios, lagos (estado líquido), nas geleiras (estado sólido, que por sinal é a maior reserva de água doce), os aquíferos e lençóis freáticos. Por fim, as águas contidas na atmosfera, que se apresentam em forma de vapor, dão origem às precipitações. Biosfera • Biosfera significa esfera da vida. São as condições ambientais em que se processa a vida animal e vegetal da terra. É a camada do globo terrestre habitada pelos seres vivos. Contém o solo, o ar, a água, a luz, o calor e os alimentos, que fornecem condições necessárias para o desenvolvimento da vida. Calotas de gelo e geleira 2,15% Água na atmosfera 0,001% Água no subsolo 0,62% Águas superficiais (rios, lagos e biomassa) 0,029% Oceanos 97,2% Fonte: http://brasilescola.uol.com.br/geografia/hidrosfera.htm Fonte: http://www.significados.com.br/biosfera/
  6. 6. Camadas da terra Biosfera - formada por elementos encontrados na atmosfera, na litosfera e na hidrosfera: o ar, a água, o solo, o calor, a luz e os alimentos Atmosfera - camada de gases que envolve a terra. Equilibra a temperatura do planeta, contém oxigênio, nitrogênio e gás carbônico Hidrosfera - conjunto de todas as águas do planeta Litosfera - camada sólida (rochas e minerais) Resumindo
  7. 7. Camada de Ozônio - Conceito • A camada de ozônio é uma espécie de capa composta por gás ozônio (O3), sendo responsável por filtrar cerca de 95% dos raios ultravioleta B (UVB) emitidos pelo Sol que atingem a Terra.
  8. 8. A degradação da camada de ozônio é um dos grandes problemas da atualidade. Esse fenômeno é conhecido como "buraco na camada de ozônio", no entanto, não ocorre a formação de buracos e sim a rarefação dessa camada, que fica mais fina, permitindo que uma maior quantidade de raios ultravioleta atinja a Terra. Em determinadas épocas do ano ocorrem reações químicas na atmosfera, tornando a camada de ozônio mais fina, mas logo ela volta a sua forma original. Contudo, as atividades humanas têm agravado esse processo, principalmente através das emissões de substâncias químicas halogenadas artificiais, com destaque para os clorofluorcarbonos (CFCs). Essas substâncias reagem com as moléculas de ozônio estratosférico e contribuem para o seu esgotamento. Em 1987, visando evitar esse desastre, 47 países assinaram um documento chamado Protocolo de Montreal, que passou a vigorar em 1989. Esse Protocolo tem por objetivo reduzir a emissão de substâncias nocivas à camada de ozônio. O resultado tem surtido alguns efeitos positivos, visto que vários países pararam de fabricar o gás clorofluorcarbono (CFC), havendo uma queda de aproximadamente 80% no consumo mundial de CFC. No entanto, essa medida não é suficiente para proteger a camada de ozônio.
  9. 9. Professor de climatologia da USP desmonta temores sobre aquecimento global, CO2 e “camada de ozônio” O Prof. Ricardo Felício, bacharel e mestre em meteorologia pela Universidade de São Paulo (USP) e pelo Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE), doutor em climatologia pela USP “Enfim, a descarbonização é a atitude mais tola que a humanidade está prestes a tomar, pois o carbono não controla o clima da Terra, sendo então uma ação extremamente cara, infrutífera e no final das contas não resultará em nada. Criar-se-á uma burocracia inútil que só reverterá prejuízos para a humanidade como um todo, especificamente para os países que têm mais necessidades de desenvolvimento. Ressalta-se ainda que acreditar que as mãos humanas conseguem controlar os fluxos de massa e energia planetários só pode ser mesmo um ato de fé.” http://ipco.org.br/ipco/professor-de-climatologia-da-usp- desmonta-temores-sobre-aquecimento-global-co2-e-camada- de-ozonio/#.V5udI7grLIU
  10. 10. Os elementos climáticos Aulas 38 e 39
  11. 11. Aspectos gerais do clima Clima é um fator constante, não altera com frequência. As medições do clima são feitas em média a cada 30 anos. É um fator variável das condições atmosféricas, de um determinado lugar a um certo momento estabelecido. O tempo pode alterar a qualquer momento, no mesmo dia e local pode ocorrer varias alterações do tempo como, chuva, sol, frio, calor. Esses fatos ocorrem pela grande dinâmica espacial. Tempo
  12. 12. URA – Umidade relativa do Ar • A umidade relativa é a relação entre a pressão de vapor do ar e a pressão de vapor do ar obtida em condições de equilíbrio ou saturação sobre uma superfície de água líquida ou gelo. O valor da UR varia entre 0 e 1 para condições até a saturação (e acima de 1 para condições supersaturadas) de acordo com a temperatura. Convencionalmente também é denotada em porcentagem. Em outras palavras pode se dizer que umidade relativa do ar é a relação entre a quantidade de água existente no ar (umidade absoluta) e a quantidade máxima que poderia haver na mesma temperatura (ponto de saturação). Ela é um dos indicadores usados na meteorologia para se saber como o tempo se comportará (fazer previsões). Essa umidade presente no ar é decorrente de uma das fases do ciclo hidrológico, o processo de evaporação da água. O vapor de água sobe para a atmosfera e se acumula em forma de nuvens, mas uma parte passa a compor o ar que circula na atmosfera. Quando certo material é exposto a umidade, ele perde ou ganha água para ajustar sua própria umidade a uma condição de equilíbrio com o ambiente. Isso ocorre quando a pressão de vapor da superfície do material se iguala a pressão de vapor de água do ar que o envolve. Fonte: https://pt.wikipedia.org/wiki/Umidade_relativa
  13. 13. O ciclo da água, conhecido cientificamente como o ciclo hidrológico, refere-se à troca contínua de água na hidrosfera, entre a atmosfera, a água do solo, águas superficiais, subterrâneas e das plantas. A ciência que estuda o ciclo hidrológico é a hidrologia.
  14. 14. Tipos de chuva Orográfica: Também conhecida por chuva de relevo, ocorre devido a elevação da massa de ar, devido a presença de alguns obstáculos (serras, chapadas, morros) que atingindo uma altitude mais elevada precipita (áreas a barlavento), se dirigindo ao outro lado de relevo( sotavento), a massa de ar já não possui umidade.
  15. 15. Convectiva: São chuvas em que o ar aquece, evapora, condensa e precipita (movimento vertical do ar). A precipitação normalmente ocorre em locais diferentes do local de evaporação. Essas chuvas são normalmente de baixa intensidade e douradoras. Tipos de chuva
  16. 16. Tipos de chuva Frontal: Esse tipo de chuva ocorre pelo choque de uma massa quente e de uma massa fria, ocasionando chuvas rápidas e intensas.
  17. 17. Tipos de precipitações • Granizo: corresponde a pedras de gelo, tem origem no alto das nuvens do tipo cúmulos, lugar onde a temperatura é muito reduzida. • Neve: esse tipo de precipitação ocorre através da baixa temperatura das nuvens (0ºC) e promove congelamento do vapor de água produzindo, dessa forma, pequenos cristais de gelo. Esse tipo de precipitação ocorre com maior frequência em climas temperados e polares.
  18. 18. Ventos • O vento é um fenômeno meteorológico formado pelo movimento do ar na atmosfera. O vento é gerado através de fenômenos naturais como, por exemplo, os movimentos de rotação e translação do Planeta Terra. • Formação do vento • Existem vários fatores que podem influenciar na formação do vento, fazendo com que este possa ser mais forte (ventania) ou suave (brisa). Pressão atmosférica, radiação solar, umidade do ar e evaporação influenciam diretamente nas características do vento.
  19. 19. Fatores climáticos Aulas 40 e 41
  20. 20. • Latitude: A latitude também influência na formação do clima, no sentido que à medida que aumenta a latitude o clima tende a ficar mais frio, devido à diminuição de incidência dos raios solares. • Altitude: quanto mais alta for à região, o clima estará propício para se tornar mais frio. Esse fato ocorre por que a atmosfera se aquece por irradiação, o calor é transferido da superfície da Terra para cima, quanto mais alto mais rarefeito torna-se o ar, determinando uma diminuição da irradiação. • Continentalidade: O aquecimento e o resfriamento são extremamente rápido, o que determina uma ampla amplitude térmica, pois a umidade diminui. • Maritimidade: O mar funciona como um verdadeiro regulador térmico graças a sua grande capacidade de se aquecer e perder calor muito mais lentamente do que as áreas continentais. Esse fator faz com que as amplitudes térmicas variem pouco. Fatores do clima
  21. 21. • Correntes Marítimas: Determinam aquecimento ou resfriamento das massas de ar e áreas litorâneas. Um exemplo é a corrente do Peru que resfria a massa quente e úmida vinda do pacífico, determinando chuvas no próprio oceano. • Relevo: O relevo de uma região pode conter a passagem de massas úmidas, o que proporciona alterações climáticas significativas na região. • Homem: Um dos principais agentes do clima. Possui o poder de alterar toda a conjuntura climática de uma região. • Pressão Atmosférica: As massas de ar dirigem-se de uma área de alta pressão (anticiclonar) para uma área de baixa pressão (ciclonal) levando consigo aspectos de pressão, umidade e temperatura. Fatores do clima
  22. 22. Elementos do clima • Temperatura; • Umidade; • Precipitação; • Vegetação; • Entre outros.
  23. 23. Uma massa de ar pode ser definida como sendo uma grande porção de ar, de grande espessura, que apresenta uma certa homogeneidade horizontal. Apresenta propriedades físicas quase uniformes ao mesmo nível, principalmente no que concerne à temperatura e umidade. Massas de Ar
  24. 24. Massas de ar no Brasil Massa Equatorial Atlântica( mEa): Origina-se da região do equador, abrange todo litoral do nordeste. Massa quente e úmida. Massa Equatorial Continental(mEc): Origina-se no interior da Amazônia e abrange a própria região norte. Massa quente e úmida. Massa Tropical Atlântica(mTa): Originária da região do tropico de Capricórnio, abrange o litoral Sudeste e Sul. Massa quente e úmida.
  25. 25. Massas de ar no Brasil Massa tropical Continental(mTc): Originária da depressão do Chaco boliviano (pantanal no Brasil). Influência a região central do Brasil. Massa quente e seca. Massa Polar Atlântica(mPa): Originaria da patagônia, influência no clima do Brasil, principalmente no inverno (chuvas frontais no Nordeste e friagem na Amazônia). Massa fria e úmida. Quando a massa de ar fria avança sobre a quente é denominada de frente fria, quando a massa de ar quente avança fazendo com que a massa de ar frio recue é chamado de massa de frente quente. Quando ocorre a parada das massas de ar devido a forte intensidade das duas é chamada de frente estacionária. Frentes
  26. 26. Atuação das massas de ar no Brasil durante o verão
  27. 27. Atuação das massas de ar no Brasil durante o inverno
  28. 28. O El niño e a La niña Professor: Herbert Miguel Blog: www.herbertgaleno.blogspot.com.br www.youtube.com.br/herbertmiguel
  29. 29. Conceitos TSM • Temperatura da Superfície do Mar (TSM) é medida por radiômetros de infravermelho colocados em satélites e por termômetros marítimos colocados em boias espalhadas pelos oceanos. IOS • Índice de Oscilação Sul (IOS) mede as variações de pressão atmosférica, acima e abaixo da média no oceano Pacífico.
  30. 30. El niño • É um fenômeno hidroclimático, produto das anomalias da TSM conjugados com o IOS. A denominação técnica do fenômeno é Enso (El Niño Oscilação Sul), de ocorrência relativamente irregular. O El Niño é um fenômeno climático, de caráter atmosférico-oceânico, em que ocorre o aquecimento fora do normal das águas superficiais e sub-superficiais do Oceano Pacífico Equatorial. As causas deste fenômeno ainda não são bem conhecidas pelos especialistas em clima. Este fenômeno costuma alterar vários fatores climáticos regionais e globais como, por exemplo, índices pluviométricos (em regiões tropicais de latitudes médias), padrões de vento e deslocamento de massas de ar. O período de duração do El Niño varia entre 10 e 18 meses e ele acontece de forma irregular (em intervalos de 2 a 7 anos).
  31. 31. Célula de Walker
  32. 32. El niño La niña
  33. 33. Como foi descoberto???
  34. 34. Não há uma única teoria que defina a origem do El Niño, existindo diversas hipóteses como ciclos solares, erupções vulcânicas, acúmulo sazonal de águas quentes no Oceano Pacífico e quedas de temperatura na Ásia Central. Registros paleoclimáticos, históricos, arqueológicos e relatos de navegadores apontam para a sua ocorrência há mais de 500 anos. Esses apontamentos envolvem mudanças nas forças dos ventos, transformações na quantidade e intensidade de chuvas, secas, enchentes, atividade pesqueira e produção agrícola. O El Niño está relacionado até mesmo à crise agrícola que ajudou na decadência da civilização Maia.
  35. 35. Quais foram as principais consequências do El niño???
  36. 36. O El Niño altera a distribuição de calor e umidade em diversas localidades. Na Oceania, em especial a Austrália, e em algumas ilhas do Pacífico, além de países do Sudeste Asiático, como Indonésia e Índia, os verões normalmente úmidos acabam tendo uma redução na quantidade de chuvas. No litoral da América do Sul e da América do Norte ocorre um aumento das temperaturas e, especialmente nos meses de verão, há também um aumento das chuvas e enchentes. Para as áreas pesqueiras do Pacífico leste, como Peru, Chile e Canadá, o El Niño pode ser dramático, diminuindo consideravelmente a quantidade de peixes de acordo com o nível de aquecimento das águas.
  37. 37. Quando o El niño foi mais forte???
  38. 38. O El Niño mais forte registrado pelos equipamentos meteorológicos modernos foi entre 1982 e 1983, com um aquecimento de aproximadamente 6°C da temperatura do Oceano Pacífico. Seus efeitos foram catastróficos, com perdas econômicas estimadas em oito bilhões de dólares. Apenas as enchentes e tempestades que atingiram os Estados Unidos somaram perdas de dois bilhões de dólares. Enormes secas ocorreram na Indonésia, Austrália, Índia e sudeste da África. A Austrália experimentou diversos incêndios florestais, quebra nas safras agrícolas e a morte de milhões de ovelhas por falta de água. A pesca no Peru resultou em metade dos valores pescados no ano anterior.
  39. 39. Fonte: http://enos.cptec.inpe.br/elnino/pt http://brasilescola.uol.com.br/geografia/el-nino.htm

×