Indicadores de desenvolvimento sustentável ibge 2008

1,032 views

Published on

Published in: Engineering
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,032
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
423
Actions
Shares
0
Downloads
20
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Indicadores de desenvolvimento sustentável ibge 2008

  1. 1. DIRETORIA DE GEOCIÊNCIAS - DGC COORDENAÇÃO DE RECURSOS NATURAIS E ESTUDOS AMBIENTAIS - CRENÇ Gerência de Estudos Ambientais - GEA Indicadores de DesenvolvimentoIndicadores de Desenvolvimento Sustentável IDS I di d A bi t iI di d A bi t iIndicadores AmbientaisIndicadores Ambientais Judicael Clevelario Junior Endereço: Av. República do Chile, 500 - 15º andar Centro - Rio de Janeiro - RJ
  2. 2. Tema Atmosfera 1 - Emissões de origem antrópica dos gases associados ao efeito estufa; 2 Consumo industrial de substâncias destruidoras2 - Consumo industrial de substâncias destruidoras da camada de ozônio; 3 - Concentração de poluentes no ar em áreas urbanas
  3. 3. 1 - Emissões de origem antrópica dos gases associados ao efeito estufa Gráfico 1 - Estimativa dasemissõeslíquidasde origem antrópica de gáscarbônico (CO2), segundo o setor de emissão - Brasil - 1990/1994, 2000/2005 Gg 1 Emissões de origem antrópica dos gases associados ao efeito estufa 1000000 1200000 1400000 1600000 g 200000 400000 600000 800000 0 1990 1994 2000 2005 Mudança no Uso da Terra e Florestas Energia Processos Industriais Gráfico 3 - Estimativas das emissões líquidas de gases de efeito estufa de origem antrópica, por ano e setores de atividade (Gg CO2 eq) - Brasil - 1990/1994, 2000/2005 2000 2005 0 500000 1000000 1500000 2000000 2500000 1990 1994 Energia Processos Industriais Agricultura Mudança no Uso da Terra e Florestas Tratamento de Resíduos
  4. 4. 2 - Consumo industrial de substâncias destruidoras da camada de ozônio2 Consumo industrial de substâncias destruidoras da camada de ozônio Gráfico 4 - Consumo de substâncias destruidoras da camada de ozônio - B il 1992 2008Brasil - 1992 - 2008 12000 Toneladas PDO 8000 10000 2000 4000 6000 2000 1 992 1 993 1 994 1 995 1 996 1 997 1 998 1 999 2 000 2 001 2 002 2 003 2004 2005 2006 2007 2008 CFC's Outras Substâncias (1)
  5. 5. 3 - Concentração de poluentes no ar em áreas urbanas3 Concentração de poluentes no ar em áreas urbanas
  6. 6. Tema Terra 4 - Uso de fertilizantes; 5 - Uso de agrotóxicos; 6 - Terras em uso agrossilvipastoril; 7 - Queimadas e incêndios florestais;7 Queimadas e incêndios florestais; 8 - Desflorestamento na Amazônia Legal; 9 Área remanescente e desflorestamento na Mata Atlântica e9 - Área remanescente e desflorestamento na Mata Atlântica e nas formações vegetais litorâneas; 10 - Área remanescente e desmatamento no Cerrado
  7. 7. 4 - Uso de fertilizantes4 Uso de fertilizantes Gráfico 8 - Quantidade comercializada de fertilizantes por área plantada - Brasil - 1992 - 2008 140 0 160,0 180,0 kg/ha 20,0 40,0 60,0 80,0 100,0 120,0 140,0 0,0 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 Nitrogênio (N) Fósforo (P2O5) Potássio (K2O) Total
  8. 8. 5 - Uso de agrotóxicos5 Uso de agrotóxicos
  9. 9. 6 - Terras em uso agrossilvipastoril6 Terras em uso agrossilvipastoril Gráfico 13 - Proporção das terras em uso agrossilvipastoril dos establelecimentos agropecuários no total da área territorial, segundo o tipo de utilização das terras - Brasil - 1970/2006 30,0 % Gráfico 14 - Proporção das terras em uso com lavouras em relação à superfície territorial do Brasi, por tipo de lavoura - 1992 - 2008 8,00 9,00 % 15,0 20,0 25,0 4,00 5,00 6,00 7,00 5,0 10,0 0,00 1,00 2,00 3,00 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 0,0 1970 1975 1980 1985 1996 2006 Lavouras permanentes (1) Lavouras temporárias (2) Pastagens naturais Pastagens plantadas (3) Matas plantadas Total Total Lavouras temporárias Lavouras permanentes Gráfico 15 - Variação absoluta da área dos estabelecimentos agropecuários na Amazônia Legal, segundo sua utilização (1995-1996/2006) 2.000.000 3.000.000 4.000.000 ha -3.000.000 -2.000.000 -1.000.000 0 1.000.000 a e s a á á s o o o Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins Maranhão Mato Grosso Área de lavouras Área de pastagens naturais Área de pastagens plantadas
  10. 10. 7 - Queimadas e incêndios florestais7 Queimadas e incêndios florestais Gráfico 16 - Número de focos de calor no Brasil, na Amazônia Legal e em Unidades de Conservação e Terras Indígenas - 1998 / 2009ç g 200000 300000 Número de focos 0 100000 1998(1) 1999(2) 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Brasil Amazônia Legal Ucs, Parques e Terras Indígenas
  11. 11. 8 - Desflorestamento da Amazônia Legal8 Desflorestamento da Amazônia Legal Gráfico 17- Desflorestamento bruto anual na Amazônia Legal, em 01.08 - 1991/2009 km² 30.000 40.000 50.000 0 10.000 20.000 Gráfico 19 - Taxas estimadas de desflorestamento bruto anual em relação à área total das Unidades da Federação que formam a Amazônia Legal segundo as Unidades da Federação - 1991/2009Amazônia Legal, segundo as Unidades da Federação - 1991/2009 1,95 2,10 2,25 2,40 % 1,05 1,20 1,35 1,50 1,65 1,80 0 00 0,15 0,30 0,45 0,60 0,75 0,90 0,00 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Amazônia Legal Rondônia Acre Amazonas Roraima Pará Amapá Tocantins Maranhão Mato Grosso
  12. 12. 10 - Área remanescente e desmatamento no Cerrado10 Área remanescente e desmatamento no Cerrado Gráfico 22 - Proporção de área desmatada até o ano de 2002, e entre 2002 e 2008, l ã á i i l d Bi C d d U id d d F d ãem relação a área original do Bioma Cerrado, segundo as Unidades da Federação 90 100 50 60 70 80 % dematamento 2002-2008 10 20 30 40 dematamento até 2002 0 erradototal Rondônia Tocantins Maranhão Piauí Bahia nasGerais SãoPaulo ossodoSul atoGrosso Goiás ritoFederal Paraná Ce Min MatoGro Ma Distr Unidades da F ederação
  13. 13. Tema Biodiversidade 15 - Espécies extintas e ameaçadas de extinção; 16 - Áreas protegidas; 17 - Espécies invasorasp
  14. 14. 16 - Áreas protegidas16 Áreas protegidas Gráfico 39 - Número de unidades de conservação federais, por tipo de uso - Brasil - 1935/2009 300 350 Gráfico 40 - Área das unidades de conservação de proteção integral federais - Brasil - 1992 - 2009 350000 400000 450000 km2 0 50 100 150 200 250 50000 100000 150000 200000 250000 300000 350000 0 1935 1940 1945 1950 1955 1960 1965 1970 1975 1980 1985 1990 1995 2000 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 Proteção integral Uso sustentável Total 0 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009
  15. 15. ÁGUASÁGUAS Tema Água Doce 11 - Qualidade de águas interiores; g Tema Oceanos mares e áreas costeiras 12 - Balneabilidade; Tema Oceanos, mares e áreas costeiras 12 Balneabilidade; 13 - Produção de pescado marítima e continental; 14 - População residente em áreas costeiras
  16. 16. 11 - Qualidade de águas interiores11 Qualidade de águas interiores
  17. 17. 12 - Balneabilidade12 Balneabilidade Gráfico 27 - Percentual de amostras com valores abaixo de 1000 coliformes fecais/100 ml, para praias selecionadas, nas Unidades da Federação do Rio Grande do Norte, São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul - 1992 - 2008 100 % 60 70 80 90 100 30 40 50 60 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 Canasvieira /Florianópolis Itapema Guaratuba Balneário de Camboriú Ponta da Pita / Antonina Encantadas/ Ilha do M el Enseada/Guarujá Toninhas/Ubatuba Gonzaga/Santos Torres (1) Capão da Canoa Balneário do Cassino Pipa Ponta Negra/Natal Redinha/Natal Gráfico 28 - Percentual de amostras com valores abaixo de 1000 coliformes fecais/100 ml, para praias selecionadas, nas Unidades da Federação de Pernambuco, Alagoas, Bahia e Rio de Janeiro - 1992 - 2008de Janeiro - 1992 - 2008 70,0 80,0 90,0 100,0 % 20,0 30,0 40,0 50,0 60,0 , 10,0 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 Grumari Copacabana Flamengo Porto da Barra Farol da Barra Stella M aris Porto de Galinhas Boa Viagem Tamandaré Jatiúca/M aceio Praia do Francês/M aceio Barra de São M iguel
  18. 18. Tema Saneamento 18 Acesso a serviço de coleta de lixo doméstico;18 - Acesso a serviço de coleta de lixo doméstico; 19 Acesso a sistema de abastecimento de água;19 - Acesso a sistema de abastecimento de água; 20 A t t itá i20 - Acesso a esgotamento sanitário
  19. 19. 18 - Acesso a serviço de coleta de lixo doméstico18 Acesso a serviço de coleta de lixo doméstico Gráfico 52 - Percentual de moradores em domicílios particulares permanentes com acesso a coleta de lixo, por situação do domicílio Brasil - 1992/2008 100,0 % 0,0 20,0 40,0 60,0 80,0 1992 1993 1995 1996 1997 1998 1999 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 Urbana Rural
  20. 20. 19 - Acesso a sistema de abastecimento de água19 Acesso a sistema de abastecimento de água Gráfico 53 - Percentual de moradores em domicílios particulares permanentes com abastecimento de água por rede geral, em relação à população total, por situação do domicílio - Brasil - 1992/2008 100,0 % 20,0 40,0 60,0 80,0 0,0 1992 1993 1995 1996 1997 1998 1999 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 Urbana Rural
  21. 21. 20 - Acesso a esgotamento sanitário20 Acesso a esgotamento sanitário Gráfico 54 - Percentual de moradores em domicílios particulares permanentes atendidos por sistema de esgotamento sanitário adequado, em relação à população total, por tipo de esgotamento sanitário e situação do domicílio - Brasil 1992/2008 60,0 70,0 % 10,0 20,0 30,0 40,0 50,0 , 0,0 1992 1993 1995 1996 1997 1998 1999 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 Rede coletora - Urbano Fossa séptica - Urbano Rede coletora - Rural Fossa séptica - Rural

×